J.R. Guz­zo

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - E-MAIL: JRGUZZO43@GMAIL.COM J. R. GUZ­ZO

O sis­te­ma de jus­ti­ça que exis­te ho­je no Bra­sil tor­nou-se sim­ples­men­te in­com­pre­en­sí­vel pa­ra os ci­da­dãos.

OB­ra­sil de­ve­ria ser o país mais jus­to do mun­do; em ne­nhum ou­tro os ma­gis­tra­dos que es­tão no seu su­pre­mo tri­bu­nal de jus­ti­ça de­ci­dem tan­ta coi­sa co­mo aqui, da sus­pen­são dos man­da­tos de se­na­do­res que es­con­dem di­nhei­ro na cu­e­ca aos voos de he­li­cóp­te­ros da po­lí­cia so­bre as fa­ve­las do Rio de Ja­nei­ro. Se quem man­da são os 11 ci­da­dãos que con­si­de­ram a si mes­mos – e as­sim são con­si­de­ra­dos pe­la lei – co­mo os mais qua­li­fi­ca­dos, ou os úni­cos qua­li­fi­ca­dos, pa­ra re­sol­ver o que é cer­to e o que é er­ra­do em quais­quer ques­tões da vi­da pú­bli­ca, tu­do de­ve­ria es­tar sain­do mui­to bem. Quem sa­be­ria mais do que nos­sos su­pre­mos juí­zes o que o País de­ve fa­zer? Só que não é na­da dis­so; é exa­ta­men­te o con­trá­rio. O Bra­sil de ho­je é um dos lu­ga­res do mun­do on­de mais se ne­ga a pres­ta­ção de jus­ti­ça à so­ci­e­da­de.

Um país es­tá se­ri­a­men­te do­en­te quan­do to­dos os seus sis­te­mas de go­ver­nan­ça, e a mai­o­ria ab­so­lu­ta das for­ças que têm in­fluên­cia re­al na con­du­ção das ques­tões pú­bli­cas, acei­tam co­mo per­fei­ta­men­te nor­mal que a lei se­ja usa­da pa­ra per­mi­tir que os mar­gi­nais vi­o­lem a lei – o tem­po to­do, e ca­da vez mais. Es­sa aber­ra­ção não é ape­nas acei­ta; é ati­va­men­te in­cen­ti­va­da pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal e pe­las pra­te­lei­ras mais al­tas do Po­der Ju­di­ciá­rio. Tam­bém não é uma ex­ce­ção – é o es­ta­do nor­mal das coi­sas. O re­sul­ta­do prá­ti­co é que o Bra­sil vi­ve sob um re­gi­me de vi­tó­ria per­ma­nen­te do cri­me, co­mo fi­cou cla­ro mais uma vez nes­sa alu­ci­nan­te li­ber­ta­ção de um che­fe do PCC de São Pau­lo, con­de­na­do em se­gun­da ins­tân­cia e com sen­ten­ça con­fir­ma­da no STJ por trá­fi­co de dro­gas em es­ca­la mun­di­al.

Es­ta­mos, aí, em ple­na de­mên­cia. O tra­fi­can­te, con­si­de­ra­do pe­la po­lí­cia e pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co co­mo um de­lin­quen­te pe­ri­go­so e que ame­a­ça a se­gu­ran­ça so­ci­al, não foi sol­to por um jui­zi­nho qual­quer do in­te­ri­or, mas por nin­guém me­nos que o mais al­to tri­bu­nal de Jus­ti­ça da na­ção bra­si­lei­ra.

Mais: o ho­mem foi sol­to, acre­di­te se qui­ser, con­tra a von­ta­de de no­ve dos dez atu­ais juí­zes do STF; bas­tou a de­ci­são de um úni­co mi­nis­tro pa­ra re­du­zir a ze­ro a au­to­ri­da­de do Su­pre­mo num epi­só­dio que fi­cou es­can­ca­ra­do aos olhos de to­da a po­pu­la­ção co­mo uma fra­tu­ra ex­pos­ta. Se is­so não é uma in­jus­ti­ça em es­ta­do pu­ro, qu­al se­ria, en­tão, a de­fi­ni­ção de jus­ti­ça?

A his­tó­ria fi­ca ain­da pi­or. Co­mo re­ve­lou o re­pór­ter Vi­ní­cius Val­fré em O Es­ta­do de S. Pau­lo, o mi­nis­tro Mar­co Au­ré­lio, que man­dou sol­tar o pei­xe graú­do do PCC pau­lis­ta, já ti­nha co­lo­ca­do em li­ber­da­de, só nes­te ano de 2020, pe­lo me­nos 92 ou­tros cri­mi­no­sos – tam­bém be­ne­fi­ci­a­dos pe­las li­mi­na­res que con­ce­deu nos ha­be­as cor­pus so­li­ci­ta­dos jun­to a ele. Não há er­ro nes­te nú­me­ro: são 92 mes­mo, nu­ma mé­dia de dez ban­di­dos sol­tos por mês, ou um a ca­da três di­as. Não exis­te na­da pa­re­ci­do com is­so em lu­gar ne­nhum do pla­ne­ta.

A jus­ti­fi­ca­ti­va é a mes­ma: uma tra­pa­ça le­gal con­tra­ban­de­a­da pa­ra den­tro do re­cen­te “pa­co­te an­ti­cri­me”, em sua pas­sa­gem pe­la Co­mis­são de Jus­ti­ça da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos. Por es­te dis­po­si­ti­vo de pro­te­ção ex­plí­ci­ta aos cri­mi­no­sos e ao cri­me, são con­si­de­ra­das ile­gais to­das as pri­sões pre­ven­ti­vas que não fo­rem “re­a­va­li­a­das” e “jus­ti­fi­ca­das” a ca­da 90 di­as. É pra­ti­ca­men­te im­pos­sí­vel, des­se jei­to, man­ter na ca­deia qual­quer mar­gi­nal que te­nha di­nhei­ro pa­ra pa­gar ad­vo­ga­dos ca­ros, des­ses que con­se­guem agir nas al­tu­ras do STF e sa­bem co­mo uti­li­zar o atu­al sis­te­ma de sor­tei­os pa­ra fa­zer os seus ca­sos caí­rem – por exem­plo – com mi­nis­tros co­mo o dr. Mar­co Au­ré­lio.

O sis­te­ma de Jus­ti­ça que exis­te ho­je no Bra­sil tor­nou-se sim­ples­men­te in­com­pre­en­sí­vel pa­ra os ci­da­dãos; faz sen­ti­do pa­ra con­gres­sis­tas, a OAB e o STF, e pa­ra nin­guém mais. É um con­vi­te per­ma­nen­te ao de­sas­tre.

Bas­tou a de­ci­são de um úni­co mi­nis­tro pa­ra re­du­zir a ze­ro a au­to­ri­da­de do Su­pre­mo

✽ JOR­NA­LIS­TA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.