Aber­tu­ra de no­vas em­pre­sas dis­pa­ra du­ran­te pan­de­mia

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Cleide Sil­va

A aber­tu­ra de no­vas em­pre­sas, em es­pe­ci­al de mi­cro­em­pre­en­de­do­res in­di­vi­du­ais, deu um sal­to du­ran­te a pan­de­mia – 782,6 mil no se­gun­do qua­dri­mes­tre.

Por con­ta pró­pria. Mo­vi­men­to é pu­xa­do por pes­so­as que per­de­ram em­pre­go ou ti­ve­ram sa­lá­ri­os re­du­zi­dos e vi­ram na cri­a­ção de um ne­gó­cio a chan­ce pa­ra ob­ter ou am­pli­ar ren­da; de maio a agos­to, sal­do é de 782 mil no­vos ne­gó­ci­os, o mai­or pa­ra o pe­río­do des­de 2010

A aber­tu­ra de no­vas em­pre­sas, em es­pe­ci­al os cha­ma­dos MEIs, de mi­cro­em­pre­en­de­do­res in­di­vi­du­ais, deu um sal­to mai­or du­ran­te a pan­de­mia do co­ro­na­ví­rus. Pes­so­as que per­de­ram o em­pre­go ou ti­ve­ram sa­lá­ri­os re­du­zi­dos vi­ram na cri­a­ção de um ne­gó­cio pró­prio a al­ter­na­ti­va pa­ra ob­ter ren­da ex­tra. Com a re­du­ção ou o fim do pa­ga­men­to da aju­da emer­gen­ci­al do go­ver­no, é pos­sí­vel que es­se mo­vi­men­to si­ga em cres­ci­men­to.

Da­dos do Ma­pa de Em­pre­sas, do Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia, mos­tram que no se­gun­do qua­dri­mes­tre hou­ve um sal­do de 782,6 mil no­vas em­pre­sas, re­sul­ta­do da aber­tu­ra de 1,114 mi­lhão de CNPJs e de bai­xas de 331,5 mil. O nú­me­ro de aber­tu­ras, a mai­o­ria MEI, é o mai­or pa­ra o pe­río­do des­de 2010 e 2% su­pe­ri­or ao do ano pas­sa­do. Já o en­cer­ra­men­to de ati­vi­da­des é o me­nor em qua­tro anos e tam­bém 17% abai­xo do ve­ri­fi­ca­do no mes­mo pe­río­do de 2019.

En­tre os no­vos mi­cro­em­pre­en­de­do­res, es­tá Bár­ba­ra Ca­mi­lo, de 31 anos, de­mi­ti­da em mar­ço após oi­to anos nu­ma em­pre­sa de Be­lo Ho­ri­zon­te (MG). Jun­to com um ca­sal de ami­gos que tam­bém fi­cou de­sem­pre­ga­do, ela abriu um MEI e, em ju­nho, cri­ou a Zé Do­nut. Eles co­me­ça­ram a pro­du­zir ros­qui­nhas na pró­pria ca­sa, mas a cli­en­te­la cres­ceu ra­pi­da­men­te e Bár­ba­ra de­ci­diu alu­gar uma lo­ja com mais equi­pa­men­tos e espaço.

O ca­sal pre­fe­riu não ir adi­an­te e ela con­vi­dou o ma­ri­do, que fi­cou de­sem­pre­ga­do um mês de­pois de­la, e uma pri­ma pa­ra se jun­ta­rem ao ne­gó­cio. “Inau­gu­ra­mos a lo­ja há 15 di­as e já pen­sa­mos em am­pli­ar, abrir espaço com me­sas pa­ra que o cli­en­te pos­sa co­mer os do­nuts aqui e to­mar um ca­fé”, diz ela.

O eco­no­mis­ta do Ibre/FGV Ro­dolpho To­bler afir­ma que o au­men­to de no­vas pe­que­nas em­pre­sas já vi­nha ocor­ren­do nos úl­ti­mos anos, mas te­ve im­pul­so na pan­de­mia. “As pes­so­as pre­ci­sa­ram se rein­ven­tar, se­ja por­que per­de­ram o em­pre­go ou pre­ci­sam de ren­da ex­tra.” Se­gun­do ele, hou­ve um pro­ces­so de des­bu­ro­cra­ti­za­ção pa­ra a aber­tu­ra de em­pre­sas e, no ca­so do MEI, há be­ne­fí­ci­os pa­ra atrair a for­ma­li­za­ção de pe­que­nos ne­gó­ci­os, co­mo co­ber­tu­ra pre­vi­den­ciá­ria do INSS (apo­sen­ta­do­ria por ida­de, au­xí­lio-do­en­ça e sa­lá­rio-ma­ter­ni­da­de), ao cus­to de 5% do va­lor do sa­lá­rio mí­ni­mo.

Além dis­so, há in­cen­ti­vos es­ta­du­ais. São Pau­lo, por exem­plo, deu isen­ção de ta­xa de aber­tu­ra de MEI por dois me­ses (até o pró­xi­mo dia 25) e em­pre­sas de pla­nos de saú­de dão des­con­tos pa­ra es­sa ca­te­go­ria.

“Com o au­xí­lio emer­gen­ci­al cain­do pe­la me­ta­de e a si­na­li­za­ção do go­ver­no de que po­de aca­bar, as pes­so­as fi­cam ca­da vez mais com o or­ça­men­to aper­ta­do e co­me­çam a bus­car no­vas fon­tes, e há uma pro­te­ção so­ci­al com o MEI, mes­mo que me­nor em re­la­ção a um tra­ba­lho com car­tei­ra as­si­na­da”, diz To­bler, que tam­bém vê no mo­vi­men­to de al­ta a re­to­ma­da da eco­no­mia, mes­mo que len­ta­men­te.

Mar­ket­pla­ce. O pre­si­den­te do Se­brae, Car­los Mel­les, lem­bra tam­bém da par­ce­ria da en­ti­da­de com o Ma­ga­zi­ne Luiza, que per­mi­te aos em­pre­en­de­do­res ofe­re­ce­rem seus pro­du­tos no mar­ket­pla­ce da re­de. Se­gun­do o Ma­ga­lu, a ini­ci­a­ti­va já atraiu cer­ca de 7 mil par­ti­ci­pan­tes, 60% de­les MEIs, que ven­de­ram no úl­ti­mo tri­mes­tre R$ 1,8 bi­lhão. O Se­brae tam­bém ava­lia par­ce­ri­as se­me­lhan­tes com as Lo­jas Americas e o Mer­ca­do Li­vre, além de ter pro­je­to pa­ra um mar­ket­pla­ce pró­prio.

Mel­les, po­rém, te­me por uma al­ta sig­ni­fi­ca­ti­va na ex­tin­ção de em­pre­sas pe­la Re­cei­ta Fe­de­ral ain­da es­te ano em ra­zão de ina­dim­plên­cia. O Se­brae ten­ta ne­go­ci­ar uma “mo­ra­tó­ria” das dí­vi­das até o pró­xi­mo ano.

O País fe­chou o se­gun­do qua­dri­mes­tre com 19,289 mi­lhões de em­pre­sas ati­vas, sen­do 90% de pe­que­no por­te e MEIs. Em se­tem­bro, hou­ve no­vo sal­do po­si­ti­vo de 252,8 mil em­pre­sas.

O cres­cen­te nú­me­ro de mi­cro­em­pre­en­de­do­res tam­bém im­pul­si­o­na ou­tras em­pre­sas. A Com­pu­four, de Con­cór­dia (SC), ofe­re­ce cur­sos e softwa­res de ges­tão e, em maio, cri­ou o ClippMei, fer­ra­men­ta es­pe­cí­fi­ca pa­ra ge­ren­ci­a­men­to de MEI. O pre­si­den­te da em­pre­sa, Wag­ner Mül­ler, con­ta que atraiu 1,2 mil cli­en­tes até ago­ra, além de re­gis­trar al­ta de 10% na cli­en­te­la de mi­cro e pe­que­nas em­pre­sas.

ZÉ DO­NUT

Ne­gó­cio pró­prio. Bár­ba­ra Ca­mi­lo abriu em ju­nho o Zé Do­nut, e já pen­sa em am­pli­ar ope­ra­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.