At­chim!

Cui­de do seu cor­po pa­ra não dei­xar a gri­pe der­ru­bar vo­cê

O Poder dos Alimentos - - NEWS -

Di­fí­cil pas­sar um pe­río­do mui­to lon­go sem pe­gar uma gri­pe ou um res­fri­a­do. Por mais que o or­ga­nis­mo es­te­ja sau­dá­vel e blin­da­do con­tra o ví­rus, uma vez ou ou­tra a do­en­ça ata­ca e aí o jei­to é cui­dar dos sin­to­mas. Jus­ta­men­te por se­rem cau­sa­das por ví­rus, gri­pes e res­fri­a­dos não têm cu­ra por meio de re­mé­di­os. A me­lhor for­ma é tra­tar os sin­to­mas, co­mo fe­bre, ir­ri­ta­ção na gar­gan­ta e se­cre­ção de mu­co.

GRI­PE X RES­FRI­A­DO

Exis­te sim uma di­fe­ren­ça en­tre as du­as de­no­mi­na­ções. Ba­si­ca­men­te, a gri­pe cos­tu­ma ser mais vi­o­len­ta com o or­ga­nis­mo, dei­xan­do o do­en­te de ca­ma, com di­fi­cul­da­de de re­a­li­zar al­gu­mas ati­vi­da­des cor­ri­quei­ras, co­mo ir ao tra­ba­lho ou fa­zer ca­mi­nha­das. Já o res­fri­a­do é mais le­ve, ca­rac­te­ri­za­do por es­pir­ros e con­ges­tão na­sal cons­tan­tes. “Não exis­te exa­me es­pe­cí­fi­co pa­ra di­fe­ren­ci­ar a gri­pe do res­fri­a­do. O di­ag­nós­ti­co é fei­to cli­ni­ca­men­te, atra­vés da ava­li­a­ção fí­si­ca do pa­ci­en­te”, ex­pli­ca a clí­ni­ca ge­ral Ju­li­a­na Mor­ga­do.

CUI­DE-SE!

Hi­dra­ta­ção e re­pou­so são as prin­ci­pais me­di­das que o pa­ci­en­te de­ve to­mar pa­ra cu­rar-se lo­go da do­en­ça. Mas, co­mo já diz o ve­lho di­ta­do “me­lhor pre­ve­nir do que re­me­di­ar”, a me­lhor op­ção é cui­dar sem­pre da saú­de. “Ter ali­men­ta­ção sau­dá­vel, pra­ti­car ati­vi­da­des fí­si­cas e hi­dra­tar-se bem per­mi­te que o or­ga­nis­mo es­te­ja mais for­te ou que te­nha con­ta­to com o ví­rus e não te­nha in­fec­ção, ou ain­da, que a res­pos­ta imu­no­ló­gi­ca se­ja ade­qua­da e não ha­ja com­pli­ca­ções”, res­sal­ta a es­pe­ci­a­lis­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.