Tra­ba­lho e ocu­pa­ção

O Estado de S. Paulo - - Economia - CEL­SO MING E-MAIL: CEL­SO.MING@ESTADAO.COM

Du­as in­for­ma­ções de na­tu­re­za dis­tin­ta, in­ter­pre­ta­das por ân­gu­los tam­bém dis­tin­tos pe­los veí­cu­los de co­mu­ni­ca­ção, apon­tam pa­ra uma re­a­li­da­de no­va, em par­te já ana­li­sa­da nesta Co­lu­na em outras opor­tu­ni­da­des. Tra­ta-se da re­vo­lu­ção na área do em­pre­go, que acon­te­ce não só no Bra­sil.

Pri­mei­ra in­for­ma­ção: o pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro anun­ci­ou que ex­tin­gui­rá o Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho e dis­tri­bui­rá su­as atu­ais fun­ções por ou­tros mi­nis­té­ri­os. Se­gun­da in­for­ma­ção: pes­qui­sa do IBGE mos­trou por meio dos le­van­ta­men­tos da Pnad Con­tí­nua que, em dois anos, os sin­di­ca­tos per­de­ram 1,5 mi­lhão de as­so­ci­a­dos. A no­va re­a­li­da­de mos­tra que ape­nas 14,4% dos tra­ba­lha­do­res es­tão sin­di­ca­li­za­dos.

É um equí­vo­co atri­buir o fim do Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho, de­pois de 88 anos de exis­tên­cia, ape­nas a me­di­das de con­ten­ção de des­pe­sas ou a mais uma de­ci­são re­tró­gra­da do pre­si­den­te elei­to. Cri­a­do em 1930 pa­ra de­fen­der os in­te­res­ses do tra­ba­lha­dor, es­se mi­nis­té­rio pou­co tem re­a­li­za­do além de for­ne­cer em­pre­gos pa­ra fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos, co­or­de­nar o re­a­jus­te do sa­lá­rio mí­ni­mo, cui­dar da dis­tri­bui­ção de car­tei­ras de tra­ba­lho e exe­cu­tar outras ta­re­fas, em ge­ral bu­ro­crá­ti­cas. Al­guém con­se­gue apon­tar re­a­li­za­ção mais re­le­van­te pa­ra o interesse pú­bli­co do que es­sas nos úl­ti­mos 40 anos?

A queda das fi­li­a­ções a sin­di­ca­tos tem a ver com as gran­des trans­for­ma­ções na área do tra­ba­lho em to­do o mun­do. A po­pu­la­ção já não quer pro­pri­a­men­te em­pre­go. Quer ocu­pa­ção re­mu­ne­ra­do­ra, de pre­fe­rên­cia sem pa­trão. Ou se­ja, o tra­ba­lha­dor es­tá bus­can­do ati­vi­da­des por con­ta pró­pria, em que ele man­de em si mesmo ou, até mesmo, pa­ra a qual pos­sa con­tra­tar outras pes­so­as.

As igre­jas evan­gé­li­cas têm em­pur­ra­do seus fiéis pa­ra es­sa emancipação e pa­ra a busca autô­no­ma de renda. Coin­ci­den­te­men­te, os apli­ca­ti­vos di­gi­tais vêm cri­an­do no­vas opor­tu­ni­da­des, es­pe­ci­al­men­te no se­tor de ser­vi­ços.

Ao mesmo tem­po, a re­vo­lu­ção tec­no­ló­gi­ca vai dis­pen­san­do ca­da vez mais mão de obra. Mesmo com cres­ci­men­to da ati­vi­da­de, a in­dús­tria não vai mais ad­mi­tir fun­ci­o­ná­ri­os na mesma pro­por­ção em que ad­mi­tia há al­guns anos. A for­te ro­bo­ti­za­ção, o em­pre­go cres­cen­te de Tec­no­lo­gia da In­for­ma­ção e a re­vo­lu­ção pro­por­ci­o­na­da pe­la in­dús­tria 4.0 es­tão dis­pen­san­do mais e mais pes­so­al.

En­quan­to is­so, o va­re­jo es­tá se es­tru­tu­ran­do em no­vas mo­de­la­gens, em que os an­ti­gos pon­tos de ven­da pas­sam a ser ape­nas show ro­oms, os ven­de­do­res se trans­for­mam em to­ma­do­res de pe­di­dos, os es­to­ques são uni­fi­ca­dos em gran­des cen­tros de lo­gís­ti­ca. Bas­ta­ria ago­ra que uma Ama­zon pas­sas­se a dis­tri­buir je­ans pe­la in­ter­net pa­ra que uma enor­me ca­deia de lo­jas de con­fec­ção per­des­se fa­ti­as importantes de mer­ca­do.

En­fim, mi­lhões de postos de tra­ba­lho vão de­sa­pa­re­cen­do ou sen­do re­ci­cla­dos e, no pro­ces­so, em­pur­ram os an­ti­gos em­pre­ga­dos pa­ra ati­vi­da­des frag­men­ta­das e/ou tem­po­rá­ri­as, que na­da têm a ver com a re­la­ção de em­pre­go tal co­mo co­nhe­ce­mos. De cam­bu­lha­da, aju­dam a afun­dar as fi­nan­ças da Pre­vi­dên­cia So­ci­al, por­que se per­dem as con­tri­bui­ções do em­pre­ga­dor e, tam­bém, as do tra­ba­lha­dor.

Nes­sa no­va cul­tu­ra, ain­da in­ci­pi­en­te e al­ta­men­te mu­tan­te, as fun­ções do Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho têm mesmo de ser re­pen­sa­das e o sis­te­ma sin­di­cal per­de sen­ti­do.

O fim da con­tri­bui­ção sin­di­cal obri­ga­tó­ria na­da tem a ver com es­sa on­da de des­fi­li­a­ção. Até por­que a mai­o­ria dos sin­di­ca­tos no Bra­sil ha­via se trans­for­ma­do em me­ros co­le­to­res de im­pos­to sin­di­cal, que ser­vi­am mais pa­ra per­pe­tu­ar a car­to­la­gem de apro­vei­ta­do­res sin­di­cais do que pa­ra de­fen­der os in­te­res­ses do tra­ba­lha­dor.

As es­quer­das tra­di­ci­o­nais e ca­da vez mais mío­pes ten­dem a ig­no­rar es­sas trans­for­ma­ções. É uma das ra­zões pe­las quais con­ti­nu­am gi­ran­do em fal­so co­mo pa­ra­fu­sos que per­de­ram a ros­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.