No­vo pa­ta­mar pa­ra o agro­ne­gó­cio

O Estado de S. Paulo - - Espaço aberto - •✽ SER­GIO AMA­RAL

OB­ra­sil vi­veu nas úl­ti­mas dé­ca­das uma ver­da­dei­ra re­vo­lu­ção agrí­co­la. Pa­ra ser mais preciso, uma re­vo­lu­ção no agro­ne­gó­cio, que vai além da agri­cul­tu­ra e da pe­cuá­ria, pa­ra in­cluir os ser­vi­ços e a in­dús­tria que es­ti­ve­ram as­so­ci­a­dos com a pros­pe­ri­da­de no cam­po.

Tu­do co­me­çou com a ex­pan­são da agri­cul­tu­ra no Cer­ra­do, em par­ce­ria com o Ja­pão. Na sequência, uni­ver­si­da­des e cen­tros de pes­qui­sa bra­si­lei­ros de­ram va­li­o­sa con­tri­bui­ção ao de­sen­vol­vi­men­to de uma cul­tu­ra de zo­na tro­pi­cal las­tre­a­da na ci­ên­cia. Na­da disso, no en­tan­to, te­ria si­do pos­sí­vel sem a liderança em­pre­sa­ri­al no agro­ne­gó­cio.

O au­men­to da pro­du­ti­vi­da­de e da com­pe­ti­ti­vi­da­de en­con­trou eco na ex­pan­são sem pre­ce­den­tes da de­man­da in­ter­na­ci­o­nal, par­ti­cu­lar­men­te du­ran­te o “bo­om das com­mo­di­ti­es”, no qual a Chi­na te­ve par­ti­ci­pa­ção pre­pon­de­ran­te.

Os re­sul­ta­dos fo­ram ex­pres­si­vos. Va­le ci­tar o sal­to na pro­du­ção de grãos, que pas­sou de 85 mi­lhões de to­ne­la­das em 2000 pa­ra 228 mi­lhões em 2018. O agro­ne­gó­cio re­pre­sen­ta ho­je 45% das ex­por­ta­ções e 24% do pro­du­to na­ci­o­nal.

Qual o ce­ná­rio pa­ra os pró­xi­mos anos? Do lado da ofer­ta, o Bra­sil já de­mons­trou ser capaz de pro­du­zir e ex­por­tar mais sem ex­pan­dir a área cul­ti­va­da, ain­da que exis­tam gran­des ex­ten­sões de ter­ra dis­po­ní­veis. Os en­ten­di­men­tos a que che­ga­ram agri­cul­to­res e am­bi­en­ta­lis­tas evi­den­ci­a­ram que é pos­sí­vel in­cre­men­tar as sa­fras e mul­ti­pli­car as ca­be­ças de ga­do sem de­gra­dar o meio am­bi­en­te, con­di­ção pa­ra as­se­gu­rar o aces­so dos pro­du­tos bra­si­lei­ros aos mer­ca­dos mais exi­gen­tes.

Do lado da de­man­da, no en­tan­to, pre­va­le­cem si­nais de de­clí­nio nas ta­xas de cres­ci­men­to. O fra­cas­so da Ro­da­da Doha frus­trou a ex­pec­ta­ti­va de li­be­ra­li­za­ção do co­mér­cio agrí­co­la. Ade­mais, o Bra­sil co­lo­cou to­das as fi­chas na Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Co­mér­cio (OMC), em de­tri­men­to dos acor­dos bi­la­te­rais ou re­gi­o­nais de co­mér­cio, que só re­cen­te­men­te fo­ram re­to­ma­dos e que a mai­o­ria de nos­sos par­cei­ros co­mer­ci­ais já ha­via con­cluí­do.

O im­pac­to so­bre o Bra­sil da guer­ra co­mer­ci­al em cur­so ain­da é in­cer­to. To­me­mos o ca­so da so­ja. Se os chi­ne­ses ele­va­rem a ta­ri­fa de im­por­ta­ção pa­ra a so­ja ame­ri­ca­na, o Bra­sil po­de­rá ga­nhar fa­ti­as adi­ci­o­nais no mer­ca­do chi­nês. En­tre­tan­to, na hi­pó­te­se de um en­ten­di­men­to que in­du­za os chi­ne­ses a com­prar mais so­ja dos Es­ta­dos Uni­dos, o Bra­sil per­de­rá mer­ca­do na Chi­na.

De qual­quer mo­do, a no­va on­da pro­te­ci­o­nis­ta ali­men­ta a in­cer­te­za e o re­trai­men­to dos mer­ca­dos, com pos­sí­veis efei­tos so­bre as ex­por­ta­ções bra­si­lei­ras.

Em médio pra­zo, po­rém, as pers­pec­ti­vas da de­man­da por pro­du­tos agrí­co­las são pro­mis­so­ras. Es­tu­do re­a­li­za­do con­jun­ta­men­te pe­la Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das pa­ra Ali­men­ta­ção e Agri­cul­tu­ra (FAO) e pe­la Or­ga­ni­za­ção pa­ra a Co­o­pe­ra­ção e De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co (OCDE) pro­je­ta um au­men­to da de­man­da por ali­men­tos da or­dem de 50% en­tre 2012 e 2050. Se­gun­do a mesma pes­qui­sa, o cres­ci­men­to da de­man­da vi­ria pre­do­mi­nan­te­men­te do Su­des­te Asiá­ti­co e da Áfri­ca Sub­sa­a­ri­a­na e po­de­ria ser aten­di­do em boa me­di­da pe­lo Bra­sil. O es­tu­do des­ta­ca tam­bém que par­ce­la do au­men­to do con­su­mo de­ve­rá ser su­pri­da por au­men­to da pro­du­ção pró­pria nes­sas du­as re­giões.

A se con­fir­ma­rem os prog­nós­ti­cos da OCDE-FAO, o agro­ne­gó­cio brasileiro de­ve­rá pre­pa­rar-se pa­ra ex­pan­dir sua pro­du­ção e aten­der ao au­men­to da de­man­de por ali­men­tos, mesmo se não lo­grar­mos con­cluir no­vos acor­dos pa­ra aber­tu­ra de mer­ca­dos, hi­pó­te­se mui­to im­pro­vá­vel.

Mas ex­por­tar não bas­ta. É preciso ter pre­sen­te que o Bra­sil de­sen­vol­veu, de mo­do autô­no­mo, uma tec­no­lo­gia e um know-how pró­pri­os pa­ra a agri­cul­tu­ra de zo­na tro­pi­cal. Eles nos con­fe­rem van­ta­gem com­pa­ra­ti­va pa­ra ex­por­tar, mas po­dem re­pre­sen­tar igual­men­te uma fon­te adi­ci­o­nal de ren­di­men­tos pa­ra o País, pa­ra as em­pre­sas de pes­qui­sa e pa­ra os em­pre­sá­ri­os do agro­ne­gó­cio. Nós te­mos bo­as opor­tu­ni­da­des pa­ra pro­mo­ver a trans­fe­rên­cia de tec­no­lo­gia e a pres­ta­ção de ser­vi­ços, de mo­do re­mu­ne­ra­do, e pa­ra ex­pan­dir in­ves­ti­men­tos no ex­te­ri­or, que, por sua vez, abri­ri­am no­vos mer­ca­dos pa­ra ex­por­ta­ção, tan­to de ali­men­tos qu­an­to de equi­pa­men­tos.

Te­mos, as­sim, pe­la fren­te um di­le­ma en­tre ser­mos o es­pec­ta­do­res pas­si­vos de uma re­vo­lu­ção agrí­co­la que vá­ri­os paí­ses co­me­çam a pro­mo­ver ou par­ti­ci­par­mos des­sa re­vo­lu­ção, bus­can­do re­ti­rar mais va­lor de uma tec­no­lo­gia que de­sen­vol­ve­mos, me­di­an­te in­ves­ti­men­tos, par­ce­ri­as e aber­tu­ra de no­vos mer­ca­dos, a co­me­çar por uma re­gião, a Áfri­ca, com a qual te­mos uma co­o­pe­ra­ção tra­di­ci­o­nal, que po­de­mos am­pli­ar me­di­an­te um in­ter­câm­bio mais só­li­do e du­ra­dou­ro. Ca­be ano­tar que a Áfri­ca Sub­sa­a­ri­a­na re­gis­trou en­tre 2007 e 2017 uma ta­xa de cres­ci­men­to (77%) subs­tan­ci­al­men­te mais al­ta que a da Amé­ri­ca La­ti­na (51%).

Por fim, o fo­co nos in­ves­ti­men­tos, as­sim co­mo nas par­ce­ri­as em­pre­sa­ri­ais e tec­no­ló­gi­cas, abre uma ave­ni­da pro­mis­so­ra pa­ra o agro­ne­gó­cio gal­gar um no­vo pa­ta­mar em sua ro­ta de in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção.

Es­sa ca­mi­nha­da po­de­rá le­var al­gum tem­po e, so­bre­tu­do, de­man­dar a re­du­ção dos cus­tos pa­ra pro­du­zir e pa­ra trans­por­tar o que, de qual­quer mo­do, se­ria ne­ces­sá­rio. De­ve­rá exi­gir igual­men­te mai­or ar­ti­cu­la­ção en­tre os vá­ri­os ato­res, no go­ver­no e no se­tor pri­va­do, em tor­no de um ob­je­ti­vo co­mum, o de am­pli­ar a ex­por­ta­ção de bens e ser­vi­ços com mai­or va­lor agre­ga­do.

A Áfri­ca, por sua vez, já per­ce­beu os be­ne­fí­ci­os mú­tu­os de uma no­va vi­são do in­ter­cam­bio com o Bra­sil, não ape­nas ins­pi­ra­do na nos­tal­gia do pas­sa­do, mas tam­bém nas re­a­li­da­des do pre­sen­te e nas opor­tu­ni­da­des do fu­tu­ro. Num se­mi­ná­rio em São Pau­lo, o mi­nis­tro da Eco­no­mia de um im­por­tan­te país africano, re­fe­rin­do-se às re­la­ções com o Bra­sil, dei­xou cla­ra sua ex­pec­ta­ti­va: “Afri­ca does not ne­ed com­pas­si­on, it ne­eds in­vest­ments”.

Abre-se uma ave­ni­da pro­mis­so­ra pa­ra o se­tor na sua ro­ta de in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção

EM­BAI­XA­DOR DO BRA­SIL EM WASHING­TON, FOI MI­NIS­TRO DA IN­DÚS­TRIA E DO CO­MÉR­CIO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.