VE­RE­A­DOR DE SP TEM CAM­PA­NHA MAIS RI­CA DO PAÍS

Ex-pre­si­den­te da Câ­ma­ra de SP, Mil­ton Lei­te es­tá no car­go des­de 1996 e de­cla­ra re­cei­ta de R$ 2,4 mi

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Bru­no Ri­bei­ro Pe­dro Ven­ces­lau

Mil­ton Lei­te (DEM), ex­pre­si­den­te da Câ­ma­ra de São Pau­lo, tem a cam­pa­nha pa­ra ve­re­a­dor mais ca­ra do País, com re­cei­ta de R$ 2,4 mi­lhões. Na zo­na sul da ca­pi­tal, são cer­ca de 500 ca­bos elei­to­rais.

Até o mo­men­to, Mil­ton Lei­te (DEM), ex-pre­si­den­te da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de São Pau­lo e um dos prin­ci­pais ali­a­dos da ges­tão Bru­no Co­vas (PSDB), é o do­no da cam­pa­nha pa­ra ve­re­a­dor mais ca­ra do País, su­pe­ran­do or­ça­men­tos até de can­di­da­tos a pre­fei­to das ca­pi­tais. Ele de­cla­rou ao Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE) re­cei­ta de R$ 2,4 mi­lhões, dos quais R$ 1,9 mi­lhão são do fun­do elei­to­ral.

No mo­men­to em que o de­sem­pre­go ba­te a ca­sa dos 14%, Lei­te usa par­te do di­nhei­ro pa­ra con­tra­tar apoi­a­do­res, dis­tri­buin­do cer­ca de 500 em­pre­gos de aju­dan­tes e di­vul­ga­do­res de cam­pa­nha nos bair­ros de Cam­po Lim­po, Pa­re­lhei­ros e Ca­pe­la do

So­cor­ro, as re­giões da zo­na sul on­de ele tem sua ba­se, com sa­lá­ri­os en­tre R$ 800 e R$ 2,2 mil.

A aten­ção a es­ses bair­ros é um dos mo­ti­vos que fi­ze­ram do ve­re­a­dor um dos po­lí­ti­cos mais po­de­ro­sos da ci­da­de, se­gun­do ve­re­a­do­res e au­xi­li­a­res de Co­vas. Lei­te tem ma­pe­a­do to­dos os equi­pa­men­tos pú­bli­cos ins­ta­la­dos nes­sas re­giões, e pro­cu­ra se­cre­tá­ri­os e di­ri­gen­tes mu­ni­ci­pais pa­ra in­di­car ali­a­dos pa­ra pos­tos-cha­ve nes­ses lo­cais.

Des­sa for­ma, con­se­gue aten­der de­man­das dos elei­to­res e tem man­da­to na Câ­ma­ra, ini­ter­rup­ta­men­te, des­de 1997 – além de ter elei­to um fi­lho de­pu­ta­do fe­de­ral e ou­tro de­pu­ta­do es­ta­du­al. Nas elei­ções pas­sa­das, foi o se­gun­do par­la­men­tar mais vo­ta­do, com 107 mil vo­tos, qua­se to­dos vin­dos des­sas re­giões.

Par­te do apoio vem tam­bém das em­pre­sas de ôni­bus da zo­na sul (ele de­fen­de aber­ta­men­te a

em­pre­sa Transwolff, fun­da­da a par­tir da co­o­pe­ra­ti­va de pe­ru­ei­ros Co­o­per Pan, mas ne­ga usar seu man­da­to pa­ra fa­vo­re­cê-la) e da es­co­la de sam­ba Es­tre­la do Ter­cei­ro Mi­lê­nio, da qu­al o fi­lho Ale­xan­dre é pa­tro­no.

O ve­re­a­dor de 64 anos, en­tre­tan­to, ne­ga que se­ja um as­sis­ten­ci­a­lis­ta. “Sou um po­lí­ti­co que tra­ba­lha mui­to”, dis­se. “Fui o se­gun­do ve­re­a­dor mais vo­ta­do do País em 2012”, con­ti­nu­ou o ve­re­a­dor, ao co­men­tar sua ver­ba de cam­pa­nha. Ele afir­ma que é es­tra­té­gia do par­ti­do in­ves­tir em sua can­di­da­tu­ra. “Em 2016, tam­bém ti­ve a elei­ção mais ca­ra”.

Mil­ton Lei­te di­vi­de o co­man­do do par­ti­do no Es­ta­do com o vi­ce-go­ver­na­dor Ro­dri­go Gar­cia e é um dos di­ri­gen­tes na­ci­o­nais da legenda. Ele tem trân­si­to no Pa­lá­cio dos Ban­dei­ran­tes gra­ças tam­bém à re­la­ção que cons­truiu com o go­ver­na­dor João Do­ria (PSDB) em 2016, quan­do o tu­ca­no dis­pu­tou a elei­ção pa­ra a Pre­fei­tu­ra.

In­fluên­cia.

Lei­te foi um dos prin­ci­pais ar­ti­cu­la­do­res da co­li­ga­ção que ele­geu Do­ria. Em tro­ca, in­di­cou no­mes pa­ra a Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal dos Trans­por­tes e pa­ra as sub­pre­fei­tu­ras de sua re­gião. Du­ran­te o go­ver­no Do­ria, a São Pau­lo Trans­por­tes (SPT­rans) mu­dou a for­ma de re­mu­ne­rar as em­pre­sas de ôni­bus an­tes de con­cluir a li­ci­ta­ção do trans­por­te pú­bli­co, fa­vo­re­cen­do quem ti­nha veí­cu­los mais mo­der­nos. Nes­sa mu­dan­ça, a Transwolff ter­mi­nou, em 2018, por fa­tu­rar 13% a mais do que no an­te­ri­or, trans­por­tan­do me­nos pas­sa­gei­ros, en­quan­to a mé­dia de re­a­jus­te das de­mais em­pre­sas fi­cou em 6%. “A Transwolff re­ce­be mais por­que tem a fro­ta mais no­va, é a que mais in­ves­tiu na ci­da­de”, dis­se o ve­re­a­dor, que ne­gou in­fluên­cia no se­tor. Mas ele não ne­ga ter in­di­ca­do no­mes de sua con­fi­an­ça na Pre­fei­tu­ra. “Nós ven­ce­mos as elei­ções”, dis­se.

Nes­te ano, a Pre­fei­tu­ra mul­ti­pli­cou o va­lor pre­vis­to no or­ça­men­to pa­ra in­ves­ti­men­to nos re­du­tos elei­to­rais de Lei­te. Em Pa­re­lhei­ros, a ver­ba pa­ra obras sal­tou de R$ 8,5 mi­lhões pa­ra cer­ca de R$ 89 mi­lhões. Em Ca­pe­la do So­cor­ro, foi de R$ 19,4 mi­lhões pa­ra R$ 28 mi­lhões, e no M’Boi Mi­rim, de R$ 13 mi­lhões pa­ra R$ 24 mi­lhões. Nas ru­as dos bair­ros, as fai­xas que pe­dem des­cul­pa pe­los trans­tor­nos das obras são as­si­na­das por Lei­te, mas ele ne­ga que as te­nha ins­ta­la­do.

Co­vas “her­dou” Lei­te quan­do as­su­miu a Pre­fei­tu­ra, em 2018. O ve­re­a­dor no­va­men­te as­su­miu o pa­pel de ar­ti­cu­la­dor, sen­do um dos ca­pi­tães do pro­ces­so de es­co­lha do can­di­da­to a vi­ce do atu­al pre­fei­to, que ten­ta a re­e­lei­ção. Ele ten­tou em­pla­car um dos fi­lhos e, quan­do não con­se­guiu, blo­que­ou a ar­ti­cu­la­ção por uma cha­pa pu­ra do

PSDB. Por fim, foi de­ci­si­vo na es­co­lha de Ri­car­do Nu­nes, do MDB. “Mil­ton Lei­te é um ali­a­do e ami­go. Foi e é um ve­re­a­dor im­por­tan­te pa­ra o pre­fei­to e pa­ra o go­ver­na­dor João Do­ria”, dis­se Fer­nan­do Al­fre­do, pre­si­den­te do PSDB da ca­pi­tal.

Ori­gens.

A ha­bi­li­da­de em te­cer re­la­ções en­tre po­lí­ti­cos vem do pri­mei­ro car­go de des­ta­que que ocu­pou na Câ­ma­ra. Por se­te anos, du­ran­te os go­ver­nos de Jo­sé Ser­ra (PSDB) e Gil­ber­to Kas­sab (PSD), Lei­te se al­ter­nou en­tre pre­si­den­te ou re­la­tor da Co­mis­são do Or­ça­men­to. Era com ele que ve­re­a­do­res e o Exe­cu­ti­vo ti­nham de dis­cu­tir as emen­das par­la­men­ta­res. Após a saí­da de ou­tro ca­ci­que do Le­gis­la­ti­vo, Antô­nio Car­los Ro­dri­gues (PL), em 2012, tor­nou-se o par­la­men­tar mais in­flu­en­te da Ca­sa.

Mil­ton Lei­te ini­ci­ou sua vi­da po­lí­ti­ca no fim dos anos 1970, fi­li­a­do ao PCdoB, par­ti­ci­pan­do de mu­ti­rões de mo­ra­dia. Sua in­fluên­cia vem tam­bém da atu­a­ção pa­ra a le­ga­li­za­ção de áre­as ocu­pa­das ir­re­gu­lar­men­te. Par­te da ver­ba ex­tra em Pa­re­lhei­ros, por exem­plo, es­tá sen­do usa­da pa­ra cons­truir cal­ça­men­to eco­ló­gi­co em áre­as de ma­nan­ci­al, que não po­dem ter as­fal­to. Quan­do se ele­geu pe­la pri­mei­ra vez, já ha­via mi­gra­do pa­ra a di­rei­ta, es­co­lhen­do o DEM. Nos anos 1980, abriu uma cons­tru­to­ra, de on­de afir­ma vir seu pa­trimô­nio de­cla­ra­do em R$ 3,6 mi­lhões.

ALEX SIL­VA/ES­TA­DÃO

Per­fil. Com ba­se elei­to­ral na pe­ri­fe­ria da ci­da­de, Mil­ton Lei­te é des­cri­to co­mo ‘ar­ti­cu­la­dor’ e ‘in­flu­en­te’ após mais de du­as dé­ca­das de atu­a­ção na Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de São Pau­lo

WERTHER SAN­TA­NA/ES­TA­DÃO - 27/8/2020

‘Mo­ra­do­res’. Fai­xa de agra­de­ci­men­to a Lei­te e ao pre­fei­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.