Ca­la­mi­da­de crô­ni­ca

O Estado de S. Paulo - - Notas e informações -

Ogo­ver­na­dor do Rio de Ja­nei­ro, Luiz Fer­nan­do Pe­zão (MDB), en­vi­ou à As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va (Alerj) pro­je­to de lei que pror­ro­ga a de­cla­ra­ção do es­ta­do de ca­la­mi­da­de fi­nan­cei­ra do Es­ta­do até 2023. A me­di­da aten­de a pe­di­do do go­ver­na­dor elei­to Wil­son Wit­zel (PSC).

O es­ta­do de ca­la­mi­da­de fi­nan­cei­ra foi de­cre­ta­do pe­lo en­tão go­ver­na­dor em exer­cí­cio do Rio, Fran­cis­co Dor­nel­les, em 17 de ju­nho de 2016, pou­co an­tes da Olim­pía­da se­di­a­da pe­la ca­pi­tal do Es­ta­do. Ini­ci­al­men­te, de­ve­ria du­rar até o fi­nal de 2017, mas em maio do ano pas­sa­do a Alerj aten­deu à so­li­ci­ta­ção do Exe­cu­ti­vo e pror­ro­gou o pra­zo por um ano.

Ca­so se­ja apro­va­da pe­lo Le­gis­la­ti­vo flu­mi­nen­se, a no­va pror­ro­ga­ção do es­ta­do de ca­la­mi­da­de fi­nan­cei­ra – que ven­ce no dia 31 de de­zem­bro des­te ano – po­de­rá ser­vir aos in­te­res­ses do Rio, e se­gu­ra­men­te aos do pró­xi­mo go­ver­na­dor, mas se­rá pés­si­ma pa­ra o res­tan­te do País, que por mais tem­po ha­ve­rá de ban­car os cus­tos de um Es­ta­do de­li­be­ra­da­men­te fa­li­do, en­tre outras ra­zões, por mãos inep­tas e cri­mi­no­sas.

Uma vez de­cre­ta­do o es­ta­do de ca­la­mi­da­de de um en­te fe­de­ra­ti­vo, in­cluin­do a ca­la­mi­da­de fi­nan­cei­ra, o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, go­ver­na­do­res e pre­fei­tos po­dem des­cum­prir cer­tos dis­po­si­ti­vos da Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal (LRF), co­mo o res­pei­to ao te­to de gas­tos com pes­so­al, sem es­ta­rem sujeitos às pe­nas da lei.

O ar­ti­go 65 do re­fe­ri­do di­plo­ma le­gal dis­põe que “na ocor­rên­cia de ca­la­mi­da­de pú­bli­ca re­co­nhe­ci­da pe­lo Con­gres­so, no ca­so da União, ou pe­las As­sem­blei­as Le­gis­la­ti­vas, na hi­pó­te­se dos Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os, en­quan­to per­du­rar a si­tu­a­ção: I – serão sus­pen­sas a con­ta­gem dos pra­zos e as dis­po­si­ções es­ta­be­le­ci­das nos ar­ti­gos 23, 31 e 70; II – serão dis­pen­sa­dos o atin­gi­men­to dos re­sul­ta­dos fis­cais e a li­mi­ta­ção de em­pe­nho pre­vis­ta no ar­ti­go 9.º”.

Is­to va­le di­zer que, du­ran­te a vi­gên­cia do es­ta­do de ca­la­mi­da­de, o che­fe do Exe­cu­ti­vo lo­cal po­de ex­tra­po­lar os li­mi­tes de en­di­vi­da­men­to, não es­tá obri­ga­do a cum­prir me­tas de de­sem­pe­nho fis­cal e tam­pou­co pre­ci­sa ob­ser­var li­mi­tes de em­pe­nho. Sus­pen­de-se o pra­zo de cum­pri­men­to do “Ane­xo de Me­tas Fis­cais”, ba­se pa­ra que os Po­de­res e o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co pro­mo­vam a “li­mi­ta­ção de em­pe­nho e mo­vi­men­ta­ção fi­nan­cei­ra, se­gun­do os cri­té­ri­os fi­xa­dos pe­la lei de di­re­tri­zes or­ça­men­tá­ri­as”.

O pa­co­te de be­nes­ses fis­cais pre­vis­to na LRF, co­mo se vê, é bas­tan­te ge­ne­ro­so. A pre­vi­dên­cia do le­gis­la­dor se jus­ti­fi­ca di­an­te da ocor­rên­cia de ca­sos gra­ves e ex­cep­ci­o­na­lís­si­mos, co­mo de­sas­tres na­tu­rais, ou si­tu­a­ções for­tui­tas que com­pro­me­tam a hi­gi­dez da ges­tão das fi­nan­ças pú­bli­cas.

A de­ba­cle econô­mi­ca do Rio era, há mui­to, uma tra­gé­dia anun­ci­a­da, tan­to por ra­zões de or­dem in­ter­na co­mo pe­las con­sequên­ci­as da de­sas­tro­sa po­lí­ti­ca econô­mi­ca da pre­si­den­te cas­sa­da Dil­ma Rous­seff. Se­ja co­mo for, fa­to é que o go­ver­no do Es­ta­do não to­mou to­das as me­di­das de aus­te­ri­da­de que po­de­ria ter to­ma­do a fim de mi­ti­gar os pro­fun­dos efei­tos da cri­se econô­mi­ca que afe­tou não ape­nas o Rio, mas to­do o País. E a rou­ba­lhei­ra cor­reu sol­ta, co­mo mos­tra a re­cen­te crô­ni­ca po­li­ci­al do Rio.

O Es­ta­do ade­riu ao Re­gi­me de Re­cu­pe­ra­ção Fis­cal ins­ti­tuí­do pe­la Lei Com­ple­men­tar n.º 159, de maio de 2017. En­tre­tan­to, importantes con­tra­par­ti­das pre­vis­tas na lei não fo­ram cum­pri­das pe­lo go­ver­no do Rio, em al­guns ca­sos gra­ças a li­mi­na­res con­ce­di­das por mi­nis­tros do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral. Co­mo dí­vi­das não de­sa­pa­re­cem por en­can­to ou vo­lun­ta­ris­mo, a con­ta tem si­do pa­ga por to­dos os con­tri­buin­tes do País, até mesmo os que não vo­tam no Rio de Ja­nei­ro e, por­tan­to, não têm o po­der de de­ci­dir quem é ou não é capaz de ge­rir as fi­nan­ças do Es­ta­do com ze­lo e res­pon­sa­bi­li­da­de.

A ser apro­va­da pe­la Alerj a pror­ro­ga­ção do es­ta­do de ca­la­mi­da­de fi­nan­cei­ra do Rio por mais qua­tro anos, Wil­son Wit­zel pas­sa­rá to­do o man­da­to go­ver­nan­do em con­di­ções fis­cais mais fa­vo­rá­veis do que as de ou­tros go­ver­na­do­res elei­tos. O es­ta­do de ca­la­mi­da­de fi­nan­cei­ra crô­ni­ca não po­de ser um in­jus­to ins­tru­men­to de go­ver­no e me­nos ain­da um prê­mio pa­ra a ir­res­pon­sa­bi­li­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.