UM PAS­SO PA­RA A FREN­TE, DOIS PA­RA TRÁS

Trin­ta anos após a exe­cu­ção de Chi­co Men­des, seu le­ga­do na área am­bi­en­tal se en­con­tra ame­a­ça­do e ca­da vez mais ati­vis­tas são mor­tos no Bra­sil em con­fli­tos por ter­ra e re­cur­sos na­tu­rais

Planeta - - EDITORIAL - Por Re­na­ta Va­lé­rio de Mesquita

Trin­ta anos após a exe­cu­ção de Chi­co Men­des, seu le­ga­do na área am­bi­en­tal se en­con­tra ame­a­ça­do e ca­da vez mais ati­vis­tas são mor­tos no Bra­sil em con­fli­tos pe­la ter­ra

Qua­tro ou cin­co di­as de­pois do as­sas­si­na­to de Chi­co Men­des é que o Bra­sil acor­dou pa­ra a im­por­tân­cia de­le”, lem­bra a his­to­ri­a­do­ra Mary Al­le­gret­ti, que se em­pe­nhou por no­ve anos ao la­do des­se acre­a­no pa­ra fa­zer sua his­tó­ria de vi­da e sua pro­pos­ta am­bi­en­tal se­rem co­nhe­ci­das e re­co­nhe­ci­das no Bra­sil e no mun­do. Trin­ta anos se pas­sa­ram des­de sua mor­te. Em­bo­ra seu exem­plo te­nha dis­se­mi­na­do a ação com­ba­ti­va e, ao mes­mo tem­po, pa­cí­fi­ca país afo­ra, ain­da ho­je não sur­giu um no­vo lí­der com a mes­ma for­ça de­le.

Chi­co Men­des le­vou um ti­ro no pei­to em 1988, aos 44 anos, no quin­tal de ca­sa, na ci­da­de de Xa­pu­ri (Acre), a man­do do la­ti­fun­diá­rio Darly Al­ves da Sil­va – pai e ir­mão dos dois exe­cu­to­res. Mas só se sa­be tu­do is­so por­que a co­mo­ção e a pres­são so­ci­al e, prin­ci­pal­men­te, in­ter­na­ci­o­nal fo­ram tão in­ten­sas que o ca­so foi in­ves­ti­ga­do até o fim, con­cluin­do com a prisão dos três. Coi­sa ra­ra no Bra­sil até os di­as de ho­je, três dé­ca­das de­pois!

E a si­tu­a­ção só vem pi­o­ran­do. O Bra­sil ocu­pa há dois anos o pri­mei­ro lu­gar no re­la­tó­rio de mor­tes de ati­vis­tas am­bi­en­tais re­a­li­za­do anu­al­men­te pe­la ONG bri­tâ­ni­ca Glo­bal Wit­ness (leia qua­dro na pág. 26). Em 2017, fo­ram exe­cu­ta­dos 57 ati­vis­tas bra­si­lei­ros – mais do que qual­quer ou­tro país já viu –, de um to­tal de 207 ví­ti­mas iden­ti­fi­ca­das em 22 paí­ses. A im­pu­ni­da­de não é ex­clu­si­vi­da­de na­ci­o­nal: é um pro­ble­ma ge­ne­ra­li­za­do em to­dos es­ses lu­ga­res, o que tor­na di­fí­cil des­co­brir os agressores. Mas a Glo­bal Wit­ness foi ca­paz de li­gar as for­ças de se­gu­ran­ça do go­ver­no a 53 ca­sos, e ato­res não es­ta­tais a 90 cri­mes.

Se o le­van­ta­men­to mun­di­al já é as­sus­ta­dor, ou­tro re­la­tó­rio na­ci­o­nal que es­tá na sua 33a edi­ção, pre­pa­ra­do pe­la Co­mis­são Pas­to­ral da Ter­ra, con­ta­bi­li­za um nú­me­ro mai­or ain­da. Em 2017 foi re­gis­tra­do o mai­or nú­me­ro de as­sas­si­na­tos em con­fli­tos por ter­ra e re­cur­sos na­tu­rais dos úl­ti­mos 14 anos no Bra­sil: 71 as­sas­si­na­tos, 10 a mais do que no ano an­te­ri­or. Além do au­men­to em ou­tras for­mas de vi­o­lên­cia: ten­ta­ti­vas de exe­cu­ção su­bi­ram 63%, e ame­a­ças de mor­te, 13%.

As pers­pec­ti­vas pa­ra 2018 não são na­da bo­as. O mais pro­vá­vel é que es­te ano fe­che com ain­da mais san­gue. “O Bra­sil vi­ve um con­tex­to de des­mon­te das po­lí­ti­cas so­ci­ais, de des­man­te­la­men­to do Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Pro­te­ção a De­fen­so­res de Di­rei­tos Hu­ma­nos, de au­men­to da vi­o­lên­cia le­tal em ge­ral, de acir­ra­men­to de con­fli­tos e de in­ten­sa po­la­ri­za­ção da so­ci­e­da­de com o cres­cen­te des­ca­so por di­rei­tos hu­ma­nos. Di­an­te dis­so, a pro­ba­bi­li­da­de de que o qua­dro de ho­mi­cí­di­os de de­fen­so­res de di­rei­tos hu­ma­nos em 2018 pi­o­re é mui­to al­ta”, re­su­me Re­na­ta Ne­der, co­or­de­na­do­ra de pes­qui­sa, po­lí­ti­cas e ad­vo­cacy da Anis­tia In­ter­na­ci­o­nal Bra­sil.

Re­na­ta apon­ta que a omis­são do Es­ta­do tan­to em abor­dar as cau­sas es­tru­tu­rais des­ses con­fli­tos quan­to em ado­tar me­di­das emer­gen­ci­ais de pro-

te­ção aos ame­a­ça­dos ali­men­ta o ci­clo de vi­o­lên­cia no cam­po. “Gri­lei­ros de ter­ra, gran­des pro­pri­e­tá­ri­os ru­rais, mi­ne­ra­do­ras e ex­plo­ra­do­res de ma­dei­ra se apro­vei­tam da não re­gu­la­ri­za­ção fun­diá­ria das áre­as em que vi­vem po­vos in­dí­ge­nas e qui­lom­bo­las e co­mu­ni­da­des ru­rais tra­di­ci­o­nais pa­ra ex­pul­sá­los na ba­se da vi­o­lên­cia, ape­sar de es­tes úl­ti­mos te­rem di­rei­to à ter­ra ga­ran­ti­do pe­la Cons­ti­tui­ção, con­tan­do com um pro­ces­so de de­mar­ca­ção que é ex­tre­ma­men­te len­to.”

LE­GA­DO RE­LE­VAN­TE

Pa­ra Mary, se Chi­co es­ti­ves­se vi­vo não ia acre­di­tar que a si­tu­a­ção de in­se­gu­ran­ça é mai­or do que no seu tem­po e pe­los mes­mos mo­ti­vos, mas iria se sur­pre­en­der – po­si­ti­va­men­te – com a di­men­são que su­as pro­pos­tas ga­nha­ram. “Acho que ele não ti­nha ideia de que o al­can­ce das re­ser­vas ex­tra­ti­vis­tas te­ria as pro­por­ções que tem ho­je.”

Cla­ro que a so­lu­ção não foi cri­a­da por Chi­co, mas foi a par­tir da sua li­de­ran­ça que os po­vos da flo­res­ta (in­dí­ge­nas e co­mu­ni­da­des ex­tra­ti­vis­tas, co­mo os se­rin­guei­ros) se uni­ram e pen­sa­ram um con­cei­to de re­for­ma agrá­ria sob me­di­da pa­ra o pro­ble­ma que en­fren­ta­vam. Até 1970, o nor­te do país era qua­se to­do co­ber­to por flo­res­tas. Até que o go­ver­no fe­de­ral pas­sou a pro­mo­ver a ocu­pa­ção da Amazô­nia por meio de pro­je­tos de in­fra­es­tru­tu­ra, da agro­pe­cuá­ria, da ex­plo­ra­ção ma­dei­rei­ra e da mi­ne­ra­ção.

Quan­do es­ses gru­pos fo­ram pa­ra lá, co­me­ça­ram a des­truir as ri­que­zas na­tu­rais e o mo­do de vi­da das co­mu­ni­da­des tra­di­ci­o­nais da re­gião. Pa­ra pro­te­ger es­ses ter­ri­tó­ri­os e es­sas cul­tu­ras ori­gi­nais, o for­ma­to de lo­tes in­di­vi­du­ais pra­ti­ca­do pe­lo Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Co­lo­ni­za­ção e Re­for­ma Agrá­ria (In­cra) não fa­zia sen­ti­do. Os po­vos da flo­res­ta ima­gi­na­ram, en­tão, uma pro­pri­e­da­de da União que per­mi­tis­se a pre­sen­ça hu­ma­na, o que não acon­te­cia nos ti­pos de uni­da­des de con­ser­va­ção da épo­ca. Sur­giu as­sim a “re­ser­va ex­tra­ti­vis­ta” (abre­vi­a­da pa­ra re­sex) que pas­sa­ria a ga­ran­tir que as po­pu­la­ções tra­di­ci­o­nais se man­ti­ves­sem nos seus ter­ri­tó­ri­os vi­ven­do da ex­plo­ra­ção au­tos­sus­ten­tá­vel e aju­dan­do a pre­ser­var seus re­cur­sos na­tu­rais.

A Re­sex Chi­co Men­des, no Acre, foi a pri­mei­ra a ser cri­a­da, dois anos de­pois do as­sas­si­na­to do lí­der, abran­gen­do 46 se­rin­gais e 930 mil hec­ta­res de ma­ta, e fa­zen­do sur­gir po­lí­ti­cas pú­bli­cas es­pe­cí­fi­cas pa­ra o ex­tra­ti­vis­mo. Ho­je são 66 uni­da­des de con­ser­va­ção des­se ti­po, não só na Amazô­nia – mas gran­de par­te de­las se con­cen­tra lá. “Ele ti­nha cons­ci­ên­cia de que a lu­ta de­le era di­fí­cil de ser ven­ci­da por­que eram mui­tas for­ças con­trá­ri­as. Mas era uma das pou­cas so­lu­ções pa­ra man­ter a Amazô­nia pro­te­gi­da”, afir­ma Mary.

O FU­TU­RO A QUEM PER­TEN­CE?

Mas nem es­ses avan­ços são de­fi­ni­ti­vos. Uma in­ves­ti­da re­cen­te dos ru­ra­lis­tas ame­a­ça vá­ri­as des­sas con­quis­tas. Em me­a­dos de agos­to, re­pre­sen­tan­tes da Con­fe­de­ra­ção da Agri­cul­tu­ra e Pe­cuá­ria do Bra­sil (CNA) e da Fren­te Par­la­men­tar da Agro­pe­cuá­ria (FPA) en­tre­ga­ram ao mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Tor­qua­to Jar­dim, um ofí­cio pe­din­do a sus­pen­são de de­mar­ca­ção de

ter­ras em an­da­men­to e a re­vo­ga­ção do de­cre­to no 6.040/2007, que ins­ti­tuiu a Po­lí­ti­ca Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Sus­ten­tá­vel dos Po­vos e Co­mu­ni­da­des Tra­di­ci­o­nais (PNPCT), em 2007.

“O fa­to de a ban­ca­da ru­ra­lis­ta man­dar ho­je no Con­gres­so afe­ta di­re­ta­men­te o le­ga­do do Chi­co, que es­tá na ques­tão dos ter­ri­tó­ri­os de uso sus­ten­tá­vel. São mui­tos re­tro­ces­sos prin­ci­pal­men­te nos dois úl­ti­mos anos – em­bo­ra os go­ver­nos de es­quer­da tam­bém te­nham dei­xa­do a de­se­jar –, com dis­po­si­ti­vos sen­do ti­ra­dos da ga­ve­ta em pre­juí­zo das po­pu­la­ções tra­di­ci­o­nais, não só na Amazô­nia”, re­for­ça Ân­ge­la Men­des, fi­lha mais ve­lha des­sa fi­gu­ra em­ble­má­ti­ca e co­or­de­na­do­ra do Co­mi­tê Chi­co Men­des, des­de 2007.

Ân­ge­la res­sal­ta ca­sos co­mo o pro­je­to de lei que ten­ta trans­for­mar a re­ser­va de Ca­na­vi­ei­ras (BA) nu­ma Área de Pro­te­ção Am­bi­en­tal pa­ra per­mi­tir ati­vi­da­des ex­plo­ra­tó­ri­as de al­to im­pac­to que não são au­to­ri­za­das em uma re­sex. Ela tam­bém ci­ta a re­du­ção dos or­ça­men­tos de po­lí­ti­cas pú­bli­cas pa­ra as po­pu­la­ções tra­di­ci­o­nais e o ris­co de di­mi­nui­ção dos ter­ri­tó­ri­os ex­tra­ti­vis­tas e in­dí­ge­nas em di­fe­ren­tes pon­tos do país. “Quan­do fa­la­mos no Bra­sil em ques­tão ter­ri­to­ri­al, con­ti­nu­a­mos sen­do uma ver­go­nha. Es­ta­mos atra­sa­dos des­de o des­co­bri­men­to. Só com po­lí­ti­cas de re­for­ma agrá­ria, com jus­ti­ça so­ci­al e re­gu­la­ri­za­ção fun­diá­ria con­se­gui­ría­mos mi­ni­mi­zar a vi­o­lên­cia no cam­po”, des­ta­ca Ân­ge­la.

O co­mi­tê que ela co­or­de­na pro­mo­ve anu­al­men­te um gran­de even­to na se­ma­na de 15 a 22 de de­zem­bro (da­tas de nascimento e mor­te do se­rin­guei­ro e sin­di­ca­lis­ta) pa­ra man­ter ace­sa a cha­ma do lí­der. Es­te ano, o fo­co se­rá fa­zer um ba­lan­ço des­sas três dé­ca­das e a pro­je­ção dos pró­xi­mos 30 anos. “Qu­e­re­mos pro­du­zir uma car­ta com a ju­ven­tu­de. Es­ta­mos tra­ba­lhan­do pa­ra que es­sa ga­le­ri­nha acor­de pa­ra man­ter a flo­res­ta em pé”, afir­ma Ân­ge­la. Afi­nal, se quem vi­veu aque­le mo­men­to pas­sou a res­pei­tar a lu­ta e as con­quis­tas des­se lí­der, o de­sa­fio com o pas­sar do tem­po é per­pe­tu­ar o le­ga­do de Chi­co en­tre as no­vas ge­ra­ções.

A ca­sa sim­ples on­de Chi­co Men­des vi­veu seus úl­ti­mos di­as, ho­je trans­for­ma­da em mu­seu

Chi­co à fren­te da se­de do Sin­di­ca­to dos Tra­ba­lha­do­res Ru­rais de Xa­pu­ri

Ati­vi­da­de no Me­mo­ri­al Chi­co Men­des, cri­a­do em 1996 pa­ra di­vul­gar as idei­as e a lu­ta do lí­der am­bi­en­ta­lis­ta

Ân­ge­la Men­des, fi­lha mais ve­lha do ati­vis­ta e co­or­de­na­do­ra do Co­mi­tê Chi­co Men­des. Abai­xo, à es­quer­da, o se­rin­guei­ro Chi­co ex­trai lá­tex

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.