FO­TO­GRA­FIA CONTEMPLATIVA

Ca­du Le­mos pro­põe trans­for­mar câ­me­ras de qual­quer ti­po – se­jam pro­fis­si­o­nais ou de smartpho­ne – em fer­ra­men­tas te­ra­pêu­ti­cas ao unir a prá­ti­ca da me­di­ta­ção de aten­ção ple­na (mind­ful­ness) ao ato de fo­to­gra­far

Planeta - - EDITORIAL - Por Re­na­ta Va­lé­rio de Mesquita

Ca­du Le­mos pro­põe trans­for­mar câ­me­ras de qual­quer ti­po (in­clu­si­ve as de smartpho­ne) em fer­ra­men­tas te­ra­pêu­ti­cas ao unir a prá­ti­ca da me­di­ta­ção mind­ful­ness ao ato de fo­to­gra­far

Au­ni­ver­sa­li­za­ção das câ­me­ras di­gi­tais nos smartpho­nes é en­ca­ra­da por al­guns pro­fis­si­o­nais co­mo a “mor­te da fo­to­gra­fia”, por per­mi­tir que qual­quer um pro­du­za o que an­tes de­pen­dia de equi­pa­men­tos com­ple­xos e ca­ros. Mas pa­ra ou­tros ela re­pre­sen­ta uma re­no­va­ção na arte de fo­to­gra­far. Es­te é o ca­so do fo­tó­gra­fo, co­a­ch e con­sul­tor de cul­tu­ra or­ga­ni­za­ci­o­nal Ca­du Le­mos.

Co­cri­a­dor do fes­ti­val de fo­to­gra­fia por smartpho­ne mob­graphia Cul­tu­ra Vi­su­al, que es­tá na sua sex­ta edi­ção, Le­mos pas­sou a pro­por mais re­cen­te­men­te que to­do ti­po de câ­me­ra, de pro­fis­si­o­nais a ama­do­ras, in­clu­si­ve as de ce­lu­lar, se­ja usa­do tam­bém co­mo fer­ra­men­ta te­ra­pêu­ti­ca. Com o que cha­ma de mob­zen Edu­ca­ção Vi­su­al, ele con­vi­da à prá­ti­ca da me­di­ta­ção de aten­ção ple­na ou min-

dful­ness – o exer­cí­cio de es­tar fo­ca­do no pre­sen­te, cons­ci­en­te das pró­pri­as sen­sa­ções e per­cep­ções, sem fa­zer jul­ga­men­tos. “Fo­to­gra­far é exer­ci­tar a aten­ção ple­na – afi­nal, a fo­to­gra­fia só acon­te­ce no mo­men­to pre­sen­te: ob­ser­var o que es­tá fo­to­gra­fan­do, se ob­ser­var e se in­te­grar”, ar­gu­men­ta.

Co­nhe­ci­da tam­bém co­mo “fo­to­gra­fia contemplativa”, es­sa pro­pos­ta tem raiz em Chogyan Trun-

gpa, mes­tre de me­di­ta­ção do bu­dis­mo ti­be­ta­no, que de­sen­vol­veu a téc­ni­ca mik­sang, ou ‘ bom olho’. Ele usa­va a fo­to­gra­fia, ain­da com câ­me­ras ana­ló­gi­cas, pa­ra trans­mi­tir os co­nhe­ci­men­tos bu­dis­tas, pa­ra a prá­ti­ca da me­di­ta­ção e co­mo for­ma de au­to­co­nhe­ci­men­to. “O mik­sang tem re­gras mais rí­gi­das do que as que eu pra­ti­co no mob­zen, mas apro­vei­to mui­to des­sa téc­ni­ca”, afir­ma o fo­tó­gra­fo.

PA­RA O BEM E PA­RA O MAL

Na opi­nião de Ca­du Le­mos, o smartpho­ne é mais do que uma par­te da vi­da das pes­so­as: ele faz par­te do jei­to de as pes­so­as se re­la­ci­o­na­rem com o mun­do. E is­so po­de ser uma coi­sa po­si­ti­va, ou não. O la­do ne­ga­ti­vo, ele res­sal­ta, é que es­ses apa­re­lhos es­tão se­ques­tran­do nos­sa aten­ção. Em gran­de par­te por cau­sa de­les, na so­ci­e­da­de con­tem­po­râ­nea, a aten­ção é mui­to mais frag­men­ta­da, não se sus­ten­ta por mui­to tem­po. Ca­da vez fi­ca mais di­fí­cil pa­ra as pes­so­as le­rem um tex­to lon­go, por­que es­tão fi­can­do acos­tu­ma­das com tu­do cur­to e rá­pi­do, na pal­ma da mão.

“Mas a re­cons­tru­ção da nos­sa aten­ção po­de ser fei­ta por meio des­sa mes­ma fer­ra­men­ta”, co­men­ta Le­mos. Usar o smartpho­ne pa­ra “des­com­pri­mir” e de­sen­vol­ver au­to­co­nhe­ci­men­to por meio da prá­ti­ca da fo­to­gra­fia contemplativa é um de­les. Mas ele ain­da des­ta­ca os apli­ca­ti­vos pa­ra me­di­ta­ção gui­a­da – co­mo He­ads­pa­ce, Calm e Zen – e ou­tros apli­ca­ti­vos que des­li­gam al­gu­mas fun­ci­o­na­li­da­des do apa­re­lho e re­du­zem os aler­tas dis­tra­to­res, por exem­plo. “Fa­ço meu iso­la­men­to pes­so­al do te­le­fo­ne usan­do o pró­prio te­le­fo­ne”, ex­pli­ca.

Nas prá­ti­cas que faz no mun­do cor­po­ra­ti­vo, nos seus tra­ba­lhos de co­a­ch, de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no e in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal den­tro de equi­pes, a fo­to­gra­fia contemplativa é ins­tru­men­to pa­ra tra­ba­lhar ques­tões co­mo o cen­trar-se, a li­de­ran­ça, o tra­ba­lho em equi­pe e a co­mu­ni­ca­ção. Mas vai além. Por meio de­la, Le­mos vê mui­ta gen­te des­co­brin­do po­ten­ci­a­li­da­des que es­ta­vam ve­la­das. “Se­ja a pos­si­bi­li­da­de de des­com­pri­mir com uma fer­ra­men­ta sim­ples, se­ja des­co­brin­do que tem uma veia cri­a­ti­va inex­plo­ra­da.”

Fo­ra das em­pre­sas, o mob­zen é ofe­re­ci­do pa­ra o pú­bli­co em ge­ral por meio de workshops de meio pe­río­do e re­ti­ros de três di­as, ge­ral­men­te,

em lo­cais pró­xi­mos a São Pau­lo. Ca­du Le­mos, que é pra­ti­can­te de me­di­ta­ção mind­ful­ness há 20 anos, adi­an­ta que, de­pois de um trei­na­men­to, as pes­so­as po­dem exer­ci­tar so­zi­nhas tan­to es­sa mo­da­li­da­de de fo­to­gra­fia quan­to de me­di­ta­ção.

Nes­tas pá­gi­nas, du­as ima­gens do li­vro “Fu­gaz”, o tra­ba­lho mais sig­ni­fi­ca­ti­vo de Le­mos até o mo­men­to com fo­to­gra­fia de aten­ção ple­na que foi to­do pro­du­zi­do na ci­da­de de São Pau­lo.

As ima­gens bor­ra­das – ob­ti­das por meio de um apli­ca­ti­vo – re­pre­sen­tam a im­per­ma­nên­cia sen­ti­da pe­lo fo­tó­gra­fo, às vés­pe­ras de uma mu­dan­ça de vi­da.Pas­sar a mo­rar no in­te­ri­or do Es­ta­do apro­xi­mou Ca­du da na­tu­re­za e de seus de­ta­lhes, que ago­ra são os prin­ci­pais ob­je­tos das ima­gens que pro­duz. Pra­ti­can­te de me­di­ta­ção mind­ful­ness há 20 anos e de fo­to­gra­fia des­de cri­an­ça, Ca­du Le­mos uniu as du­as téc­ni­cas na fo­to­gra­fia contemplativa – por meio de qual­quer câ­me­ra, in­clu­si­ve as de smartpho­nes –, que ofe­re­ce em seus tra­ba­lhos de co­a­ch, con­sul­tor de cul­tu­ra or­ga­ni­za­ci­o­nal e tam­bém pa­ra o pú­bli­co em ge­ral, por meio de workshops e re­ti­ros que ele cha­ma de mob­zen. Le­mos é tam­bém co­cri­a­dor do fes­ti­val mob­graphia de fo­tos por smartpho­ne, ao la­do de Ricardo Ro­jas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.