Um ce­ná­rio pa­ra 2019

O Estado de S. Paulo - - Economia - JOSÉ RO­BER­TO MEN­DON­ÇA DE BAR­ROS E-MAIL: JR.MENDONCA@MBASSOCIADOS.COM.BR

Ae­lei­ção de Bol­so­na­ro re­fle­te um de­se­jo de re­no­va­ção, uma in­fle­xão à di­rei­ta, in­clu­si­ve na área de valores, uma re­jei­ção do pe­tis­mo e da cor­rup­ção co­mo mé­to­do do exer­cí­cio do po­der e, pa­ra mui­tos, mas não pa­ra to­dos, uma vi­são mais li­be­ral da eco­no­mia. Po­de ser uma mu­dan­ça e tan­to. Mui­tas coisas de­vem acon­te­cer pa­ra que is­so ocor­ra. Em par­ti­cu­lar, uma con­di­ção ne­ces­sá­ria (mas, não su­fi­ci­en­te) é a vol­ta de um cres­ci­men­to sus­ten­tá­vel.

Daí, por­que, a in­da­ga­ção: po­de is­so acon­te­cer?

A res­pos­ta que me pa­re­ce ade­qua­da é que ain­da exis­tem mui­tas coisas a se­rem cons­truí­das pa­ra que o su­ces­so se ve­ri­fi­que.

De po­si­ti­vo, vá­ri­as con­di­ções fa­vo­rá­veis fo­ram sen­do cri­a­das no go­ver­no que es­tá ter­mi­nan­do.

Coisas re­le­van­tes fo­ram apro­va­das no Le­gis­la­ti­vo e es­tão em ple­no vi­gor, co­mo a re­for­ma tra­ba­lhis­ta, o te­to pa­ra gas­to pú­bli­co, a Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de das Es­ta­tais, al­te­ra­ções na área de pe­tró­leo (que já re­sul­ta­ram em mui­tos pro­je­tos de in­ves­ti­men­to), re­for­ma do en­si­no médio e outras.

Ter­mi­na­re­mos o ano com uma in­fla­ção in­fe­ri­or ao te­to da me­ta (4,5%), ape­sar dos vá­ri­os cho­ques de pre­ços ad­mi­nis­tra­dos que ocor­re­ram ao lon­go do pe­río­do, su­ge­rin­do uma for­te an­co­ra­gem dos pre­ços. Em con­sequên­cia, a ta­xa Se­lic se mantém co­mo a mais bai­xa de mui­tos anos, e as­sim de­ve con­ti­nu­ar pe­lo me­nos até o fim do pri­mei­ro tri­mes­tre de 2019. Além disso, uma agen­da do Ban­co Cen­tral e a cri­a­ção de no­vas em­pre­sas fi­nan­cei­ras de ba­se tec­no­ló­gi­ca (fin­te­chs) es­tá ele­van­do a com­pe­ti­ção no mer­ca­do de cré­di­to. Fi­nal­men­te, o se­tor ex­ter­no apre­sen­ta uma ex­tra­or­di­ná­ria ro­bus­tez, re­sul­tan­te de bo­as ex­por­ta­ções, ele­va­das re­ser­vas e in­ves­ti­men­tos di­re­tos es­tran­gei­ros.

Em­bo­ra o aci­ma des­cri­to não se­ja pou­ca coi­sa, exis­tem ain­da for­mi­dá­veis obs­tá­cu­los de­cor­ren­tes de uma de­te­ri­o­ra­ção per­sis­ten­te da si­tu­a­ção fis­cal e da ma­nu­ten­ção dos in­ves­ti­men­tos em ní­veis mui­to bai­xos.

Não é preciso mui­to es­for­ço pa­ra con­cor­dar que não te­re­mos de vol­ta o de­sen­vol­vi­men­to sem um avan­ço con­si­de­rá­vel nes­sas du­as áre­as.

O dé­fi­cit pri­má­rio do cor­ren­te exer­cí­cio de­ve ser da or­dem de R$ 120 bi­lhões, que im­pli­ca outra ele­va­ção da dí­vi­da pú­bli­ca, re­sul­ta­do, es­pe­ci­al­men­te, da de­te­ri­o­ra­ção da si­tu­a­ção da Pre­vi­dên­cia So­ci­al.

Além disso, a si­tu­a­ção fis­cal dos Es­ta­dos con­ti­nu­ou pi­o­ran­do, ten­do mui­tos de­les am­pli­a­do o vo­lu­me de pa­ga­men­tos não re­a­li­za­dos aos for­ne­ce­do­res. É evi­den­te que os no­vos elei­tos vão pres­si­o­nar for­te­men­te o no­vo pre­si­den­te a for­ne­cer so­cor­ro.

Co­mo se is­so fos­se pou­co, o Con­gres­so não pa­ra de apro­var no­vos gas­tos, co­mo o re­cen­te ca­so da ele­va­ção dos sa­lá­ri­os dos mi­nis­tros do STF e a cri­a­ção de no­vos in­cen­ti­vos fis­cais des­ti­na­dos ao se­tor au­to­mo­bi­lís­ti­co, ago­ra ba­ti­za­do de Ro­ta 2030.

Fi­nal­men­te, cau­sa pre­o­cu­pa­ção que al­gu­mas ca­rac­te­rís­ti­cas do no­vo go­ver­no já es­tão a im­pli­car ele­va­do cus­to de apren­di­za­do, mais que tu­do de­cor­ren­te da inex­pe­ri­ên­cia da al­ta ad­mi­nis­tra­ção, que di­fi­cul­ta a efi­ci­ên­cia da po­lí­ti­ca econô­mi­ca.

Cha­mo a atenção de al­guns pon­tos: a de­ci­são de se cri­ar um su­per­mi­nis­té­rio da Eco­no­mia é cla­ra­men­te um er­ro, pois vai re­sul­tar num mons­tro bu­ro­crá­ti­co di­fí­cil de ad­mi­nis­trar, co­mo cha­mou a atenção o ex-mi­nis­tro Mail­son da Nó­bre­ga nes­te jor­nal. Is­so vai se com­por com a apa­ren­te fal­ta de cla­re­za na agen­da dos primeiros tem­pos de go­ver­no. Quan­do se es­tu­da, a esta al­tu­ra dos acon­te­ci­men­tos, cin­co ou seis al­ter­na­ti­vas de re­for­ma da Pre­vi­dên­cia e de re­for­ma tri­bu­tá­ria, tor­na-se cla­ro que as pro­pos­tas even­tu­ais ain­da es­tão bas­tan­te cru­as. Não se­rá coi­sa sim­ples fa­zer che­gar ao Con­gres­so pro­je­tos que pos­sam ser de­ba­ti­dos e en­ca­mi­nha­dos com cer­ta ra­pi­dez e chan­ces de apro­va­ção.

Ade­mais, a mesma fal­ta de ex­pe­ri­ên­cia es­tá tor­nan­do mais com­ple­xo o re­la­ci­o­na­men­to com o Par­la­men­to. Dú­vi­das tam­bém exis­tem no que tan­ge ao con­fron­to de po­si­ções li­be­rais x cor­po­ra­ti­vas den­tro do Exe­cu­ti­vo.

Ora, o tem­po é cur­to. Se até o fim do pri­mei­ro se­mes­tre do pró­xi­mo ano não ti­ver­mos apro­va­dos avan­ços subs­tan­ti­vos nas áre­as fis­cal e de pri­va­ti­za­ção, as ex­pec­ta­ti­vas fa­vo­rá­veis que se firmaram de­pois da eleição po­dem se es­va­zi­ar.

Sem re­for­mas, as ex­pec­ta­ti­vas fa­vo­rá­veis que se firmaram após a eleição po­dem se es­va­zi­ar

✽ ECO­NO­MIS­TA E SÓ­CIO DA MB AS­SO­CI­A­DOS. ES­CRE­VE QUINZENALMENTE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.