SAI­BA MAIS SO­BRE A TA­PI­O­CA

O Poder dos Alimentos - - ÍNDICE -

TÍ­PI­CA DA CU­LI­NÁ­RIA NOR­DES­TI­NA, A TA­PI­O­CA VEM CON­QUIS­TAN­DO os pa­la­da­res de ou­tros es­ta­dos há não mui­to tem­po. Ela ga­nhou es­pa­ço na co­zi­nha por dois mo­ti­vos prin­ci­pais: pri­mei­ro, por­que seu sa­bor neu­tro rende com­bi­na­ções sa­bo­ro­sas, do­ces e sal­ga­das; se­gun­do, por­que mui­ta gen­te en­xer­gou na ta­pi­o­ca uma aliada da saúde e do ema­gre­ci­men­to. Ape­sar dis­so, an­tes de in­cluir a ta­pi­o­ca no dia a dia, é pre­ci­so sa­ber mais so­bre sua com­po­si­ção e ter al­guns cui­da­dos no con­su­mo.

BOA OP­ÇÃO

“A ta­pi­o­ca é ri­ca em fer­ro e co­bre, que aju­dam a au­men­tar a quan­ti­da­de de cé­lu­las ver­me­lhas do san­gue no cor­po e im­pe­dem a ane­mia e as con­di­ções re­la­ci­o­na­das. Além dis­so, o ali­men­to aju­da a re­gu­lar o trân­si­to in­tes­ti­nal, pre­ve­nin­do in­fla­ma­ção e do­res ab­do­mi­nais”, afir­ma a nu­tri­ci­o­nis­ta Re­na­ta Miranda, da Clí­ni­ca Be­nes­se. Mas a ca­rac­te­rís­ti­ca prin­ci­pal de­la é ser li­vre de glú­ten, uma pro­teí­na que po­de pro­vo­car sin­to­mas de­sa­gra­dá­veis em qu­em tem in­to­le­rân­cia a es­sa subs­tân­cia, co­mo os in­cha­ços e a má ab­sor­ção de nu­tri­en­tes (sai­ba mais na ma­té­ria da pá­gi­na 18).

QUAN­TO CON­SU­MIR?

Por ser ri­ca em car­boi­dra­tos, con­su­mir ta­pi­o­ca em ex­ces­so po­de tra­zer efei­tos opos­tos aos de­se­ja­dos, cau­san­do au­men­to de pe­so. O ide­al é co­mer ape­nas uma por dia, em al­gu­ma das três re­fei­ções prin­ci­pais. E é tam­bém pe­la quan­ti­da­de de car­boi­dra­tos que ela se tor­na uma óti­ma fon­te de ener­gia. “Um bom mo­men­to pa­ra con­su­mi-la, por­tan­to, é an­tes e de­pois dos trei­nos e no ca­fé da ma­nhã, des­de que se use re­chei­os ade­qua­dos, e con­sul­tar um nu­tri­ci­o­nis­ta ou nu­tró­lo­go pa­ra os ajus­tes in­di­vi­du­ais”, avi­sa a nu­tri­ci­o­nis­ta Síl­via Fon­se­ca.

SEM EXA­GE­ROS

A ta­pi­o­ca tem car­boi­dra­tos de al­to ín­di­ce gli­cê­mi­co, ou se­ja, que li­be­ra gli­co­se no san­gue ra­pi­da­men­te. Is­so faz com que ela es­pan­te a que­da de ener­gia mas, se con­su­mi­da em do­ses aci­ma do re­co­men­da­do, po­de tra­zer al­guns pro­ble­mas. “A ta­pi­o­ca é uma fa­ri­nha bran­ca, en­tão sua ab­sor­ção é rá­pi­da, o que pro­vo­ca um pi­co de in­su­li­na, o hormô­nio res­pon­sá­vel por abrir as cé­lu­las pa­ra en­tra­da de gor­du­ra”, in­for­ma Síl­via. E es­se ar­ma­ze­na­men­to de gor­du­ra aca­ba ocor­ren­do prin­ci­pal­men­te na re­gião ab­do­mi­nal.

A in­su­li­na tam­bém é fun­da­men­tal por­que faz com que as cé­lu­las uti­li­zem a gli­co­se pro­vin­da dos ali­men­tos e trans­for­me-a em ener­gia. Pes­so­as di­a­bé­ti­cas ou não pro­du­zem a in­su­li­na (di­a­be­tes ti­po 1) ou o hormô­nio não exer­ce sua fun­ção cor­re­ta­men­te (di­a­be­tes ti­po 2) e, em am­bos os ca­sos, a gli­co­se aca­ba so­bran­do no san­gue. Co­mo os car­boi­dra­tos são os pri­mei­ros nu­tri­en­tes a se trans­for­ma­rem em gli­co­se, qu­em tem di­a­be­tes pre­ci­sa ter um cui­da­do es­pe­ci­al na ho­ra de con­su­mir es­sas subs­tân­ci­as.

“Ta­pi­o­ca tam­bém en­gorda se con­su­mi­da em ex­ces­so, pois 50 gra­mas da mas­sa tem 70 ca­lo­ri­as. Ela tem al­to ín­di­ce e car­ga gli­cê­mi­cos – car­ga é a quan­ti­da­de de gli­co­se que o ali­men­to pos­sui, en­quan­to o ín­di­ce gli­cê­mi­co é a ve­lo­ci­da­de com que a gli­co­se en­tra no or­ga­nis­mo. Quan­do um ali­men­to pos­sui am­bos al­tos, is­to po­de le­var a pro­ble­mas co­mo obe­si­da­de, di­a­be­tes ti­po 2, pro­ble­mas na cog­ni­ção e pro­ble­mas car­di­o­vas­cu­la­res”, acres­cen­ta Re­na­ta.

DE ON­DE VEM?

A ta­pi­o­ca é fei­ta de ape­nas um in­gre­di­en­te: man­di­o­ca. É des­sa raiz que é ex­traí­do o pol­vi­lho do­ce, que é mis­tu­ra­do à água ara vi­rar a ta­pi­o­ca. Ela po­de ser en­con­tra­da já hi­dra­ta­da, pron­ta pa­ra ir ao fo­go, ou de­si­dra­ta­da – nes­se ca­so, bas­ta des­pe­jar o pol­vi­lho em um re­ci­pi­en­te gran­de e acres­cen­tar, apro­xi­ma­da­men­te, 500ml de água pa­ra ca­da qui­lo de pol­vi­lho, des­pe­jan­do aos pou­cos e mis­tu­ran­do. De­pois, é só pas­sar por uma pe­nei­ra pa­ra des­fa­zer os gru­mos e a ta­pi­o­ca es­tá pron­ta pa­ra ser le­va­da ao fo­go! O ide­al é usar fri­gi­dei­ras an­ti­a­de­ren­tes ou cha­pas com um aro de me­tal pa­ra dar o for­ma­to. Bas­ta es­pa­lhar a ta­pi­o­ca, aque­cer até fir­mar e re­che­ar – não é ne­ces­sá­rio acres­cen­tar óleo, nem água.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.