VE­RÃO INESQUECÍVEL

Nem mes­mo lu­ga­res den­tro do Cír­cu­lo Ár­ti­co fo­ram pou­pa­dos na on­da de ca­lor que mal­tra­tou gran­de par­te da Eu­ro­pa es­te ano

Planeta - - EDITORIAL -

Nem mes­mo lu­ga­res den­tro do Cír­cu­lo Ár­ti­co fo­ram pou­pa­dos na on­da de ca­lor que mal­tra­tou gran­de par­te da Eu­ro­pa du­ran­te o ve­rão des­te ano

Ove­rão de 2018 vai fi­car na me­mó­ria de mi­lhões de eu­ro­peus, e não por bons mo­ti­vos. Se­gun­do cli­ma­to­lo­gis­tas, du­ran­te dois me­ses as cor­ren­tes de ja­to (cor­ren­tes de ar que ocor­rem na at­mos­fe­ra ter­res­tre) se en­fra­que­ce­ram e per­de­ram ve­lo­ci­da­de, pos­si­vel­men­te por cau­sa do aque­ci­men­to glo­bal. A con­di­ção fa­vo­re­ceu uma on­da de ca­lor in­co­mum, que cas­ti­gou boa par­te da Eu­ro­pa. A Pe­nín­su­la Ibé­ri­ca con­vi­veu com tem­pe­ra­tu­ras aci­ma dos 40 oc no iní­cio de agos­to – Lis­boa, à bei­ra do Atlân­ti­co, re­gis­trou 44 oc no dia 4 da­que­le mês. A Ale­ma­nha, que já ha­via en­fren­ta­do os me­ses de abril e maio mais quen­tes des­de 1881, as­sis­tiu aos termô­me­tros se­gui­rem aci­ma da mé­dia em ju­nho e ju­lho (di­fe­ren­ça de 2,4 oc e 3,3 oc, res­pec­ti­va­men­te, em re­la­ção ao pe­río­do 1961-1990) e a uma gran­de mortandade de pei­xes de água do­ce, su­fo­ca­dos pe­la re­du­ção de oxi­gê­nio nos ri­os. Na Gré­cia, os pi­o­res in­cên­di­os flo­res­tais da his­tó­ria ma­ta­ram 92 pes­so­as em ju­lho. A Sué­cia te­ve os me­ses de maio e ju­lho mais quen­tes já re­gis­tra­dos e so­freu com mais de 50 in­cên­di­os flo­res­tais de pro­por­ções tam­bém iné­di­tas. Os termô­me­tros atin­gi­ram 32 oc na pe­nín­su­la de Ba­nak, na No­ru­e­ga, e 33,2 oc em Uts­jo­ki, na Fin­lân­dia – dois lo­cais den­tro do Cír­cu­lo Ár­ti­co. De mo­do ge­ral, a Eu­ro­pa, bem pre­pa­ra­da pa­ra en­fren­tar o frio, mos­trou-se frá­gil an­te o ca­lor – uma de­fi­ci­ên­cia que te­rá de sa­nar ra­pi­da­men­te nos no­vos tem­pos.

FO­TO: AFP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.