Os de­sa­fi­os da in­te­gra­ção Bra­sil-Ar­gen­ti­na

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página -

Os in­te­res­ses co­muns vão além do es­pec­tro do Mer­co­sul e das tran­sa­ções econô­mi­cas.

Na re­la­ção en­tre Bra­sil e Ar­gen­ti­na es­tá em jo­go mui­to mais que o des­ti­no dos dois paí­ses. Jun­tos eles for­mam a ba­se do Mer­co­sul e re­pre­sen­tam cer­ca de dois ter­ços do ter­ri­tó­rio, da po­pu­la­ção e do PIB do Co­ne Sul. O Bra­sil é o prin­ci­pal par­cei­ro co­mer­ci­al da Ar­gen­ti­na e a Ar­gen­ti­na é o ter­cei­ro mai­or par­cei­ro do Bra­sil e o prin­ci­pal des­ti­no de su­as ma­nu­fa­tu­ras. Em um mo­men­to de re­de­fi­ni­ção da ge­o­po­lí­ti­ca glo­bal, foi opor­tu­no que o Cen­tro Bra­si­lei­ro de Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais, em par­ce­ria com a con­sul­to­ria ar­gen­ti­na Be­rensz­tein, te­nha reu­ni­do di­plo­ma­tas e pes­qui­sa­do­res em uma Jor­na­da de Diá­lo­gos Bra­sil-Ar­gen­ti­na.

Em que pe­sem as in­sa­tis­fa­ções e im­per­fei­ções na re­la­ção en­tre os dois paí­ses, o sal­to com o Mer­co­sul foi in­com­pa­rá­vel em re­la­ção ao que ha­via an­tes. Só na pri­mei­ra dé­ca­da do sé­cu­lo 21 o co­mér­cio pra­ti­ca­men­te qua­dru­pli­cou. Ain­da as­sim, em com­pa­ra­ção à ex­pe­ri­ên­cia da União Eu­ro­peia ou do Tra­ta­do Nor­te-Ame­ri­ca­no de Li­vre Co­mér­cio, há mui­to a ser fei­to. De res­to, os in­te­res­ses co­muns dos dois paí­ses vão além do es­pec­tro do Mer­co­sul e das tran­sa­ções econô­mi­cas.

No cam­po ge­o­es­tra­té­gi­co, co­mo no­tou o ex-chan­ce­ler Cel­so La­fer, a co­e­são en­tre Bra­sil e Ar­gen­ti­na tem pa­ra am­bos, tal­vez mais do que com quais­quer ou­tros paí­ses, o po­ten­ci­al de am­pli­ar sua ca­pa­ci­da­de de atu­a­ção in­ter­na­ci­o­nal e de ges­tão de ris­cos nos cam­pos po­lí­ti­co, mi­li­tar, ener­gé­ti­co e ci­en­tí­fi­co.

Da­da a com­ple­xi­da­de des­sa re­de de in­te­res­ses, os dois paí­ses não po­dem sim­ples­men­te con­fi­ar, co­mo dis­se o pro­fes­sor Hus­sein Ka­lout, na “inér­cia bu­ro­crá­ti­ca” par­ci­al­men­te pro­vi­da pe­lo Mer­co­sul, mas pre­ci­sam su­ple­men­tá-la por uma atu­a­ção po­lí­ti­ca.

O pró­prio Mer­co­sul é um exem­plo. Su­as ba­ses fo­ram lan­ça­das no fi­nal da dé­ca­da de 80 pe­los pre­si­den­tes Sar­ney e Al­fon­sín sob o le­ma “Jun­tos pa­ra cres­cer”. Mas sua par­ce­ria in­ter­na­ci­o­nal mais im­por­tan­te, o acor­do com a União Eu­ro­peia, fi­cou qua­se du­as dé­ca­das em “ba­nho-ma­ria” até os pre­si­den­tes Te­mer e Ma­cri, per­ce­ben­do uma opor­tu­ni­da­de com o de­sar­ran­jo tran­sa­tlân­ti­co en­tre a Eu­ro­pa e os EUA li­de­ra­dos por Trump, ace­le­ra­rem a cos­tu­ra fi­nal que ago­ra é sub­me­ti­da à ra­ti­fi­ca­ção dos dois blo­cos.

Por ou­tro la­do, co­mo um con­tra­e­xem­plo, as con­vic­ções ide­o­ló­gi­cas dos pre­si­den­tes Jair Bol­so­na­ro e Al­ber­to Fer­nán­dez ame­a­çam pa­ra­li­sar, quan­do não des­cons­truir, anos de en­ge­nha­ria di­plo­má­ti­ca.

Jus­ta­men­te nes­te mo­men­to se faz co­mo nun­ca ne­ces­sá­rio for­ta­le­cer os vín­cu­los en­tre as clas­ses po­lí­ti­cas, em­pre­sa­ri­ais e ci­vis de am­bos os paí­ses co­mo um an­tí­do­to con­tra as os­ci­la­ções e idi­os­sin­cra­si­as dos go­ver­nos de tur­no. Is­so im­pli­ca es­ti­mu­lar tran­sa­ções não só econô­mi­cas, mas cul­tu­rais, aca­dê­mi­cas e ci­en­tí­fi­cas.

Mo­ti­va­ções não fal­tam. Uma pau­ta im­por­tan­te é a de­fe­sa e a se­gu­ran­ça, em es­pe­ci­al no com­ba­te trans­fron­tei­ri­ço ao cri­me or­ga­ni­za­do. Ou­tra é a co­o­pe­ra­ção tec­no­ló­gi­ca, par­ti­cu­lar­men­te nos cam­pos es­pa­ci­al, ener­gé­ti­co e di­gi­tal. A cri­se pan­dê­mi­ca é uma opor­tu­ni­da­de pa­ra in­ten­si­fi­car os diá­lo­gos em prol de uma re­gu­la­men­ta­ção sa­ni­tá­ria re­gi­o­nal, as­sim co­mo a cri­se econô­mi­ca o é pa­ra au­men­tar as im­por­ta­ções e di­mi­nuir a de­pen­dên­cia dos mer­ca­dos fi­nan­cei­ros in­ter­na­ci­o­nais.

Pa­ra tan­to, é fun­da­men­tal apri­mo­rar me­ca­nis­mos de in­te­gra­ção já em vi­gor (co­mo a ta­ri­fa ex­ter­na co­mum) e cri­ar ou­tros, co­mo uma bu­ro­cra­cia do Mer­co­sul mais ro­bus­ta (a exem­plo da União Eu­ro­peia) ou ins­ti­tui­ções aca­dê­mi­cas co­muns. Há além de tu­do áre­as no­vas a se­rem ex­plo­ra­das, co­mo a bi­o­e­co­no­mia ou os vín­cu­los com a re­gião do pa­cí­fi­co asiá­ti­co, atu­al­men­te a mais di­nâ­mi­ca do mun­do do pon­to de vis­ta econô­mi­co.

O con­sen­so en­tre os de­ba­te­do­res é de que há, na fór­mu­la de La­fer, um imen­so “po­ten­ci­al de so­ci­a­bi­li­da­de”. O de­sa­fio é trans­for­mar a po­tên­cia em ato. Ven­cer es­se de­sa­fio é mais do que uma opor­tu­ni­da­de pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to dos dois paí­ses, é qua­se uma con­di­ção si­ne qua non. Da­do o seu en­tre­la­ça­men­to ge­o­grá­fi­co e his­tó­ri­co, o re­la­ci­o­na­men­to en­tre am­bos tem “a obri­ga­ção de dar cer­to”, co­mo dis­se o pro­fes­sor Hus­sein Ka­lout: “É um ma­trimô­nio em que ne­nhum dos dois tem di­rei­to ao di­vór­cio”.

Os in­te­res­ses co­muns vão além do es­pec­tro do Mer­co­sul e das tran­sa­ções econô­mi­cas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.