‘Es­ta­dos te­rão de se es­for­çar mais pa­ra não que­brar’

Exe­cu­ti­vo diz que no­vos go­ver­na­do­res já pro­cu­ra­ram o ban­co em busca de fi­nan­ci­a­men­to pa­ra ajus­tar as con­tas

O Estado de S. Paulo - - Economia - Adri­a­na Fer­nan­des / BRA­SÍ­LIA

À fren­te do Ban­co Mun­di­al no Bra­sil, o ale­mão Mar­tin Rai­ser tem uma re­la­ção mui­to pró­xi­ma com os go­ver­na­do­res. Ele de­fen­de que os Es­ta­dos ado­tem me­di­das co­mo o au­men­to da con­tri­bui­ção pre­vi­den­ciá­ria dos servidores, re­for­ma da má­qui­na pú­bli­ca e re­vi­são de re­gras de ajus­te au­to­má­ti­co dos sa­lá­ri­os. “Es­sa dis­cus­são, de uma for­ma ou de outra, che­ga­rá a Bra­sí­lia, por­que os Es­ta­dos vão que­brar”, diz.

• O Bra­sil pas­sou por uma eleição di­fí­cil. Co­mo o sr. vê o ce­ná­rio da­qui pa­ra a fren­te?

Al­gu­mas das pro­pos­tas da equi­pe econô­mi­ca do pre­si­den­te elei­to têm con­fir­ma­do a ne­ces­si­da­de de se fa­zer uma re­for­ma da Pre­vi­dên­cia e a von­ta­de de des­bu­ro­cra­ti­zar e re­du­zir a in­ter­ven­ção do Es­ta­do. O di­ag­nós­ti­co do que o Bra­sil pre­ci­sa fa­zer é bem com­par­ti­lha­do en­tre os economistas: re­for­ma fis­cal, re­for­ma do Es­ta­do e au­men­to de pro­du­ti­vi­da­de. O de­sa­fio é co­mo fa­zer.

• Em re­la­tó­rio, o Ban­co Mun­di­al ma­ni­fes­tou pre­o­cu­pa­ção com a cri­se fis­cal. Qual o ce­ná­rio de­pois da eleição?

Te­mos o di­ag­nós­ti­co. O prog­nós­ti­co vai de­pen­der da von­ta­de do Con­gres­so de aju­dar o no­vo go­ver­no a fa­zer o ajus­te fis­cal. Es­se foi o de­sa­fio da pre­si­den­te Dil­ma, do Te­mer e vai ser o de­sa­fio do go­ver­no Bol­so­na­ro. Ele te­rá de con­ven­cer o Con­gres­so a ado­tar me­di­das que tal­vez não se­jam po­pu­la­res. E o ar­gu­men­to tem de ser: ‘se não fi­zer­mos, a in­fla­ção vai vol­tar e te­re­mos uma cri­se agu­da’. Do lado do Ban­co, te­mos apoi­a­do a pro­pos­ta de re­for­ma (da Pre­vi­dên­cia) de Te­mer, que po­de­ria ser apro­va­da ra­pi­da­men­te. A al­ter­na­ti­va é uma pro­pos­ta mais am­pla, mas o go­ver­no en­fren­ta­ria mais re­sis­tên­cia.

• Quais os ou­tros pro­ble­mas a se­rem re­sol­vi­dos?

Com re­for­ma da Pre­vi­dên­cia e com­pro­me­ti­men­to com o te­to de gas­tos, se avança bas­tan­te no ajus­te fis­cal. Mas tem uma ques­tão que ain­da não foi tra­ta­da na dis­cus­são pú­bli­ca: a agu­da si­tu­a­ção fis­cal dos Es­ta­dos. Ela re­quer a re­for­ma do sis­te­ma pró­prio das apo­sen­ta­do­ri­as dos servidores es­ta­du­ais e uma pro­pos­ta que vai ter de ser bem mais ra­di­cal do que aque­la que es­tá ago­ra no Con­gres­so em re­la­ção ao re­gi­me dos servidores da União. Os go­ver­nos es­ta­du­ais te­rão de fa­zer um es­for­ço mai­or, in­cluin­do uma re­for­ma da má­qui­na pú­bli­ca, re­ven­do re­gras de ajus­te au­to­má­ti­co dos sa­lá­ri­os. Es­sa dis­cus­são, de uma for­ma ou de outra, che­ga­rá a Bra­sí­lia, por­que os Es­ta­dos vão que­brar.

• A mai­o­ria dos Es­ta­dos não tem ra­ting (no­ta de cré­di­to) pa­ra aces­sar as li­nhas do ban­co. O que é pos­sí­vel fa­zer?

Pa­ra aque­les que têm ra­ting, con­ti­nu­a­mos ofe­re­cen­do fi­nan­ci­a­men­to. O vo­lu­me é me­nor. Não só nos­so, mas de to­dos os ban­cos in­ter­na­ci­o­nais, por­que o vo­lu­me de ga­ran­ti­as con­ce­di­das pe­la União é me­nor. Pa­ra aque­les Es­ta­dos que não têm no­ta estamos em dis­cus­são com al­guns de­les pa­ra ver se, atra­vés de uma as­sis­tên­cia téc­ni­ca de fi­nan­ci­a­men­to, po­de­mos aliviar o pe­so da si­tu­a­ção fis­cal, fa­zen­do um ti­po de pro­gra­ma pa­ra fi­nan­ci­ar o ajus­te fis­cal dos Es­ta­dos. Es­tá em dis­cus­são. Pre­ci­sa­ria de ga­ran­tia da União e os Es­ta­dos se com­pro­me­te­ri­am com al­gu­mas me­di­das.

• Quais?

Adi­ar ajus­tes dos servidores, por exem­plo, au­men­tar a alí­quo­ta dos servidores pa­ra a

con­tri­bui­ção à Pre­vi­dên­cia, di­mi­nuir a ta­xa de re­po­si­ção de car­gos de servidores que se apo­sen­ta­ram. São me­di­das na­da fá­ceis. Mas não tem jei­to. É preciso sa­ber se os no­vos go­ver­na­do­res vão se com­pro­me­ter com es­sa agen­da.

• Os go­ver­na­do­res não se mo­bi­li­za­ram pa­ra apro­var a re­for­ma por­que que­ri­am se re­e­le­ger?

Com cer­te­za. Mas ago­ra a eleição é pas­sa­da. Te­mos no­vos go­ver­na­do­res e os re­e­lei­tos. E va­mos ter no­vo Con­gres­so. Ago­ra é o mo­men­to de fa­zer. Uma vez que se te­nha es­sa cons­tru­ção, não vai fal­tar von­ta­de do

Ban­co Mun­di­al e ou­tros or­ga­nis­mos in­ter­na­ci­o­nais de aju­dar nes­se pro­ces­so.

• Os no­vos go­ver­na­do­res já es­tão pro­cu­ran­do o ban­co?

Sim. Al­guns já vi­e­ram a Bra­sí­lia e ou­tros se ma­ni­fes­ta­ram. Eles têm uma lei­tu­ra mui­to re­a­lis­ta da si­tu­a­ção. Têm pé no chão. Eles reconhecem a ne­ces­si­da­de de uma po­lí­ti­ca fis­cal dis­ci­pli­na­da e de re­for­mas es­tru­tu­rais e de cons­truir a par­ce­ria en­tre a União e Es­ta­dos pa­ra agi­li­zar es­se pro­ces­so. Com cer­te­za, é com par­ce­ria que vai ser re­sol­vi­do es­se de­sa­fio.

IVAN CANABRAVA/ ILLUMINATI/17/01/2018

Agen­da. É preciso sa­ber se no­vos go­ver­na­do­res vão se com­pro­me­ter com ajus­te, diz Rai­ser

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.