Imu­ni­da­de FORTALECIDA

Sai­ba co­mo o chá de hibisco atua na pre­ven­ção e no com­ba­te a gri­pes e res­fri­a­dos

O Poder dos Alimentos - - NEWS -

GRI­PE E RESFRIADO SÃO DO­EN­ÇAS

RES­PI­RA­TÓ­RI­AS VIRAIS. A di­fe­ren­ça bá­si­ca en­tre am­bas é que, na pri­mei­ra, o ví­rus é da fa­mí­lia in­flu­en­za, e na se­gun­da, exis­tem di­ver­sas pos­si­bi­li­da­des de cau­sa­dor, co­mo os ví­rus ri­no­ví­rus, ade­no­ví­rus e pa­rain­flu­en­za. “Ou­tros fa­to­res que di­fe­ren­ci­am a gri­pe e o resfriado são a fe­bre e o es­ta­do ge­ral do pa­ci­en­te. En­quan­to o resfriado não cos­tu­ma pro­vo­car fe­bre – ex­ce­to em cri­an­ças pe­que­nas – is­so é co­mum na gri­pe”, ex­pli­ca a nutricionista Fer­nan­da Mar­ques.

A pro­fis­si­o­nal des­ta­ca ain­da que, na gri­pe, o pa­ci­en­te apre­sen­ta do­res de ca­be­ça e, mui­tas ve­zes, nos mús­cu­los e nas ar­ti­cu­la­ções. Já no resfriado, os sin­to­mas mais fre­quen­tes são co­ri­za (ri­ni­te), tos­ses e es­pir­ros. As­sim, de for­ma ge­ral, a gri­pe é mais for­te que o resfriado.

Co­mo é pra­ti­ca­men­te im­pos­sí­vel evi­tar o con­ta­to com es­ses ví­rus, é im­por­tan­te que o sis­te­ma imu­no­ló­gi­co es­te­ja sem­pre for­te o bas­tan­te pa­ra bar­rar a ação de­les. “Ao con­su­mir ali­men­tos com vi­ta­mi­na C, an­ti­o­xi­dan­tes e an­ti-in­fla­ma­tó­ri­os, as chan­ces do or­ga­nis­mo agir mais ra­pi­da­men­te con­tra a pa­to­lo­gia au­men­tam mui­to”, in­di­ca a nutricionista.

Por is­so, tão fun­da­men­tal qu­an­to ca­pri­char na ali­men­ta­ção an­tes e de­pois da en­fer­mi­da­de che­gar, é ade­rir a há­bi­tos sau­dá­veis que for­ta­le­cem o sis­te­ma imu­no­ló­gi­co. “O ide­al é ter­mos uma ali­men­ta­ção ba­lan­ce­a­da pa­ra pro­mo­ver um fun­ci­o­na­men­to ade­qua­do do or­ga­nis­mo de for­ma ge­ral e, prin­ci­pal­men­te, do sis­te­ma imu­ne. Ao in­tro­du­zir di­a­ri­a­men­te ali­men­tos que au­xi­li­am nes­se for­ta­le­ci­men­to, é pos­sí­vel com­ba­ter as pa­to­lo­gi­as e ter su­ces­so na pre­ven­ção”, com­ple­ta.

E O HIBISCO?

O be­ne­fí­cio do chá de hibisco pa­ra o for­ta­le­ci­men­to do sis­te­ma imu­no­ló­gi­co se dá por dois mo­ti­vos: é ri­co em vi­ta­mi­na C – co­nhe­ci­da por agir em prol des­se as­pec­to da saú­de – e em an­ti­o­xi­dan­tes – que atu­am no com­ba­te aos ra­di­cais li­vres no or­ga­nis­mo. “Is­so aju­da a re­du­zir o en­ve­lhe­ci­men­to pre­co­ce e for­ta­le­ce o sis­te­ma imu­no­ló­gi­co, pre­ve­nin­do e tra­tan­do gri­pes e res­fri­a­dos”, pon­tua Fer­nan­da. BÔNUS

Além do chá de hibisco, ou­tros ali­men­tos são lem­bra­dos por atu­a­rem na pre­ven­ção e no com­ba­te de gri­pes e res­fri­a­dos. É o ca­so de frutas ri­cas em vi­ta­mi­na C co­mo a la­ran­ja, a ace­ro­la, a go­ji­ber­ry e o li­mão; os ali­men­tos ri­cos em an­ti­o­xi­dan­tes, co­mo as frutas ver­me­lhas; os de ação an­ti-in­fla­ma­tó­ria, co­mo o aça­frão, o gen­gi­bre e o azei­te ex­tra vir­gem; e aque­les ri­cos em zin­co, co­mo as ole­a­gi­no­sas, as car­nes e os ovos. Con­fi­ra a receita de su­chá de cou­ve e hibisco, que abri­ga di­ver­sos ali­men­tos po­de­ro­sos e be­né­fi­cos ao sis­te­ma imu­no­ló­gi­co.

ALER­TA!

É pre­ci­so ter aten­ção pa­ra não exa­ge­rar no con­su­mo. A nutricionista in­di­ca que o ide­al é não in­ge­rir mais do que 700ml por dia (o equi­va­len­te a 3 e 1/2 co­pos de 200ml) e in­ter­ca­lar o con­su­mo do chá com o de água. “O chá de hibisco fun­ci­o­na co­mo diu­ré­ti­co na­tu­ral, as­sim, po­de au­xi­li­ar na per­da de água e, por­tan­to, é im­por­tan­te re­por es­sa quan­tia”, com­ple­men­ta. Além dis­so, o chá de hibisco não atua co­mo me­di­ca­men­to e não dis­pen­sa o con­su­mo de re­mé­di­os pres­cri­tos por pro­fis­si­o­nais. A be­bi­da age co­mo es­ti­mu­lan­te do sis­te­ma imu­no­ló­gi­co. Em ca­so de dú­vi­das, con­sul­te um mé­di­co pa­ra in­di­ca­ção in­di­vi­du­al do tra­ta­men­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.