Re­po­si­ção de per­das?

O Estado de S. Paulo - - Espaço aberto -

Não po­de­ria ser mais ino­por­tu­no o re­a­jus­te de 16,38% no sa­lá­rio dos mi­nis­tros do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), que já re­ce­bem mais de 30 ve­zes o va­lor do sa­lá­rio mí­ni­mo, com que a mai­o­ria es­ma­ga­do­ra dos bra­si­lei­ros é obri­ga­da a so­bre­vi­ver. A ale­ga­ção de que se tra­ta “ape­nas” de re­por per­das de po­der aqui­si­ti­vo é uma ofen­sa ao ci­da­dão co­mum, que vi­ve com uma fra­ção do va­lor do tal re­a­jus­te de R$ 5.530,32. Es­se au­men­to im­pli­ca, na prá­ti­ca, re­a­jus­tar to­do o fun­ci­o­na­lis­mo pú­bli­co, eli­te que per­ce­be os mai­o­res sa­lá­ri­os do Bra­sil e não cor­re o ris­co de per­der o em­pre­go, co­mo os mais de 13 mi­lhões que ho­je não têm sa­lá­rio! Mais que o dis­cur­so so­bre a ne­ces­si­da­de de pre­ser­var a de­mo­cra­cia, este é o mo­men­to de pre­ser­var os valores éti­cos e de o STF dar sua con­tri­bui­ção ao es­for­ço pa­ra di­mi­nuir o dé­fi­cit fis­cal e, prin­ci­pal­men­te, re­du­zir as de­si­gual­da­des e, as­sim, se re­co­nec­tar com a ci­da­da­nia. Afi­nal, com um sa­lá­rio de R$ 33.763 não me pa­re­ce que um ci­da­dão pas­se ne­ces­si­da­des. Es­se re­a­jus­te vai exi­gir es­for­ço adi­ci­o­nal da po­pu­la­ção pa­ra o ajus­te fis­cal, na for­ma de re­du­ção de di­rei­tos, per­da de mais em­pre­gos, au­men­to ain­da mai­or das de­si­gual­da­des... Não se tra­ta de de­fen­der di­rei­ta ou es­quer­da, qual­quer go­ver­no sé­rio se­ria obri­ga­do a fa­zer um ajus­te fis­cal. Tra­ta-se, sim, de evi­tar uma rup­tu­ra, por ab­so­lu­ta fal­ta de op­ções. Na mi­nha opi­nião, ain­da há tem­po de o STF se re­co­nec­tar com o ci­da­dão, por meio de uma so­li­ci­ta­ção ao pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca pa­ra que ve­te o au­men­to. Se­ria uma co­la­bo­ra­ção ines­ti­má­vel pa­ra o País en­trar num cír­cu­lo vir­tu­o­so que per­mi­ta a cons­tru­ção de uma na­ção mais equi­li­bra­da e jus­ta. MAURO FURLANETTO LI­MA mauro.furlanetto@glo­bo.com

São Pau­lo

De­sem­pre­go tri­bu­ta­do

O edi­to­ri­al De­sem­pre­ga­dos ra­cha­rão a con­ta (9/11, A3) é lei­tu­ra obri­ga­tó­ria em to­das a re­par­ti­ções pú­bli­cas do País e, prin­ci­pal­men­te, nas sa­las dos ad­mi­nis­tra­do­res pú­bli­cos, po­lí­ti­cos e sin­di­ca­lis­tas. Estamos no mo­men­to mais in­jus­to da His­tó­ria do Bra­sil, em que quem não tem em­pre­go (13 mi­lhões de pes­so­as) tem de pa­gar im­pos­tos e gas­tar par­te de su­as eco­no­mi­as pa­ra sus­ten­tar uma má­qui­na pú­bli­ca cor­rup­ta, ine­fi­ci­en­te e pa­ra­si­ta. Nos úl­ti­mos anos o go­ver­no pe­tis­ta des­truiu a eco­no­mia, sob os aplau­sos dos sin­di­ca­tos (com di­nhei­ro ga­ran­ti­do), e usou uma po­lí­ti­ca de be­ne­fí­ci­os pa­ra o fun­ci­o­na­lis­mo que au­men­tou ain­da mais as di­fe­ren­ças e in­jus­ti­ças so­ci­ais. Que o pre­si­den­te Te­mer te­nha a dig­ni­da­de e a éti­ca de não apro­var es­se au­men­to. E que os go­ver­na­do­res elei­tos te­nham res­pon­sa­bi­li­da­de no uso do di­nhei­ro dos con­tri­buin­tes em ca­da Es­ta­do. ANDRÉ LUIS COUTINHO ar­cou­ti@uol.com.br Cam­pi­nas

Na boca do gol

A apro­va­ção do au­men­to dos mi­nis­tros do STF pe­lo Se­na­do dá uma opor­tu­ni­da­de ao pre­si­den­te Te­mer de se re­mir pe­ran­te a opi­nião pú­bli­ca e ve­tar a imo­ral lei que che­ga pa­ra a sua san­ção. O efei­to cas­ca­ta te­ria for­te im­pac­to na eco­no­mia, já com­ba­li­da pe­los des­man­dos dos po­lí­ti­cos. O Se­na­do deu um ti­ro no pé. Te­mer não po­de per­der este gol, bas­ta to­car a bo­la pa­ra o fun­do da re­de.

MÁ­RIO NE­GRÃO BORGONOVI ma­ri­o­ne­grao.borgonovi@gmail.com Rio de Ja­nei­ro

Sem chan­ce

Ato­la­do até o pes­co­ço em de­nún­ci­as de cor­rup­ção, Mi­chel Te­mer vem ne­go­ci­an­do há me­ses com Di­as Tof­fo­li o au­men­to do Ju­di­ciá­rio. Po­de­ria bar­rar es­se ab­sur­do, mas não o fa­rá. É o mais do mesmo, o to­ma lá dá cá, o é dan­do que se re­ce­be. MA­RI­SA BODENSTORFER bai­ca53@go­o­gle­mail.com Len­ting, Ale­ma­nha

Opor­tu­ni­da­de de ou­ro

Não fos­se o me­do do STF, es­pe­ci­al­men­te após a con­clu­são do seu man­da­to, Te­mer te­ria uma opor­tu­ni­da­de de ou­ro pa­ra agra­dar a to­dos os bra­si­lei­ros, ve­tan­do es­se au­men­to imo­ral e des­ca­bi­do pa­ra os ma­ra­jás do Ju­di­ciá­rio. Os cer­ca de R$ 6 mil vão mu­dar a vi­da “so­fri­da” de­les? GE­RAL­DO SIFFERT JU­NI­OR sif­fert18140@uol.com.br

Rio de Ja­nei­ro

Ve­ta, pre­si­den­te!

O Bra­sil sé­rio es­pe­ra que o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer ve­te es­sa ex­cres­cên­cia, es­se ab­sur­do e ino­por­tu­no re­a­jus­te sa­la­ri­al pa­ra o Ju­di­ciá­rio, com efei­to cas­ca­ta. O Bra­sil es­tá que­bra­do, não tem di­nhei­ro nem pa­ra aten­der às de­man­das da saú­de, da edu­ca­ção, da se­gu­ran­ça e de in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos que po­de­ri­am cri­ar mais em­pre­gos pa­ra os bra­si­lei­ros. No en­tan­to, na ca­la­da da noi­te, um con­luio de maus bra­si­lei­ros apro­vou au­men­to de sa­lá­rio pa­ra as clas­ses já pri­vi­le­gi­a­das, co­mo dis­se o Es­ta­dão no edi­to­ri­al De­sem­pre­ga­dos ra­cha­rão a con­ta. Uma ver­go­nha! Que Mi­chel Te­mer dei­xe um bom e po­si­ti­vo no­me pa­ra a His­tó­ria. Pa­ra o li­xo vão es­ses chu­pins, in­te­res­sei­ros, maus bra­si­lei­ros. ÉLLIS A. OLI­VEI­RA el­lisc­nh@hot­mail.com

Cu­nha

Ex­tra­va­gân­ci­as

Pre­su­min­do que os nos­sos alu-

nos se­jam es­pe­ci­a­lis­tas em fo­no­au­di­o­lo­gia, o te­ma da re­da­ção no Enem em 2017 foi “De­sa­fi­os pa­ra a formação edu­ca­ci­o­nal de sur­dos”. Em 2018, uma das ques­tões da ava­li­a­ção de lin­gua­gem enun­ci­a­va: “Acu­en­da o Pa­ju­bá: co­nhe­ça o ‘di­a­le­to se­cre­to’ uti­li­za­do por gays e tra­ves­tis”. Co­mo uma pes­soa sem con­ta­to com o gru­po LGBT e sem co­nhe­ci­men­to de tal di­a­le­to, já que é “se­cre­to”, po­de res­pon­der a uma ques­tão so­bre is­so? E que tal uma re­da­ção so­bre “lin­gua­gem de cor­po” do Trump...? Os res­pon­sá­veis pe­lo Enem de­vem vi­ver nu­ma “ci­da­de se­cre­ta” do Bra­sil, on­de fal­tam pro­ble­mas que pos­sam ser abor­da­dos: vi­o­lên­cia, po­bre­za, de­sem­pre­go, ser­vi­ços pre­cá­ri­os de to­do ti­po, e por aí vai. O ob­je­ti­vo é me­dir co­nhe­ci­men­tos e ra­ci­o­cí­nio ou pôr os par­ti­ci­pan­tes nu­ma sai­a­jus­ta e au­men­tar a apre­en­são dos jovens, ca­da vez mais?

OMAR A. EL SEOUD

el­se­oud.usp@gmail.com São Pau­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.