Sa­fra de­ve­rá evi­tar sur­pre­sas nos pre­ços

O Estado de S. Paulo - - Economia -

A pro­du­ção de grãos na sa­fra 2018/2019 de­ve al­can­çar de 233,68 mi­lhões a 238,29 mi­lhões de to­ne­la­das, com au­men­to en­tre 2,5% e 4,5% em re­la­ção à sa­fra an­te­ri­or, de acor­do com o se­gun­do le­van­ta­men­to re­a­li­za­do pe­la Com­pa­nhia Na­ci­o­nal de Abas­te­ci­men­to (Co­nab). A área cul­ti­va­da po­de­rá cres­cer de 0,3% a 2,2%, to­ta­li­zan­do de 61,9 mi­lhões a 63,1 mi­lhões de hec­ta­res.

Com au­men­to mai­or do vo­lu­me pro­du­zi­do do que da área plan­ta­da, mais uma vez o cam­po de­ve­rá re­gis­trar ga­nho de pro­du­ti­vi­da­de. É o que a agri­cul­tu­ra vem fa­zen­do com re­gu­la­ri­da­de há anos, co­lhen­do sa­fras vo­lu­mo­sas, su­fi­ci­en­tes pa­ra as­se­gu­rar ofer­ta ade­qua­da de ali­men­tos no mer­ca­do do­més­ti­co, a pre­ços que aju­dam a con­ter a in­fla­ção, e ex­por­ta­ções que ge­ram ex­pres­si­vos su­pe­rá­vits da ba­lan­ça co­mer­ci­al.

Uti­li­zan­do me­to­do­lo­gia di­fe­ren­te da em­pre­ga­da pe­la Co­nab, o Ins­ti­tu­to Brasileiro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (IBGE) di­vul­gou o pri­mei­ro prog­nós­ti­co pa­ra a pró­xi­ma sa­fra de ce­re­ais, le­gu­mi­no­sas e ole­a­gi­no­sas, no qual pre­vê a pro­du­ção de 226,7 mi­lhões de to­ne­la­das. Se con­fir­ma­da, es­sa pro­du­ção fi­ca­rá 0,2% abai­xo da sa­fra de 2018 cal­cu­la­da pe­lo IBGE.

As du­as pro­je­ções apon­tam, no en­tan­to, pa­ra o que o ge­ren­te de Co­or­de­na­ção de Agro­pe­cuá­ria do IBGE, Carlos Al­fre­do Gu­e­des, con­si­de­ra uma “boa sa­fra”. Com a pro­du­ção al­can­ça­do ní­veis pa­re­ci­dos com os re­gis­tra­dos na sa­fra an­te­ri­or, não de­ve­rá haver gran­des flu­tu­a­ções de pre­ços, o que se­rá bom pa­ra o con­su­mi­dor. O que po­de­rá afe­tar es­sas pro­je­ções são pro­ble­mas cli­má­ti­cos “que a gen­te não con­se­guiu pre­ver ain­da”.

Até ago­ra, as con­di­ções cli­má­ti­cas es­tão fa­vo­rá­veis pa­ra a cul­tu­ra dos dois prin­ci­pais pro­du­tos do le­van­ta­men­to fei­to pe­la Co­nab, so­ja e mi­lho. No ca­so da so­ja, o cli­ma foi par­ti­cu­lar­men­te es­ti­mu­lan­te pa­ra o plan­tio em Ma­to Gros­so. O vo­lu­me de chu­vas em ou­tu­bro no Es­ta­do foi “bas­tan­te sa­tis­fa­tó­rio”, o que im­pul­si­o­nou o plan­tio, de mo­do que, até o en­cer­ra­men­to do mês pas­sa­do, mais de 80% dos tra­ba­lhos de se­me­a­du­ra já es­ta­vam con­cluí­dos. Na mesma épo­ca, no ano pas­sa­do, a se­me­a­du­ra cor­res­pon­dia a 40,5% do to­tal.

No Pa­ra­ná, 59% da área es­ti­ma­da de cul­ti­vo de so­ja já es­ta­va se­me­a­da quan­do do le­van­ta­men­to fei­to pe­la Co­nab. Des­se mo­do, a pro­du­ção na­ci­o­nal de so­ja de­ve va­ri­ar de 116,7 mi­lhões a 119,3 mi­lhões de to­ne­la­das.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.