ALÉM DO HIBISCO Co­nhe­ça ou­tros chás com pro­pri­e­da­des me­di­ci­nais

Va­ri­ar nas plan­tas e no sa­bor dos chás é es­sen­ci­al pa­ra não en­jo­ar e ain­da ex­trair um pou­co mais do me­lhor da na­tu­re­za

O Poder dos Alimentos - - NEWS -

OU­SO CON­TÍ­NUO DE UM MES­MO TI­PO DE CHÁ PO­DE TOR­NÁ-LO ENJOATIVO E ATÉ CAU­SAR PRE­JUÍ­ZOS À SAÚ­DE. AFI­NAL, NA­DA EM EX­CES­SO É BOM! Pa­ra evi­tar o ris­co de aban­do­nar o sau­dá­vel há­bi­to de in­ge­rir uma be­bi­da na­tu­ral, le­ve e van­ta­jo­sa pa­ra o or­ga­nis­mo de­vi­do à sen­sa­ção de mes­mi­ce, apre­sen­ta­mos alguns chás que tam­bém au­xi­li­am no ema­gre­ci­men­to e po­dem ser in­ter­ca­la­dos com o de hibisco. Mas não es­que­ça: é in­di­ca­do con­sul­tar um pro­fis­si­o­nal pa­ra um pla­ne­ja­men­to in­di­vi­du­al. “Os chás de­vem es­tar as­so­ci­a­dos a um pla­no ali­men­tar in­di­vi­du­a­li­za­do que le­ve em con­ta os há­bi­tos diá­ri­os do pa­ci­en­te e a prá­ti­ca fre­quen­te de exer­cí­cio fí­si­co”, lem­bra a nutricionista Thaís Vil­la­ça.

CHÁ-VER­DE

Con­tém subs­tân­ci­as, co­mo a ca­feí­na, que ace­le­ram o me­ta­bo­lis­mo e au­men­tam a tem­pe­ra­tu­ra cor­po­ral, o que fa­ci­li­ta a per­da de pe­so. “O chá ver­de é an­ti­o­xi­dan­te e pos­sui ca­pa­ci­da­de de de­sin­to­xi­car o or­ga­nis­mo, pois ati­va en­zi­mas do fí­ga­do que eli­mi­nam as to­xi­nas”, ex­pli­ca a nutricionista Grei­ce Ca­ro­li­ne Bag­gio. Tam­bém for­ta­le­ce o sis­te­ma imu­no­ló­gi­co e pos­sui ações an­ti­can­ce­rí­ge­na, di­ges­ti­va e ener­gi­zan­te.

UMA PLAN­TA, VÁ­RI­OS CHÁS!

Tan­to o chá-ver­de qu­an­to o pre­to e o bran­co são fei­tos com uma plan­ta cha­ma­da

Ca­mel­lia si­nen­sis. O que di­fe­re os sa­bo­res e as pro­pri­e­da­des de ca­da chá são a épo­ca da co­lhei­ta e o pro­ces­sa­men­to das fo­lhas. O bran­co, por exem­plo, é ex­traí­do de fo­lhas no­vas (an­tes de as flo­res se abri­rem) e não é fer­men­ta­do. Já o ver­de é fei­to com as fo­lhas um pou­co mais ve­lhas que o bran­co e po­de pas­sar por um pro­ces­so “le­ve” de fer­men­ta­ção. O pre­to, por sua vez, se ob­tém atra­vés de fo­lhas mais ve­lhas e pas­sa por um pro­ces­so de fer­men­ta­ção mai­or. Mas os três apre­sen­tam pro­pri­e­da­des se­me­lhan­tes: ace­le­ram o me­ta­bo­lis­mo, são diu­ré­ti­cos e pos­su­em ação an­ti­o­xi­dan­te.

CAVALINHA

A in­fu­são des­sa er­va oti­mi­za o me­ta­bo­lis­mo e ain­da tem efei­to diu­ré­ti­co. “Quan­do chás diu­ré­ti­cos são in­ge­ri­dos cons­tan­te­men­te, a pes­soa per­de lí­qui­do, to­ni­fi­ca, re­vi­ta­li­za e me­lho­ra a produção de flui­dos en­tre as cé­lu­las. Es­sas be­bi­das ema­gre­cem por­que au­men­tam o tra­ba­lho dos rins e com is­so o or­ga­nis­mo libera uma quan­ti­da­de mai­or de ca­lo­ri­as”, es­cla­re­ce a nutricionista Vi­vi­ah An­dra­de.

CHÁ-MA­TE

Usar o ma­te com frequên­cia con­tri­bui pa­ra a saú­de car­di­o­vas­cu­lar, uma vez que a er­va da qual é ex­traí­do tem ação an­ti­o­xi­dan­te, por is­so, aju­da no ema­gre­ci­men­to; pos­sui ação diu­ré­ti­ca e ain­da me­lho­ra a di­ges­tão, o foco men­tal, a dis­po­si­ção pa­ra tra­ba­lhar e re­a­li­zar ati­vi­da­des fí­si­cas. “Usa­do de for­ma ade­qua­da, o ma­te au­men­ta a ter­mo­gê­ne­se e con­tri­bui pa­ra man­ter o pe­so cor­po­ral de­se­ja­do, se for ali­a­do a uma di­e­ta ba­lan­ce­a­da e a um pro­gra­ma de exer­cí­cio fí­si­co re­gu­lar. Seu efei­to ter­mo­gê­ni­co (emagrecedor) é de­vi­do à ca­feí­na com ação es­ti­mu­lan­te do sis­te­ma ner­vo­so cen­tral, não de­ven­do ser con­su­mi­do à noi­te e em al­tas quan­ti­da­des”, des­ta­ca a nu­tró­lo­ga e mé­di­ca or­to­mo­le­cu­lar Ta­ma­ra Ma­za­rac­ki.

DEN­TE-DE-LEÃO

“O chá, em que se usa a plan­ta to­da, é um po­de­ro­so di­ges­ti­vo, diu­ré­ti­co, me­lho­ra o há­li­to, é ex­ce­len­te pa­ra os ma­les do fí­ga­do e da ve­sí­cu­la bi­li­ar. É uti­li­za­do tam­bém co­mo de­sin­to­xi­can­te ge­ral”, de­ta­lha o fi­to­te­ra­peu­ta Jo­sé Bas­sit. A plan­ta é fa­mo­sa tam­bém por pro­mo­ver uma “lim­pe­za” no san­gue, man­ter o intestino re­gu­la­do e ain­da aju­dar no tra­ta­men­to de in­fec­ções uri­ná­ri­as.

GEN­GI­BRE

Os be­ne­fí­cio do gen­gi­bre são inú­me­ros – bem co­mo a for­ma de usá-lo, que vai des­de chás e su­cos e até co­mo tem­pe­ro. “Atu­al­men­te, o gen­gi­bre tam­bém tem si­do usa­do por qu­em vi­sa o ema­gre­ci­men­to gra­ças à sua ação ter­mo­gê­ni­ca, aque­la que au­men­ta o me­ta­bo­lis­mo e faz com que o cor­po gas­te mais ca­lo­ri­as do que usu­al­men­te gas­ta­ria, e as­sim, re­duz o pe­so e a gordura cor­po­ral”, des­ta­ca a nutricionista Stépha­nie Ro­bi.

OLI­VEI­RA

Os prin­ci­pais be­ne­fí­ci­os des­se chá es­tão em sua ação an­ti­o­xi­dan­te, na pre­ven­ção do en­ve­lhe­ci­men­to pre­co­ce, na me­lho­ra da pe­le e no au­xí­lio do tra­ta­men­to da hi­per­ten­são ar­te­ri­al. Se ali­a­do a uma di­e­ta sau­dá­vel e à prá­ti­ca re­gu­lar de exer­cí­ci­os fí­si­cos, aju­da a re­du­zir a cir­cun­fe­rên­cia ab­do­mi­nal, já que atua di­re­ta­men­te nas gor­du­ras acu­mu­la­das na re­gião.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.