Ca­te­dral da Sé re­to­ma mis­sas

Vol­ta foi mar­ca­da pe­lo dis­tan­ci­a­men­to so­ci­al en­tre os fiéis, uso de más­ca­ras e ál­co­ol em gel

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Gon­ça­lo Ju­ni­or

Com ál­co­ol em gel e dis­tan­ci­a­men­to, cer­ca de 50 fiéis as­sis­ti­ram à pri­mei­ra mis­sa após a re­a­ber­tu­ra. A Pre­fei­tu­ra de SP, que on­tem en­cer­rou ati­vi­da­des do hos­pi­tal de cam­pa­nha do Pacaembu, es­tu­da dei­xar de usar lei­tos pri­va­dos.

Com ál­co­ol em gel na ho­ra da co­mu­nhão, uso de más­ca­ra e dis­tan­ci­a­men­to en­tre fiéis, a Ca­te­dral da Sé re­to­mou as mis­sas com a pre­sen­ça do pú­bli­co on­tem na Pra­ça da Sé, cen­tro de São Pau­lo. A re­a­ber­tu­ra das Igre­jas Ca­tó­li­ca e Or­to­do­xa

acom­pa­nha um pro­to­co­lo sa­ni­tá­rio de re­to­ma­da gra­du­al apro­va­do pe­la Pre­fei­tu­ra.

Des­de mar­ço, as ce­le­bra­ções re­li­gi­o­sas e de­mais ati­vi­da­des pas­to­rais das pa­ró­qui­as da Arquidioce­se de São Pau­lo ocor­ri­am sem a pre­sen­ça de fiéis. An­te­on­tem, a igre­ja já ha­via fei­to um en­saio pa­ra re­a­brir.

Cer­ca de 50 pes­so­as acom­pa­nha­ram a mis­sa do meio-dia. A Sé es­ta­va pre­pa­ra­da pa­ra re­ce­ber 240 fiéis, to­tal per­mi­ti­do no mo­men­to. Com is­so, a ca­te­dral não che­gou nem per­to de uma aglo­me­ra­ção. Pe­lo pro­to­co­lo, igre­jas de­vem res­pei­tar es­pa­ço mí­ni­mo de 1,5 me­tro en­tre pes­so­as. A en­tra­da foi fei­ta pe­la por­ta la­te­ral, mais es­trei­ta, pa­ra fa­ci­li­tar a hi­gi­e­ni­za­ção de quem che­gas­se. O ál­co­ol em gel foi usa­do com frequên­cia, mas não hou­ve me­di­ção de tem­pe­ra­tu­ra, item pre­vis­to no pro­to­co­lo.

A mu­dan­ça mais per­cep­tí­vel foi o dis­tan­ci­a­men­to en­tre os vi­si­tan­tes. Ca­da ban­co só per­mi­tia três pes­so­as sen­ta­das – o res­tan­te era co­ber­to por uma fi­ta ade­si­va ama­re­la e pre­ta. A ocu­pa­ção dos ban­cos te­ve de ser fei­ta de mo­do al­ter­na­do, sem­pre com es­pa­ços va­zi­os en­tre as fi­lei­ras. O uso de más­ca­ras era obri­ga­tó­rio, mas nem sem­pre correto. Mui­tos dei­xa­vam a pro­te­ção no quei­xo du­ran­te a ce­le­bra­ção. “A gen­te es­tra­nha um pou­co a dis­tân­cia, um lon­ge do ou­tro, mas é ne­ces­sá­rio nes­te mo­men­to”, diz a do­na de ca­sa Ma­ria Inês da Sil­va, de 52 anos.

A mis­sa tam­bém te­ve de al­te­rar ri­tos, co­mo a co­mu­nhão. An­tes do sa­cra­men­to, as pes­so­as re­ce­bi­am ál­co­ol em gel, ofe­re­ci­do por fun­ci­o­ná­ri­os da igre­ja. O mo­men­to foi si­len­ci­o­so, sem a tra­di­ci­o­nal tro­ca de pa­la­vras en­tre o pa­dre e o fi­el. A co­mu­nhão era o mo­men­to mais es­pe­ra­do pe­lo ven­de­dor Daniel Sban­zi­o­ne. “Faz mui­ta fal­ta o con­ta­to fí­si­co e, prin­ci­pal­men­te, a co­mu­nhão. Sen­ti fal­ta des­te mo­men­to”, dis­se ele, de 42 anos.

A pro­fes­so­ra Os­ma­ri­na Mo­li­na, de 61 anos, fez ques­tão de acom­pa­nhar a mis­sa no pri­mei­ro dia de re­to­ma­da, pois sen­tia fal­ta do am­bi­en­te de con­for­to es­pi­ri­tu­al. Ela pe­diu que o fi­lho a le­vas­se de In­ter­la­gos, zo­na sul, ao cen­tro. “A gen­te agra­de­ce to­dos os es­for­ços pa­ra a trans­mis­são das mis­sas, mas o en­con­tro pre­sen­ci­al é mui­to di­fe­ren­te. É a ca­sa de Deus. Pre­ci­sá­va­mos des­se apoio pa­ra con­ti­nu­ar nes­se mo­men­to di­fí­cil”, dis­se a edu­ca­do­ra.

O pa­dre Bru­no Vi­vas, se­cre­tá­rio exe­cu­ti­vo da Arquidioce­se de São Pau­lo, diz que ou­viu mui­tos pe­di­dos pa­ra re­a­brir as igre­jas, prin­ci­pal­men­te no Pi­que­ri, pa­ró­quia on­de atua, mas tam­bém em ou­tros lo­cais. “Em al­gu­mas igre­jas, per­ce­be­mos a pre­sen­ça de pes­so­as re­zan­do nas cal­ça­das. Es­ta­vam com sau­da­des. Era o mo­men­to de vol­tar.”

WERTHER SAN­TA­NA/ESTADÃO

Co­mu­nhão. Fiéis res­pei­tam o iso­la­men­to so­ci­al im­pos­to na pri­mei­ra mis­sa ce­le­bra­da na Ca­te­dral da Sé des­de o iní­cio da qua­ren­te­na, em mar­ço

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.