O BOM EXEM­PLO DAS GALÁPAGOS

O ar­qui­pé­la­go equa­to­ri­a­no ce­le­bri­za­do por Char­les Darwin mos­tra co­mo a ado­ção, por to­da a co­mu­ni­da­de, de cui­da­dos so­ci­ais, cul­tu­rais e am­bi­en­tais re­ver­te em be­ne­fí­cio pa­ra to­dos – in­clu­si­ve os mi­lha­res de tu­ris­tas que vão até lá a ca­da ano

Planeta - - EDITORIAL - Por Unes­co­press

O ar­qui­pé­la­go equa­to­ri­a­no mos­tra co­mo a ado­ção, por to­da a co­mu­ni­da­de, de cui­da­dos so­ci­ais, cul­tu­rais e am­bi­en­tais re­ver­te em be­ne­fí­ci­os pa­ra to­dos, hu­ma­nos e ani­mais

Oque ima­gi­na­mos quan­do pen­sa­mos nas Galápagos? Tar­ta­ru­gas gi­gan­tes, igua­nas­ma­ri­nhas, ten­ti­lhões, Darwin e sua te­o­ria da evo­lu­ção? Sim, cla­ro. Mas as Galápagos são mui­to mais do que is­so – são tam­bém uma co­mu­ni­da­de de 28 mil ha­bi­tan­tes es­pa­lha­dos por qua­tro ilhas: San­ta Cruz, San Cris­tó­bal, Isa­be­la e Flo- re­a­na. É gra­ças ao seu po­vo, in­ves­ti­do da ges­tão par­ti­ci­pa­ti­va e sus­ten­tá­vel dos re­cur­sos do ar­qui­pé­la­go, que cer­ca de 240 mil tu­ris­tas po­dem vi­si­tar es­se pa­raí­so por ano. O Ar­qui­pé­la­go de Co­lón ( no­me ofi­ci­al das ilhas), no Equa­dor, é Pa­trimô­nio da Hu­ma­ni­da­de des­de 1978 e Re­ser­va da Bi­os­fe­ra lis­ta­da des­de 1984 na re­de glo­bal ad­mi­nis­tra­da pe­la Unesco.

Si­tu­a­do a mil quilô­me­tros do con­ti­nen­te, o ar­qui­pé­la­go, lar de um dos mais ri­cos ecos­sis­te­mas ma­ri­nhos do mun­do, in­clui 13 gran­des ilhas e 147 ilho­tas e ro­chas for­ma­das há 4 mi­lhões de anos. A mai­o­ria de­las são vul­cões sub­ma­ri­nos, al­guns dos quais so­bem a mais de 3 mil me­tros do fun­do do Oce­a­no Pa­cí­fi­co. Com área de 7.500 quilô­me­tros qua­dra­dos, o Ar­qui­pé­la­go de Co­lón – Re­ser­va da Bi­os­fe­ra de Galápagos co­bre to­da a su­per­fí­cie ter­res­tre do Par­que Na­ci­o­nal de Galápagos.

Es­se ar­qui­pé­la­go é um dos me­lho­res mo­de­los de in­te­ra­ção har­mo­ni­o­sa e mu­tu­a­men­te be­né­fi­ca en­tre os hu­ma­nos e seu am­bi­en­te na­tu­ral. A es­tra­té­gia de ma­ne­jo da re­ser­va da bi­os­fe­ra se con­cen­tra na pro­du­ção de ali­men­tos que be­ne­fi­cia a eco­no­mia lo­cal, res­pei­ta os ecos­sis­te­mas e evi­ta a in­tro­du­ção de es­pé­ci­es in­va­so­ras que po­ri­am em ris­co a bi­o­di­ver­si­da­de en­dê­mi­ca.

No co­ra­ção da re­ser­va, o Par­que Na­ci­o­nal de Galápagos é um exem­plo bem- su­ce­di­do de ges­tão par­ti­ci­pa­ti­va, que per­mi­te à po­pu­la­ção lo­cal vi­ver de for­ma sus­ten­tá­vel dos re­cur­sos ofe­re­ci­dos por ati­vi­da­des co­mo pes­ca, pe­cuá­ria, tu­ris­mo ou re­cre­a­ção, atra­vés de pla­nos de ma­ne­jo cri­te­ri­o­sos que in­clu­em pro­du­ção lo­cal de ali­men­tos e re­ci­cla­gem de re­sí­du­os.

Em re­la­ção ao ca­fé, por exem­plo, uma co­o­pe­ra­ti­va foi cri­a­da em 2015 – reu­nin­do fa­zen­dei­ros, tor­re­fa­do­res e co­mer­ci­an­tes – pa­ra me­lho­rar a pro­du­ção e co­mer­ci­a­li­za­ção das oi­to va­ri­e­da­des de ará­bi­ca cul­ti­va­das du­ran­te um sé­cu­lo nas ilhas, a 250 me­tros aci­ma do ní­vel do mar. Fa­mo­so por seu sa­bor, o ca­fé de Galápagos é ven­di­do a um pre­ço se­te ve­zes su­pe­ri­or ao do ca­fé con­ti­nen­tal. A pro­du­ção, a co­lhei­ta e o pro­ces­sa­men­to sem pes­ti­ci­das cum­prem re­gras de pro­te­ção am­bi­en­tal – que em bre­ve le­va­rão à cer­ti­fi­ca­ção des­sas va­ri­e­da­des co­mo de­no­mi­na­ções de ori­gem.

EDU­CA­ÇÃO AM­BI­EN­TAL

O go­ver­no mu­ni­ci­pal da ilha de San­ta Cruz vem de­sen­vol­ven­do e co­or­de­nan­do ini­ci­a­ti­vas pa­ra a re­ci­cla­gem de re­sí­du­os só­li­dos nos úl­ti­mos dez anos. Elas in­clu­em o lan­ça­men­to de pro­gra­mas de edu­ca­ção e cons­ci­en­ti­za­ção so­bre pro­ble­mas am­bi­en­tais, a proi­bi­ção do uso de ma­te­ri­ais de po­li­e­ti­le­no e o ve­to à im­por­ta­ção de cer­ve­jas e re­fri­ge­ran­tes em em­ba­la­gens não re­ci­clá­veis.

Mas to­das es­sas ini­ci­a­ti­vas de­vem seu êxi- to so­bre­tu­do aos mo­ra­do­res, que se apro­pri­am dos pro­je­tos de pro­te­ção am­bi­en­tal e sal­va­guar­da. Ar­te­sãos em­pre­gam ma­te­ri­ais re­ci­clá­veis pa­ra fa­zer ob­je­tos; pe­drei­ros usam blo­cos re­ci­cla­dos ou te­lhas de vi­dro pa­ra er­guer ca­sas; pes­ca­do­res es­tão se mo­bi­li­zan­do pa­ra a proi­bi­ção de re­des de plás­ti­co e co­le­tam pes­so­al­men­te os re­sí­du­os que po­lu­em o mar, en­quan­to to­dos os ha­bi­tan­tes se en­vol­vem re­gu­lar­men­te na lim­pe­za das prai­as. Des­de 2017, me­ta­de dos re­sí­du­os só­li­dos das ilhas foi re­ci­cla­da atra­vés de um pro­gra­ma de se­le­ção e re­cu­pe­ra­ção de re­sí­du­os, no qual a po­pu­la­ção lo­cal es­tá ati­va­men­te en­vol­vi­da.

Por meio das re­ser­vas da bi­os­fe­ra co­mo Fer­ra­men­ta pa­ra a Ges­tão Cos­tei­ra e In­su­lar no pro­je­to da Re­gião Su­des­te do Pa­cí­fi­co (Bre­sep, na si­gla em in­glês), o Pro­gra­ma Ho­mem e Bi­os­fe­ra da Unesco (MAB) tra­ba­lha atu­al­men­te – em co­la­bo­ra­ção com o go­ver­no do Equa­dor, o Par­que Na­ci­o­nal de Galápagos e co­mu­ni­da­des lo­cais – pa­ra es­ten­der a re­ser­va da bi­os­fe­ra a 133.000 km2, de mo­do que in­clua a Re­ser­va Ma­ri­nha de Galápagos, um san­tuá­rio pa­ra a vi­da ma­ri­nha.

Fi­nan­ci­a­do pe­lo go­ver­no fla­men­go da Bél­gi­ca, o Bre­sep apoia a cri­a­ção de re­ser­vas da bi­os­fe­ra co­mo fer­ra­men­tas pa­ra prá­ti­cas ino­va­do­ras e so­ci­al, cul­tu­ral e am­bi­en­tal­men­te apro­pri­a­das. Tam­bém in­cen­ti­va o es­ta­be­le­ci­men­to de uma re­de co­la­bo­ra­ti­va pa­ra o in­ter­câm­bio de in­for­ma­ções e ex­pe­ri­ên­ci­as so­bre per­da de bi­o­di­ver­si­da­de, ges­tão de zo­nas cos­tei­ras e de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel. O pro­je­to en­vol­ve prin­ci­pal­men­te as cos­tas e ilhas do Pa­cí­fi­co Su­des­te, lo­ca­li­za­das no Chi­le, Colôm­bia, Equa­dor, Panamá e Pe­ru.

Leões-ma­ri­nhos na ilha Es­paño­la: a po­pu­la­ção de Galápagos as­su­miu pa­pel ati­vo na pre­ser­va­ção das ri­que­zas na­tu­rais do ar­qui­pé­la­go

Pes­ca­do­res lo­cais de atum: ati­vi­da­de re­a­li­za­da de mo­do sus­ten­tá­vel

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.