AFASTE O DIABETES

A be­rin­je­la aju­da re­du­zir os ní­veis de gli­co­se no san­gue. Con­fi­ra co­mo is­so acon­te­ce!

O Poder dos Alimentos - - NEWS - Tex­to DENIS ERIC/COLABORADOR | De­sign RENAN OLIVEIRA

AS FI­BRAS SÃO IMPORTANTES NU­TRI­EN­TES OBTIDOS NA ALI­MEN­TA­ÇÃO, POIS TÊM EN­TRE SEUS BE­NE­FÍ­CI­OS FA­VO­RE­CER DI­GES­TÃO. Mas pa­ra os di­a­bé­ti­cos, elas se tor­nam es­sen­ci­ais, pois aju­dam na re­du­ção da gli­ce­mia, no con­tro­le do ní­vel de in­su­li­na e dos li­pí­di­os. “As fi­bras re­tar­dam a ve­lo­ci­da­de com a qual o açú­car é ab­sor­vi­do no in­tes­ti­no, en­tão, ela so­be mais len­ta­men­te, o que pre­vi­ne os pi­cos de in­su­li­na no san­gue”, apon­ta a nu­tró­lo­ga e mé­di­ca or­to­mo­le­cu­lar Ta­ma­ra Ma­za­rac­ki. E é aí que a be­rin­je­la en­tra na ali­men­ta­ção: uma xí­ca­ra (chá) de be­rin­je­la co­zi­da for­ne­ce 2,5g de fi­bra (10% da ne­ces­si­da­de diá­ria, que va­ria en­tre 25g a 30g).

SHOW DE FI­BRAS

A be­rin­je­la in­te­gra a lis­ta dos ve­ge­tais que são gran­des ami­gos dos di­a­bé­ti­cos quan­do se tra­ta de con­tro­lar a ta­xa de açú­car no san­gue. “As fi­bras so­lú­veis são as que mais fa­vo­re­cem quem so­fre de diabetes. Ao en­trar em con­ta­to com a água, elas cri­am uma ‘capa’ em tor­no da co­mi­da e di­fi­cul­tam a ab­sor­ção de açú­car”, ex­pli­ca o nu­tró­lo­go Ma­xi­mo Asi­nel­li. Quan­do is­so acon­te­ce, há um re­tar­da­men­to na ve­lo­ci­da­de da di­ges­tão e, con­se­quen­te­men­te, a ab­sor­ção de gli­co­se é fei­ta aos pou­cos, evi­tan­do

hi­per­gli­ce­mia e a hi­po­gli­ce­mia, que tam­bém é pre­o­cu­pan­te. Além dis­so, exis­tem subs­tân­ci­as an­ti­o­xi­dan­tes pre­sen­tes na cas­ca do le­gu­me aju­dam a pro­te­ger as ar­té­ri­as, com­ba­ter in­fec­ções, ce­guei­ra e trom­bo­se, além de au­xi­li­ar no pro­ces­so de fe­ri­das, problemas re­cor­ren­tes nos di­a­bé­ti­cos.

POR­QUE CUIDAR DA ALI­MEN­TA­ÇÃO?

Se pre­o­cu­par com o que es­tá no pra­to é um cui­da­do es­sen­ci­al pa­ra di­a­bé­ti­cos. A do­en­ça é ca­rac­te­ri­za­da por uma que­da ou pro­ble­ma na pro­du­ção de in­su­li­na ou re­sis­tên­cia a es­sa subs­tân­cia pe­lo or­ga­nis­mo. Es­se hormô­nio (in­su­li­na) é res­pon­sá­vel pe­lo trans­por­te da gli­co­se pa­ra as cé­lu­las (on­de é con­ver­ti­da em ener­gia), por is­so, sem ela, há acú­mu­lo de açú­car no san­gue, o que acar­re­ta di­ver­sos problemas pe­lo ex­ces­so des­sa subs­tân­cia na cor­ren­te san­guí­nea. Por ser uma sín­dro­me me­ta­bó­li­ca, o diabetes não pos­sui so­men­te uma cau­sa, mas al­guns fa­to­res po­dem co­la­bo­rar pa­ra seu sur­gi­men­to, co­mo a ge­né­ti­ca, o se­den­ta­ris­mo e a obe­si­da­de. Sem o cui­da­do ali­men­tar e mé­di­co, es­se con­tro­le se tor­na pou­co efi­ci­en­te, po­den­do le­var o in­di­ví­duo à mor­te.

EXER­CÍ­CIO FÍSICO É FUN­DA­MEN­TAL

As­sim co­mo todas as pes­so­as que que­rem le­var uma vi­da sau­dá­vel, o di­a­bé­ti­co tam­bém de­ve pra­ti­car ati­vi­da­des fí­si­cas, pois, des­sa for­ma, o con­tro­le da gli­ce­mia é fa­ci­li­ta­do. “O exer­cí­cio físico crô­ni­co reduz a gli­ce­mia da­que­les que a apre­sen­tam anor­mal­men­te ele­va­da e man­tém a gli­ce­mia da­que­les que apre­sen­tam ní­veis nor­mais”, sa­li­en­ta o edu­ca­dor físico Ro­dri­go Luiz Van­ci­ni. Os exer­cí­ci­os fí­si­cos tra­zem inú­me­ros be­ne­fí­ci­os à saú­de, pois além de aju­da­rem no con­tro­le da gli­ce­mia, tam­bém evi­tam o apa­re­ci­men­to de ou­tras do­en­ças. Po­rém, é im­por­tan­te res­sal­tar que ca­da or­ga­nis­mo é in­di­vi­du­al, por is­so con­sul­te um es­pe­ci­a­lis­ta an­tes de ini­ci­ar as ati­vi­da­des fí­si­cas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.