UM OLHAR PA­RA AS CALÇADAS DA CA­PI­TAL

Pro­je­to es­ti­mu­la pau­lis­ta­nos a con­tem­plar pi­sos pú­bli­cos que pas­sam des­per­ce­bi­dos

O Estado de S. Paulo - - Metrópole - Ju­li­a­na Dió­ge­nes

To­do mun­do an­da ne­las: do ci­clis­ta ao mo­to­ris­ta de ôni­bus, do con­du­tor de car­ro ao pi­lo­to de avião. E, ape­sar de es­ta­rem por to­da a ca­pi­tal, as calçadas pas­sam mui­tas ve­zes des­per­ce­bi­das. Com a in­ten­ção de es­ti­mu­lar a con­tem­pla­ção dos pi­sos pú­bli­cos de São Pau­lo co­mo obras de ar­te, dois pu­bli­ci­tá­ri­os cri­a­ram o Cal­ça­daSP, pro­je­to que reú­ne ima­gens de calçadas que, en­tre la­dri­lhos, gre­lhas, er­vas da­ni­nhas, co­res, pas­ti­lhas, cur­vas, re­tas e tra­ços, es­tam­pam a ci­da­de. O con­vi­te é pa­ra a pau­sa, a ob­ser­va­ção e a ad­mi­ra­ção dos de­ta­lhes.

O pro­je­to reú­ne fo­to­gra­fi­as de calçadas que fo­ram pen­sa­das pa­ra ser bo­ni­tas, com de­se­nhos e bri­lhos, mas tam­bém ima­gens de ob­je­tos caí­dos, pa­la­vras es­cri­tas e de­se­nhos ra­bis­ca­dos. “A cal­ça­da é de­mo­crá­ti­ca por­que to­do mun­do usa. Cal­ça­da é saú­de por­que ca­mi­nhar faz bem, é ar­qui­te­tu­ra por­que ao ca­mi­nhar vo­cê co­nhe­ce os pré­di­os his­tó­ri­cos da ci­da­de, é ar­te por­que vo­cê tem con­ta­to com to­do ti­po de es­tí­mu­lo vi­su­al”, diz Wans Spi­ess, de 46 anos, uma das cri­a­do­ras.

A pro­pos­ta te­ve iní­cio em 2014, quan­do o pu­bli­ci­tá­rio Tony Nye­nhuis, de 44 anos, viu um pa­pel lar­ga­do na cal­ça­da em for­ma­to de di­nos­sau­ro. Ele te­ve o im­pul­so de vol­tar pa­ra ti­rar uma fo­to: pa­rou, ajo­e­lhou pa­ra se apro­xi­mar e qua­se foi atro­pe­la­do por ou­tros pe­des­tres. No ano se­guin­te, o pro­je­to se tor­nou ex­po­si­ção no Me­trô de São Pau­lo du­ran­te qua­tro me­ses.

En­tre os lo­cais fo­to­gra­fa­dos, es­tão calçadas de lo­cais co­nhe­ci­dos, co­mo a Bi­bli­o­te­ca Má­rio de An­dra­de, a Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal e o Te­a­tro Ofi­ci­na, mas tam­bém anô­ni­mos, co­mo ru­as me­no­res, de flu­xo me­nos intenso de pe­des­tres. Um dos exem­plos é o cal­ça­men­to da Rua Ava­nhan­da­va, com de­se­nho ge­o­mé­tri­co pin­ta­do so­men­te em du­as co­res: ama­re­lo e pre­to.

Qua­tro anos após ser cri­a­do, o Cal­ça­daSP cres­ceu: é apre­sen­ta­do co­mo pro­je­to de “ar­ti­vis­mo” ur­ba­no e, até o fim de no­vem­bro, de­ve ser o res­pon­sá­vel por cri­ar uma ga­le­ria de ar­te a céu aber­to na es­qui­na da Ave­ni­da Du­que de Ca­xi­as com Rua Ba­rão de Li­mei­ra. Os cri­a­do­res fo­ram con­tra­ta­dos pe­lo uli­ving (re­pú­bli­ca de es­tu­dan­tes) lo­ca­li­za­do na cal­ça­da pa­ra que pin­tem o pi­so.

“Va­mos usar a cal­ça­da co­mo uma te­la cin­za que po­de abri­gar to­do ti­po de ar­te. Vai ser uma in­ter­ven­ção com ar­tis­tas fa­zen­do pin­tu­ra na cal­ça­da. A ideia é que a ca­da qua­tro me­ses es­sa cal­ça­da se­ja re­no­va­da, jus­ta­men­te pa­ra ser uma ga­le­ria de ar­te”, ex­pli­ca Wans.

Por lei, a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­la cal­ça­da é do mo­ra­dor do res­pec­ti­vo tre­cho. A in­ter­ven­ção com tin­tas é per­mi­ti­da, se­gun­do a Pre­fei­tu­ra de São Pau­lo, res­pei­tan­do a exi­gên­cia de evi­tar der­ra­pa­gem dos pe­des­tres. O des­res­pei­to à nor­ma po­de re­sul­tar em multa de R$ 300.

“Ho­je to­do mun­do an­da olhan­do pa­ra o chão por cau­sa do ce­lu­lar”, diz Wans. Pa­ra a pu­bli­ci­tá­ria, de­pois das ci­clo­vi­as co­mo cen­tro das dis­cus­sões so­bre mo­bi­li­da­de ur­ba­na, ago­ra é a vez das calçadas, “ter­ri­tó­rio inex­plo­ra­do na ci­da­de”. “Foi uma lin­gua­gem que en­con­tra­mos pa­ra con­ver­sar com as pes­so­as so­bre a im­por­tân­cia de olhar pa­ra a ci­da­de”, afir­ma.

Vi­o­lão cra­va­do no chão. Uma das calçadas fo­to­gra­fa­das foi a da lo­ja de ins­tru­men­tos mu­si­cais Del Vec­chio, na San­ta Ifi­gê­nia, no cen­tro da ci­da­de. Qua­se 80 anos atrás, um vi­o­lão foi cra­va­do com pe­ças de la­tão e pe­da­ços de pas­ti­lha no nú­me­ro 200 da Rua Au­ro­ra. Na épo­ca, uma fá­bri­ca e lo­ja fun­ci­o­na­va no lo­cal. Anos de­pois, a em­pre­sa saiu do pon­to e uma ga­le­ria foi cons­truí­da no lu­gar.

O atu­al do­no do ne­gó­cio, Ân­ge­lo Ser­gio Del Vec­chio, de 80 anos, diz que du­ran­te as obras do no­vo es­ta­be­le­ci­men­to um ca­mi­nhão des­truiu o de­se­nho. “Re­co­lhi as pe­ças e guar­dei. Man­dei ti­rar tu­do e res­tau­rei”, ex­pli­ca. Se­gun­do ele, o lo­cal é tom­ba­do. Pro­cu­ra­da, a Pre­fei­tu­ra não res­pon­deu.

Ago­ra, a lo­ja Del Vec­chio es­tá do outro lado da rua on­de es­tá o de­se­nho na cal­ça­da. In­co­mo­da que o vi­o­lão com o no­me do es­ta­be­le­ci­men­to es­te­ja na cal­ça­da opos­ta, em fren­te a uma ga­le­ria homô­ni­ma? “Vai fa­zer o quê? Nem pos­so fa­zer outra aqui. Acho que a Pre­fei­tu­ra nem au­to­ri­za mais. E não vou re­mo­ver pa­ra tra­zer pa­ra cá. Dei­xa lá. Não po­de me­xer por­que é tom­ba­da. Fe­liz­men­te, o de­se­nho so­bre­vi­veu. E gra­ças a mim.”

FO­TOS: HÉLVIO RO­ME­RO/ES­TA­DÃO

11. Pi­so da Bi­bli­o­te­ca Má­rio de An­dra­de re­me­te ao pon­to-cruz

2. Pra­ça D. José Gas­par cha­ma atenção com la­dri­lhos co­lo­ri­dos 2

33. Pi­so pau­lis­ta foi re­sul­ta­do de con­cur­so na dé­ca­da de 1960

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.