MU­DAN­ÇA DE VI­DA

Acres­cen­te os in­gre­di­en­tes cer­tos ao seu cardápio diá­rio, mu­de al­guns há­bi­tos e ga­nhe mais saú­de sem so­fri­men­to!

O Poder dos Alimentos - - CONTENTS - Tex­to JAQUELINE LO­PES E PAULA SAN­TA­NA De­sign DI­E­GO DI­AS

Co­mo a cou­ve, ali­a­da a re­e­du­ca­ção ali­men­tar e no­vos há­bi­tos, fa­zem mi­la­gres pe­la boa for­ma

DI­E­TAS RESTRITIVAS SÃO RE­AL­MEN­TE TENTADORAS, já que pro­me­tem a per­da de pe­so rá­pi­da com ba­se na eli­mi­na­ção de al­gum (ou al­guns) gru­pos ali­men­ta­res das re­fei­ções. En­tre­tan­to, nes­ses ca­sos, a saú­de po­de so­frer as con­sequên­ci­as, além de o pe­so re­tor­nar com fa­ci­li­da­de quan­do a ali­men­ta­ção vol­ta ao nor­mal (po­den­do até mes­mo do­brar!). “A re­e­du­ca­ção ali­men­tar va­ria de acor­do com a in­di­vi­du­a­li­da­de do pa­ci­en­te. Se­rão le­va­dos em con­si­de­ra­ção na sua for­mu­la­ção tan­to a in­di­vi­du­a­li­da­de bi­oquí­mi­ca quan­to as­pec­tos psi­cos­so­ci­ais do pa­ci­en­te. A ex­clu­são ou in­clu­são de ali­men­tos se­rá fei­ta de acor­do com es­ses pa­râ­me­tros que são úni­cos pa­ra ca­da ser hu­ma­no”, ex­pli­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta No­a­dia Lo­bão. Pa­ra que a re­e­du­ca­ção ali­men­tar se­ja sau­dá­vel e efi­ci­en­te, o pri­mei­ro pas­so é pro­cu­rar um nu­tri­ci­o­nis­ta. Es­se pro­fis­si­o­nal é quem po­de­rá ava­li­ar a con­di­ção fí­si­ca do pa­ci­en­te, além de re­a­li­zar exa­mes pa­ra que to­do o pro­ces­so se­ja fei­to com to­tal se­gu­ran­ça. En­tre­tan­to, al­gu­mas di­cas po­dem aju­dar a quem de­se­ja mu­dar os há­bi­tos e ele­var a qua­li­da­de de vi­da por meio dos ali­men­tos.

CONSCIENTIZAÇÃO

O pri­mei­ro pas­so pa­ra re­e­du­car a ali­men­ta­ção é ter cons­ci­ên­cia de que os ve­lhos há­bi­tos de­vem ser dei­xa­dos pa­ra trás, sem des­cul­pa. Pa­ra is­so, é in­te­res­san­te fa­zer uma lis­ta com ali­men­tos sau­dá­veis e que agra­dem ao pa­la­dar, além de man­ter a dis­ci­pli­na na ho­ra de es­co­lher o que vai le­var pra ca­sa: se an­tes bo­la­chas re­che­a­das, re­fri­ge­ran­tes e de­mais pro­du­tos pre­ju­di­ci­ais à saú­de com­pu­nham o car­ri­nho, com a re­e­du­ca­ção ali­men­tar, es­se cos­tu­me de­ve ser eli­mi­na­do. “É im­por­tan­te ter uma pos­tu­ra po­si­ti­va em re­la­ção ao pro­ces­so de ema­gre­ci­men­to, e dei­xar de co­mer o que se de­se­ja po­de acar­re­tar no au­men­to da von­ta­de, le­van­do ao des­con­tro­le. En­tão, me­lhor se per­mi­tir um bom­bom a uma cai­xa in­tei­ra! Acon­se­lho ain­da não sair de ca­sa com fo­me”, com­ple­ta a nu­tri­ci­o­nis­ta Paula dos Santos Ri­bei­ro.

CON­TRO­LE O EMO­CI­O­NAL

Quan­do não se es­tá bem con­si­go mes­mo, fi­ca mais di­fí­cil re­e­du­car a ali­men­ta­ção. É pre­ci­so afas­tar os pen­sa­men­tos ne­ga­ti­vos e dar lu­gar à per­se­ve­ran­ça, já que os re­sul­ta­dos le­vam tem­po pa­ra apa­re­cer. O ide­al é fu­gir das ten­ta­ções com ba­se em um úni­co ob­je­ti­vo: a saú­de. “Com a an­si­e­da­de do dia a dia, mui­tas pes­so­as aca­bam se tor­nan­do com­pul­si­vas com de­ter­mi­na­dos ali­men­tos que as sa­tis­fa­zem. Prin­ci­pal­men­te por mas­sas e do­ces, ou se­ja, ali­men­tos ca­ló­ri­cos. As con­sequên­ci­as des­sas com­pul­sões, além de co­la­bo­rar com o au­men­to do pe­so, tam­bém pre­ju­di­cam a saú­de em um cur­to pe­río­do”, afir­ma a nu­tri­ci­o­nis­ta Le­tí­cia He­le­na Pos­se­bon.

ALI­MEN­TOS 100% NATURAIS

No mer­ca­do, es­co­lha sem­pre os ali­men­tos naturais. Ver­du­ras, fru­tas, le­gu­mes e grãos de­vem ter pre­sen­ça obri­ga­tó­ria na des­pen­sa. E pa­ra pre­pa­rar qual­quer re­fei­ção, dei­xe de la­do tem­pe­ros in­dus­tri­a­li­za­dos, op­tan­do por sal (com mo­de­ra­ção), pimenta e er­vas aro­má­ti­cas. Pra­tos pron­tos (con­ge­la­dos), re­fri­ge­ran­tes e su­cos de cai­xi­nha tam­bém de­vem ser evi­ta­dos pa­ra que a re­e­du­ca­ção ali­men­tar ob­te­nha o su­ces­so es­pe­ra­do.

PA­CI­ÊN­CIA E DE­DI­CA­ÇÃO

Se­ja qual for o ob­je­ti­vo, ne­nhum re­sul­ta­do cai do céu de um dia pa­ra o ou­tro. Por is­so, quan­do se tra­ta de le­var uma vi­da mais sau­dá­vel é pre­ci­so ter cal­ma e não de­sis­tir lo­go no pri­mei­ro de­sa­fio. Ca­so os quilinhos ex­tras es­te­jam de­mo­ran­do a de­sa­pa­re­cer, na­da de vol­tar a co­mer to­dos aque­les ali­men­tos pou­co sau­dá­veis. Per­mi­tir-se às ve­zes é ne­ces­sá­rio, en­tre­tan­to, es­ta ati­tu­de de­ve ser me­di­da, pa­ra que os li­mi­tes não se­jam ul­tra­pas­sa­dos e to­do o esforço an­te­ri­or vá por água abai­xo.

HI­DRA­TA­ÇÃO NA ME­DI­DA CER­TA!

Cer­ta­men­te, com a re­e­du­ca­ção ali­men­tar, os ali­men­tos ri­cos em fi­bras pas­sa­rão a in­te­grar o cardápio, co­mo é o ca­so da cou­ve. As fi­bras são ex­ce­len­tes ami­gas da di­e­ta, já que pro­mo­vem sa­ci­e­da­de e aju­dam a di­mi­nuir os ní­veis de co­les­te­rol ruim (LDL) do or­ga­nis­mo. A água de­sem­pe­nha um gran­de pa­pel quan­do o as­sun­to é be­ne­fi­ci­ar-se por meio das fi­bras. “As fi­bras so­lú­veis po­dem se dis­sol­ver em água, e tem al­gu­mas ações de ex­tre­ma im­por­tân­cia pa­ra nos­sa saú­de, co­mo au­xi­li­ar na di­mi­nui­ção dos ní­veis de co­les­te­rol do san­gue, por se li­ga­rem em cer­ta quan­ti­da­de de co­les­te­rol no sis­te­ma di­ges­ti­vo, que é en­tão, eli­mi­na­do na­tu­ral­men­te do or­ga­nis­mo por meio das fe­zes”, ex­pli­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta Lu­a­na Vas­con­ce­los. Por is­so, be­ba cer­ca de dois li­tros de água por dia, e adi­ci­o­ne su­cos naturais e chás de er­vas pa­ra com­ple­men­tar, sem ado­çar.

“A ação da cou­ve na per­da de pe­so é au­xi­li­ar no me­ta­bo­lis­mo do car­boi­dra­to, ou se­ja, me­lho­rar a uti­li­za­ção do açú­car pe­las cé­lu­las, evi­tan­do seu acú­mu­lo ex­ces­si­vo, que se trans­for­ma em gor­du­ra”, sa­li­en­ta He­loi­sa Te­ves Scat­ti­ni, nu­tri­ci­o­nis­ta

CON­SUL­TO­RIA He­loí­sa Te­ves Scat­ti­ni, Le­tí­cia He­le­na Pos­se­bon, Lu­a­na Vas­con­ce­los, Noá­dia Lo­bão e Paula dos Santos Ri­bei­ro, nu­tri­ci­o­nis­tas FO­TO Shut­ters­tock Ima­ges

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.