Con­ser­va­dor, Te­xas vê dis­pu­ta se acir­rar

Re­du­to con­ser­va­dor. Os te­xa­nos não dão mai­o­ria de vo­tos a um can­di­da­to pre­si­den­ci­al de­mo­cra­ta des­de 1976, mas Trump e Bi­den che­gam à re­ta fi­nal da elei­ção em uma dis­pu­ta aper­ta­da; cres­ci­men­to de re­giões me­tro­po­li­ta­nas cria ‘bo­lhas azuis’ em ‘Es­ta­do ver­mel

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Beatriz Bul­la EN­VI­A­DA ES­PE­CI­AL A TARRANT, EUA

Sím­bo­lo do con­ser­va­do­ris­mo ame­ri­ca­no, o Te­xas che­ga à re­ta fi­nal da elei­ção com Do­nald Trump e Joe Bi­den qua­se em­pa­ta­dos, in­for­ma a en­vi­a­da es­pe­ci­al Beatriz Bul­la.

A úl­ti­ma vez que o Te­xas vo­tou em um pre­si­den­te de­mo­cra­ta foi em 1976, quan­do Jimmy Car­ter ga­nhou de Ge­rald Ford. Des­de en­tão, o Es­ta­do é o sím­bo­lo do con­ser­va­do­ris­mo ame­ri­ca­no. Sem apoi­ar ar­mas, pe­tró­leo e bí­blia, dis­se Do­nald Trump, é im­pos­sí­vel ga­nhar ali. Mas Trump e Joe Bi­den che­gam à re­ta fi­nal da elei­ção de 2020 pra­ti­ca­men­te em­pa­ta­dos nas pes­qui­sas lo­cais, com 51% da mé­dia de in­ten­ções de vo­to ao re­pu­bli­ca­no e 48% ao de­mo­cra­ta, na dis­pu­ta mais com­pe­ti­ti­va de uma ge­ra­ção.

Há anos os de­mo­cra­tas aguar­dam que a mu­dan­ça na de­mo­gra­fia da re­gião fa­vo­re­ça o par­ti­do. Na elei­ção de 2016, Trump te­ve 9 pon­tos de van­ta­gem so­bre Hil­lary, bem me­nos do que as di­fe­ren­ças de cer­ca de 20 pon­tos que re­pu­bli­ca­nos an­tes de­le ti­ve­ram no Es­ta­do. Con­quis­tar o prê­mio de 38 de­le­ga­dos no co­lé­gio elei­to­ral, o se­gun­do mai­or do país, po­de­ria tor­nar os de­mo­cra­tas po­li­ti­ca­men­te im­ba­tí­veis e é is­so que eles es­pe­ram, ain­da que não ne­ces­sa­ri­a­men­te em 2020.

A 35 mi­nu­tos de car­ro de Dal­las, o con­da­do de Tarrant é o termô­me­tro po­lí­ti­co do en­fren­ta­men­to en­tre a ex­pan­são de um su­búr­bio mais di­ver­so na re­gião de Fort Worth e a ma­nu­ten­ção do con­ser­va­do­ris­mo em ci­da­des co­mo Col­ley­vil­le, on­de as pla­cas nos jar­dins são os­ten­si­va­men­te a fa­vor de Trump. Di­fe­ren­te­men­te do ope­ra­ri­a­do do Meio-Oes­te que se iden­ti­fi­ca com a ba­se do dis­cur­so de Trump de um out­si­der na­ci­o­na­lis­ta, no Te­xas o vo­to é pe­lo Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no. “Eu não amo a per­so­na­li­da­de de­le, é agres­si­vo, mas es­co­lho a ma­nu­ten­ção de va­lo­res re­pu­bli­ca­nos e a pro­te­ção à li­ber­da­de re­li­gi­o­sa e econô­mi­ca”, diz Me­la­nie Scho­o­ler, de 68 anos.

Quan­do as pri­má­ri­as do Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no fo­ram fei­tas em mar­ço de 2016, os te­xa­nos pre­fe­ri­am o con­ter­râ­neo Ted Cruz, con­si­de­ra­do a ima­gem tra­di­ci­o­nal do par­ti­do e um her­dei­ro do le­ga­do de Ro­nald Re­a­gan. Cruz te­ve 43,8% dos vo­tos, e Trump re­ce­beu 26% dos vo­tos.

A po­pu­la­ção do Te­xas cres­ce anu­al­men­te mais do que a dos ou­tros Es­ta­dos e o au­men­to é pu­xa­do pe­las re­giões me­tro­po­li­ta­nas. En­tre 2010 e 2018, o Es­ta­do ga­nhou 3,5 mi­lhões de mo­ra­do­res e, de acor­do com o cen­so dos EUA, 6 dos 10 con­da­dos ame­ri­ca­nos com mai­or au­men­to po­pu­la­ci­o­nal na úl­ti­ma dé­ca­da es­tão no Te­xas. Eles abri­gam ou fi­cam ao re­dor de Dal­las, Hous­ton, Aus­tin e San An­to­nio, bo­lhas azuis de ci­da­des de­mo­cra­tas em meio a um Es­ta­do to­do ver­me­lho. Di­fe­ren­te de ou­tros Es­ta­dos do sul do país que ga­ran­tem a vi­tó­ria re­pu­bli­ca­na, o Te­xas é me­nos ru­ral. Qua­se dois ter­ços da po­pu­la­ção es­tá em tor­no de re­giões ur­ba­ni­za­das, uma por­ta pa­ra os de­mo­cra­tas.

Mas a sus­ten­ta­ção dos re­pu­bli­ca­nos es­tá lo­go ao la­do dos

gran­des cen­tros. Col­ley­vil­le fi­ca a ape­nas 18 mi­nu­tos de Fort Worth. Trump te­ve mais de 70% dos vo­tos na ci­da­de em 2016, ape­sar de ter re­ce­bi­do 52% dos vo­tos no con­jun­to do con­da­do de Tarrant, em li­nha com o re­sul­ta­do es­ta­du­al. Em abril, quan­do o pre­fei­to lo­cal au­to­ri­zou a re­a­ber­tu­ra de res­tau­ran­tes, igre­jas, sa­lões de be­le­za

e aca­de­mi­as de gi­nás­ti­ca en­quan­to boa par­te do país man­ti­nha ne­gó­ci­os de por­tas fe­cha­das em ra­zão do co­ro­na­ví­rus, Col­ley­vil­le foi de­fi­ni­da co­mo a “me­ca dos con­ser­va­do­res que le­vou à re­a­ber­tu­ra do Te­xas”. A ci­da­de vi­rou exem­plo po­si­ti­vo e três di­as de­pois o go­ver­na­dor re­pu­bli­ca­no do Te­xas se­guiu o mo­de­lo e au­to­ri­zou

a pri­mei­ra fa­se de re­a­ber­tu­ra em to­do o Es­ta­do.

O Te­xas é vis­to pe­los de­mo­cra­tas co­mo uma ce­re­ja no bo­lo. Se vi­rar azul ou ao me­nos ro­xo em 2020, se­rá uma vi­tó­ria im­por­tan­te, mas a cam­pa­nha de Bi­den não pre­ci­sa de­la pa­ra ga­nhar no co­lé­gio elei­to­ral. O ta­ma­nho do Es­ta­do – que tem o do­bro da área da

Ale­ma­nha e qua­se três ve­zes o Es­ta­do de São Pau­lo – en­ca­re­ce a cam­pa­nha, o que faz com que os de­mo­cra­tas pre­fi­ram gas­tar tem­po e di­nhei­ro em lu­ga­res me­no­res com mes­mo grau de com­pe­ti­ti­vi­da­de. Bi­den não vi­a­jou ao Te­xas, ape­sar da co­bran­ça de de­mo­cra­tas. Cou­be à mu­lher do ex-vi­ce-pre­si­den­te, Jill Bi­den, e ao ma­ri­do de Ka­ma­la Har­ris, Doug Emhoff, fa­ze­rem even­tos de cam­pa­nha no Es­ta­do.

A pre­fe­rên­cia de se­to­res dos su­búr­bi­os por re­pu­bli­ca­nos co­mo Mitt Rom­ney, Ted Cruz ou Ge­or­ge Bush não ali­e­na boa par­te da ba­se con­ser­va­do­ra no Es­ta­do. O de­mo­cra­ta Be­to O’Rour­ke che­gou per­to de con­quis­tar uma ca­dei­ra no Se­na­do pe­lo Te­xas em 2018, mas o Es­ta­do ain­da es­tá 11 pon­tos mais à di­rei­ta do que a mé­dia na­ci­o­nal. Não se­ria sem pre­ce­den­tes, mas ana­lis­tas acre­di­tam que é di­fí­cil uma mu­dan­ça tão gran­de a pon­to de tor­nar o Es­ta­do azul em um úni­co ci­clo elei­to­ral. “Não es­tou vo­tan­do pe­lo ho­mem, mas pe­lo par­ti­do. Sou cris­tã, pa­ra mim é mui­to im­por­tan­te o te­ma da li­ber­da­de re­li­gi­o­sa e a pro­te­ção aos fe­tos”, afir­mou Me­la­nie.

FO­TOS BEATRIZ FER­REI­RA BUL­LA / ES­TA­DÃO

Re­e­lei­ção. Pla­ca em ca­sa em Col­ley­vil­le, no Te­xas: ‘Fa­ça um pro­gres­sis­ta cho­rar de no­vo’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.