Per­ca pe­so com HIBISCO!

A plan­ta é uma gran­de ali­a­da pa­ra o ema­gre­ci­men­to sau­dá­vel

O Poder dos Alimentos - - NEWS -

DE­TER­MI­NA­ÇÃO É A PA­LA­VRA-CHA­VE PA­RA QU­EM DE­SE­JA EMA­GRE­CER. O pro­ces­so qu­a­se sem­pre exi­ge uma mu­dan­ça to­tal de há­bi­tos, prin­ci­pal­men­te aque­les que le­va­ram ao qua­dro de obe­si­da­de ou ape­nas ge­ra­ram aque­les incô­mo­dos qui­los

a mais. Pa­ra ema­gre­cer de ma­nei­ra sau­dá­vel e con­sis­ten­te, sem o cha­ma­do efei­to san­fo­na, o ide­al é se­guir uma re­e­du­ca­ção ali­men­tar, pro­ces­so que exi­ge pa­ci­ên­cia e for­ça de von­ta­de.

Ao con­trá­rio das di­e­tas re­lâm­pa­gos da mo­da, a re­e­du­ca­ção não ex­clui ne­nhum gru­po de ali­men­tos e, de vez em quan­do, até per­mi­te o con­su­mo de pe­que­nas por­ções de ali­men­tos mais ca­ló­ri­cos. “Ao se­guir uma di­e­ta sem res­tri­ções (mas com mu­dan­ças na ali­men­ta­ção, pri­o­ri­zan­do os ali­men­tos cor­re­tos), nas pri­mei­ras semanas a per­da de pe­so po­de até ser mai­or, pois o cor­po ain­da es­tá se adap­tan­do a ali­men­ta­ção sau­dá­vel”, ex­pli­ca o nu­tró­lo­go An­dré Vei­nert. SEM MILAGRES

Ou se­ja, quan­do o as­sun­to é ema­gre­ci­men­to, a mai­o­ria dos pro­fis­si­o­nais da área de nutrição é unânime: é es­sen­ci­al man­ter uma ali­men­ta­ção sau­dá­vel, pra­ti­car exer­cí­ci­os fí­si­cos e ter mui­ta for­ça de von­ta­de! Não há milagres e na­da que pos­sa subs­ti­tuir es­ses fa­to­res. Po­rém, há sim al­gu­mas ou­tras coi­sas que po­dem aju­dar no pro­ces­so.

Por exem­plo: con­su­mir ali­men­tos ter­mo­gê­ni­cos e aque­les que pro­mo­vem uma sen­sa­ção de sa­ci­e­da­de pro­lon­ga­da. E o hibisco es­tá na li­nha de fren­te des­se ti­po de ali­men­to. Por is­so, po­de ser um gran­de ali­a­do na ho­ra de per­der pe­so. “Um dos fa­to­res que con­tri­bui pa­ra o ema­gre­ci­men­to é a pre­sen­ça de subs­tân­ci­as an­ti-in­fla­ma­tó­ri­as e an­ti­o­xi­dan­tes que aju­dam o me­ta­bo­lis­mo a eli­mi­nar to­xi­nas que pos­sam es­tar re­ti­das no te­ci­do de gordura e que di­fi­cul­tam o ema­gre­ci­men­to”, ex­pli­ca a nutricionista Ra­quel Pu­po Mu­ra­ri.

“O hibisco pro­por­ci­o­na vá­ri­os efei­tos no or­ga­nis­mo, por con­ter uma al­ta con­cen­tra­ção de an­to­ci­a­ni­na (pig­men­to da fa­mí­lia dos fla­vo­noi­des), que de­sem­pe­nha ações an­ti­bac­te­ri­a­na e diu­ré­ti­ca, além de pro­te­ger as cé­lu­las do fí­ga­do. Ele tam­bém é an­ti­o­xi­dan­te, an­ti-hi­per­ten­si­vo, an­ti-in­fla­ma­tó­rio (com­ba­te a in­fla­ma­ção das cé­lu­las, per­mi­tin­do que elas vol­tem a exer­cer to­tal­men­te su­as fun­ções) e ini­bi­dor da agre­ga­ção pla­que­tá­ria (coá­gu­los do san­gue). Por cau­sa des­ses agen­tes, o or­ga­nis­mo dei­xa de acu­mu­lar mui­tas to­xi­nas e ga­nha pro­te­ção de di­ver­sas do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res”, enu­me­ra a nutricionista Patrícia Cruz. BE­NE­FÍ­CI­OS CON­JUN­TOS

Va­le lem­brar que o hibisco de­ve ser as­so­ci­a­do a uma ali­men­ta­ção com­ple­ta pa­ra que su­as bo­as pro­pri­e­da­des ajam de ma­nei­ra po­si­ti­va no or­ga­nis­mo. De na­da adi­an­ta con­su­mir o chá re­gu­lar­men­te e ado­tar uma di­e­ta des­ba­lan­ce­a­da, de­fi­ci­en­te em di­ver­sos nu­tri­en­tes e ri­ca em gor­du­ras. O hibisco não faz milagres so­zi­nho. “O pro­ces­so de ema­gre­ci­men­to e con­tro­le de pe­so en­glo­ba uma ali­men­ta­ção sau­dá­vel e in­te­li­gen­te, além da prá­ti­ca de ati­vi­da­de fí­si­ca, ou se­ja, uma mu­dan­ça de há­bi­tos to­tais”, res­sal­ta a nutricionista Ca­ro­li­na Pi­men­tel. Por­tan­to, é ne­ces­sá­rio de­ter­mi­na­ção e au­to­con­tro­le aci­ma de tudo. SEM­PRE SAU­DÁ­VEL

É bom ter em men­te que se man­ter em for­ma é im­por­tan­te por­que exis­te uma sé­rie de do­en­ças que apa­re­cem com o

ex­ces­so de pe­so – por exem­plo, a hi­per­ten­são, o di­a­be­tes ti­po 2 e a es­te­a­to­se hepática. Os ní­veis de gordura cor­po­ral aci­ma do ade­qua­do tam­bém au­men­tam os ris­cos de do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res. “A obe­si­da­de vis­ce­ral (ab­do­mi­nal) as­so­cia-se a ou­tros fa­to­res de ris­co, tais co­mo a hi­per­ten­são ar­te­ri­al, o di­a­be­tes e a dis­li­pi­de­mia. Es­sas con­di­ções são as prin­ci­pais res­pon­sá­veis pe­las do­en­ças co­ro­na­ri­a­nas. Es­sa as­so­ci­a­ção tem co­mo me­ca­nis­mo co­mum a re­sis­tên­cia in­su­lí­ni­ca. A obe­si­da­de au­men­ta em três ve­zes o ris­co de in­far­to e em cin­co ve­zes o ris­co de de­sen­vol­ver o di­a­be­tes”, ex­pli­ca o car­di­o­lo­gis­ta Mar­co Antô­nio de Mat­tos.

EMO­ÇÕES X BA­LAN­ÇA

Além do fa­tor ge­né­ti­co, que po­de in­flu­en­ci­ar tan­to de ma­nei­ra po­si­ti­va qu­an­to ne­ga­ti­va na per­da de pe­so, as emo­ções são im­por­tan­tes no pro­ces­so. An­si­e­da­de, es­tres­se e can­sa­ço ten­dem a in­ter­fe­rir di­re­ta­men­te no ema­gre­ci­men­to, uma vez que é mui­to co­mum as pes­so­as “des­con­ta­rem” as emo­ções ne­ga­ti­vas na comida.

De acor­do com a mas­ter co­a­ch em ema­gre­ci­men­to Cin­tia Se­a­bra, é im­por­tan­te pa­ra qu­em quer ema­gre­cer sa­ber o que o faz per­der o con­tro­le di­an­te da comida. “O ga­ti­lho é aqui­lo que dis­pa­ra o de­se­jo de co­mer, en­tão, quan­do vo­cê sen­tir al­gu­ma von­ta­de ines­pe­ra­da de tra­pa­ce­ar na sua di­e­ta e in­ge­rir tudo o que vê pe­la fren­te, pen­se pri­mei­ro no que vo­cê es­tá sen­tin­do no mo­men­to (rai­va, es­tres­se, can­sa­ço, tris­te­za...), pois is­so é o que te faz per­der o con­tro­le”, ob­ser­va.

BE­BA MUI­TA ÁGUA

Ela é fun­da­men­tal pa­ra man­ter o or­ga­nis­mo sau­dá­vel e ain­da aju­da no ema­gre­ci­men­to, na eli­mi­na­ção de ce­lu­li­te e di­mi­nui­ção dos in­cha­ços. Uma pes­qui­sa da clí­ni­ca da Uni­ver­si­da­de Cha­ri­té, de Ber­lim, pu­bli­ca­da na re­vis­ta Ame­ri­can Jour­nal of Cli­ni­cal

Nu­tri­ti­on, mos­trou que a in­ges­tão de água, quan­do ali­a­da à uma re­e­du­ca­ção ali­men­tar e à prá­ti­ca de exer­cí­ci­os fí­si­cos re­gu­la­res, ace­le­ra o ema­gre­ci­men­to.

Os pes­qui­sa­do­res ale­mães com­pro­va­ram que be­ber um litro a mais por dia au­men­ta

a sen­sa­ção de sa­ci­e­da­de e ace­le­ra o me­ta­bo­lis­mo. A água ain­da me­lho­ra a di­ges­tão e o fun­ci­o­na­men­to dos rins, co­la­bo­ran­do pa­ra a eli­mi­na­ção de im­pu­re­zas do or­ga­nis­mo.

Ao in­se­rir o chá de hibisco na ro­ti­na, é im­por­tan­te fi­car aten­to ao con­su­mo diário de água. A be­bi­da pos­sui pro­pri­e­da­des diu­ré­ti­cas e po­de cau­sar per­da de sais mi­ne­rais es­sen­ci­ais pa­ra o or­ga­nis­mo, que de­vem ser re­pos­tas com a hidratação.

RE­FEI­ÇÃO NÚ­ME­RO 1!

Quan­do dor­mi­mos, fi­ca­mos mui­tas ho­ras sem in­ge­rir qual­quer ti­po de ali­men­to, e ao acor­dar, é ne­ces­sá­rio re­por os nu­tri­en­tes pa­ra que o cor­po fun­ci­o­ne bem du­ran­te o dia. Além de ga­ran­tir energia, a pri­mei­ra re­fei­ção do dia au­xi­lia no ema­gre­ci­men­to. Is­so por­que quan­do não nos ali­men­ta­mos, o me­ta­bo­lis­mo fi­ca len­to, o que pre­ju­di­ca a quei­ma de gor­du­ras. Ao to­mar o ca­fé da ma­nhã, ele vol­ta a fun­ci­o­nar cor­re­ta­men­te.

De acor­do com a nutricionista Ju­li­a­na Fer­rei­ra Mau­ri, o ca­fé da ma­nhã de­ve ser com­pos­to de pães ou bis­coi­tos in­te­grais, frutas e ce­re­ais – ou se­ja, apos­te em fi­bras nes­sa re­fei­ção! “O con­su­mo des­ses nu­tri­en­tes lo­go ao acor­dar é uma prá­ti­ca sau­dá­vel, pois as fi­bras li­be­ram len­ta­men­te a energia que pre­ci­sa­mos ao lon­go do dia, nos dei­xan­do mais sa­tis­fei­tos e agin­do di­re­ta­men­te no con­tro­le do co­les­te­rol e da gli­ce­mia”, co­men­ta Ju­li­a­na. Io­gur­tes pro­bió­ti­cos e lei­tes e de­ri­va­dos (nas ver­sões des­na­ta­das) tam­bém de­vem com­por o car­dá­pio.

FI­BRAS SEM­PRE!

Qu­em de­se­ja ema­gre­cer de­ve mes­mo apos­tar no con­su­mo da subs­tân­cia. “As fi­bras são os ele­men­tos re­gu­la­do­res mais im­por­tan­tes da nos­sa ali­men­ta­ção, tan­to pe­la ri­que­za e va­ri­e­da­de em ti­pos co­mo pe­la di­ver­si­da­de de fun­ções”, co­men­ta a nutricionista Jac­que­li­ne Di­as Fer­nan­des. Elas re­gu­lam o intestino, au­men­tam o bo­lo fe­cal e au­men­tam a sen­sa­ção de sa­ci­e­da­de, fa­to­res que co­la­bo­ram pa­ra a per­da de pe­so. As fi­bras são en­con­tra­das em ali­men­tos in­te­grais, verduras, frutas e grãos, co­mo chia e li­nha­ça. Mas, fi­que aten­to: ao au­men­tar a in­ges­tão de fi­bras, é fun­da­men­tal ga­ran­tir o con­su­mo ade­qua­do de água. As­sim, vo­cê ga­ran­te to­dos os be­ne­fí­ci­os da subs­tân­cia!

SEM RES­TRI­ÇÕES

Di­e­tas com mui­tas res­tri­ções são mais com­pli­ca­das de se­guir, pois o cor­po pre­ci­sa de nu­tri­en­tes pa­ra tra­ba­lhar de for­ma sau­dá­vel. “Se vo­cê consome me­nos de 500 ca­lo­ri­as por dia, é pos­sí­vel ema­gre­cer em pou­co tem­po, mas o cor­po po­de não ter energia pa­ra fa­zer as ati­vi­da­des do dia a dia e com­pro­me­ter a saú­de”, es­cla­re­ce An­dré.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.