GUARDIÕES DA FLORESTA

Planeta - - SUMARIO - Tex­to de Ke­vin Da­ma­sio / Fotos de Giu­lio Pa­let­ta

Pa­ra sal­var uma floresta tro­pi­cal dos ma­dei­rei­ros, dois ame­ri­ca­nos com­pra­ram um ter­re­no no sul da Cos­ta Ri­ca – e cons­truí­ram um no­vo con­cei­to de co­mu­ni­da­de sus­ten­tá­vel

Pa­ra sal­var uma floresta tro­pi­cal dos ma­dei­rei­ros, dois ame­ri­ca­nos com­pra­ram um ter­re­no no sul da Cos­ta Ri­ca – e cons­truí­ram um no­vo con­cei­to de co­mu­ni­da­de sus­ten­tá­vel

Ma­teo Ho­gan es­ta­va can­sa­do de vi­ver em Mary­land, na cos­ta les­te dos Es­ta­dos Uni­dos. Ele tra­ba­lha­va com de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co pa­ra o go­ver­no lo­cal. Nos fins de se­ma­na, re­for­ma­va ca­sas. Da ques­tão fi­nan­cei­ra não ha­via o que re­cla­mar. Mas o es­ti­lo de vi­da ur­ba­no não o atraía. Ho­gan re­cor­da­va sua in­fân­cia nas mon­ta­nhas do Co­lo­ra­do. Ou de 2012, quan­do en­cer­rou a car­rei­ra de es­qui­a­dor e snow­bo­ar­der pro­fis­si­o­nal e pas­sou três me­ses na In­do­né­sia. Lá, deu au­las de mer­gu­lho e, nas fol­gas, apren­deu a sur­far. Ho­gan e a en­tão es­po­sa, Eri­ca An­drews, to­ma­ram uma de­ci­são: com­prar um ter­re­no e vi­ver no meio da na­tu­re­za.

A Cos­ta Ri­ca es­ta­va na lis­ta dos pos­sí­veis no­vos la­res. Ho­gan fo­ra pa­ra lá em 2006, com ami­gos. Co­mo não ha­via on­du­la­ção boa no li­to­ral ca­ri­be­nho, a tru­pe ru­mou pa­ra a cos­ta do Pa­cí­fi­co. Após vá­ri­as on­das sur­fa­das e ho­ras de es­tra­da, Ho­gan, na épo­ca com 31 anos, vi­si­tou um ter­re­no à ven­da. Pró­xi­ma ao Par­que Na­ci­o­nal Pi­e­dras, a re­gião fi­ca­va a três quilô­me­tros da ro­do­via mais pró­xi­ma e atraía os olha­res do mer­ca­do ma­dei­rei­ro.

A pé, Ho­gan acom­pa­nhou por uma cen­te­na de me­tros o cur­so de um rio de água cris­ta­li­na, que cor­ria en­vol­vi­do por um gran­de câ­ni­on, pe­nhas­cos e árvores gi­gan­tes, até al­can­çar uma ca­cho­ei­ra. De­pois, des­co­briu que ou­tros no­ve lo­tes vi­vi­am a mes­ma ame­a­ça de des­ma­ta­men­to e ex­tra­ti­vis­mo. Im­pres­si­o­na­do, ele li­gou pa­ra Eri­ca: “Po­de­mos com­prar a mon­ta­nha in­tei­ra, se qui­ser­mos. Ca­so con­trá­rio, te­re­mos uma ‘ilha’ de 62 acres (qua­se 251 mil m2) de bi­o­di­ver­si­da­de cer­ca­da por des­ma­ta­men­to, pal­mei­ras e coi­sas do ti­po – e não que­ro vi­ver em um lu­gar as­sim.”

A cau­sa os mo­bi­li­zou e fez com que alon­gas­sem os pla­nos. Co­mo o va­lor fu­gia bas­tan­te do or­ça­men­to ini­ci­al, du­ran­te um jan­tar eles exa­mi­na­ram for­mas de fi­nan­ci­ar a em­prei­ta­da no lon­go pra­zo, co­mo atrair in­ves­ti­do­res que com­par­ti­lhas­sem dos mes­mos prin­cí­pi­os sus­ten­tá­veis. “Lem­bra-se do vi­la­re­jo ewok no fil­me O Re­tor­no de Je­di, com os ca­ri­nhas pe­que­nos que vi­vi­am nas árvores, com pon­tes os

co­nec­tan­do?”, pen­sou Eri­ca. “Não po­de­ría­mos cons­truir ca­sas na ár­vo­re e fa­zer al­go do ti­po?”

RIS­CO CALCULADO

No se­gun­do se­mes­tre de 2006, Ho­gan e Eri­ca vol­ta­ram à Cos­ta Ri­ca. Pa­ra ad­qui­rir o lo­te, gas­ta­ram pra­ti­ca­men­te to­das as eco­no­mi­as. Fa­mi­li­a­res, ami­gos, co­nhe­ci­dos fo­ram atraí­dos pe­la ideia de ter uma ca­sa sus­pen­sa no meio do ma­to. Mes­mo sem sa­ber fa­lar es­pa­nhol, a du­pla as­su­miu os al­tos ris­cos da ideia. Se tu­do des­se er­ra­do, re­to­ma­ri­am a ideia de vi­ver com pou­co, per­to de uma praia com on­das bo­as.

Os ame­ri­ca­nos cri­a­ram um si­te pa­ra di­fun­dir o con­cei­to do pro­je­to Fin­ca Bel­la­vis­ta: es­trei­tar os la­ços en­tre os hós­pe­des ou mo­ra­do­res e a floresta tro­pi­cal. Es­pe­ra­vam ven­der os pri­mei­ros 25 lo­tes em três anos, mas o fi­ze­ram em seis me­ses. Im­pres­si­o­na­dos com o in­te­res­se, lo­go usa­ram o ca­pi­tal pa­ra de­sen­vol­ver a in­fra­es­tru­tu­ra do lu­gar: ti­ro­le­sas, pon­tes, cen­tro co­mu­ni­tá­rio, res­tau­ran­te, ran­cho, es­cri­tó­rio, es­pa­ço de io­ga, au­las de cu­li­ná­ria, pas­sei­os eco­ló­gi­cos. Há três anos, a au­sên­cia do si­nal de ce­lu­lar é su­pri­da por uma re­de de in­ter­net de fi­bra óti­ca. En­tão, con­ta Ho­gan, ho­je com 41 anos, co­me­ça­ram a cons­truir as ca­sas na ár­vo­re, o que de­man­da­va de três me­ses a um ano.

Por meio do bo­ca a bo­ca, de re­por­ta­gens na im­pren­sa e de ava­li­a­ções po­si­ti­vas no Tri­pad­vi­sor, o Fin­ca cres­cia em no­to­ri­e­da­de. Em dois anos, ele pas­sou de 62 pa­ra 600 acres, o equi­va­len­te a 2,43 km2.

No iní­cio, o ca­sal mo­ra­va em uma bar­ra­ca na en­tra­da da área, on­de ho­je fica o cam­po ba­se. An­tes dos ex­tra­ti­vis­tas, ali era a mo­ra­da dos ín­di­os bel­la­vis­tas. Os ame­ri­ca­nos dor­mi­am sobre um la­ma­çal, usa­vam o rio pa­ra se ba­nhar e la­var as rou­pas. Com aju­da de lo­cais, abri­ram tri­lhas e pre­pa­ra­ram a in­fra­es­tru­tu­ra de água cor­ren­te po­tá­vel, o sis­te­ma de bi­o­di­ges­to­res e pai­néis de ener­gia so­lar. Um ar­qui­te­to de Se­at­tle (EUA) os en­si­nou a cons­truir uma ca­sa na ár­vo­re.

“Não que­ría­mos der­ru­bar árvores pa­ra fa­zer ca­sas nor­mais nem mon­tar uma co­mu­ni­da­de em que as pes­so­as di­ri­gis­sem e es­tra­gas­sem tu­do, fi­zes­sem ba­ru­lho, as­sus­tas­sem os ani­mais”, afir­ma Ho­gan. “Nos­sa mis­são é mi­ni­mi­zar ao má­xi­mo as pe­ga­das eco­ló­gi­cas, pa­ra dei­xar a floresta tro­pi­cal ser ela mes­ma, e vi­ver­mos com re­cur­sos dis­po­ní­veis na pro­pri­e­da­de e em fa­zen­das vi­zi­nhas.”

No Fin­ca Bel­la­vis­ta, 140 acres (570 mil m2) são ocu­pa­dos por 12 re­si­dên­ci­as, si­tu­a­das na re­gião de floresta se­cun­dá­ria. As mo­ra­di­as sus­pen­sas vi­sam pre­ser­var uma re­gião de mi­gra­ção bi­o­ló­gi­ca ter­res-

tre, que, aos pou­cos, re­co­nec­ta as mon­ta­nhas de Ta­la­man­ca à pe­nín­su­la de Osa.

A ação hu­ma­na, da­ta­da de 80 a 100 anos atrás, evi­den­cia-se pe­las es­pé­ci­es exó­ti­cas, co­mo ba­na­nei­ras, ga­me­li­na (da qual se ex­trai ce­lu­lo­se) e te­ca (ár­vo­re ori­gi­ná­ria da Ín­dia). “Tu­do abai­xo de nós já foi des­ma­ta­do e re­plan­ta­do – ba­na­nais, ex­tra­ção de ma­dei­ra, pe­cuá­ria bo­vi­na”, ob­ser­va Eri­ca. “Aci­ma, há uma floresta tro­pi­cal na­ti­va e tra­ços de ma­tas se­cun­dá­ri­as me­nos da­ni­fi­ca­das e cul­ti­va­das.”

RIS­CO CALCULADO

Cri­a­da em uma pe­que­na ci­da­de do Oklaho­ma, Eri­ca se adap­tou fa­cil­men­te à vi­da na floresta. Ela re­to­mou uma vi­da sim­ples na Cos­ta Ri­ca. “Amo e va­lo­ri­zo a imer­são de es­tar cer­ca­da por ani­mais e na­tu­re­za”, diz. Pa­ra ela, aos 39 anos, o di­fí­cil é se adap­tar a es­pa­ços fe­cha­dos, co­mo ca­sas com aque­ci­men­to in­ter­no e ar-con­di­ci­o­na­do – o ba­ru­lho ar­ti­fi­ci­al a in­co­mo­da. “Pa­ra mim, is­so não pa­re­ce nor­mal.”

Ho­gan no­ta a des­cons­tru­ção de es­te­reó­ti­pos que uma es­ta­da na eco­vi­la pro­por­ci­o­na, com ba­se no re­la­to de par­te dos 5 mil hós­pe­des anu­ais do Fin­ca Bel­la­vis­ta. Os vi­si­tan­tes ou mo­ra­do­res se ve­em no meio de um ca­lor in­ten­so, ro­de­a­dos por bi­chos e co­bras. “No se­gun­do dia no Fin­ca, di­zem: ‘Sa­be de uma coi­sa? Não ti­nha ideia do quão re­la­xan­te se­ria aqui’”, afir­ma o ame­ri­ca­no. “É um am­bi­en­te ex­tre­ma­men­te pa­cí­fi­co, sem ba­ru­lho hu­ma­no. Vo­cê acor­da ao som dos pás­sa­ros e do rio que cor­re a 50 me­tros da ca­sa. Vai pa­ra a ca­ma es­cu­tan­do a con­ver­sa dos sa­pos e in­se­tos. Vive, de fa­to, o tem­po e o cli­ma da na­tu­re­za.”

Em uma dé­ca­da, a floresta tro­pi­cal já de­mons­tra sua re­si­li­ên­cia. Os ma­mí­fe­ros ago­ra apa­re­cem aos mon­tes. Es­pa­lham se­men­tes pe­lo ca­mi­nho, que se trans­for­mam em no­vas árvores, com no­vos fru­tos. A na­tu­re­za sur­pre­en­de e so­bre­vi­ve, ape­sar dos efei­tos vi­sí­veis do aque­ci­men­to glo­bal. Um exem­plo são os pe­río­dos que de­ve­ri­am ser chu­vo­sos, mas na re­a­li­da­de têm si­do ex­tre­ma­men­te se­cos nos úl­ti­mos anos.

Di­an­te dis­so, Ho­gan, Eri­ca, os fun­ci­o­ná­ri­os cos­ta-ri­que­nhos e os mo­ra­do­res e vi­si­tan­tes do Fin­ca Bel­la­vis­ta ape­nas ob­ser­vam, pre­ser­vam e afas­tam os há­bi­tos an­ti­gos dos mo­ra­do­res lo­cais, que ca­ça­vam ani­mais e der­ru­ba­vam ma­tas. En­quan­to is­so, a floresta to­ma con­ta do pró­prio des­ti­no.

“Exis­te a ideia de que o meio am­bi­en­te tem de se adap­tar aos nos­sos fins”, diz Eri­ca. “O que fa­ze­mos aqui é o opos­to dis­so: nos­sas ne­ces­si­da­des se ade­quam às da na­tu­re­za do lu­gar.”

A pre­sen­ça de es­pé­ci­es exó­ti­cas na floresta da pro­pri­e­da­de de­nun­cia a ação hu­ma­na de dé­ca­das atrás

Ca­sa em cons­tru­ção: mo­de­lo pas­sa­do por um ar­qui­te­to ame­ri­ca­no

Uma das tri­lhas do Fin­ca Bel­la­vis­ta: pou­ca in­ter­fe­rên­cia na na­tu­re­za

Sa­la de con­ví­vio: am­bi­en­te tran­qui­lo e re­la­xan­te

O rio de águas cris­ta­li­nas (al­to) e as ca­sas cons­truí­das em ple­na floresta: vi­da em meio ao tem­po e ao cli­ma da na­tu­re­za

Uma das cons­tru­ções do pro­je­to Fin­ca Bel­la­vis­ta: ca­sas sus­pen­sas no meio do ma­to

In­ter­net de fi­bra óti­ca e ener­gia so­lar fa­ci­li­tam ho­je a vi­da dos hós­pe­des

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.