O FARDO DA TEC­NOS­FE­RA

Planeta - - EDITORIAL - Por Jan Za­la­si­ewicz, pa­ra o Unesco Cou­ri­er*

Em um pis­car de olhos ge­o­ló­gi­co, uma no­va es­fe­ra sur­giu na Ter­ra e evo­lui ra­pi­da­men­te: a tec­nos­fe­ra, re­la­ci­o­na­da aos ob­je­tos tec­no­ló­gi­cos cri­a­dos pe­lo ser hu­ma­no

Em um pis­car de olhos ge­o­ló­gi­co, uma no­va es­fe­ra sur­giu na Ter­ra e evo­lui em rit­mo ace­le­ra­do: a tec­nos­fe­ra, re­la­ci­o­na­da aos ob­je­tos tec­no­ló­gi­cos cri­a­dos pe­lo ser hu­ma­no. Ho­je de­pen­de­mos de­la, mas sua exis­tên­cia sem con­tro­le pre­ju­di­ca a vi­da de vá­ri­as es­pé­ci­es, in­clu­si­ve a nos­sa

ATer­ra que nos man­tém po­de ser con­si­de­ra­da em ter­mos de di­fe­ren­tes es­fe­ras. Há a li­tos­fe­ra, com­pos­ta pe­las fun­da­ções ro­cho­sas do nos­so pla­ne­ta; a hi­dros­fe­ra, que re­pre­sen­ta a água do nos­so pla­ne­ta; e a cri­os­fe­ra, que abran­ge as par­tes con­ge­la­das das re­giões po­la­res e das al­tas mon­ta­nhas. A at­mos­fe­ra é o ar que res­pi­ra­mos, e nós tam­bém fa­ze­mos par­te da bi­os­fe­ra, dos or­ga­nis­mos vi­vos da Ter­ra. Es­sas es­fe­ras têm exis­ti­do, de uma for­ma ou de ou­tra, du­ran­te a mai­or par­te dos 4,6 bi­lhões de anos de exis­tên­cia do nos­so pla­ne­ta. Mais re­cen­te­men­te, uma no­va es­fe­ra sur­giu – a tec­nos­fe­ra.

A tec­nos­fe­ra, no sen­ti­do em que a en­ten­de­mos, é um con­cei­to de­sen­vol­vi­do pe­lo geó­lo­go e en­ge­nhei­ro ame­ri­ca­no Pe­ter Haff, pro­fes­sor emé­ri­to na Uni­ver­si­da­de Du­ke, nos Es­ta­dos Uni­dos. As­sim co­mo o An­tro­po­ce­no (em ge­o­lo­gia, a “ida­de re­cen­te do ho­mem”), es­sa es­fe­ra es­tá ra­pi­da­men­te cres­cen­do em re­co­nhe­ci­men­to – ten­do si­do, por exem­plo, fo­co de uma re­cen­te ini­ci­a­ti­va da Haus der Kul­tu­ren der Welt (Ca­sa das Cul­tu­ras do Mun­do), cen­tro in­ter­na­ci­o­nal de arte con­tem­po­râ­nea em Ber­lim. (*) O geó­lo­go bri­tâ­ni­co de ori­gem po­lo­ne­sa Jan Za­la­si­ewicz é pro­fes­sor de pa­le­o­bi­o­lo­gia na Uni­ver­si­da­de de Lei­ces­ter (Rei­no Uni­do). Ele tra­ba­lhou co­mo geó­lo­go e pa­le­on­tó­lo­go de cam­po pa­ra a Bri­tish Ge­o­lo­gi­cal Sur­vey e, des­de 2009, pre­si­de o Gru­po de Tra­ba­lho An­tro­po­ce­no da Co­mis­são In­ter­na­ci­o­nal so­bre Es­tra­ti­gra­fia.

Tal co­mo o An­tro­po­ce­no, a tec­nos­fe­ra é con­tro­ver­sa, prin­ci­pal­men­te de­vi­do ao pa­pel – e às res­tri­ções – que pro­por­ci­o­na aos se­res hu­ma­nos. Ela su­ge­re que, co­le­ti­va­men­te, te­mos mui­to me­nos li­ber­da­de pa­ra gui­ar o sis­te­ma ter­res­tre do que pen­sa­mos ter.

A tec­nos­fe­ra en­glo­ba to­dos os ob­je­tos tec­no­ló­gi­cos pro­du­zi­dos pe­los se­res hu­ma­nos, mas is­so é ape­nas par­te de­la. É um sis­te­ma, e não ape­nas uma cres­cen­te co­le­ção de equi­pa­men­tos tec­no­ló­gi­cos. Es­sa dis­tin­ção é cru­ci­al e po­de ser ilus­tra­da por uma com­pa­ra­ção com o con­cei­to mais es­ta­be­le­ci­do da bi­os­fe­ra. Ori­gi­na­ri­a­men­te cri­a­do por Edu­ard Su­ess, geó­lo­go aus­tría­co do sé­cu­lo 19, o ter­mo bi­os­fe­ra foi de­sen­vol­vi­do co­mo con­cei­to pe­lo ci­en­tis­ta rus­so Vla­di­mir Ver­nadsky, já no sé­cu­lo 20. Ele propôs que não se tra­ta­va ape­nas de uma mas­sa de se­res vi­vos so­bre a Ter­ra, mas da com­bi­na­ção dis­so com o ar, a água e o so­lo que man­têm a vi­da or­gâ­ni­ca, e a ener­gia do Sol, a qual, em gran­de par­te, for­ne­ce-lhe ener­gia. Mais do que a so­ma de su­as par­tes, a bi­os­fe­ra se in­ter­co­nec­ta e se so­bre­põe às ou­tras es­fe­ras da Ter­ra, ao mes­mo tem­po que apre­sen­ta su­as pró­pri­as di­nâ­mi­cas e pro­pri­e­da­des emer­gen­tes.

ALTERANDO A NA­TU­RE­ZA

A tec­nos­fe­ra, do mes­mo mo­do, não en­glo­ba ape­nas nos­sas má­qui­nas, mas tam­bém nós, hu­ma­nos, as- sim co­mo os sis­te­mas pro­fis­si­o­nais e so­ci­ais por meio dos quais in­te­ra­gi­mos com a tec­no­lo­gia: fá­bri­cas, es­co­las, uni­ver­si­da­des, or­ga­ni­za­ções sin­di­cais, ban­cos, par­ti­dos po­lí­ti­cos, a in­ter­net. Tam­bém in­clui os ani­mais do­més­ti­cos que cri­a­mos em gran­des quan­ti­da­des pa­ra nos ali­men­tar, as plan­ta­ções cul­ti­va­das pa­ra sus­ten­tá-los e pa­ra nos sus­ten­tar, e os so­los agrí­co­las, que são ex­ten­si­va­men­te mo­di­fi­ca­dos a par­tir de seu es­ta­do na­tu­ral pa­ra re­a­li­zar es­sa ati­vi­da­de.

A tec­nos­fe­ra tam­bém in­clui: es­tra­das, fer­ro­vi­as, ae­ro­por­tos, mi­nas e pe­drei­ras, cam­pos de pe­tró­leo e gás, ci­da­des, ri­os e re­ser­va­tó­ri­os pro­je­ta­dos. Ela tem pro­du­zi­do quan­ti­da­des ex­tra­or­di­ná­ri­as de re­sí­du­os que vão des­de ater­ros sa­ni­tá­ri­os até a po­lui­ção do ar, do so­lo e da água. Uma “pro­to­tec­nos­fe­ra” de al­gu­ma es­pé­cie sem­pre es­te­ve pre­sen­te ao lon­go da his­tó­ria da hu­ma- ni­da­de, po­rém, na mai­or par­te do tem­po, ela to­mou a for­ma de áre­as iso­la­das e dis­per­sas de pou­ca sig­ni­fi­cân­cia pla­ne­tá­ria. Ago­ra, ela se tor­nou um sis­te­ma glo­bal­men­te in­ter­co­nec­ta­do – um no­vo e im­por­tan­te de­sen­vol­vi­men­to em nos­so pla­ne­ta.

Quão gran­de é a tec­nos­fe­ra? Uma me­di­ção gros­sei­ra con­sis­te em re­a­li­zar uma ava­li­a­ção da mas­sa de su­as par­tes fí­si­cas, a par­tir de ci­da­des e do so­lo es­ca­va­do e mo­di­fi­ca­do que cons­ti­tui seus ali­cer­ces, até as ter­ras agrí­co­las, as es­tra­das, fer­ro­vi­as, etc. Uma es­ti­ma­ti­va de or­dem de gran­de­za che­gou a cer­ca de 30 tri­lhões de to­ne­la­das de ma­te­ri­ais que nós usa­mos, ou que usa­mos e des­car­ta­mos, nes­te pla­ne­ta.

As par­tes fí­si­cas da tec­nos­fe­ra tam­bém são mui­to di­ver­sas. Fer­ra­men­tas sim­ples co­mo ma­cha­dos de pe­dra fo­ram fei­tas por nos­sos an­te­pas­sa­dos há mi­lhões de anos. Mas tem ocor­ri­do uma gran­de pro­li­fe­ra­ção de di­fe­ren­tes ti­pos de má­qui­nas e ob­je­tos

ma­nu­fa­tu­ra­dos des­de a Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al e, es­pe­ci­al­men­te, des­de a “gran­de ace­le­ra­ção” de cres­ci­men­to po­pu­la­ci­o­nal, in­dus­tri­a­li­za­ção e glo­ba­li­za­ção, em me­a­dos do sé­cu­lo 20.

A tec­no­lo­gia tam­bém es­tá evo­luin­do ca­da vez mais ra­pi­da­men­te. Nos­sos an­te­pas­sa­dos pré-in­dus­tri­ais vi­ram pe­que­nas mu­dan­ças tec­no­ló­gi­cas de uma ge­ra­ção pa­ra a ou­tra. Ago­ra, em um es­pa­ço de pou­co mais do que uma ge­ra­ção hu­ma­na, os te­le­fo­nes ce­lu­la­res – pa­ra ci­tar ape­nas um exem­plo – fo­ram apre­sen­ta­dos ao pú­bli­co em mas­sa e pas­sa­ram por vá­ri­as ge­ra­ções.

FÓS­SEIS DO FU­TU­RO

Nes­te pon­to, uma ana­lo­gia po­de aju­dar a mos­trar a na­tu­re­za im­pres­si­o­nan­te des­se re­cém-che­ga­do pla­ne­tá­rio. Ge­o­lo­gi­ca­men­te, ob­je­tos tec­no­ló­gi­cos, in­cluin­do os te­le­fo­nes ce­lu­la­res, po­dem ser con­si­de­ra­dos “tec­no­fós­seis”, por­que são cons­tru­ções cri­a­das bi­o­lo­gi­ca­men­te que são ro­bus­tas e re­sis­ten­tes à de­gra­da­ção; eles for­ma­rão os fós­seis do fu­tu­ro, pa­ra ca­rac­te­ri­zar os es­tra­tos do An­tro­po­ce­no.

Nin­guém sa­be quan­tos ti­pos di­fe­ren­tes de tec­no­fós­seis exis- tem, mas qua­se cer­ta­men­te eles su­pe­ram o nú­me­ro de es­pé­ci­es de fós­seis co­nhe­ci­das, en­quan­to a tec­no­di­ver­si­da­de mo­der­na, con­si­de­ra­da des­sa ma­nei­ra, tam­bém ex­ce­de a di­ver­si­da­de bi­o­ló­gi­ca mo­der­na. O nú­me­ro de es­pé­ci­es de tec­no­fós­seis tam­bém es­tá con­ti­nu­a­men­te au­men­tan­do, uma vez que a evo­lu­ção tec­no­ló­gi­ca ago­ra su­pe­ra em mui­to a evo­lu­ção bi­o­ló­gi­ca.

En­quan­to qua­se to­da a ener­gia da bi­os­fe­ra pro­vém do Sol, par­te da tec­nos­fe­ra tam­bém é ali­men­ta­da pe­la ener­gia so­lar – e ou­tros re­cur­sos re­no­vá­veis co­mo a ener­gia eó­li­ca –, mas a mai­or par­te é ali­men­ta­da pe­la qu­ei­ma de hi­dro­car­bo­ne­tos, in­cluin­do o pe­tró­leo, o car­vão e o gás. Es­sas fon­tes de ener­gia não re­no­vá­veis, na prá­ti­ca, re­pre­sen­tam a luz so­lar fos­si­li­za­da que foi acu­mu­la­da nas pro­fun­de­zas da Ter­ra por cen­te­nas de mi­lhões de anos, e que ago­ra es­tá sen­do con­su­mi­da em ape­nas al­guns sé­cu­los.

Du­ran­te mi­lê­ni­os, os se­res hu­ma­nos têm uti­li­za­do fon­tes de ener­gia co­mo moi­nhos d’água, mas a enor­me ex­plo­são de ener­gia que ago­ra é ne­ces­sá­ria pa­ra ali­men­tar a tec­nos­fe­ra es­tá em uma es­ca­la com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te. Uma es­ti­ma­ti­va su­ge­re que os se­res hu­ma­nos, co­le­ti­va­men­te, con­su­mi­ram mais ener­gia a par­tir de me­a­dos do sé­cu­lo 20 do que em to­dos os 11 mi­lê­ni­os an­te­ri­o­res do Ho­lo­ce­no.

INUNDADOS COM RE­SÍ­DU­OS

A tec­nos­fe­ra, no en­tan­to, se di­fe­ren­cia da bi­os­fe­ra em um as­pec­to fun­da­men­tal. A bi­os­fe­ra é ex­tre­ma­men­te há­bil em re­ci­clar os ma­te­ri­ais dos qual é fei­ta, e es­sa fa­ci­li­da­de per­mi­tiu que ela so­bre­vi­ves­se na Ter­ra por bi­lhões de anos. A tec­nos­fe­ra, por ou­tro la­do, é fra­ca em re­ci­cla­gem. Al­guns dos re­sí­du­os são mui­to ób­vi­os, co­mo os plás­ti­cos que vêm se acu­mu­lan­do nos oce­a­nos do mun­do e nos li­to­rais dos con­ti­nen­tes. Ou­tros ti­pos, sen­do in­co­lo­res ou ino­do­ros, são in­vi­sí­veis pa­ra nós, co­mo o dió­xi­do de car­bo­no pro­ve­ni­en­te da qu­ei­ma dos com­bus­tí­veis fós­seis. Atu­al­men­te, a mas­sa de dió­xi­do de car­bo­no emi­ti­do in­dus­tri­al­men­te na at­mos­fe­ra é enor­me – cer­ca de 1 tri­lhão de to­ne­la­das, o que equi­va­le a cer­ca de 150 mil pi­râ­mi­des egíp­ci­as. Es­se rá­pi­do cres­ci­men­to de pro­du­tos re­si­du­ais, se não for con­tro­la­do, é uma ame­a­ça à exis­tên­cia con­ti­nu­a­da da tec­nos­fe­ra – e dos se­res hu­ma­nos que de­pen­dem de­la.

A tec­nos­fe­ra é uma ra­mi­fi­ca­ção da bi­os­fe­ra e, co­mo ela, é um sis­te­ma com­ple­xo com su­as pró­pri­as di­nâ­mi­cas. Fa­to­res im­por­tan­tes em seu sur­gi­men­to fo­ram a ca­pa­ci­da­de da nos­sa es­pé­cie de for­mar es­tru­tu­ras so­ci­ais so­fis­ti­ca­das, bem co­mo de de­sen­vol­ver e tra­ba­lhar com fer­ra­men­tas. Con­tu­do, Haff res­sal­ta que os se­res hu­ma­nos são me­nos cri­a­do­res e ad­mi­nis­tra­do­res da tec­nos­fe­ra do que com­po­nen­tes den­tro de­la e, por­tan­to, fi­cam li­mi­ta­dos a atu­ar pa­ra man­tê-la exis­tin­do – es­pe­ci­al­men­te por­que a tec­nos­fe­ra con­ser­va a mai­or par­te da po­pu­la­ção hu­ma­na vi­va por meio do for­ne­ci­men­to de ali­men­tos, abri­go e ou­tros re­cur­sos que for­ne­ce. Seu de­sen­vol­vi­men­to per­mi­tiu que a po­pu­la­ção hu­ma­na au­men­tas­se das pou­cas de­ze­nas de mi­lhões que po­di­am ser man­ti­dos vi­vos pe­lo mo­do de vi­da ca­ça­dor­co­le­tor pe­lo qual nos­sa es­pé­cie evo­luiu, che­gan­do aos 7,3 bi­lhões de in­di­ví­du­os que ha­bi­tam o pla­ne­ta atu­al­men­te. Ape­nas uma ino­va­ção tec­no­ló­gi­ca – os fer­ti­li­zan­tes ar­ti­fi­ci­ais pro­du­zi­dos com o uso do pro­ces­so de Ha­ber-bos­ch (o mé­to­do de­sen­vol­vi­do pe­los quí­mi­cos Friz Ha­ber e Carl Bos­ch de sin­te­ti­zar di­re­ta­men­te a amô­nia a par­tir do ni­tro­gê­nio e do hi­dro­gê­nio) – man­tém vi­va cer­ca de me­ta­de da po­pu­la­ção hu­ma­na.

Na atu­a­li­da­de, a tec­nos­fe­ra não es­tá evo­luin­do por es­tar sen­do gui­a­da por al­gu­ma for­ça hu­ma­na con­tro­la­do­ra, mas sim gra­ças à in­ven­ção e ao sur­gi­men­to de no­vi­da­des tec­no­ló­gi­cas úteis. Exis­te ago­ra um ti­po de co­e­vo­lu­ção dos sis­te­mas hu­ma­nos e tec­no­ló­gi­cos.

CON­DI­ÇÕES ALTERADAS

Atu­al­men­te, a tec­nos­fe­ra po­de ser con­si­de­ra­da co­mo pa­ra­si­tá­ria na bi­os­fe­ra, por al­te­rar as con­di­ções de ha­bi­ta­bi­li­da­de pla­ne­tá­ria. As con­sequên­ci­as ób­vi­as dis­so in­clu­em as mui­to ele­va­das – e em ace­le­ra­ção – ta­xas de ex­tin­ção de es­pé­ci­es de plan­tas e ani­mais, as­sim co­mo as mu­dan­ças do cli­ma e da quí­mi­ca dos oce­a­nos, que são bas­tan­te pre­ju­di­ci­ais às co­mu­ni­da­des bi­o­ló­gi­cas exis­ten­tes. Es­sas mu­dan­ças po­dem, por sua vez, pre­ju­di­car o fun­ci­o­na­men­to da bi­os­fe­ra e das po­pu­la­ções hu­ma­nas.

Ide­al­men­te, por es­sa ra­zão, os se­res hu­ma­nos de­vem ten­tar au­xi­li­ar a tec­nos­fe­ra a evo­luir pa­ra uma for­ma que se­ja mais sus­ten­tá­vel no lon­go pra­zo. No en­tan­to, os se­res hu­ma­nos co­le­ti­va­men­te não têm es­co­lha se­não man­ter a tec­nos­fe­ra ope­ran­te – por­que ago­ra ela é in­dis­pen­sá­vel pa­ra nos­sa exis­tên­cia co­le­ti­va.

De­sen­vol­ver os graus de li­ber­da­de, nes­se con­tex­to, pa­ra uma ação po­lí­ti­ca e so­ci­o­e­conô­mi­ca efe­ti­va, é um dos de­sa­fi­os que a tec­nos­fe­ra em evo­lu­ção nos apre­sen­ta. Um pri­mei­ro pas­so aqui con­sis­te em com­pre­en­der de ma­nei­ra mais com­ple­ta o fun­ci­o­na­men­to des­sa ex­tra­or­di­ná­ria no­va fa­se na evo­lu­ção do nos­so pla­ne­ta. Aqui, ain­da exis­te mui­to a fa­zer.

Ce­lu­la­res: um dos íco­nes atu­ais da pre­sen­ça do ser hu­ma­no na Ter­ra

Ci­da­de ilu­mi­na­da: con­su­mi­mos ener­gia em rit­mo alu­ci­nan­te

Os ani­mais do­més­ti­cos tam­bém es­tão in­cluí­dos na tec­nos­fe­ra

Fá­bri­cas se ins­ta­la­ram na pai­sa­gem ter­res­tre há mais de dois sé­cu­los

Ter­ra cul­ti­va­da: fer­ti­li­zan­tes ar­ti­fi­ci­ais per­mi­tem ali­men­tar cer­ca de 50% dos hu­ma­nos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.