Ro­sely Sayão

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - E-MAIL: ro­sely.es­ta­dao@gmail.com ✽ É PSI­CÓ­LO­GA, CON­SUL­TO­RA EDU­CA­CI­O­NAL E AU­TO­RA DO LI­VRO EDU­CA­ÇÃO SEM BLÁ-BLÁ-BLÁ

Sua fi­lha ou seu fi­lho sai do lo­cal vir­tu­al em que es­ta­va as­sim que vo­cê se apro­xi­ma? Si­nal de aler­ta!

Amai­o­ria de nos­sas cri­an­ças e ado­les­cen­tes aces­sa a in­ter­net e fre­quen­ta re­des so­ci­ais. Se an­tes era por pu­ra di­ver­são, ho­je é tam­bém por du­ra obri­ga­ção. É que, com es­co­las fe­cha­das ou fun­ci­o­nan­do com pe­que­nos gru­pos que vão às au­las al­ter­na­da­men­te, o en­si­no re­mo­to es­tá sen­do pra­ti­ca­do por mui­tos. E tem mais: por es­se ce­ná­rio de in­cer­te­zas em re­la­ção à pan­de­mia, o Con­se­lho Na­ci­o­nal de Edu­ca­ção já apro­vou o fun­ci­o­na­men­to do en­si­no re­mo­to até o fim de 2021.

Ou se­ja: por um bom tem­po ain­da os es­tu­dan­tes te­rão de, obri­ga­to­ri­a­men­te, fre­quen­tar o mun­do vir­tu­al. Pa­re­ce que o en­si­no hí­bri­do – au­las pre­sen­ci­ais e re­mo­tas – te­rá gran­de im­por­tân­cia a par­tir de ago­ra. E, aten­ção: quan­to mais nos­sas cri­an­ças e jo­vens fre­quen­tam o mun­do vir­tu­al, mai­o­res são nos­sas res­pon­sa­bi­li­da­des. Por quê? Mui­tas cri­an­ças, a par­tir de 8 anos, já fre­quen­tam al­gu­mas re­des so­ci­ais, e nem sem­pre com a tu­te­la dos pais. E elas nem po­de­ri­am es­tar lá por­que, co­mo sa­be­mos, é a par­tir dos 13 anos que qual­quer re­de so­ci­al acei­ta a ade­são dos in­ter­nau­tas. O pro­ble­ma mai­or é que par­te des­sas cri­an­ças en­ga­nou a ida­de quan­do da ins­cri­ção, com o con­sen­ti­men­to dos pais!

Es­tes, cos­tu­mam jus­ti­fi­car sua ati­tu­de di­zen­do que os fi­lhos nas­ce­ram no mun­do “50% vir­tu­al, 50% re­al” e que, por is­so, eles não con­se­guem fi­car ex­cluí­dos das re­des. E co­mo as cri­an­ças sa­bem mui­to bem ser in­sis­ten­tes e usar ar­gu­men­tos que se­du­zem os pais, co­mo por exem­plo o co­nhe­ci­do “to­dos os meus co­le­gas têm pá­gi­na lá”, aca­bam con­ven­cen­do-os de que par­ti­ci­par de uma re­de so­ci­al é al­go tran­qui­lo. Não é.

Uma pes­qui­sa mun­di­al re­a­li­za­da pe­la Plan In­ter­na­ti­o­nal, uma or­ga­ni­za­ção não go­ver­na­men­tal que de­fen­de os di­rei­tos de cri­an­ças, ado­les­cen­tes e jo­vens, apon­tou que 58% das me­ni­nas já so­fre­ram as­sé­dio on­li­ne. No Bra­sil, es­se ín­di­ce é bem mai­or: 77%! (pa­ra ver a pes­qui­sa na ín­te­gra, vá pa­ra https://cdn.plan.org.br/wp-con­tent/uplo­ads/2020/10/LIBERDADEO­N-LI­NE-20201002.pdf).

Va­le a pe­na re­lem­brar al­guns as­pec­tos im­por­tan­tes a res­pei­to de cri­an­ças e de ado­les­cen­tes até os 16 anos, mais ou me­nos. Co­mo se­res em for­ma­ção, eles ain­da não têm re­cur­sos pes­so­ais de­sen­vol­vi­dos, o que os dei­xa frá­geis e vul­ne­rá­veis fren­te às ad­ver­si­da­des da vi­da. É por is­so que eles pre­ci­sam dos adul­tos: pa­ra que cui­dem de­les por­que ain­da não sa­bem se cui­dar.

Nes­sa ida­de, ain­da es­tão em for­ma­ção a sua iden­ti­da­de, di­ver­sos as­pec­tos da per­so­na­li­da­de, o au­to­co­nhe­ci­men­to e o pro­ces­so da con­quis­ta da au­to­no­mia, en­tre ou­tros. Ah! Ain­da que te­nha­mos nos de­sa­cos­tu­ma­dos com a exis­tên­cia do au­to­con­tro­le, de tan­to tes­te­mu­nhar­mos adul­tos des­con­tro­la­dos nos es­pa­ços pú­bli­cos e nos no­ti­ciá­ri­os, as cri­an­ças e ado­les­cen­tes ain­da pre­ci­sam de um tem­po pa­ra al­can­çar a ma­tu­ri­da­de e, con­se­quen­te­men­te, o au­to­con­tro­le. E vi­ver sem is­so é pre­ju­di­ci­al, pes­so­al e so­ci­al­men­te.

Con­si­de­ran­do is­so, va­mos pen­sar nas cri­an­ças e ado­les­cen­tes nas re­des. Pri­mei­ra­men­te, mui­tas de­las so­frem as­sé­dio e nem sa­bem iden­ti­fi­car is­so por­que não co­nhe­cem o fenô­me­no, não fo­ram ori­en­ta­das. Elas ape­nas so­frem com as con­sequên­ci­as des­sas vi­vên­ci­as: a au­toi­ma­gem fi­ca da­ni­fi­ca­da, emo­ções for­tes co­mo a tris­te­za, a an­si­e­da­de e a an­gús­tia, por exem­plo, as as­sal­tam, po­dem de­sen­vol­ver dis­túr­bi­os ali­men­ta­res, do so­no, mui­tas se iso­lam etc. Em resumo: a saú­de des­sas cri­an­ças e jo­vens em to­dos os seus pla­nos – fí­si­co, men­tal e so­ci­al –, po­de ser pre­ju­di­ca­da.

É ine­gá­vel que o uso da in­ter­net traz mui­tos be­ne­fí­ci­os a eles, mas pre­juí­zos tam­bém, jus­ta­men­te pe­lo fa­to de ain­da não te­rem de­sen­vol­vi­dos os re­cur­sos pes­so­ais que pos­si­bi­li­tam pro­te­ção pa­ra se de­fen­der de ata­ques e as­sé­di­os. Mais uma vez: é por is­so que pre­ci­sam de nós, adul­tos, tu­te­lan­do seu aces­so à in­ter­net. E tu­te­lar é jus­ta­men­te is­so: de­fen­der e pro­te­ger quem es­tá sob sua res­pon­sa­bi­li­da­de, cer­to?

An­tes de as es­co­las fe­cha­rem por cau­sa da pan­de­mia, a mai­o­ria dos pais se pre­o­cu­pa­va com o tem­po de de­di­ca­ção dos fi­lhos ao mun­do vir­tu­al. Nun­ca

exis­tiu nem exis­ti­rá um tem­po cro­no­ló­gi­co ade­qua­do por­que as cri­an­ças são di­fe­ren­tes, vi­vem em rit­mos di­fe­ren­tes; o im­por­tan­te era não per­mi­tir o exa­ge­ro, ou se­ja, mais ho­ras no mun­do vir­tu­al do que em ou­tras ati­vi­da­des.

Mas ago­ra é pre­ci­so re­do­brar a aten­ção por­que não bas­ta li­mi­tar o tem­po na in­ter­net: é pre­ci­so cui­dar do que eles fa­zem nas re­des. Sua fi­lha ou seu fi­lho sai do lo­cal vir­tu­al em que es­ta­va as­sim que vo­cê se apro­xi­ma? Si­nal de aler­ta!

Se não dá pa­ra fi­car per­to de­les o tem­po to­do, lem­bre-se de que eles po­dem usar a in­ter­net no ce­lu­lar ou ta­blet com a ima­gem es­pe­lha­da no apa­re­lho de te­le­vi­são. Des­sa ma­nei­ra, vo­cê tem mais fa­ci­li­da­de pa­ra sa­ber o que ele es­tá fa­zen­do, mes­mo es­tan­do mais dis­tan­te de­le.

Eles pre­ci­sam sa­ber que vo­cê irá to­mar os cui­da­dos ne­ces­sá­ri­os pa­ra pro­te­gê-los no uso da in­ter­net. Na­da de olhar o ce­lu­lar es­con­di­do: di­ga cla­ra­men­te que é sua res­pon­sa­bi­li­da­de fa­zer is­so re­gu­lar­men­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.