Con­ci­li­a­ção e or­dem

O Estado de S. Paulo - - Economia - RO­BER­TO RO­DRI­GUES E-MAIL: RRCERES75@GMAIL.COM RO­BER­TO RO­DRI­GUES ES­CRE­VE NO SE­GUN­DO DOMINGO DO MÊS

Ana­lis­tas po­lí­ti­cos têm rei­te­ra­do que, pas­sa­do o pe­río­do elei­to­ral, quan­do os de­ba­tes en­tre can­di­da­tos nem sempre tiveram um bom ní­vel em ter­mos de apre­sen­ta­ção e dis­cus­são de pro­pos­tas de go­ver­no, é che­ga­do o tem­po de bus­car o en­ten­di­men­to e o equi­lí­brio em tor­no do pro­je­to que for me­lhor pa­ra to­dos os bra­si­lei­ros. É che­ga­do o tem­po de exer­cer na ple­ni­tu­de a de­mo­cra­cia de fa­to, e não aque­la que ser­ve ape­nas pa­ra os ven­ce­do­res, aque­la em que os ven­ci­dos não acei­tam a der­ro­ta e a atri­bu­em a fa­to­res ima­gi­ná­ri­os de to­da or­dem. A eleição aca­bou, o po­vo “fa­lou” pe­las ur­nas e elei­tos e der­ro­ta­dos de­vem se en­ten­der pa­ra o bem do País.

Cla­ro que a de­mo­cra­cia pres­su­põe opo­si­ção, mas que esta se­ja cons­tru­ti­va e fis­ca­li­za­do­ra, e não ne­ga­ti­vis­ta e sis­te­ma­ti­ca­men­te “do con­tra”, mesmo quan­do os in­te­res­ses mai­o­res da na­ção es­te­jam em de­ba­te. O que fi­cou pa­ra trás de­ve ser dei­xa­do lá. Te­mas co­mo o fa­mo­so “gol­pe do im­pe­a­ch­ment” fo­ram atro­pe­la­dos pe­la von­ta­de po­pu­lar ma­ni­fes­ta tan­to nas elei­ções pa­ra car­gos ma­jo­ri­tá­ri­os qu­an­to pa­ra a Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, cu­ja re­no­va­ção su­pe­rou 52%, aci­ma de qual­quer ex­pec­ta­ti­va dos en­ten­di­dos em po­lí­ti­ca. Fi­cou cla­ro que a von­ta­de po­pu­lar é por mu­dan­ças tan­to no Exe­cu­ti­vo qu­an­to no Le­gis­la­ti­vo, nu­ma co­e­rên­cia ex­tra­or­di­ná­ria em to­dos os rin­cões, da­da a in­sa­tis­fa­ção ge­ne­ra­li­za­da com a si­tu­a­ção vi­gen­te. E esta co­e­rên­cia se ma­ni­fes­tou tam­bém on­de a po­pu­la­ção es­tá sa­tis­fei­ta com o que vem re­ce­ben­do de seus go­ver­nan­tes e os man­te­ve. Is­so é de­mo­cra­cia.

Va­mos en­tão ao en­ten­di­men­to, mas com or­dem, pa­la­vra cen­tral do an­seio na­ci­o­nal, ma­ni­fes­to na ban­dei­ra ver­de-ama­re­la. A se­gu­ran­ça pú­bli­ca e a ju­rí­di­ca são de­man­das de to­dos os ci­da­dãos de bem do País. Or­dem, com res­pei­to ao Es­ta­do de Di­rei­to.

No mo­men­to em que o fu­tu­ro pre­si­den­te es­co­lhe sua equi­pe, há uma dis­pu­ta por car­gos que tam­bém faz par­te do jogo de­mo­crá­ti­co, des­de que os in­te­res­ses su­bal­ter­nos não triun­fem: o po­der ja­mais po­de­rá ser dis­pu­ta­do ape­nas “pe­lo po­der em si”, mas co­mo ins­tru­men­to de ser­vir à na­ção.

Nes­se ce­ná­rio, a agro­pe­cuá­ria e o agro­ne­gó­cio bra­si­lei­ros vi­vem um mo­men­to de mui­ta con­fi­an­ça e es­pe­ran­ça. Hou­ve gran­de dis­pu­ta pe­lo car­go de mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra, mas em um ní­vel ele­va­do. Na­da de am­bi­ções ou vai­da­des, pre­va­le­ceu a von­ta­de de acer­tar. Tam­bém hou­ve uma dis­cus­são tran­qui­la em tor­no da in­ten­ção do fu­tu­ro pre­si­den­te de uni­fi­car os mi­nis­té­ri­os da Agri­cul­tu­ra e do Meio Am­bi­en­te. Fe­liz­men­te pre­va­le­ceu o bom sen­so e a ideia foi aban­do­na­da: o que im­por­ta é a co­or­de­na­ção en­tre os di­fe­ren­tes mi­nis­té­ri­os e tam­bém de or­ga­nis­mos afins (Iba­ma, Em­bra­pa, An­vi­sa, ANA, en­tre ou­tros) na de­fi­ni­ção dos ru­mos do go­ver­no to­do.

Mas, na cam­pa­nha elei­to­ral, o en­tão can­di­da­to Jair Bol­so­na­ro afir­mou al­gu­mas ve­zes que es­co­lhe­ria um mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra afi­na­do com o cam­po. Cum­priu sua pro­mes­sa: se­rá mi­nis­tra da Agri­cul­tu­ra, Pe­cuá­ria e Abas­te­ci­men­to a de­pu­ta­da fe­de­ral Te­re­za Cris­ti­na, de Ma­to Gros­so do Sul. Co­nhe­ce do as­sun­to: é en­ge­nhei­ra agrô­no­ma, de mo­do que tem uma formação aca­dê­mi­ca com­pa­tí­vel com o car­go, nin­guém pre­ci­sa­rá lhe en­si­nar na­da. Foi se­cre­tá­ria es­ta­du­al da Agri­cul­tu­ra em um Es­ta­do agrí­co­la, e as­sim co­nhe­ce de ges­tão pú­bli­ca em sua área de ati­vi­da­de. Tam­bém aí não de­man­da au­las. E, sen­do de­pu­ta­da fe­de­ral, foi elei­ta pre­si­den­te da Fren­te Par­la­men­tar Agro­pe­cuá­ria, uma das mai­o­res e mais ati­vas do Con­gres­so, am­bi­en­te tra­di­ci­o­nal­men­te mas­cu­li­no. Por­tan­to, tem o res­pei­to ma­jo­ri­tá­rio da ban­ca­da com a qual pre­ci­sa­rá con­tar no exer­cí­cio de su­as fun­ções a par­tir de 1.º de ja­nei­ro. Te­re­za Cris­ti­na, pri­mei­ra mu­lher a com­por o mi­nis­té­rio, é ad­mi­ra­da e aca­ta­da pe­las en­ti­da­des do agro, se­jam aque­las re­pre­sen­ta­ti­vas de ca­dei­as pro­du­ti­vas, se­jam as ge­ne­ra­lis­tas co­mo CNA, OCB, SRB e Abag. É, em su­ma, um óti­mo mo­men­to pa­ra o agro, que tam­bém tem em Onix Lo­ren­zo­ni, fu­tu­ro mi­nis­tro-che­fe da Casa Ci­vil, um egres­so da FPA. E va­le res­sal­tar que o vi­ce­pre­si­den­te elei­to, ge­ne­ral Mou­rão, tem fei­to pro­nun­ci­a­men­tos des­ta­can­do a im­por­tân­cia que o agro te­rá no no­vo go­ver­no. Nos­sa fu­tu­ra mi­nis­tra vai se om­bre­ar com ou­tros bra­si­lei­ros ilus­tres em um mi­nis­té­rio de al­to ní­vel que vai sen­do cui­da­do­sa­men­te mon­ta­do.

Va­mos ao en­ten­di­men­to, mas com or­dem, pa­la­vra cen­tral do an­seio na­ci­o­nal

✽ EX-MI­NIS­TRO DA AGRI­CUL­TU­RA E CO­OR­DE­NA­DOR DO CEN­TRO DE AGRO­NE­GÓ­CI­OS DA FUN­DA­ÇÃO GETÚLIO VAR­GAS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.