Robô aju­da au­tor a es­cre­ver diá­lo­go de fic­ção ci­en­tí­fi­ca

Má­qui­na ali­men­ta­da com co­le­ção de con­tos e clás­si­cos do es­ti­lo cria su­as pró­pri­as fra­ses pa­ra o es­cri­tor Ro­bin Slo­an

O Estado de S. Paulo - - Economia - Da­vid Streit­feld

O es­cri­tor Ro­bin Slo­an tem um parceiro de tra­ba­lho em seu no­vo ro­man­ce: um com­pu­ta­dor. Pa­ra ele, a ideia de que um ro­man­cis­ta é al­guém se es­for­çan­do so­zi­nho em uma sa­la, equi­pa­do com na­da mais que de­ter­mi­na­ção e ins­pi­ra­ção, po­de fi­car ob­so­le­ta em bre­ve. Slo­an es­tá es­cre­ven­do seu pró­xi­mo li­vro com a aju­da de um soft­ware ca­sei­ro, capaz de ter­mi­nar su­as fra­ses com o aper­tar de uma te­cla.

Tal­vez se­ja ce­do pa­ra adi­ci­o­nar “ro­man­cis­ta” à lon­ga lis­ta de em­pre­gos que a in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al vai eli­mi­nar – co­mo mo­to­ris­tas de tá­xi, aten­den­tes de te­le­mar­ke­ting e bal­co­nis­tas. Mas, se vo­cê ob­ser­var Slo­an no tra­ba­lho, fi­ca cla­ro que os com­pu­ta­do­res vão re­de­fi­nir a cri­a­ti­vi­da­de.

Ele tem um mé­to­do de tra­ba­lho cu­ri­o­so: pri­mei­ro, es­cre­ve tre­chos de tex­to, que en­via pa­ra si mesmo co­mo men­sa­gens. De­pois, des­do­bra es­sas men­sa­gens em pas­sa­gens mais lon­gas. Seu no­vo ro­man­ce, ain­da sem tí­tu­lo, é am­bi­en­ta­do em um fu­tu­ro pró­xi­mo, na Ca­li­fór­nia, on­de a na­tu­re­za ga­nha no­va for­ça.

Em seu es­cri­tó­rio, em Ber­ke­ley, perto de São Fran­cis­co, ele es­cre­ve: “os bi­sões es­tão reu­ni­dos ao re­dor do des­fi­la­dei­ro”. O que vem de­pois? Bate nu­ma te­cla es­pe­ci­al, o com­pu­ta­dor ana­li­sa as úl­ti­mas fra­ses e acres­cen­ta “pe­lo céu nu” à sequência. “Eu te­ria es­cri­to is­so so­zi­nho? Tal­vez não. A lin­gua­gem sim­ples­men­te vem do com­pu­ta­dor e acei­to”, diz Slo­an.

Ho­je, seu soft­ware não é ro­tu­la­do co­mo al­go tão gran­di­o­so co­mo in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al. É uma má­qui­na apren­den­do, fa­ci­li­tan­do e am­pli­an­do su­as pró­pri­as pa­la­vras e ima­gi­na­ção. Em um cer­to ní­vel, is­so ape­nas o aju­da a fa­zer o que os es­cri­to­res ini­ci­an­tes sempre fi­ze­ram – mer­gu­lhar nas obras que que­rem imi­tar. Es­cri­to­res são lei­to­res, afi­nal.

Au­to­di­da­ta. Au­to­de­cla­ra­do in­ven­tor, Slo­an co­me­çou a tra­ba­lhar na cri­a­ção au­xi­li­a­da por com­pu­ta­do­res há al­gum tem­po, mo­vi­do por uma “cu­ri­o­si­da­de nerd”. Ele par­te do prin­cí­pio de que, se as má­qui­nas po­dem ler, en­tão tam­bém po­dem es­cre­ver.

Pa­ra che­car es­sa ideia, com­prou uma ba­se de da­dos de tex­tos da Ga­laxy e da If, du­as re­vis­tas po­pu­la­res de fic­ção ci­en­tí­fi­ca dos anos 1950. Fez o com­pu­ta­dor lê-las pa­ra co­me­çar a es­cre­ver su­as pró­pri­as fra­ses. Após mui­tas ten­ta­ti­vas e mui­tos er­ros, o pro­gra­ma che­gou a uma fa­se con­si­de­ra­da acei­tá­vel pe­lo au­tor.

Es­sas re­vis­tas, no en­tan­to, eram chei­as de cli­chês. Pa­ra au­men­tar seu re­per­tó­rio, Slo­an ali­men­tou a má­qui­na com o que cha­ma de “A Co­le­ção de Obras da Ca­li­fór­nia”. São ro­man­ces de Dashi­ell Ham­mett, John Stein­beck e Phi­lip K. Dick, can­ções de Johnny Cash, an­ti­gos ar­ti­gos da re­vis­ta Wi­red e his­tó­ri­as so­bre o sur­gi­men­to do Va­le do Si­lí­cio, en­tre ou­tros. “O acer­vo mu­da o tem­po to­do.”

Por en­quan­to, a má­qui­na só se­rá res­pon­sá­vel por uma pe­que­na par­te do ro­man­ce: o sis­te­ma é res­pon­sá­vel ape­nas pe­las fa­las de um com­pu­ta­dor, um dos prin­ci­pais per­so­na­gens da his­tó­ria. A mai­or par­te do tex­to, po­rém, fi­ca com Slo­an e sua pró­pria ins­pi­ra­ção.

Slo­an não se vê co­mer­ci­a­li­zan­do o pro­gra­ma, mas fi­ca in­tri­ga­do com as pos­si­bi­li­da­des. Pa­ra ele, au­to­res co­mo John Grisham ou Stephen King po­de­ri­am fa­cil­men­te ven­der pro­gra­mas que usas­sem seus mui­tos tra­ba­lhos pa­ra aju­dar fãs a pro­du­zir “imi­ta­ções au­to­ri­za­das”.

PE­TER PRA­TO / THE NEW YORK TI­MES – 28/9/2018

Obra. Sis­te­ma cri­a­do por Slo­an cria fra­ses de per­so­na­gem

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.