PA­RA TO­DOS OS GOS­TOS

Co­nhe­ça ou­tros ti­pos de cou­ve e apro­vei­te o que eles têm de me­lhor

O Poder dos Alimentos - - CONTENTS - Tex­to ED­GARD VICENTINI/COLABORADOR De­sign DI­E­GO DI­AS

Cou­ve-flor e cou­ve-de-bru­xe­las são va­ri­e­da­des sa­bo­ro­sas e que tam­bém ren­dem be­ne­fí­ci­os à saú­de

QUAN­DO FA­LA­MOS EM COU­VE, NOR­MAL­MEN­TE A DO TI­PO MAN­TEI­GA é a mais co­nhe­ci­da, com su­as gran­des fo­lhas ver­des e lar­gas. Mas va­le lem­brar que exis­tem ou­tros ti­pos mui­to sa­bo­ro­sos, co­mo é o ca­so da cou­ve-de-bru­xe­las e da cou­ve-flor, que tam­bém são fon­tes de nu­tri­en­tes im­por­tan­tes pa­ra a saú­de. E não é à toa que elas são similares: elas fa­zem par­te da fa­mí­lia das Bras­si­ca­ce­ae, jun­to com o bró­co­lis, o re­po­lho e a cou­ve-por­tu­gue­sa. “Na ho­ra de com­prar, é sem­pre bom se aten­tar a al­guns pon­tos: a fo­lha de­ve ser bem ver­de, sem pon­tos ama­re­la­dos e mui­tos fu­ros, e o ta­lo de­ve apre­sen­tar uma cor uni­for­me, sem es­tar vi­si­vel­men­te res­se­ca­do e ama­re­la­do”, ex­pli­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta Vivian Ta­la­ri­co. A se­guir, co­nhe­ça os ti­pos de cou­ve e di­cas pa­ra con­ser­vá-la por mais tem­po, ga­ran­tin­do mui­ta qua­li­da­de na ho­ra de pre­pa­rar su­as re­cei­tas!

COU­VE-FLOR

Ali­a­da das pes­so­as que que­rem ema­gre­cer, es­se ti­po é co­nhe­ci­do por sua pe­que­na quan­ti­da­de de ca­lo­ri­as: são apro­xi­ma­da­men­te 35Kcal pa­ra ca­da 100g in­ge­ri­dos, já que gran­de par­te de seu vo­lu­me é com­pos­to por água. A cou­ve-flor é fon­te de vitamina B6, mui­to im­por­tan­te na pro­du­ção dos neu­ro­trans­mis­so­res e pa­ra me­ta­bo­li­zar to­das os ti­pos de pro­teí­na que são con­su­mi­dos. Além da vitamina B6, es­tão pre­sen­tes as vi­ta­mi­nas A e C, que são efi­ca­zes na ma­nu­ten­ção da saú­de dos olhos e no au­men­to da imu­ni­da­de, res­pec­ti­va­men­te. “En­tre os nu­tri­en­tes en­con­tra­dos na cou­ve-flor, ain­da po­de­mos ci­tar o cál­cio, o que faz de­la uma óti­ma op­ção pa­ra as pes­so­as com in­to­le­rân­cia à lac­to­se ou que não con­so­mem ne­nhum ti­po de ali­men­to de­ri­va­do de ani­mais”, ex­pli­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta Már­cia Lou­rei­ro.

As­sim co­mo o ti­po man­tei­ga, a cou­ve-flor tam­bém é ri­ca em fi­bras. Ela promove sen­sa­ção de sa­ci­e­da­de e aju­da quem es­tá se­guin­do uma re­e­du­ca­ção ali­men­tar a se man­ter fi­el ao cardápio es­ta­be­le­ci­do. Sem con­tar que a cou­ve-flor re­gu­la o in­tes­ti­no de quem so­fre com pri­são de ven­tre. Po­de­mos des­ta­car tam­bém o po­ten­ci­al an­ti­can­ce­rí­ge­no do ali­men­to, já que con­tém uma gran­de quan­ti­da­de de fla­vo­noi­des, mag­né­sio e en­xo­fre. “O mag­né­sio é res­pon­sá­vel por uma me­lhor fi­xa­ção do cál­cio em nos­so or­ga­nis­mo, e o en­xo­fre par­ti­ci­pa da sín­te­se de co­lá­ge­no e ain­da au­xi­lia o fí­ga­do a neu­tra­li­zar subs­tân­ci­as tó­xi­cas”, diz Már­cia. Pa­ra ex­trair to­do o benefício dos cau­les da cou­ve-flor, apos­te em co­zi­nhá-la no va­por, até atin­gir o pon­to al den­te.

COU­VE-DE-BRU­XE­LAS

Es­sa va­ri­e­da­de nor­mal­men­te faz su­ces­so com as cri­an­ças. Por ser pe­que­na e fá­cil de co­mer, é uma óti­ma al­ter­na­ti­va pa­ra fa­ci­li­tar e es­ti­mu­lar o con­su­mo en­tre os pe­que­nos. Sua gran­de quan­ti­da­de de vitamina A im­pul­si­o­na o de­sen­vol­vi­men­to dos di­fe­ren­tes te­ci­dos cor­po­rais e con­tri­bui pa­ra um cres­ci­men­to sau­dá­vel lo­go nos pri­mei­ros anos de vi­da. Uma pe­que­na quan­ti­da­de des­sa cou­ve é ca­paz de for­ne­cer 20 vi­ta­mi­nas es­sen­ci­ais, além de an­ti­o­xi­dan­tes im­por­tan­tes pa­ra o cor­po. É uma va­ri­e­da­de ri­ca em vitamina C, pro­teí­nas, áci­do fó­li­co, fer­ro e po­tás­sio.

FRES­CA POR MAIS TEM­PO!

Al­gu­ma vez você já pa­rou pa­ra pen­sar co­mo ga­ran­tir que a cou­ve du­re por mais tem­po? Com a fi­na­li­da­de de aju­dar nes­sa mis­são, a nu­tri­ci­o­nis­ta Ma­ri­e­le Mer­ca­to en­si­na co­mo fa­zer a hi­gi­e­ni­za­ção e dá di­cas pa­ra au­men­tar a vi­da des­sa hor­ta­li­ça!

Hi­gi­e­ni­zar a cou­ve e os ou­tros in­gre­di­en­tes vai além de pas­sá-los de­bai­xo d’água. Sa­bia que são ne­ces­sá­ri­as al­gu­mas ou­tras me­di­das? Pa­ra is­so, dei­xe o ali­men­to de mo­lho em uma so­lu­ção com­pos­ta por 1 co­lher (so­pa) de água sa­ni­tá­ria ou 2 go­tas de clo­ro pa­ra 1 li­tro de água fil­tra­da ou fer­vi­da, sen­do ne­ces­sá­ri­os 30 mi­nu­tos pa­ra as fo­lhas e 15 pa­ra os de­mais ali­men­tos. Es­sa so­lu­ção é a me­lhor ma­nei­ra de hi­gi­e­ni­za­ção, pois aju­da a eli­mi­nar mi­cro-or­ga­nis­mos no­ci­vos à saú­de. Se de­se­jar, es­fre­gue a fo­lha com uma es­pon­ja ma­cia e en­xá­gue bem em água cor­ren­te. Lem­bre-se de uti­li­zar a es­pon­ja ape­nas pa­ra es­sa fi­na­li­da­de e nun­ca apli­que de­ter­gen­tes no pro­ces­so.

É pos­sí­vel en­con­trar em su­per­mer­ca­dos so­lu­ções hi­gi­e­ni­za­do­ras já pron­tas. Se op­tar por elas, lem­bre-se de ler o ró­tu­lo da em­ba­la­gem pa­ra se cer­ti­fi­car da quan­ti­da­de cor­re­ta de pro­du­to a ser uti­li­za­da.

Pa­ra pre­ser­var as pro­pri­e­da­des da hor­ta­li­ça por mais tem­po, é in­di­ca­do guar­dá-la la­va­da e bem se­ca, den­tro de um re­ci­pi­en­te com tam­pa. As­sim, ela po­de du­rar até se­te di­as na ge­la­dei­ra.

Se for ne­ces­sá­rio es­to­cá-la por um pe­río­do mai­or, ou­tra op­ção é con­ge­lar a fo­lha. “Pa­ra re­a­li­zar es­se pro­ces­so, a cou­ve pre­ci­sa pas­sar por uma es­pé­cie de cho­que tér­mi­co, que con­sis­te em jo­gar a fo­lha em água quen­te por al­guns se­gun­dos e de­pois res­friá-la em água ge­la­da”, en­si­na a Ma­ri­e­le. Ape­sar de a fo­lha da cou­ve ter uma apa­rên­cia ro­bus­ta, ela é uma ver­du­ra que ama­re­la fa­cil­men­te. Por­tan­to, con­ser­vá-la da for­ma cor­re­ta é pri­mor­di­al! Ma­ri­e­le in­di­ca guar­dar a cou­ve em um re­ci­pi­en­te pró­prio pa­ra ge­la­dei­ra, as­sim, ela con­ser­va­rá su­as pro­pri­e­da­des por mais tem­po!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.