Bol­so­na­ro, Trump e o lu­lis­mo com si­nal tro­ca­do

O Estado de S. Paulo - - Espaço aberto - •✽ ROLF KUNTZ

Os mai­o­res acer­tos do pre­si­den­te elei­to, até ago­ra, fo­ram as de­ci­sões de re­cuo. Ele acer­tou, por exem­plo, ao aban­do­nar a cho­can­te e ver­go­nho­sa ideia de jun­tar os Mi­nis­té­ri­os do Meio Am­bi­en­te e da Agri­cul­tu­ra. Tam­bém es­ca­pou de uma gros­sa bo­ba­gem ao de­sis­tir de su­bor­di­nar a Con­tro­la­do­ri­aGe­ral da União ao no­vo Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça. Mos­trou dis­po­si­ção pa­ra aten­der ao bom sen­so, pe­lo me­nos de vez em quan­do, e is­so va­le al­guns pon­tos em sua co­lu­na de cré­di­tos. Mas pre­ci­sa­rá de um des­vio mai­or se qui­ser es­ca­par da mais pe­ri­go­sa ar­ma­di­lha. O mai­or ris­co pa­ra o no­vo go­ver­no, e prin­ci­pal­men­te pa­ra o Bra­sil, ain­da é a ten­ta­ção de cri­ar uma ver­são tro­pi­cal do trum­pis­mo, num es­for­ço gro­tes­co, e cer­ta­men­te mui­to cus­to­so, pa­ra exor­ci­zar o lu­lis­mo. Es­sa ten­ta­ção tem si­do es­pe­ci­al­men­te vi­sí­vel nas ma­ni­fes­ta­ções so­bre po­lí­ti­ca ex­ter­na. O fu­tu­ro pre­si­den­te, Jair Bol­so­na­ro, pa­re­ce ter per­ce­bi­do o er­ro de al­guns lan­ces, mas os mo­ti­vos de pre­o­cu­pa­ção per­ma­ne­cem.

Ele já ad­mi­tiu, em­bo­ra sem com­pro­mis­so, re­e­xa­mi­nar a ideia de trans­fe­rir pa­ra Je­ru­sa­lém a em­bai­xa­da em Is­ra­el. O qua­se re­cuo ocor­reu de­pois da re­a­ção de go­ver­nos fa­vo­rá­veis aos pa­les­ti­nos. No pro­tes­to mais du­ro, au­to­ri­da­des do Egi­to sus­pen­de­ram a vi­si­ta de uma mis­são co­mer­ci­al bra­si­lei­ra. Se hou­ve sur­pre­sa pa­ra o elei­to e sua equi­pe, só po­de ter si­do por­que o as­sun­to nun­ca foi dis­cu­ti­do, pe­lo me­nos com um mí­ni­mo de se­ri­e­da­de e de com­pe­tên­cia. O fu­tu­ro pre­si­den­te pa­re­ce de­sas­sis­ti­do em ma­té­ria di­plo­má­ti­ca ou, pi­or, acon­se­lha­do por al­guém capaz de enor­mes cre­ti­ni­ces. Pa­ra fi­car ape­nas no mais pro­sai­co: paí­ses mu­çul­ma­nos es­tão en­tre os mai­o­res im­por­ta­do­res de aves e de ou­tros pro­du­tos da agro­pe­cuá­ria bra­si­lei­ra. Nin­guém da equi­pe sa­bia disso?

Outra bo­ba­gem mo­nu­men­tal foi a ma­ni­fes­ta­ção de des­pre­zo ao Mer­co­sul, ex­pli­ci­ta­da em pri­mei­ro lu­gar pe­lo fu­tu­ro mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gu­e­des, mas com apoio mui­to pro­vá­vel de seu lí­der. O Mer­co­sul foi se­ri­a­men­te pre­ju­di­ca­do pe­las bes­tei­ras com­bi­na­das do pe­tis­mo e do kir­ch­ne­ris­mo. Con­ti­nua lon­ge de seus objetivos prin­ci­pais, uma am­pla ar­ti­cu­la­ção econô­mi­ca e so­ci­al dos paí­ses-mem­bros e a in­te­gra­ção do blo­co nos mer­ca­dos glo­bais. Nem o co­mér­cio in­tra­blo­co tem si­do de fa­to li­vre. Mas a re­cu­pe­ra­ção é pos­sí­vel se os go­ver­nos brasileiro e ar­gen­ti­no se em­pe­nha­rem.

Além do mais, co­mo tra­tar o Mer­co­sul co­mo as­sun­to se­cun­dá­rio quan­do con­ti­nua na pau­ta a con­clu­são do acor­do com a União Eu­ro­peia? En­fim, um de­ta­lhe sim­ples e in­con­tor­ná­vel quan­do há um mí­ni­mo de de­cên­cia: o blo­co é uma união adu­a­nei­ra e ne­nhum de seus mem­bros po­de ce­le­brar acor­dos de li­vre-co­mér­cio sem a par­ti­ci­pa­ção do con­jun­to. Nin­guém te­rá con­ta­do es­ses fa­tos ao pes­so­al do fu­tu­ro go­ver­no?

O Chi­le de­ve ser o des­ti­no da pri­mei­ra vi­si­ta in­ter­na­ci­o­nal de­pois da pos­se, de acor­do com as in­for­ma­ções di­vul­ga­das até ago­ra. Se­rá, se­gun­do se anun­ci­ou, um ges­to de re­co­nhe­ci­men­to ao pre­si­den­te Se­bas­tián Piñe­ra, o pri­mei­ro go­ver­nan­te a cum­pri­men­tar Bol­so­na­ro pe­la vi­tó­ria. É uma boa jus­ti­fi­ca­ti­va, mas a de­ci­são foi in­ter­pre­ta­da na vi­zi­nhan­ça co­mo si­nal de me­nos­pre­zo ao Mer­co­sul. Se­rá es­sa a ima­gem de­se­ja­da pe­lo fu­tu­ro pre­si­den­te? Ele es­ta­rá or­gu­lho­so por ter si­do sau­da­do por au­xi­li­a­res de Do­nald Trump co­mo um ali­a­do da po­lí­ti­ca da Casa Bran­ca?

Ao co­men­tar seu con­ta­to com Bol­so­na­ro, pou­co de­pois da eleição, o pre­si­den­te ame­ri­ca­no men­ci­o­nou a ex­pec­ta­ti­va de ver Bra­sil e Es­ta­dos Uni­dos “tra­ba­lhan­do juntos em co­mér­cio, as­sun­tos mi­li­ta­res e tu­do mais”. Na área co­mer­ci­al, a po­lí­ti­ca de Trump já re­sul­tou em bar­rei­ras ao aço e ao alu­mí­nio ex­por­ta­dos pe­lo Bra­sil.

A im­po­si­ção de bar­rei­ras po­de ser par­te de uma po­lí­ti­ca nor­mal, den­tro dos pa­drões in­ter­na­ci­o­nais. O go­ver­no brasileiro tem fei­to is­so em mui­tas oca­siões. Mas pa­drões in­ter­na­ci­o­nais têm pou­ca im­por­tân­cia, atu­al­men­te, pa­ra a Casa Bran­ca, e as ações pro­te­ci­o­nis­tas de Do­nald Trump têm atro­pe­la­do com frequên­cia as nor­mas da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Co­mér­cio (OMC).

Este é um pon­to fun­da­men­tal: o go­ver­no Bol­so­na­ro se­rá um de­fen­sor de uma or­dem glo­bal fun­da­da em re­gras mul­ti­la­te­rais – e, por­tan­to, ci­vi­li­za­das – ou acei­ta­rá o jogo da tru­cu­lên­cia e da im­po­si­ção, ca­rac­te­rís­ti­co do trum­pis­mo?

Se o pre­si­den­te es­ti­ver mesmo dis­pos­to, co­mo anun­ci­ou, a no­me­ar um pro­fis­si­o­nal pa­ra che­fi­ar a di­plo­ma­cia, o ca­mi­nho es­co­lhi­do se­rá pro­va­vel­men­te o ci­vi­li­za­do. Po­de­rá ser, tam­bém, o mais com­pa­tí­vel com o interesse na­ci­o­nal.

Não es­tá cla­ro, no en­tan­to, co­mo ele per­ce­be o interesse brasileiro e a sua ar­ti­cu­la­ção com a or­dem glo­bal. Es­sa or­dem tem vá­ri­as di­men­sões e a econô­mi­ca é uma das mais importantes pa­ra a ro­ti­na di­plo­má­ti­ca. O pre­si­den­te elei­to pa­re­ce haver ig­no­ra­do es­sa di­men­são ao cri­ar, em pou­cos di­as, atri­tos com a Chi­na, os paí­ses mu­çul­ma­nos e os par­cei­ros do Mer­co­sul.

Es­ses tro­pe­ços são atri­buí­veis, em boa par­te, ao des­pre­pa­ro de con­se­lhei­ros de Bol­so­na­ro. Mas cer­ta­men­te há mais que is­so. A ten­ta­ção trum­pis­ta é evi­den­te nas bo­ba­gens di­tas so­bre edu­ca­ção e no apoio ao pro­je­to de lei da Es­co­la sem Par­ti­do. Es­se pro­je­to, com lin­gua­gem até con­ti­da, é um pas­so in­dis­far­çá­vel na di­re­ção da cen­su­ra e do cer­co po­li­ci­a­les­co a es­co­las e pro­fes­so­res. A mesma ten­ta­ção fi­cou pa­ten­te na ameaça de pri­var mei­os de co­mu­ni­ca­ção, por de­ci­são po­lí­ti­ca, de pro­pa­gan­da ofi­ci­al. Bol­so­na­ro te­rá jul­ga­do acei­tá­vel a tru­cu­lên­cia de Trump – mais uma en­tre mui­tas – na dis­cus­são re­cen­te com um re­pór­ter da CNN na Casa Bran­ca?

Na di­plo­ma­cia com lai­vos trum­pis­tas, na po­li­ti­za­ção das ver­bas de pro­pa­gan­da e tam­bém na vi­são ide­o­ló­gi­ca do en­si­no, o pre­si­den­te elei­to re­pli­ca os ví­ci­os do PT, mul­ti­pli­can­do­os, po­rém, por me­nos um. Is­so ape­nas tro­ca o si­nal. Bar­ba­ri­da­des com si­nal tro­ca­do po­dem ser tão gra­ves qu­an­to as do lado opos­to. A se­me­lhan­ça en­tre Lu­la e Trump já ha­via si­do apon­ta­da. Bol­so­na­ro te­rá no­ta­do o pa­ren­tes­co?

A bar­ba­ri­da­de com si­nal in­ver­ti­do po­de ser tão gra­ve qu­an­to a es­tu­pi­dez opos­ta

✽ JOR­NA­LIS­TA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.