No cen­te­ná­rio do fim do con­fli­to, fil­mes e li­vros fa­zem re­fle­xão so­bre o hor­ror.

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - André Cá­ce­res

Com o Ar­mis­tí­cio de Com­pièg­ne, em 11 de no­vem­bro de 1918, en­cer­rou-se a 1.ª Guer­ra Mun­di­al. Co­mo Dal­ton Trum­bo mos­tra em Johnny Vai à Guer­ra (Bi­bli­o­te­ca Azul), es­se con­fli­to co­me­çou “co­mo um fes­ti­val de ve­rão”: “Mi­lhões e mi­lhões sau­da­vam das calçadas en­quan­to al­te­zas im­pe­ri­ais, emi­nên­ci­as, ma­re­chais de cam­po e ou­tros to­los se­me­lhan­tes des­fi­la­vam pe­las ca­pi­tais da Europa à fren­te de su­as re­lu­zen­tes le­giões.” Não tar­dou, po­rém, pa­ra que a ba­na­li­za­ção da mor­te com bom­bas, aviões e me­tra­lha­do­ras cho­cas­se quem es­ta­va acos­tu­ma­do às ba­ta­lhas ro­man­ti­za­das com es­pa­das e bai­o­ne­tas. No cen­te­ná­rio do fim da Gran­de Guer­ra, o lei­tor brasileiro po­de­rá ter con­ta­to com li­vros no­vos e re­e­di­ções que nar­ram es­sa tra­gé­dia hu­ma­na, al­guns de uma pers­pec­ti­va his­tó­ri­ca e ou­tros tra­zen­do o pon­to de vis­ta das trin­chei­ras.

Er­nest He­mingway foi mo­to­ris­ta de am­bu­lân­cia – vi­vên­cia que ins­pi­rou Adeus às Ar­mas –, mas foi fe­ri­do após um ata­que de mor­tei­ro no front italiano e vol­tou pa­ra casa; E. M. Fors­ter ser­viu a Cruz Ver­me­lha no Egi­to, en­tre­vis­tan­do fe­ri­dos pa­ra ob­ter in­for­ma­ções so­bre de­sa­pa­re­ci­dos; T. E. La­wren­ce foi um dos lí­de­res da Re­vol­ta Ára­be con­tra o Im­pé­rio Oto­ma­no, com fei­tos mi­li­ta­res que lhe ren­de­ram a al­cu­nha de La­wren­ce da Ará­bia. Além da par­ti­ci­pa­ção na con­ten­da, es­ses es­cri­to­res têm outro pon­to em co­mum: aco­to­ve­lam-se en­tre os fãs de Sol­da­dos Ra­sos, do aus­tra­li­a­no Fre­de­ric Man­ning (1882-1935) lan­ça­do no Bra­sil pe­la pri­mei­ra vez pe­la Ca­ram­baia.

Du­ran­te e após a guer­ra, sur­giu uma sa­fra de obras saí­das di­re­ta­men­te das trin­chei­ras, co­me­çan­do por Un­der Fi­re, pu­bli­ca­do por Hen­ri Bar­bus­se em 1916, que não se abs­ti­nha de ex­pli­ci­tar o hor­ror e a vi­o­lên­cia fí­si­ca do con­fli­to. Com o ter­mo “shell shock”, cu­nha­do na épo­ca pa­ra des­cre­ver o trans­tor­no de es­tres­se pós-trau­má­ti­co dos sol­da­dos que re­tor­na­vam da guer­ra, as ex­pe­ri­ên­ci­as dos so­bre­vi­ven­tes ga­nha­ram as pá­gi­nas dos li­vros nos anos sub­se­quen­tes. Três Sol­da­dos, de John dos Pas­sos, Na­da de No­vo no Front, de Eri­ch Ma­ria Re­mar­que, e a sé­rie Me­moirs, de Si­eg­fri­ed Sas­so­on, são al­guns exem­plos. O mais ce­le­bra­do li­vro des­sa ce­pa, no en­tan­to, foi Sol­da­dos Ra­sos, na épo­ca lan­ça­do de ma­nei­ra anô­ni­ma – mais tar­de, sua au­to­ria foi “des­mas­ca­ra­da” por T. E. La­wren­ce, que re­co­nhe­ceu a pro­sa de Man­ning. A obra nar­ra a his­tó­ria do sol­da­do ra­so Bour­ne, qua­se um al­ter ego do au­tor. Mesmo sen­do fi­lho do ex-pre­fei­to de Syd­ney e ten­do trân­si­to en­tre nomes co­mo Ez­ra Pound e W.B. Ye­ats, Man­ning foi in­te­gra­do ao 7.º Ba­ta­lhão Re­al de In­fan­ta­ria Le­ve de Sh­ropshi­re e, em 1916, lu­tou às mar­gens do Rio Som­me, na França, on­de J.R.R. Tol­ki­en, tam­bém com­ba­teu – aliás, o ci­ne­as­ta Pe­ter Jack­son, que adap­tou O Se­nhor dos Anéis, di­ri­ge They Shall Not

Grow Old, documentário com ima­gens co­lo­ri­za­das da 1.ª Guer­ra Mun­di­al que vai ao ar pe­la BBC ho­je, no cen­te­ná­rio do ar­mis­tí­cio. Em­bo­ra as ce­nas de ação des­cri­tas em Sol­da­dos

Ra­sos trans­mi­tam uma ve­ra­ci­da­de crua so­men­te al­can­çá­vel pe­lo con­ta­to di­re­to de Man­ning com a car­ni­fi­ci­na, o mais in­te­res­san­te é quan­do ele trans­por­ta o lei­tor pa­ra o in­te­ri­or da ca­be­ça do sol­da­do, pa­ra o “con­fli­to mo­ral e es­pi­ri­tu­al, qua­se so­bre-hu­ma­no em sua ago­nia, den­tro de­le”. Es­ses dra­mas si­len­ci­o­sos são mais im­pac­tan­tes do que qual­quer vi­o­lên­cia fí­si­ca. “Des­de o mo­men­to em que ti­nha se jo­ga­do com o es­co­cês no bu­ra­co de bom­ba, al­gu­ma coi­sa mu­da­ra den­tro de­le; o con­fli­to que tu­mul­tu­a­va seus pen­sa­men­tos apa­ren­te­men­te ti­nha ido em­bo­ra; sua men­te pa­re­cia tê-lo aban­do­na­do, con­train­do-se e en­ri­je­cen­do-se den­tro de­le; o me­do per­ma­ne­ce­ra, um te­mor implacável e in­qui­e­to, mas que tam­bém, co­mo se ti­ves­se si­do ma­lha­do e for­ja­do até um pon­to de sen­si­bi­li­da­de re­quin­ta­do, se tor­na­ra in­dis­tin­guí­vel do ódio.”

No en­tan­to, Sol­da­dos Ra­sos não é um sim­ples li­be­lo ou ma­ni­fes­to an­ti­guer­ra. Seu mé­ri­to é sa­li­en­tar que a ba­ta­lha não era fei­ta de ge­ne­rais, mas de anô­ni­mos que mor­ri­am sem com­pre­en­der exa­ta­men­te o mo­ti­vo de seus sa­cri­fí­ci­os. Quan­do Bour­ne tran­si­ta en­tre os ho­mens e ou­ve su­as la­mú­ri­as, dá voz às mais dis­tin­tas opi­niões em uma po­li­fo­nia. Um sar­gen­to, por exem­plo, questiona os su­bor­di­na­dos: “O que im­por­ta se for mor­to? Um dia vo­cê vai ter de mor­rer. Vo­cê tem a chan­ce de fa­zer al­gu­ma coi­sa nes­sa vi­da, e al­gu­mas ve­zes is­so é tu­do. Al­guns fa­lam so­bre a guer­ra ser um mal­di­to des­per­dí­cio; mas não es­tou mui­to cer­to disso.” Uma cam­po­ne­sa sen­tia “que a guer­ra pa­re­cia tão na­tu­ral e ine­vi­tá­vel qu­an­to uma en­chen­te ou um ter­re­mo­to.” Já um sol­da­do ra­so re­cla­ma so­bre seu su­pe­ri­or: “Ele nos fa­la de li­ber­da­de, de lu­tar por nos­sa pá­tria, por nos­so fu­tu­ro, e as­sim por di­an­te, mas o que eu qu­e­ro sa­ber é por que lu­ta­mos…”

Ca­da ca­pí­tu­lo co­me­ça com uma epí­gra­fe de Sha­kes­pe­a­re, e, as­sim co­mo o Bar­do sempre con­tra­põe o de­se­jo in­di­vi­du­al de seus per­so­na­gens à pres­são so­ci­al das instituições, Man­ning ex­pli­ci­ta o des­com­pas­so en­tre a von­ta­de de so­bre­vi­ver de um sol­da­do e a de­man­da in­sa­ciá­vel da guer­ra por ví­ti­mas. É es­se con­fli­to en­tre o an­seio par­ti­cu­lar e a obri­ga­ção mi­li­tar que as­so­la o pro­ta­go­nis­ta Joe de Johnny Vai à Guer­ra, de Dal­ton Trum­bo. “Vo­cê es­tá sen­do no­bre e de­pois de ser mor­to a coi­sa pe­la qual vo­cê tro­cou a vi­da não vai lhe ser­vir pra na­da”, pen­sa ele, dei­ta­do nu­ma ca­ma de hos­pi­tal sem seus bra­ços e per­nas, sem vi­são, au­di­ção ou fa­la.

Ab­di­can­do das vír­gu­las em prol de uma pro­sa fre­né­ti­ca, Trum­bo ver­ba­li­za es­sa de­sar­mo­nia en­tre in­di­ví­duo e so­ci­e­da­de no flu­xo de cons­ci­ên­cia de Joe: “Es­sa não era uma guer­ra pa­ra vo­cê. Vo­cê não ti­nha na­da a ver com is­so. O que é que lhe im­por­ta tor­nar o mun­do um lu­gar se­gu­ro pa­ra a de­mo­cra­cia? Tu­do o que vo­cê que­ria Joe era vi­ver. Vo­cê nas­ceu e cres­ceu na boa e sau­dá­vel ter­ra do Co­lo­ra­do e ti­nha tan­to a ver com a Ale­ma­nha ou a In­gla­ter­ra ou a França ou mesmo com Washing­ton D. C. co­mo com o ho­mem na lua.”

A me­ca­ni­za­ção da mor­te é ilus­tra­da com iro­nia fi­na por Trum­bo ao ci­tar o dis­cur­so de um pro­fes­sor de Joe an­tes da guer­ra: “O avião dis­se o sr. Har­gra­ves iria re­du­zir as dis­tân­ci­as en­tre as na­ções e po­vos. O avião se­ria um gran­di­o­so ins­tru­men­to pa­ra fa­zer as pes­so­as com­pre­en­de­rem umas às outras e ama­rem umas às outras. O avião dis­se o sr. Har­gra­ves es­ta­va anun­ci­an­do uma no­va era de paz e pros­pe­ri­da­de e en­ten­di­men­to mú­tuo.” Na verdade, o avião foi uma fer­ra­men­ta de mor­te e des­trui­ção na Gran­de Guer­ra, per­ce­be Joe, cu­jo cor­po vai sen­do tra­ga­do em uma len­ta ago­nia. O li­vro deu ori­gem ao filme homô­ni­mo de 1971, di­ri­gi­do pe­lo pró­prio Trum­bo.

As­sim co­mo Fre­de­ric Man­ning e Dal­ton Trum­bo, o hún­ga­ro An­dre­as Latz­ko mantém sua nar­ra­ti­va ao rés do chão no li­vro Ho­mens em Guer­ra, pu­bli­ca­do em 1927 e lan­ça­do no Bra­sil pe­la Ca­ram­baia em 2015. Di­fe­ren­te da li­te­ra­tu­ra de guer­ra que vi­go­ra­va até o sé­cu­lo 19, de Stendhal a Tols­toi, re­tra­tan­do os sa­lões da no­bre­za, os ge­ne­rais e as in­tri­gas po­lí­ti­cas e pa­la­ci­a­nas, Latz­ko dá voz aos mal­tra­pi­lhos que de fa­to fa­zem a guer­ra acon­te­cer. Os seis con­tos que in­te­gram Ho­mens em Guer­ra abor­dam o co­ti­di­a­no dos sol­da­dos e a ma­ni­pu­la­ção de in­for­ma­ções do front que che­gam aos ci­vis, mas têm um en­fo­que no drama dos fe­ri­dos e no re­tor­no pa­ra casa dos des­va­li­dos que não se sen­tem per­ten­cen­tes à so­ci­e­da­de de­pois da car­ni­fi­ci­na.

Ou­tros lan­ça­men­tos abor­dam a guer­ra por ân­gu­los que não são o dos com­ba­ten­tes. Três ve­zes in­di­ca­da ao Man Bo­o­ker Pri­ze, Sa­rah Wa­ters am­bi­en­tou seu li­vro mais re­cen­te, Os Hós­pe­des (Roc­co), nos anos 1920, com uma pro­ta­go­nis­ta que ain­da la­men­ta a mor­te de seus ir­mãos no con­fli­to, e mos­tra as con­sequên­ci­as pa­ra quem es­te­ve in­di­re­ta­men­te li­ga­do ao even­to nos anos que o se­gui­ram. Já os his­to­ri­a­do­res Da­ni­el Schönp­flug e Ni­all Fer­gu­son tam­bém têm li­vros che­gan­do às pra­te­lei­ras no cen­te­ná­rio do ar­mis­tí­cio: res­pec­ti­va­men­te, o iné­di­to A Era do Co­me­ta (To­da­via) e O Hor­ror da

Guer­ra, re­e­di­ta­do pe­lo se­lo Crítica, da Pla­ne­ta. Pas­sa­dos cem anos do con­fron­to que mu­dou o jei­to de se fa­zer guer­ra pa­ra sempre, o mun­do ain­da tem o que re­fle­tir com o pe­río­do, es­pe­ci­al­men­te após tan­tos con­fli­tos que acon­te­ce­ram e ain­da ocor­rem des­de en­tão. “Nin­guém além dos mor­tos sa­be se va­le mesmo a pe­na mor­rer por to­das es­sas coisas”, es­cre­ve Trum­bo. “Al­guém lhe deu um ta­pi­nha no om­bro e dis­se ve­nha co­mi­go ga­ro­to vo­cê vai pa­ra a guer­ra. E vo­cê foi. Mas por quê?”, re­fle­te Joe em seu lei­to no hos­pi­tal. A per­gun­ta que não quer ca­lar nos si­len­cia há um sé­cu­lo.

No cen­te­ná­rio do ar­mis­tí­cio que deu fim à 1.ª Guer­ra Mun­di­al, fil­mes e li­vros re­cri­am vi­da nas trin­chei­ras e ava­li­am im­pac­to no ce­ná­rio glo­bal

BBC

Em co­res. Ima­gens da 1.ª Guer­ra co­lo­ri­za­das por Pe­ter Jack­son em documentário

TEN. JOHN WARWICK BROOKE/IM­PE­RI­AL WAR MUSEUMS

OROVÍDEO

Ar­mas. Trin­chei­ras na França (aci­ma); e Ti­mothy Bot­toms em ce­na de ‘Johnny Vai à Guer­ra’ (E)

SOL­DA­DOS RA­SOSAu­tor:Fre­de­ric Man­ning Tra­du­ção: Fal Aze­ve­do Edi­to­ra:Ca­ram­baia 480 pá­gi­nas R$ 89,90

JOHNNY VAI À GUER­RAAu­tor: Dal­ton Trum­bo Tra­du­ção:José Ge­ral­do Cou­to Edi­to­ra:Bi­bli­o­te­ca Azul 232 pá­gi­nas 44,90

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.