Carboidratos TAM­BÉM!

Pro­teí­na e car­boi­dra­to são ali­a­dos, en­tão, na­da de cor­tar o se­gun­do item do me­nu

O Poder dos Alimentos - - NEWS - Tex­to JUSSARA TECH De­sign RE­NAN OLI­VEI­RA

QUAN­DO SE OP­TA POR UMA ALI­MEN­TA­ÇÃO BA­SE­A­DA EM PRO­TEÍ­NAS É IM­POR­TAN­TE NÃO DEI­XAR O CAR­BOI­DRA­TO DE LA­DO.

Re­ti­rar es­te nu­tri­en­te do cardápio po­de cau­sar pre­juí­zos ao or­ga­nis­mo. E es­se ti­po de di­e­ta po­de ge­rar ton­tu­ras e até des­mai­os, se­gun­do a nu­tri­ci­o­nis­ta Cín­tia Pet­ti­na­ti. Ela ex­pli­ca que exis­tem três ma­cro­nu­tri­en­tes que pre­ci­sam ser in­ge­ri­dos du­ran­te o dia. “Além da fa­mo­sa pro­teí­na, carboidratos e até mes­mo gor­du­ras são ne­ces­sá­ri­os pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to”. Entenda!

DE VI­LÃO A MO­CI­NHO

Pre­sen­tes em ali­men­tos co­mo fru­tas, ar­roz, mas­sas, ba­ta­ta, man­di­o­ca e pães, os carboidratos de­vem estar em mai­or frequên­cia na ali­men­ta­ção, afi­nal, são eles que for­ne­cem ener­gia e par­ti­ci­pam ati­va­men­te na re­cu­pe­ra­ção dos mús­cu­los após o trei­no. Uma su­ges­tão é op­tar pe­los ce­re­ais in­te­grais. “O cor­po pre­ci­sa de três ma­cro­nu­tri­en­tes pa­ra fun­ci­o­nar bem: carboidratos, li­pí­di­os (gor­du­ra) e pro­teí­na, que de­vem estar em

equi­lí­brio pa­ra que o or­ga­nis­mo fun­ci­o­ne bem. A res­tri­ção de qual­quer um des­tes po­de cau­sar pro­ble­mas e de­se­qui­lí­bri­os”, afir­ma Cín­tia Pet­ti­na­ti.

ALI­MEN­TA­ÇÃO DE ATLE­TAS

Pa­ra os pra­ti­can­tes de ati­vi­da­de fí­si­ca o car­boi­dra­to é ain­da mais im­por­tan­te, e, de­pen­den­do do exer­cí­cio de­ve ser o prin­ci­pal ma­cro­nu­tri­en­te da di­e­ta. Po­rém, é ne­ces­sá­rio que a fon­te des­ses carboidratos se­ja bem se­le­ci­o­na­da. “Evi­te carboidratos de al­to ín­di­ce gli­cê­mi­co e al­ta car­ga gli­cê­mi­ca, dan­do pre­fe­rên­cia aos ce­re­ais in­te­grais, ba­ta­ta-do­ce, inha­me, são bo­as di­cas”, ex­pli­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta.

PRÉ-TREI­NO

“No mo­men­to pré-trei­no, o ide­al é uti­li­zar um car­boi­dra­to de mé­dio a bai­xo ín­di­ce gli­cê­mi­co, no pe­río­do de 1h a 30 mi­nu­tos an­tes da ati­vi­da­de fí­si­ca, vi­san­do man­ter um bom de­sen­vol­vi­men­to du­ran­te a mus­cu­la­ção”, co­lo­ca Cín­tia. Já no pós-trei­no, o car­boi­dra­to tem que ser de al­to ín­di­ce gli­cê­mi­co, pois é o pe­río­do de re­cu­pe­ra­ção mus­cu­lar, on­de o or­ga­nis­mo pre­ci­sa de ener­gia pa­ra re­a­li­zar as re­a­ções de sín­te­se. É im­por­tan­te res­sal­tar que na fal­ta do car­boi­dra­to, o or­ga­nis­mo uti­li­za ou­tras fon­tes pa­ra for­mar ener­gia, e uma de­las po­de ser a pro­teí­na, re­a­ção co­nhe­ci­da co­mo ca­ta­bo­lis­mo ou que­bra mus­cu­lar, di­fi­cul­tan­do as­sim a ga­nho de mas­sa mus­cu­lar e a hi­per­tro­fia.

TI­RA-DÚ­VI­DAS

Um ques­ti­o­na­men­to fre­quen­te é so­bre a in­ges­tão de carboidratos à noi­te. A nu­tri­ci­o­nis­ta ex­pli­ca que is­so é mui­to re­la­ti­vo e de­ve ser ava­li­a­do por um pro­fis­si­o­nal ha­bi­li­ta­do. “De­pen­de da ro­ti­na da pes­soa e do mo­men­to de seu trei­no. Por exem­plo: se al­guém ma­lha à noi­te, o mo­men­to em que es­sa pes­soa pre­ci­sa ter uma boa in­ges­tão de car­boi­dra­to é nes­te pe­río­do. Ela não po­de­ria dei­xar de in­ge­rir car­boi­dra­to nes­te mo­men­to por uma “di­mi­nui­ção” do me­ta­bo­lis­mo. Um nu­tri­ci­o­nis­ta po­de dis­tri­buir mui­to bem o car­boi­dra­to en­tre as su­as re­fei­ções, es­co­lhen­do as me­lho­res fon­tes. Além de to­dos os be­ne­fí­ci­os e ações do carboidratos re­la­ta­dos até o mo­men­to, é vá­li­do lem­brar que a fal­ta de­le po­de de­sen­ca­de­ar al­guns efei­tos co­la­te­rais, co­mo: mau hu­mor, des­mai­os, ton­tu­ras, di­fi­cul­da­de de me­mo­ri­za­ção, es­que­ci­men­to e di­fi­cul­da­de de con­cen­tra­ção, en­tre ou­tros”, co­lo­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.