Con­tro­le do Ca­de po­de opor ‘su­per­mi­nis­tros’

Ór­gão é li­ga­do ao Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça, mas de­sen­vol­ve pa­pel re­le­van­te na área econô­mi­ca; seis va­gas no Con­se­lho serão aber­tas no ano que vem

O Estado de S. Paulo - - Economia - Lo­ren­na Ro­dri­gues / BRA­SÍ­LIA CO­LA­BO­ROU BRENO PI­RES

Seis car­gos importantes fi­ca­rão va­gos no ano que vem e serão al­vo dos dois su­per­mi­nis­tros do pre­si­den­te elei­to, Jair Bol­so­na­ro: Sér­gio Mo­ro (Jus­ti­ça) e Pau­lo Gu­e­des (Eco­no­mia). Em 2019, ter­mi­nam os man­da­tos de qua­tro dos seis con­se­lhei­ros do Con­se­lho Ad­mi­nis­tra­ti­vo de De­fe­sa Econô­mi­ca (Ca­de), além do su­pe­rin­ten­den­te-ge­ral e do pro­cu­ra­dor-ge­ral.

O ór­gão res­pon­sá­vel pe­la con­cor­rên­cia é, formalmente, vin­cu­la­do à Jus­ti­ça. Tra­di­ci­o­nal­men­te, tan­to a pas­ta qu­an­to a área econô­mi­ca sub­me­tem nomes pa­ra o con­se­lho ao pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, que é o res­pon­sá­vel pe­las in­di­ca­ções, que pas­sam pe­lo Se­na­do an­tes da no­me­a­ção efe­ti­va. Fa­zen­da e Jus­ti­ça cos­tu­ma­vam se re­ve­zar nas in­di­ca­ções, mas, no go­ver­no do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, al­guns dos nomes in­di­ca­dos par­ti­ram da ala po­lí­ti­ca, de par­la­men­ta­res e ali­a­dos.

A área interessa a Gu­e­des, que co­lo­cou as­ses­so­res pa­ra es­bo­çar planos pa­ra au­men­tar a con­cor­rên­cia na eco­no­mia bra­si­lei­ra. O ór­gão, po­rém, tem tam­bém uma re­la­ção pró­xi­ma à La­va Ja­to, que tor­nou fa­mo­so o juiz Mo­ro. Mais de 30 pro­ces­sos da ope­ra­ção es­tão sob in­ves­ti­ga­ção no con­se­lho.

A mo­vi­men­ta­ção de Gu­e­des, que de­le­gou a área a economistas li­ga­dos ao Ins­ti­tu­to de Po­lí­ti­ca Econô­mi­ca Apli­ca­da (Ipea), se deu sob o pres­su­pos­to de que o Ca­de se­ria uma área de in­fluên­cia de seu mi­nis­té­rio, an­tes de se con­fir­mar que a Jus­ti­ça tam­bém ga­nha­ria o su­per­mi­nis­tro Mo­ro. “A lei pre­vê que o con­se­lho é li­ga­do à Jus­ti­ça. Com Gu­e­des na eco­no­mia, ha­ve­rá du­as di­men­sões que po­de­rão se ar­ran­jar e di­vi­dir as in­di­ca­ções ou po­de­rá haver uma dis­pu­ta. Com uma no­va eli­te po­lí­ti­ca as­su­min­do o po­der, acho mais pro­vá­vel a se­gun­da hi­pó­te­se”, dis­se ao Es­ta­dão/Bro­ad­cast um ad­vo­ga­do e ex-in­te­gran­te do con­se­lho, que pre­fe­riu não se iden­ti­fi­car.

Se­gun­do in­te­gran­tes da equi­pe de tran­si­ção ou­vi­dos pe­la re­por­ta­gem, Gu­e­des já de­ter­mi­nou que in­di­ca­ções que sai­am do mi­nis­té­rio pa­ra ór­gãos co­mo o Ca­de res­pon­de­rão a cri­té­ri­os técnicos. Pa­ra a con­cor­rên­cia, es­pe­ci­fi­ca­men­te, a equi­pe tra­ba­lha com o for­ta­le­ci­men­to da pau­ta li­be­ral, de­fen­di­da pe­lo mi­nis­tro, com o fo­men­to à com­pe­ti­ção e a re­du­ção da re­gu­la­ção, prin­ci­pal­men­te em áre­as co­mo com­bus­tí­veis e ener­gia elé­tri­ca.

Mul­tas. Outra ques­tão que po­de­rá ser re­vis­ta no no­vo go­ver­no é o va­lor das mul­tas co­bra­das de em­pre­sas que pre­ju­di­ca­ram a con­cor­rên­cia, um te­ma que vem sen­do de­ba­ti­do em qua­se to­das as ses­sões do Ca­de e di­vi­de a atu­al com­po­si­ção. A ava­li­a­ção de fon­tes li­ga­das à equi­pe é que, no go­ver­no Bol­so­na­ro, po­de­rá au­men­tar o va­lor das mul­tas co­bra­das pe­lo Ca­de. Nesta semana, o juiz Sér­gio Mo­ro de­fen­deu pe­nas mais du­ras, o que po­de ser um in­di­ca­ti­vo tam­bém pa­ra es­se se­tor.

Pa­ra o pro­fes­sor da Fa­cul­da­de de Ci­ên­ci­as Econô­mi­cas da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Mi­nas Ge­rais (UFMG), Ricardo Ruiz, ex-in­te­gran­te do Ca­de, as leis que re­gem o ór­gão e a ju­ris­pru­dên­cia do con­se­lho são con­so­li­da­das e evi­tam que no­vas in­di­ca­ções mu­dem ra­di­cal­men­te a atu­a­ção da au­tar­quia. Ele dis­se ain­da que o per­fil pró-mer­ca­do que Bol­so­na­ro pre­ten­de ado­tar ten­de a for­ta­le­cer o pa­pel do Ca­de. “Li­be­rais em te­se têm mais des­con­for­to com mo­no­pó­li­os e car­téis, que fra­gi­li­zam o que é mais im­por­tan­te pa­ra eles, que

“Li­be­rais têm mais des­con­for­to com mo­no­pó­li­os e car­téis, que fra­gi­li­zam o que é mais im­por­tan­te pa­ra eles, que é a con­cor­rên­cia.” Ricardo Ruiz EX-IN­TE­GRAN­TE DO CA­DE

é a con­cor­rên­cia. Uma agên­cia an­ti­trus­te é par­te im­por­tan­te des­sa po­lí­ti­ca econô­mi­ca por­que, se fra­gi­li­zar a con­cor­rên­cia, vo­cê tor­na o ca­pi­ta­lis­mo me­nos efi­ci­en­te”, dis­se.

En­tre ju­lho e se­tem­bro do pró­xi­mo ano, ven­cem os man­da­tos dos con­se­lhei­ros Polyan­na Vi­la­no­va, João Pau­lo de Re­sen­de, Pau­lo Bur­ni­er e Cris­ti­a­ne Alk­min. Em ou­tu­bro, aca­bam os do su­pe­rin­ten­den­te-ge­ral, Alexandre Cor­dei­ro – que é o res­pon­sá­vel pe­las in­ves­ti­ga­ções de car­téis e con­du­tas an­ti­com­pe­ti­ti­vas, in­cluin­do as da La­va Ja­to –, e o do pro­cu­ra­dor­ge­ral, Valter Agra. Os dois úl­ti­mos ain­da po­dem ser re­con­du­zi­dos.

Gu­e­des e Mo­ro não res­pon­de­ram os ques­ti­o­na­men­tos da re­por­ta­gem. O Ca­de in­for­mou que as al­te­ra­ções na com­po­si­ção do con­se­lho “não te­rão re­fle­xo na con­ti­nui­da­de do tra­ba­lho atu­al­men­te re­a­li­za­do e tam­pou­co com­pro­me­te­rão a ex­ce­lên­cia da atu­a­ção dos servidores e co­la­bo­ra­do­res do ór­gão”. /

WILTON JU­NI­OR/ES­TA­DÃO-10/4/2018

Car­gos. Gu­e­des anun­ci­ou que in­di­ca­ções serão téc­ni­cas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.