OS CA­SAIS E O CAR­MA

Se­gun­do os re­en­car­na­ci­o­nis­tas, os mo­ti­vos pa­ra um ca­sa­men­to ser fe­liz ou in­fe­liz são per­fei­ta­men­te jus­ti­fi­ca­dos por epi­só­di­os de vi­das pas­sa­das de ca­da in­te­gran­te do ca­sal

Planeta - - EDITORIAL - Por El­sie Du­bu­gras

Se­gun­do os re­en­car­na­ci­o­nis­tas, os mo­ti­vos pa­ra um ca­sa­men­to ser fe­liz ou in­fe­liz são per­fei­ta­men­te jus­ti­fi­ca­dos por epi­só­di­os do pas­sa­do de ca­da in­te­gran­te do ca­sal

Se a união en­tre os se­xos é uma lei im­pos­ta pe­la na­tu­re­za pa­ra a per­pe­tu­a­ção da es­pé­cie, por que há tan­tos per­cal­ços e de­si­lu­sões no ca­mi­nho dos ca­sais que, cons­ci­en­te ou in­cons­ci­en­te­men­te, não fa­zem mais que obe­de­cê­la? Pe­las re­li­giões e fi­lo­so­fi­as ge­rais, que en­si­nam que o ho­mem e a mu­lher fo­ram cri­a­dos na ho­ra do seu nascimento ou da con­cep­ção, e que seus es­pí­ri­tos não exis­ti­am an­tes, é im­pos­sí­vel des­co­brir a res­pos­ta. Is­so não acon­te­ce se pro­cu­rar­mos a ex­pli­ca­ção na re­en­car­na­ção, co­mo su­ge­rem dou­tri­nas co­mo a es­pí­ri­ta.

Pa­ra os re­en­car­na­ci­o­nis­tas, o ho­mem foi cri­a­do sim­ples e ig­no­ran­te, e as vi­das su­ces­si­vas não pas­sam de um pro­ces­so cor­re­ti­vo e edu­ca­dor que tem por fim a evo­lu­ção. Nes­se pro­gra­ma de vi­das su­ces­si­vas, as pes­so­as re­nas­cem em di­fe­ren­tes po­si­ções so­ci­ais, de saú­de, de

se­xo e de re­la­ci­o­na­men­to, e co­mo a lei é uni­ver­sal e igual pa­ra to­dos, elas se re­en­con­tram com ou­tros mem­bros do seu gru­po, to­dos em di­fe­ren­tes po­si­ções de re­la­ci­o­na­men­to, se­gun­do as ne­ces­si­da­des evo­lu­ti­vas in­di­vi­du­ais ou gru­pais. As­sim, uma pes­soa que te­ve um fi­lho nu­ma vi­da po­de­rá re­nas­cer em ou­tra co­mo seu ir­mão, seu fi­lho, sua ami­ga, seu es­po­so, etc. Po­de­rá tam­bém apre­sen­tar-se co­mo pes­soa do ou­tro se­xo, co­mo ocor­re com os tran­se­xu­ais, os ho­mos­se­xu­ais, etc. Ca­da vi­da tem por fim pro­por­ci­o­nar ex­pe­ri­ên­ci­as di­ver­sas de tra­ba­lho, de re­la­ci­o­na­men­to e de po­si­ção so­ci­al, as­sim en­ri­que­cen­do o es­pí­ri­to hu­ma­no.

O ca­sa­men­to é uma pro­va di­fí­cil, pois é ne­le que du­as pes­so­as, mui­tas ve­zes an­tagô­ni­cas, vi­vem jun­tas na ten­ta­ti­va de aplai­nar pro­ble­mas de re­la­ci­o­na­men­to e ou­tros oriun­dos do pas­sa­do de am­bas. Qual se­ria o mé­to­do em­pre­ga­do pa­ra le­var es­sas pes­so­as a se unir? O es­que­ma é o se­guin­te: quan­do ain­da aguar­dam a opor­tu­ni­da­de de re­nas­cer, no pla­no es­pi­ri­tu­al, elas co­nhe­cem o seu pas­sa­do. É su­ge­ri­do a elas, en­tão, que, pa­ra sa­na­rem pro­ble­mas des­se pas­sa­do, se­ria con­ve­ni­en­te ten­ta­rem vi­ver jun­tas. As­sim se co­nhe­ce­ri­am me­lhor.

CRI­A­ÇÃO DE MIRAGENS

Se as du­as acei­tam, re­nas­cem em épo­cas ade­qua­das e as lem­bran­ças que po­de­ri­am di­fi­cul­tar a união são apa­ga­das de su­as me­mó­ri­as. Pa­ra aju­dá-las a cum­prir o que se pro­pu­se­ram a fa­zer, o pla­no es­pi­ri­tu­al faz com que se en­con­trem e lan­ça mão de vi­bra­ções amo­ro­sas que tam­bém cri­am uma mi­ra­gem. O mo­ço e a mo­ça se apai­xo­nam e se ca­sam; mes­mo de­pois que a mi­ra­gem se des­faz e o amor es­fria, eles, pa­ra sua pró­pria tran­qui­li­da­de e bem- es­tar, se es­for­çam pa­ra re­sol­ver os pro­ble­mas que sur­gem no con­ví­vio diá­rio, e que po­dem in­cluir os fi­lhos. As­sim, en­fren­tan­do as li­ções que o ma­trimô­nio ofe­re­ce, eles, além de apren­de­rem, res­sar­ci­rão seus dé­bi­tos mú­tu­os. Os que aban­do­nam a lu­ta, sem ter­mi­nar o que se pro­pu­se­ram a fa­zer, au­men­tam seus dé­bi­tos e re­pe­ti­rão a do­se em ou­tras vi­das.

Um exem­plo que co­nhe­ce­mos é o ca­so de uma jo­vem sol­tei­ra e de boa fa­mí­lia que foi pas­sar uma lon­ga tem­po­ra­da no ex­te­ri­or, on­de se apai­xo­nou por um ho­mem e en­gra­vi­dou. Te­men­do a re­a­ção da fa­mí­lia, ela en­tre­gou a cri­an­ça a du­as mu­lhe­res, que a cri­a­ri­am com a aju­da fi­nan­cei­ra pro­me­ti­da pe­lo pai.

A mo­ça de­pois vol­tou pa­ra o seu país, e o pai es­que­ceu o com­pro­mis­so que ha­via as­su-

No con­cei­to re­en­car­na­ci­o­nis­ta, o ca­sa­men­to une du­as pes­so­as mui­tas ve­zes an­tagô­ni­cas pa­ra ten­tar aplai­nar seus pro­ble­mas de re­la­ci­o­na­men­to

Ce­rimô­nia de núp­ci­as: ca­da côn­ju­ge vê no par­cei­ro uma mi­ra­gem

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.