Ho­me of­fi­ce e ho­rá­rio fle­xí­vel vi­ram trunfos pa­ra atrair pro­fis­si­o­nais

Pes­qui­sa mos­tra que quem bus­ca uma car­rei­ra pas­sou a va­lo­ri­zar mais es­ses ‘be­ne­fí­ci­os’ em uma em­pre­sa

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - “A gen­te tem de ter apoio, ain­da mais quan­do so­mos jo­vens, mui­tas ve­zes es­ta­mos per­di­dos” Ma­nu­e­la Ber­nar­di­no, es­ta­giá­ria da IBM Ma­ri­na Day­rell

Em tem­po de pan­de­mia, mu­dan­ças no mer­ca­do de tra­ba­lho têm le­va­do pro­fis­si­o­nais a dei­xar de con­si­de­rar o sa­lá­rio co­mo úni­ca re­fe­rên­cia ao bus­car em­pre­go. Além da re­mu­ne­ra­ção, be­ne­fí­ci­os co­mo fle­xi­bi­li­da­de de ho­rá­rio e ho­me of­fi­ce pas­sa­ram a ter mai­or pe­so. Pes­qui­sa fei­ta pe­la star­tup de re­cru­ta­men­to Re­ve­lo a pe­di­do do Es­ta­dão per­gun­tou a 378 pro­fis­si­o­nais o que faz uma em­pre­sa ser “dos so­nhos”. A mai­o­ria (69%) apon­tou ho­rá­rio fle­xí­vel e ho­me of­fi­ce. Sa­lá­rio aci­ma da mé­dia foi es­co­lhi­do por 36%. Am­bi­en­te sau­dá­vel e pos­si­bi­li­da­de de de­sen­vol­vi­men­to pes­so­al são tam­bém va­lo­res em al­ta pa­ra pro­fis­si­o­nais co­mo Sa­mantha Al­mei­da, di­re­to­ra do Twit­ter no Bra­sil. Pa­ra Pa­trí­cia Car­va­lho, da Re­ve­lo, é im­por­tan­te pa­ra as em­pre­sas en­ten­der os de­se­jos dos pro­fis­si­o­nais pa­ra atrair e re­ter ta­len­tos. Ape­sar da cri­se, au­men­tou a dis­pu­ta por quem pos­sa fa­zer a di­fe­ren­ça num mer­ca­do ca­da vez mais com­pe­ti­ti­vo. Além dis­so, pro­fis­si­o­nais mais jo­vens têm com­por­ta­men­to di­fe­ren­te. Pre­o­cu­pa­dos com qua­li­da­de de vi­da, eles não ves­tem a ca­mi­sa só por sa­lá­rio, mas por va­lo­res da em­pre­sa.

“Ca­da vez mais as em­pre­sas po­dem fle­xi­bi­li­zar e mo­du­lar os be­ne­fí­ci­os. Sair do mo­de­lo du­ro, em que tu­do é igual pa­ra

to­do mun­do” AMAN­DA ARA­GÃO, LÍ­DER DE RE­CRU­TA­MEN­TO DA CON­SUL­TO­RIA MAIS DI­VER­SI­DA­DE

Na ho­ra de es­co­lher um no­vo em­pre­go, é cla­ro que o sa­lá­rio im­por­ta. Mas, no pla­ne­ja­men­to da car­rei­ra dos so­nhos, pro­fis­si­o­nais olham além dos nú­me­ros. Ao la­do da re­mu­ne­ra­ção, na lis­ta de de­se­jos apa­re­cem be­ne­fí­ci­os co­mo tra­ba­lho fle­xí­vel e pos­si­bi­li­da­de de ho­me of­fi­ce, am­bi­en­te sau­dá­vel, pro­pó­si­to da em­pre­sa, com­pro­mis­so so­ci­o­am­bi­en­tal e com a di­ver­si­da­de, além de va­lo­ri­za­ção da equi­pe e pos­si­bi­li­da­de cla­ra de de­sen­vol­vi­men­to.

Uma pes­qui­sa fei­ta pe­la Re­ve­lo, star­tup de re­cru­ta­men­to, a pe­di­do do Es­ta­dão, per­gun­tou a 378 pro­fis­si­o­nais o que faz uma em­pre­sa ser con­si­de­ra­da ‘dos so­nhos’. En­tre as res­pos­tas – ca­da um po­dia es­co­lher até du­as op­ções –, 69% apon­ta­ram o ho­rá­rio fle­xí­vel e o ho­me of­fi­ce; 36% dis­se­ram olhar pa­ra sa­lá­rio aci­ma da mé­dia do mer­ca­do; 36%, o com­pro­mis­so com di­ver­si­da­de, sus­ten­ta­bi­li­da­de e ou­tros pro­pó­si­tos; 18%, a participaç­ão nos lu­cros; e 15%, os bô­nus por per­for­man­ce.

Ape­sar da cri­se na eco­no­mia e no mer­ca­do de tra­ba­lho, as em­pre­sas bus­cam ofe­re­cer be­ne­fí­ci­os ex­tras pa­ra os fun­ci­o­ná­ri­os por­que se de­ram con­ta que au­men­tou a dis­pu­ta por ta­len­tos que pos­sam fa­zer a di­fe­ren­ça em um mer­ca­do ca­da vez mais com­pe­ti­ti­vo. Além dis­so, os pro­fis­si­o­nais mais jo­vens – e os de mai­or po­ten­ci­al – têm um com­por­ta­men­to di­fe­ren­te das ge­ra­ções an­te­ri­o­res. Es­tão mais pre­o­cu­pa­dos com a qua­li­da­de de vi­da e em en­con­trar um pro­pó­si­to pa­ra seu tra­ba­lho. Eles não ves­tem a ca­mi­sa da em­pre­sa ape­nas pe­lo sa­lá­rio, mas por se iden­ti­fi­car com os va­lo­res da com­pa­nhia. Na pan­de­mia, es­sa mu­dan­ça de com­por­ta­men­to fi­cou mais evi­den­te, co­mo mos­tra a pes­qui­sa da Re­ve­lo.

No le­van­ta­men­to, o ho­me of­fi­ce e o tra­ba­lho fle­xí­vel apa­re­cem co­mo pri­o­ri­da­de pa­ra to­dos os gru­pos de ida­de, com mai­o­res ín­di­ces en­tre quem tem de 18 a 23 anos (41%) e de 35 a 40 anos (37%). Já o sa­lá­rio foi ci­ta­do co­mo item im­por­tan­te prin­ci­pal­men­te nas fai­xas de 24 a 29 anos e de 35 a 40 anos, mas com ín­di­ce de 20%, em am­bos os ca­sos.

O com­pro­mis­so com di­ver­si­da­de, sus­ten­ta­bi­li­da­de e ou­tros pro­pó­si­tos da mar­ca são mais im­por­tan­tes pa­ra os mais jo­vens, en­tre 18 e 29 anos.

“Com um no­vo sis­te­ma hí­bri­do, com a jun­ção do mo­de­lo de tra­ba­lho on­li­ne e do offline, é mui­to im­por­tan­te en­ten­der quais são os be­ne­fí­ci­os al­me­ja­dos pe­los pro­fis­si­o­nais que vão ope­rar nes­te no­vo mo­de­lo nas em­pre­sas”, des­ta­ca Pa­trí­cia Car­va­lho, di­re­to­ra de mar­ke­ting da Re­ve­lo. “As­sim, lí­de­res e de­par­ta­men­tos de Re­cur­sos Hu­ma­nos po­dem adap­tar os be­ne­fí­ci­os e au­men­tar a atra­ti­vi­da­de pa­ra os can­di­da­tos, pois o mer­ca­do es­tá dis­pu­tan­do pro­fis­si­o­nais.”

Em­pre­sas se em­pe­nham pa­ra ofe­re­cer be­ne­fí­ci­os com­pe­ti­ti­vos (que in­clu­em até au­xí­lio pa­ra fer­ti­li­za­ção ou ado­ção de cri­an­ça), pa­ra apon­tar ten­dên­ci­as e re­ter os me­lho­res ta­len­tos, além de cons­truir uma boa ima­gem de em­pre­ga­do­ra.

Pa­ra Aman­da Ara­gão, lí­der da área de re­cru­ta­men­to e se­le­ção da con­sul­to­ria Mais Di­ver­si­da­de, três pon­tos têm apa­re­ci­do en­tre as pre­fe­rên­ci­as dos can­di­da­tos na ho­ra de es­co­lher um no­vo em­pre­go, prin­ci­pal­men­te pa­ra os mais jo­vens: a pos­si­bi­li­da­de de de­sen­vol­ver múl­ti­plas car­rei­ras, o sen­so de per­ten­ci­men­to e o pro­pó­si­to.

Ain­da é um pe­so mui­to gran­de es­co­lher uma car­rei­ra na ado­les­cên­cia e fa­zer aque­la mes­ma coi­sa pa­ra o res­to da vi­da. Por is­so, diz a es­pe­ci­a­lis­ta, mui­tos jo­vens têm op­ta­do por em­pre­sas que in­cen­ti­vam a mo­bi­li­da­de en­tre áre­as. Já o sen­so de per­ten­ci­men­to vem ali­nha­do a um am­bi­en­te que pro­por­ci­o­na se “As

gu­ran­ça psi­co­ló­gi­ca. Is­so ocor­re quan­do o fun­ci­o­ná­rio en­ten­de que ele é bem-vin­do na em­pre­sa. “A pes­soa po­der as­su­mir ris­cos, não se sen­tir de­sam­pa­ra­da nem ex­pos­ta e po­der ser ela mes­ma. O pro­fis­si­o­nal se sen­te se­gu­ro ao fa­lar sua vi­são em uma reu­nião mes­mo que ela se­ja opos­ta à da mai­o­ria.”

De acor­do com Aman­da, a pre­o­cu­pa­ção com o pro­pó­si­to sig­ni­fi­ca en­ten­der co­mo o pro­fis­si­o­nal irá in­ves­tir o tem­po de­le e co­mo is­so con­tri­bui­rá pa­ra a so­ci­e­da­de. As em­pre­sas de van­guar­da têm da­do exem­plos de que sa­lá­rio e pro­pó­si­to não an­dam em di­re­ções opos­tas. “As pes­so­as es­tão me­nos dis­pos­tas a in­ves­tir o tem­po de­las so­men­te pa­ra o re­sul­ta­do fi­nan­cei­ro.”

Pa­ra cons­truir a sua car­rei­ra, Sa­mantha Al­mei­da, de 39 anos, con­ta que apren­deu mui­to ce­do a de­fi­nir pri­o­ri­da­des. “Eu en­ten­di os meus ‘ine­go­ciá­veis’, o que eu fa­ço e o que eu não fa­ço. Se­ja o que for, eu vou em­pre­gar as mi­nhas ha­bi­li­da­des e pre­ci­so ga­ran­tir os meus ‘ine­go­ciá­veis’. A par­tir des­sa de­fi­ni­ção vem a adap­ta­ção. Eu sem­pre fa­ço es­sa con­ta: pre­fi­ro lu­ga­res on­de eu pos­sa usar a mi­nha pers­pec­ti­va de mun­do, de vi­da, e as mi­nhas ex­pe­ri­ên­ci­as pa­ra cons­truir uma ter­cei­ra coi­sa.”

Há dois me­ses, ela ocu­pa o car­go de di­re­to­ra do Twit­ter Next Bra­sil, área es­tra­té­gi­ca da mar­ca de­di­ca­da ao de­sen­vol­vi­men­to de cam­pa­nhas e for­ma­tos pu­bli­ci­tá­ri­os pa­ra anun­ci­an­tes. O que po­de ser cu­ri­o­so con­si­de­ran­do que ela co­me­çou a car­rei­ra – ou as vá­ri­as car­rei­ras, com ela mes­ma diz – com uma gra­du­a­ção em De­sign de Mo­da. “Eu já fiz tan­ta coi­sa nes­sa vi­da. Às ve­zes, as pes­so­as me per­gun­tam ‘mas co­mo vo­cê foi pa­rar no Twit­ter?’ Eu fa­lo ‘não sei, é uma boa per­gun­ta’.”

Sa­mantha foi se gui­an­do pe­los pon­tos dos quais não abria mão e en­ten­den­do on­de po­de­ria ser útil. “Nun­ca me pren­di a ca­dei­ras. Eu fiz mo­vi­men­tos horizontai­s, até re­tro­ces­sos. Mas eu não te­ria a ba­ga­gem que te­nho. Eu me pre­pa­ro pa­ra o mun­do: o que o mun­do vai pre­ci­sar ver­sus quais as mi­nhas ha­bi­li­da­des e co­mo pos­so dis­po­ni­bi­li­zá-las pro­fis­si­o­nal­men­te.”

Ao lon­go dos anos, ela foi da mo­da pa­ra a pu­bli­ci­da­de, das mar­cas de mo­da pa­ra as mar­cas de be­le­za, de­las pa­ra agên­cia de co­mu­ni­ca­ção, fo­cou no di­gi­tal e che­gou ao Twit­ter. Ho­je, ine­go­ciá­vel pa­ra ela é o que cha­ma de “tra­ba­lhar em em­pre­sas que tra­ba­lham pa­ra pes­so­as”.

“Eu não vou pa­ra um lu­gar pa­ra on­de eu não pos­sa tra­zer a pers­pec­ti­va da ba­se, da co­mu­ni­da­de, on­de eu não pos­sa le­van­tar a mão na sa­la e fa­lar ‘ga­le­ra, a mai­o­ria da po­pu­la­ção não é as­sim’, ‘se­rá que is­so faz sen­ti­do pa­ra as mu­lhe­res?’”, con­ta.

Pri­o­ri­da­des. O am­bi­en­te da em­pre­sa e o vo­lu­me de tra­ba­lho tam­bém são ine­go­ciá­veis mes­mo pa­ra quem es­tá co­me­çan­do a car­rei­ra, co­mo a ad­vo­ga­da Ma­ri­na Onet­to, de 23 anos. Re­cém-for­ma­da, ela tro­cou um es­cri­tó­rio de por­te mé­dio por um me­nor e que foi cri­a­do há pou­cos me­ses.

“É uma ges­tão jo­vem, o que aju­da a fa­zer com que o am­bi­en­te de tra­ba­lho se­ja bom e o res­pei­to pe­lo co­la­bo­ra­dor se­ja gran­de. Is­so me mo­ti­vou, além do es­cri­tó­rio ser mui­to per­to de ca­sa”, con­ta. Mas o prin­ci­pal in­cen­ti­vo ao em­pre­go, con­ta ela, é a pos­si­bi­li­da­de de aju­dar a cons­truir uma no­va em­pre­sa.

“É mui­to po­si­ti­vo vo­cê po­der fa­zer par­te de um ne­gó­cio des­de o co­me­ço, aju­dar a fa­zer acon­te­cer. Se tu­do der cer­to, eu es­tou lá des­de o co­me­ço, par­ti­ci­pei dis­so. Fa­zer par­te da cons­tru­ção do ne­gó­cio va­lo­ri­za um pro­fis­si­o­nal”, ex­pli­ca. “A ques­tão sa­la­ri­al é mui­to im­por­tan­te. São Pau­lo é uma ci­da­de ca­ra, mas eu per­ce­bi que um am­bi­en­te de tra­ba­lho agra­dá­vel pe­sa mais. Gos­to de pen­sar que va­le a pe­na pro­cu­rar um am­bi­en­te em que eu te­nha um equi­lí­brio le­gal en­tre vi­da pes­so­al e pro­fis­si­o­nal, prin­ci­pal­men­te no ho­me of­fi­ce. Eu não fun­ci­o­no se eu ti­ver que fi­car 24 ho­ras por dia de­di­ca­da ao tra­ba­lho.”

En­ten­der a cul­tu­ra da em­pre­sa e ter o cha­ma­do “mat­ch” ou “fit” cul­tu­ral pe­sou pa­ra a pu­bli­ci­tá­ria Isa­be­la Gui­ma­rães, de 28 anos, que tra­ba­lha há dois anos e meio na Elec­tro­lux na Sué­cia. “Eu acre­di­to mui­to na cul­tu­ra da em­pre­sa, eu con­si­de­ro mui­to o am­bi­en­te, se é wor­kaho­lic ou não – se for, não é pa­ra mim. A mi­nha car­rei­ra não é uma tra­je­tó­ria mui­to li­ne­ar.”

Mat­ch. A es­tu­dan­te de Ci­ên­ci­as da Com­pu­ta­ção Ma­nu­e­la Ber­nar­di­no, de 20 anos, co­nhe­ceu a em­pre­sa dos so­nhos há mais de dois anos, num even­to pa­ra pro­fis­si­o­nais ne­gros na IBM. “Fi­quei cho­ca­da com o ta­ma­nho da em­pre­sa e mui­to fe­liz quan­do vi mu­lhe­res ne­gras fa­lan­do no even­to. Na­que­le mo­men­to, eu de­ci­di que era ali que eu que­ria fi­car. Saí de lá e pes­qui­sei mais so­bre a em­pre­sa.”

Ela se can­di­da­tou pa­ra uma va­ga de jo­vem apren­diz e não foi se­le­ci­o­na­da. Quis de­sis­tir, mas uma men­to­ra a en­co­ra­jou a es­tu­dar mais e ten­tar de no­vo. “A en­tre­vis­ta em si não foi di­fí­cil, acho que foi mais o meu bri­lho no olho de qu­e­rer en­trar pa­ra a em­pre­sa. Mas a pre­pa­ra­ção me aju­dou mui­to.”

Há dois anos na cor­po­ra­ção, Ma­nu­e­la já re­a­li­zou vá­ri­os so­nhos: foi pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos a tra­ba­lho, com tu­do pa­go pe­la IBM, e há um mês se tor­nou es­ta­giá­ria de de­sen­vol­vi­men­to. A pró­xi­ma me­ta é se tor­nar ge­ren­te até os 26 anos, tra­ba­lhan­do com tec­no­lo­gia fo­ca­da em di­ver­si­da­de e in­clu­são.

Ma­nu­e­la diz que a va­lo­ri­za­ção pro­fis­si­o­nal é um dos itens que a fi­ze­ram se­guir es­co­lhen­do a IBM co­mo a em­pre­sa dos so­nhos. “Vo­cê tem um va­lor pa­ra a em­pre­sa in­de­pen­den­te­men­te do seu car­go. A gen­te tem de ter apoio, ain­da mais quan­do so­mos jo­vens, por­que mui­tas ve­zes es­ta­mos per­di­dos, sem sa­ber o que e co­mo fa­zer. O res­pei­to tam­bém é fun­da­men­tal. No ho­me of­fi­ce, qua­se to­do dia re­ce­bo men­sa­gem per­gun­tan­do se pre­ci­so de al­go, se mi­nha fa­mí­lia es­tá bem.”

TABA BENEDICTO / ES­TA­DÃO

Mu­dan­ças. Sa­mantha Al­mei­da, di­re­to­ra do Twit­ter Next Bra­sil, pre­fe­re lu­ga­res em que use sua pers­pec­ti­va de vi­da

AMAN­DA ARA­GÃO

PE­DRO PAVANATO

TABA BENEDICTO/ES­TA­DÃO

De olho aberto. Sa­mantha Al­mei­da, do Twit­ter: “tra­ba­lhar em em­pre­sas que tra­ba­lham pa­ra pes­so­as”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.