“A ES­CO­LA VI­ROU UM JO­GO, CU­JA ME­TA é PAS­SAR DE FA­SE”

Crí­ti­co fer­re­nho dos mé­to­dos tra­di­ci­o­nais de en­si­no, o re­co­nhe­ci­do pe­da­go­go e edu­ca­dor ca­ta­lão An­to­ni Za­ba­la su­ge­re uma re­vi­são com­ple­ta na for­ma de edu­car e no cur­rí­cu­lo es­co­lar

Planeta - - EDITORIAL - Por Re­na­ta Va­lé­rio de Mesquita

Crí­ti­co fer­re­nho dos mé­to­dos tra­di­ci­o­nais de en­si­no, o ca­pa re­co­nhe­ci­do pe­da­go­go e edu­ca­dor ca­ta­lão An­to­ni Za­ba­la su­ge­re uma re­vi­são com­ple­ta na for­ma de edu­car e no cur­rí­cu­lo es­co­lar

Di­dá­ti­co, di­re­to e pro­vo­ca­dor, An­to­ni Za­ba­la cos­tu­ma res­pon­der a per­gun­tas so­bre os ca­mi­nhos da edu­ca­ção pa­ra o sé­cu­lo 21 com exem­plos prá­ti­cos e pro­pon­do mui­ta au­tor­re­fle­xão. E nun­ca dei­xa de apon­tar a di­re­ção das so­lu­ções com ba­se em co­nhe­ci­men­tos ci­en­tí­fi­cos que não exis­ti­am an­tes, ci­en­te de que elas são po­lê­mi­cas. En­tre elas, de­fen­de que mui­ta te­o­ria in­te­gran­te dos cur­rí­cu­los es­co­la­res há dé­ca­das não tem mais lu­gar na atu­a­li­da­de. E que, em vez de de­ter­mi­nar co­nhe­ci­men­tos a se­rem apren­di­dos em ca­da ida­de, é pre­ci­so res­pei­tar as in­di­vi­du­a­li­da­des de ca­da um, pa­ra que os alu­nos re­al­men­te apren­dam e de­sen­vol­vam as ha­bi­li­da­des ne­ces­sá­ri­as pa­ra o fu­tu­ro.

Au­tor de vá­ri­os li­vros, pa­les­tran­te e con­sul­tor de es­co­las e mi­nis­té­ri­os da edu­ca­ção de di­fe­ren­tes paí­ses da Amé­ri­ca La­ti­na, Za­ba­la con­ver­sou com PLA­NE­TA em se­tem­bro, quan­do veio ao Bra­sil pa­ra o 2º Se­mi­ná­rio Cri­ti­que de Edu­ca­ção, que lan­çou em São Pau­lo o gru­po de es­co­las Cri­ti­que.

PLA­NE­TA – Quais os avan­ços atin­gi­dos na edu­ca­ção na Es­pa­nha com a mu­dan­ça que o sr. e co­le­gas fi­ze­ram no cur­rí­cu­lo es­co­lar pós-di­ta­du­ra de Fran­co, nos anos 1980?

ZA­BA­LA – Por sair de uma di­ta­du­ra pa­ra a de­mo­cra­cia, pu­de­mos qua­se par­tir do ze­ro, no âm­bi­to do pla­ne­ja­men­to. A re­for­ma que fi­ze­mos no pa­pel foi acer­ta­da. Mas as es­co­las con­ti­nu­am en­si­nan­do o que en­si­na­ram pa­ra mim. Não con­se­gui­mos im­plan­tar a re­for­ma na prá­ti­ca, por­que ela im­pli­ca uma trans­for­ma­ção na cul­tu­ra pro­fis­si­o­nal, nos go­ver­nos e na so­ci­e­da­de. O mai­or de­sa­fio é fa­zer a mu­dan­ça nas es­tru­tu­ras exis­ten­tes. Por­que é uma mu­dan­ça de pa­ra­dig­ma mui­to gran­de li­ga­da a dois as­pec­tos bá­si­cos.

O pri­mei­ro de­les: quais são as ne­ces­si­da­des das cri­an­ças des­te sé­cu­lo, ten­do em con­ta que es­tão sen­do for­ma­das pa­ra os anos 2040-2060? O que um es­tu­dan­te vai pre­ci­sar lá na fren­te? Não te­mos mui­to cla­ro até que pon­to a fí­si­ca, a ma­te­má­ti­ca, as ci­ên­ci­as que en­si­na­mos até ho­je se­rão ne­ces­sá­ri­as. A mu­dan­ça es­tá sen­do cha­ma­da de en­si­no de de­sen­vol­vi­men­to pa­ra as com­pe­tên­ci­as da vi­da.

A ou­tra mu­dan­ça es­tá li­ga­da aos co­nhe­ci­men­tos ci­en­tí­fi­cos que te­mos ho­je so­bre a for­ma co­mo as pes­so­as apren­dem. Sa­be­mos que ca­da um apren­de em seu es­ti­lo, com rit­mo pró­prio e se­gun­do su­as ca­pa­ci­da­des e in­te­res­ses dis­tin­tos. E is­so in­flu­en­cia nas mu­dan­ças das es­co­las.

Se nos ati­ver­mos aos te­mas tra­ta­dos por PLA­NE­TA, sa­be­re­mos que, cer­ta­men­te, nos anos 2040-2050 os ci­da­dãos te­rão pro­ble­mas am­bi­en­tais e de sus­ten­ta­bi­li­da­de. Não te­mos tan­ta cer­te­za se vão ter pro­ble­mas de equa­ção de se­gun­do grau, mor­fos­sin­ta­xe ou de ou­tras coi­sas que en­si­na­mos ho­je.

Es­sas du­as mu­dan­ças es­tão sen­do en­fren­ta­das no mun­do in­tei­ro: co­mo pas­sar do en­si­no de al­guns co­nhe­ci­men­tos re­la­ci­o­na­dos a ma­té­ri­as es­pe­cí­fi­cas – fí­si­ca, ma­te­má­ti­ca, ci­ên­ci­as, etc. – pa­ra o en­si­no de co­nhe­ci­men­tos e com­pe­tên­ci­as vá­li­dos pa­ra a vi­da.

PLA­NE­TA – Há quem di­ga que is­so se­ria bai­xar os ní­veis de en­si­no.

ZA­BA­LA – Uma coi­sa é sa­ber gra­má­ti­ca e ou­tra é sa­ber se co­mu­ni­car bem, fa­zer um dis­cur­so em dis­tin­tos ní­veis – co­lo­qui­al, for­mal, ci­en­tí­fi­co – e se re­la­ci­o­nar com o re­cep­tor da men­sa­gem. Uma coi­sa é sa­ber es­cre­ver e ou­tra coi­sa é sa­ber gra­má­ti­ca, co­mo mor­fos­sin­ta­xe. Além dis­so, uma coi­sa é o ní­vel do que en­si­na­mos e ou­tra, o ní­vel do que se apren­de. Vo­cê es­tu­dou equa­ções ma­te­má­ti­cas, cer­to? E pa­ra que lhe ser­viu? Pa­ra pas­sar de ano. Mas vo­cê não sa­be pa­ra o que ser­ve na prá­ti­ca. A es­co­la se trans­for­mou em um jo­go, em que o ob­je­ti­vo do es­tu­do é pas­sar de fa­se – ou se­ja, de ano.

Quan­do vo­cê per­gun­ta a uma cri­an­ça por que es­tá es­tu­dan­do al­go, ela diz: “Pra pas­sar de ano”. De­pois de pas­sar, o que in­te­res­sa não é apren­der, é pas­sar pa­ra a pró­xi­ma fa­se, o pró­xi­mo ano. Pois ago­ra sa­be­mos que vo­cê nun­ca vai apren­der pa­ra usar pos­te­ri­or­men­te aqui­lo que não sa­be pa­ra que ser­ve. O ob­je­ti­vo do en­si­no não é sa­ber mor­fos­sin­ta­xe, é sa­ber se co­mu­ni­car; não é a ál­ge­bra, é a re­so­lu­ção do pro­ble­ma. Pa­ra me­lho­rar a co­mu­ni­ca­ção é ne­ces­sá­ria a te­o­ria. Mas o im­por­tan­te não é a te­o­ria em si, é sa­ber usá-la.

PLA­NE­TA – Es­pe­ci­al­men­te aqui, que te­mos o ves­ti­bu­lar. Os alu­nos pas­sam ao me­nos três anos de­co­ran­do con­teú­do pa­ra pas­sar na pro­va do en­si­no su­pe­ri­or.

ZA­BA­LA – Es­se é um pro­ble­ma qua­se mun­di­al. O pro­ble­ma é que es­sa pro­va de­ter­mi­na to­do o con­teú­do de en­si­no dos paí­ses. Mas tem al­gu­ma pro­va pa­ra sa­ber se o alu­no sa­be ar­gu­men­tar, se ex­pres­sar ver­bal­men­te, ne­go­ci­ar? Não. Es­sas pro­vas são ba­si­ca­men­te de res--

UMA COI­SA é SA­BER GRA­MÁ­TI­CA BEM E OU­TRA é SA­BER SE CO­MU­NI­CAR BEM E SE RE­LA­CI­O­NAR COM O RE­CEP­TOR DA MEN­SA­GEM

pos­tas es­cri­tas ou múl­ti­pla es­co­lha. No ves­ti­bu­lar não há ex­pres­são oral, em to­da a es­co­la bra­si­lei­ra não se en­si­na a fa­lar. E qual é o ins­tru­men­to mais po­ten­te que te­mos na vi­da? É fa­lar na vi­da co­ti­di­a­na, ar­gu­men­tar, ex­por, di­a­lo­gar.

PLA­NE­TA – Nos Es­ta­dos Uni­dos cos­tu­ma-se tra­ba­lhar mais es­sa ques­tão.

ZA­BA­LA – De fa­to, por­que o mun­do an­glo-sa­xão é mais prag­má­ti­co. Os paí­ses la­ti­nos, de raiz ca­tó­li­ca, es­tão mui­to in­flu­en­ci­a­dos pe­la re­for­ma lu­te­ra­na. Co­mo con­sequên­cia dis­so, nos­sa ba­se de pen­sa­men­to vem do fi­ló­so­fo gre­go Pla­tão, que nos diz que o im­por­tan­te são as idei­as, as te­o­ri­as, e não o que ve­mos, por­que a re­a­li­da­de é de­fei­tu­o­sa – co­mo de­fi­ne o “mi­to da ca­ver­na”. E quan­do en­si­nam a te­o­ria, ela es­tá dis­so­ci­a­da do seu uso. O mun­do an­glo-sa­xão é mais aris­to­té­li­co [do fi­ló­so­fo gre­go Aris­tó­te­les], pa­ra quem o im­por­tan­te é a prá­ti­ca. Os li­vros di­dá­ti­cos de in­glês tra­ba­lham to­das as com­pe­tên­ci­as bá­si­cas do idi­o­ma: fa­lar, ler, es­cu­tar e es­cre­ver.

PLA­NE­TA – O que mais sa­be­mos so­bre co­mo as pes­so­as apren­dem?

ZA­BA­LA – Atu­al­men­te sa­be­mos que ou en­si­na­mos a ca­da alu­no em fun­ção das su­as ca­rac­te­rís­ti­cas in­di­vi­du­ais, ou os alu­nos não apren­dem. Ou en­si­na­mos al­go com ba­se em seus co­nhe­ci­men­tos pré­vi­os, ou não apren­dem. Ou com­par­ti­lha­mos de seus in­te­res­ses, ou não apren­dem. Ou en­si­na­mos o que eles en­ten­dem co­mo fun­ci­o­nal, ou não apren­dem. Ou pro­po­mos ati­vi­da­des que fa­zem com que eles pen­sem, ou não apren­dem. Além do mais, os co­nhe­ci­men­tos ci­en­tí­fi­cos so­bre co­mo as pes­so­as apren­dem apon­tam que não exis­te alu­no de pri­mei­ro, se­gun­do ou ter­cei­ro ano – há João, Pe­dro, Ma­ria, Te­re­sa... Exis­tem alu­nos, mas não gru­pos de alu­nos. Ca­da um é di­fe­ren­te, tem su­as ha­bi­li­da- des, ta­len­tos, va­lo­res, fa­mí­lia, ex­pe­ri­ên­ci­as dis­tin­tas. Se eu que­ro que apren­da, te­nho que par­tir dis­so. Fa­zen­do um pa­ra­le­lo com a me­di­ci­na: não exis­tem en­fer­mi­da­des, exis­tem en­fer­mos.

PLA­NE­TA – Co­mo se faz is­so em clas­se?

ZA­BA­LA – Po­de-se fa­zer mu­dan­do a for­ma de or­ga­ni­zar os cen­tros de en­si­no, re­or­ga­ni­zan­do as au­las e os pa­péis dos en­vol­vi­dos. Há fór­mu­las e so­lu­ções. São mais ca­ras, mas o mais im­por­tan­te não é o di­nhei­ro, é o en­si­no. Um pro­fes­sor de uma es­co­la pú­bli­ca do Bra­sil que dá au­la na área ru­ral tem gru­pos mis­tos. O que ele faz? Dá ati­vi­da­des di­fe­ren­tes pa­ra ca­da um. Mas quan­do dá au­la nu­ma ci­da­de mai­or, dá tu­do igual pa­ra to­dos, es­que­ce que de­ve­ria dar coi­sas di­fe­ren­tes pa­ra ca­da um. Na Ca­ta­lu­nha já te­mos vá­ri­as tur­mas que não são se­pa­ra­das por ida­de. São vá­ri­as sa­las mis­tu­ra­das. Is­so per­mi­te que os alu­nos pos­sam apren­der dos mai­o­res e que os mai­o­res aju­dem os me­no­res. Eles apren­dem a ser co­la­bo­ra­ti­vos, in­te­ra­gir mais, di­a­lo­gar.

PLA­NE­TA – Que ti­po de ma­te­ri­al se usa nes­se ca­so?

ZA­BA­LA – A in­dús­tria edi­to­ri­al pre­ci­sa aju­dar na per­so­na­li­za­ção e no acom­pa­nha­men­to de ca­da alu­no fa­zen­do ma­te­ri­ais di­ver­si­fi­ca­dos pa­ra que o pro­fes­sor pos­sa dar a ca­da um o que é mais in­di­ca­do pa­ra ele. Mas as edi­to­ras con­ti­nu­am fa­zen­do li­vros di­dá­ti­cos iguais pa­ra to­dos. E sem a in­dús­tria edi­to­ri­al não é pos­sí­vel trans­for­mar a es­co­la. Vou usar uma me­tá­fo­ra mé­di­ca. Te­mos que ter uma far­má­cia di­ver­si­fi­ca­da, com­po­nen­tes va­ri­a­dos, pa­ra que o mé­di­co pos­sa aten­der di­fe­ren­tes ti­pos de pa­ci­en­tes – di­a­bé­ti­cos, hi­per­ten­sos e tal. Não po­de ha­ver ape­nas um pa­co­te pa­ra gri­pe. Mas quan­do vo­cê vi­si­ta a bi­bli­o­te­ca, só en­con­tra um pa­co­te fe­cha­do pa­ra gri­pe, ou­tro pa­ra di­a­be­te. A in­dús­tria diz que faz o que o mer­ca­do pe­de. É co­mo um ca­chor­ro cor­ren­do atrás do pró­prio ra­bo. Sem aju­da do go­ver­no, da so­ci­e­da­de e sem o apoio da in­dús­tria edi­to­ri­al, a mu­dan­ça na edu­ca­ção fi­ca mais di­fí­cil.

PLA­NE­TA – A tec­no­lo­gia se­ria uma saí­da pa­ra es­sa ques­tão?

ZA­BA­LA – Com a tec­no­lo­gia ao nos­so al­can­ce, po­de­mos ofe­re­cer a ca­da um os co­nhe­ci­men­tos apro­pri­a­dos a su­as ca­rac­te­rís­ti­cas. Há pro­gra­mas in­for­má­ti­cos que se amol­dam ao rit­mo e es­ti­lo de ca­da um, e eles vão fi­car ca­da vez me­lho­res. E a tec­no­lo­gia lhe mos­tra o que vo­cê já apren­deu de co­nhe­ci­men­to. Mas não é por meio de má­qui­nas que va­mos apren­der a ser so­li­dá­ri­os, co­la­bo­ra­ti­vos, to­le­ran­tes, sa­ber nos ex­pres­sar, en­ten­der, re­sol­ver pro­ble­mas so­ci­ais, ter cons­ci­ên­cia so­bre a sus­ten­ta­bi­li­da­de e meio am­bi­en­te, etc. Nem tu­do se re­sol­ve pe­la tec­no­lo­gia.

OU EN­SI­NA­MOS A CA­DA ALU­NO EM FUN­ÇÃO DAS SU­AS CA­RAC­TE­RÍS­TI­CAS IN­DI­VI­DU­AIS, OU ELE NÃO APREN­DE

Um dos res­pon­sá­veis pe­la gran­de trans­for­ma­ção do cur­rí­cu­lo es­co­lar na Es­pa­nha pós-fran­co, o ca­ta­lão An­to­ni Za­ba­la di­ri­ge ho­je o Ins­ti­tu­to de Re­cur­sos e Pes­qui­sas pa­ra a For­ma­ção e o Cam­pus Vir­tu­al de Edu­ca­ção da Uni­ver­si­da­de de Bar­ce­lo­na

Não se sa­be até que pon­to a ma­te­má­ti­ca en­si­na­da ho­je se­rá ne­ces­sá­ria

Tec­no­lo­gia: im­por­tan­te re­cur­so de en­si­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.