O HIBISCO LIBERA! Li­ber­te-se dos incô­mo­dos do intestino pre­so

Li­ber­te-se do intestino pre­so com os be­ne­fí­ci­os pro­mo­vi­dos por es­sa plan­ta ru­bra

O Poder dos Alimentos - - NEWS -

OASSUNTO É “CHA­TO” E COS­TU­MA SER TRA­TA­DO APE­NAS NA VI­DA PRI­VA­DA. MAS INTESTINO PRE­SO, OU PRI­SÃO DE VENTRE, É MUI­TO MAIS DO QUE AL­GO A SER FA­LA­DO EM VOZ BAI­XA.

É um bai­ta pro­ble­ma! Ima­gi­ne só as con­sequên­ci­as de quan­do o que de­ve­ria fluir, ao con­trá­rio, con­ges­ti­o­na o trân­si­to do cor­po? “O intestino pre­so é um pro­ble­ma pa­ra a saú­de, pois pre­ju­di­ca a ab­sor­ção de nu­tri­en­tes e eli­mi­na­ção de to­xi­nas”, elu­ci­da a nutricionista Nu­bia Me­lo.

Se es­ses re­sí­du­os que de­ve­ri­am ser eli­mi­na­dos con­ti­nu­am no cor­po, pas­sam a ser ab­sor­vi­dos pe­la mu­co­sa in­tes­ti­nal e po­dem in­ter­fe­rir ne­ga­ti­va­men­te no pro­ces­so de de­sin­to­xi­ca­ção pro­mo­vi­do pe­lo fí­ga­do. E não é só: o rit­mo len­to fa­vo­re­ce a per­da de água das fe­zes, o que po­de tor­ná-las mais du­ras e tor­nar o pro­ble­ma ain­da mais des­con­for­tá­vel. Mas o hibisco, mais uma vez, pos­sui pro­pri­e­da­des ca­pa­zes de ali­vi­ar es­tes sin­to­mas.

REGULE COM HIBISCO!

O chá fei­to com as pé­ta­las da flor de hibisco acres­cen­ta subs­tân­ci­as be­né­fi­cas ao bo­lo fe­cal. “Al­gu­mas das subs­tân­ci­as que atu­am pa­ra fa­ci­li­tar a di­ges­tão e me­lho­rar o fun­ci­o­na­men­to do intestino são as pec­ti­nas e os fla­vo­noi­des pre­sen­tes no hibisco”, des­ta­ca Nú­bia. “As flo­res são ri­cas em mu­ci­la­gem, uma mistura com­ple­xa de po­lis­sa­ca­rí­de­os que se trans­for­ma nu­ma fi­bra ge­la­ti­no­sa quan­do a água é adi­ci­o­na­da. Es­sa mu­ci­la­gem atra­pa­lha a ab­sor­ção de car­boi­dra­tos e gor­du­ras, fa­zen­do com que es­ses pas­sem in­tac­tos pe­lo tra­to di­ges­tó­rio e se­jam eli­mi­na­dos jun­to das fe­zes”, acres­cen­ta a nutricionista Adri­a­na Cai­a­fa.

O efei­to é la­xa­ti­vo, uma

vez que ace­le­ra o pro­ces­so di­ges­ti­vo. A plan­ta ain­da tem ca­pa­ci­da­de de au­xi­li­ar na quei­ma de gor­du­ras. “Sa­be-se que o hibisco atua co­mo es­ti­mu­lan­te da ati­vi­da­de da ve­sí­cu­la bi­li­ar e a li­be­ra­ção de sais bi­li­a­res que par­ti­ci­pa­ri­am da di­ges­tão de gor­du­ras”, apon­ta a nutricionista Flá­via da Sil­va Santos.

En­tre­tan­to, tais be­ne­fí­ci­os são me­lho­res apro­vei­ta­dos quan­do o con­su­mo é pro­gra­ma­do ao lon­go do dia. “Re­co­men­da-se con­su­mir uma xí­ca­ra de chá após as re­fei­ções prin­ci­pais (al­mo­ço e jan­tar)”, res­sal­ta, por sua vez, a nutricionista Aline Fer­rei­ra.

PRI­SÃO DE VENTRE X INTESTINO PRE­GUI­ÇO­SO

No en­tan­to, an­tes de ape­lar pa­ra o hibisco, é pre­ci­so en­ten­der o que, de fato, ca­rac­te­ri­za a pri­são de ventre, que é di­fe­ren­te de ter o “intestino pre­gui­ço­so”. O pro­ble­ma só é con­si­de­ra­do um mal à saú­de quan­do há, sim, uma di­mi­nui­ção no nú­me­ro de eva­cu­a­ções, po­rém com des­con­for­to e do­res ab­do­mi­nais. “É con­si­de­ra­do trân­si­to in­tes­ti­nal re­gu­lar quan­do o in­di­vi­duo eva­cua três ve­zes ao dia até três ve­zes por se­ma­na. Além dis­so, na pri­são de ventre, as fe­zes ge­ral­men­te fi­cam du­ras, se­cas e di­fí­ceis de eli­mi­nar. Al­gu­mas pes­so­as com intestino pre­so acham do­lo­ri­do ten­tar eva­cu­ar, e fre­quen­te­men­te ex­pe­ri­men­tam sen­sa­ção de in­cha­ço e intestino cheio”, com­ple­ta Adri­a­na.

Ca­da cor­po re­a­ge de uma for­ma e tem um rit­mo, por­tan­to ter o intestino pre­gui­ço­so é per­fei­ta­men­te nor­mal. “No­me­a­mos intestino pre­gui­ço­so aque­le que não fun­ci­o­na to­dos os di­as. Is­so po­de ocor­rer por di­fe­ren­ças de ta­ma­nho do ór­gão, ve­lo­ci­da­de de me­ta­bo­lis­mo, hidratação e di­e­ta”, ori­en­ta Adri­a­na. A pro­fis­si­o­nal acon­se­lha ain­da a não in­du­zir ou ace­le­rar es­se rit­mo atra­vés de la­xan­tes e su­ple­men­tos de fi­bras sem o acom­pa­nha­men­to pro­fis­si­o­nal.

AS CAU­SAS MAIS CO­MUNS SÃO:

• Di­e­ta po­bre em fi­bras acom­pa­nha­do de pou­ca in­ges­tão de lí­qui­dos; • con­su­mo ex­ces­si­vo de pro­teí­na ani­mal e ali­men­tos in­dus­tri­a­li­za­dos; • ig­no­rar o es­tí­mu­lo pa­ra eva­cu­ar; • do­en­ças do có­lon e do re­to co­mo di­ver­ti­cu­lo­se, he­mor­roi­das, fis­su­ras anais e cân­cer co­lor­re­tal; • do­en­ças in­tes­ti­nais co­mo Sín­dro­me do Intestino Ir­ri­tá­vel (SII); • alguns me­di­ca­men­tos e abu­so de la­xan­tes; • al­te­ra­ções neu­ro­ló­gi­cas e do me­ta­bo­lis­mo; • de­pres­são, es­tres­se ou an­si­e­da­de; • se­den­ta­ris­mo; • ges­ta­ção; • mu­dan­ças na ro­ti­na de vi­da, co­mo vi­a­gens.

DESVENDANDO A ORI­GEM

Ape­sar de ser um pro­ble­ma pon­tu­al, ele nun­ca vem de­sa­com­pa­nha­do, ou se­ja, cos­tu­ma ser sin­to­ma de al­gum dis­túr­bio mai­or. “En­ten­der as cau­sas, pre­ven­ção e tra­ta­men­to aju­da­rá a mai­o­ria a ob­ter alívio da pri­são de ventre”, des­ta­ca Adri­a­na.

“Ali­men­ta­ção ri­ca em fi­bras tem co­mo fun­ção mol­dar as fe­zes e es­ti­mu­lar as con­tra­ções da mus­cu­la­tu­ra in­tes­ti­nal. Os lí­qui­dos te­ri­am o pa­pel de hi­dra­tar o bo­lo fe­cal, pa­ra me­lhor eli­mi­na­ção”, re­co­men­da a nutricionista Flá­via da Sil­va Santos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.