Tem­pos de adap­ta­ção

Planeta - - EDITORIAL -

Na­da é pa­ra sem­pre, en­si­na o bu­dis­mo. Adap­tar-se às no­vas si­tu­a­ções e se­guir em fren­te, em tes­tes cons­tan­tes de re­si­li­ên­cia e fle­xi­bi­li­da­de, é a úni­ca saí­da sau­dá­vel pa­ra nós fren­te à im­per­ma­nên­cia. Nes­tes tem­pos de re­vo­lu­ção di­gi­tal e in­ter­fe­rên­cia hu­ma­na em ní­veis iné­di­tos na his­tó­ria da Ter­ra, mais do que nun­ca te­mos de aten­tar pa­ra as mu­dan­ças que es­tão em cur­so e mo­di­fi­car nos­sa atu­a­ção a fim de que elas ou nos pre­ju­di­quem mi­ni­ma­men­te ou até sir­vam de im­pul­so pa­ra evo­luir­mos.

A es­co­la e o en­si­no em si es­tão nes­sa en­cru­zi­lha­da. No mo­de­lo tra­di­ci­o­nal, era co­mum ver alu­nos sen­ta­dos em car­tei­ras en­fi­lei­ra­das ou­vin­do um pro­fes­sor dis­ser­tar so­bre te­mas da sua dis­ci­pli­na; de­pois, eles es­tu­da­vam (fre­quen­te­men­te de­co­ra­vam) es­ses con­teú­dos e fa­zi­am pro­vas so­bre os co­nhe­ci­men­tos trans­mi­ti­dos. Ob­je­ti­vo: ti­rar no­tas que lhes per­mi­tis­sem pas­sar de ano e, em ge­ral, for­mar-se no en­si­no mé­dio ou che­gar à fa­cul­da­de. Es­se qua­dro, ade­qua­do a uma cer­ta con­cep­ção de mun­do, já apre­sen­ta, aqui e ali, sin­to­mas de exaus­tão.

A mes­ma trans­for­ma­ção di­gi­tal que ho­je obri­ga as fa­cul­da­des de me­di­ci­na a in­cluir no cur­rí­cu­lo au­las de ro­bó­ti­ca apli­ca­da a ci­rur­gi­as e di­ag­nós­ti­cos es­tá, tam­bém, ex­tin­guin­do gra­du­al­men­te pro­fis­sões tra­di­ci­o­nais, co­mo secretários, fun­ci­o­ná­ri­os de ban­cos e se­gu­ra­do­ras, cai­xas de lo­jas e su­per­mer­ca­dos. Um es­tu­do fran­cês pre­vê que já não ha­ve­rá con­ta­bi­lis­tas no país em 2054. Por ou­tro la­do, no­vas pro­fis­sões es­tão sur­gin­do, co­mo ana­lis­ta de in­ter­net das coi­sas, es­pe­ci­a­lis­ta em ci­ber­se­gu­ran­ça ou re­da­tor mul­ti­pla­ta­for­mas. Al­gu­mas des­sas ati­vi­da­des nem no­me têm ain­da – e, des­sa for­ma, co­mo po­dem ter um cur­so aca­dê­mi­co que pre­pa­re as pes­so­as pa­ra elas?

Aten­tos a es­ses mo­vi­men­tos, pen­sa­do­res da edu­ca­ção tra­ba­lham pa­ra mo­de­lar a es­co­la do fu­tu­ro, co­mo re­ve­la a re­pór­ter Re­na­ta Va­lé­rio de Mesquita na ma­té­ria de ca­pa des­ta edi­ção. Pa­ra eles, não é tão re­le­van­te sa­ber coi­sas que, em úl­ti­ma ins­tân­cia, as má­qui­nas po­de­rão fa­zer me­lhor; im­por­ta mais de­sen­vol­ver uma edu­ca­ção in­te­gral, em que, além do as­pec­to in­te­lec­tu­al, o so­ci­al, o emo­ci­o­nal, o cul­tu­ral e o fí­si­co têm sua im­por­tân­cia re­co­nhe­ci­da. Nes­sa no­va es­co­la, é pre­ci­so tra­ba­lhar ca­pa­ci­da­des co­mo re­sol­ver pro­ble­mas, tra­ba­lhar em equi­pe, so­li­da­ri­e­da­de e ge­ne­ro­si­da­de – qua­li­da­des na­tu­rais em ci­da­dãos afi­na­dos com os de­sa­fi­os do ter­cei­ro mi­lê­nio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.