BATIMENTOS EM DIA

A be­rin­je­la pos­sui um pig­men­to cha­ma­do an­to­ci­a­ni­na, que traz mui­tos be­ne­fí­ci­os pa­ra o coração

O Poder dos Alimentos - - NEWS - Tex­to DENIS ERIC/COLABORADOR De­sign RENAN OLIVEIRA

UMA SUBS­TÂN­CIA PRE­SEN­TE NA BE­RIN­JE­LA, E TAM­BÉM EM ALI­MEN­TOS CO­MO MORANGO, UVA E AMORA, TRAZ BE­NE­FÍ­CI­OS PA­RA O CORAÇÃO. Tra­ta-se da an­to­ci­a­ni­na, pig­men­to que faz par­te do gru­po dos fla­vo­noi­des. “Os fi­toquí­mi­cos (com­pos­tos pre­sen­tes na­tu­ral­men­te nas fru­tas e ve­ge­tais) vêm sen­do lar­ga­men­te es­tu­da­dos pe­la ação pro­te­to­ra e an­ti­o­xi­dan­te que de­sem­pe­nham. Di­fe­ren­tes es­tu­dos mos­tram a re­la­ção in­ver­sa en­tre o con­su­mo de uma ali­men­ta­ção ri­ca em fru­tas e ve­ge­tais e a ocor­rên­cia de do­en­ças

crô­ni­cas não trans­mis­sí­veis”, ex­pli­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta Lu­a­na Vas­con­ce­los. E qual sua re­la­ção com a be­rin­je­la? A es­pe­ci­a­lis­ta res­pon­de: “Den­tre os vá­ri­os fi­toquí­mi­cos, a an­to­ci­a­ni­na, pig­men­to res­pon­sá­vel pe­la co­lo­ra­ção pre­ta, ver­me­lha ou azu­la­da de di­ver­sos ali­men­tos, pre­sen­te na cas­ca da be­rin­je­la, vem sen­do as­so­ci­a­da à re­du­ção da oxi­da­ção do colesterol LDL e à pre­ven­ção da agre­ga­ção pla­que­tá­ria, do cân­cer e de in­fec­ções do tra­to uri­ná­rio”. Sen­do as­sim, fi­ca a di­ca: quan­do for in­cluir o le­gu­me no car­dá­pio do dia, a cas­ca não po­de fi­car de fo­ra.

FLUXO PERFEITO

“É im­por­tan­te sa­ber que quem tem colesterol al­to não tem sin­to­mas e, por is­so, mui­tas pes­so­as po­dem ter e não sa­bem. Acaba sa­ben­do so­men­te quan­do já exis­te al­gu­ma com­pli­ca­ção. En­tão, é im­por­tan­te que to­dos re­a­li­zem pe­lo me­nos uma vez ao ano um exa­me de san­gue ou a cri­té­rio mé­di­co”, lem­bra a car­di­o­lo­gis­ta Isa Bra­gan­ça. Sem­pre apon­ta­do co­mo um vilão da boa saú­de, o colesterol é um ti­po de gor­du­ra e tam­bém um com­po­nen­te im­por­tan­te pa­ra a for­ma­ção das mem­bra­nas das cé­lu­las e pa­ra a pro­du­ção dos hormô­ni­os. Ele cir­cu­la pe­lo san­gue li­ga­do a li­po­pro­teí­nas de al­ta den­si­da­de (HDL) ou a li­po­pro­teí­nas de bai­xa den­si­da­de (LDL). No pri­mei­ro ca­so, o colesterol vai das cé­lu­las pa­ra o fí­ga­do e de­pois é eli­mi­na­do, en­quan­to, no se­gun­do, ele se acu­mu­la nos va­sos e ar­té­ri­as an­tes de che­gar ao des­ti­no fi­nal. Quan­do se faz um exa­me de san­gue, o re­sul­ta­do apon­ta a pro­por­ção de HDL e LDL no or­ga­nis­mo. Ín­di­ces al­tos de LDL tra­zem o pe­ri­go da ate­ros­cle­ro­se, o que, em ou­tras pa­la­vras, é um en­tu­pi­men­to dos ca­mi­nhos por on­de o san­gue cir­cu­la. Is­so im­pli­ca em ris­cos não só de problemas car­día­cos, co­mo tam­bém de aci­den­te vas­cu­lar ce­re­bral. Quan­do al­guém diz que seu colesterol es­tá al­to, ge­ral­men­te es­tá se re­fe­rin­do ao LDL, “mau colesterol”, com­ba­ti­do pe­la na­su­ni­na e pe­la del­fi­ni­di­na, as an­to­ci­a­ni­nas en­con­tra­das na cas­ca da be­rin­je­la.

BOA PA­RA A DI­GES­TÃO

Os be­ne­fí­ci­os da be­rin­je­la pa­ra a di­ges­tão aca­bam, por ta­be­la, tam­bém au­xi­li­an­do na re­du­ção do mau colesterol. O di­fe­ren­ci­al es­tá na gran­de quan­ti­da­de de fi­bras, co­mo apon­ta Lu­a­na: “As fi­bras ali­men­ta­res so­lú­veis têm ações de ex­tre­ma im­por­tân­cia pa­ra a saú­de. Uma de­las é au­xi­li­ar na di­mi­nui­ção dos ní­veis de colesterol do san­gue, por se li­ga­rem em cer­ta quan­ti­da­de de colesterol no sis­te­ma di­ges­ti­vo que é, en­tão, eli­mi­na­do na­tu­ral­men­te atra­vés das fe­zes”. No en­tan­to, co­mo se tra­tam de fi­bras so­lú­veis, a in­ges­tão de água tam­bém é es­sen­ci­al pa­ra o pro­ces­so.

SEM MILAGRE

Po­rém, não vá pen­san­do que a sim­ples in­clu­são da be­rin­je­la, em su­as mais va­ri­a­das for­mas, irá re­sol­ver por con­ta pró­pria os problemas com o colesterol. Cer­tos ali­men­tos te­rão de ser evi­ta­dos, quan­do não proi­bi­dos, ca­so das car­nes gor­das, em­bu­ti­dos, in­dus­tri­a­li­za­dos, quei­jos ama­re­los, lei­te in­te­gral e man­tei­ga. “Ele­va­ções pe­que­nas nos ní­veis de colesterol po­dem ser ini­ci­al­men­te tra­ta­das ape­nas com a mu­dan­ça dos há­bi­tos ali­men­ta­res, mas au­men­tos se­ve­ros ge­ral­men­te exi­gem a as­so­ci­a­ção com tra­ta­men­to far­ma­co­ló­gi­co”, afir­ma Isa. Além dos re­mé­di­os e de um mai­or cui­da­do na ali­men­ta­ção, a prá­ti­ca de ati­vi­da­de fí­si­ca é fun­da­men­tal, por es­ti­mu­lar a cir­cu­la­ção e quei­mar ca­lo­ri­as em ex­ces­so. Ne­nhu­ma das três al­ter­na­ti­vas em se­pa­ra­do irá tra­zer re­sul­ta­dos sa­tis­fa­tó­ri­os. Sen­do as­sim, o jei­to é com­bi­nar todas elas ao mes­mo tempo!

CONSULTORIA Lu­a­na Vas­con­ce­los nu­tri­ci­o­nis­ta; Isa Bra­gan­ça, car­di­o­lo­gis­ta FOTO is­tock.com/getty Images

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.