RE­CUR­SOS HÍDRICOS, BEM A PRE­SER­VAR

Planeta - - PLANETÁRIO - Emi­li­a­no Gra­zi­a­no é ge­ren­te de Sus­ten­ta­bi­li­da­de da Basf pa­ra a Amé­ri­ca do Sul Emi­li­a­no Gra­zi­a­no

Nos úl­ti­mos anos, as em­pre­sas co­me­ça­ram a per­ce­ber a sus­ten­ta­bi­li­da­de não ape­nas co­mo uma boa prá­ti­ca. Em tem­pos de re­la­ções ca­da vez mais es­trei­tas com pú­bli­cos de in­te­res­se, mai­or aces­so à in­for­ma­ção e es­cas­sez de re­cur­sos na­tu­rais, a sus­ten­ta­bi­li­da­de as­su­miu o pa­pel de pro­ta­go­nis­ta, co­mo va­lor es­sen­ci­al pa­ra a pe­re­ni­da­de dos ne­gó­ci­os.

De acor­do com os re­la­tó­ri­os da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS) e do Fun­do das Na­ções Unidas pa­ra a In­fân­cia (Uni­cef) di­vul­ga­dos em 2017, cer­ca de três em ca­da dez pes­so­as no mun­do — um to­tal de 2,1 bi­lhões — não têm aces­so a água po­tá­vel em ca­sa, e seis em ca­da dez — ou 4,5 bi­lhões — ca­re­cem de sa­ne­a­men­to se­gu­ro. Os im­pac­tos ne­ga­ti­vos da de­gra­da­ção am­bi­en­tal, co­mo se­cas e es­cas­sez de água do­ce, as­su­mi­ram pa­pel re­le­van­te na lis­ta de de­sa­fi­os da hu­ma­ni­da­de.

No ca­so da in­dús­tria, cu­jo em­pre­go de re­cur­sos co­mo água e ener­gia é fun­da­men­tal pa­ra a ope­ra­ção, pe­río­dos de es­cas­sez hí­dri­ca têm o po­ten­ci­al de im­pac­tar a pro­du­ção for­te­men­te. As­sim, o uso efi­ci­en­te des­ses ma­te­ri­ais e a mi­ti­ga­ção de im­pac­tos pas­sa­ram a fi­gu­rar na es­tra­té­gia das com­pa­nhi­as e tam­bém es­tão em li­nha com os Ob­je­ti­vos de De­sen­vol­vi­men­to Sus­ten­tá­vel (ODS), ado­ta­dos por em­pre­sas sig­na­tá­ri­as do Pac­to Glo­bal.

O ob­je­ti­vo seis do com­pro­mis­so con­sis­te em as­se­gu­rar a dis­po­ni­bi­li­da­de e ges­tão sus­ten­tá­vel da água e sa­ne­a­men­to pa­ra to­dos – que, por con­ta de seu im­pac­to, é res­pon­sa­bi­li­da­de da in­dús­tria, além do po­der pú­bli­co. En­tre su­as pre­mis­sas es­tá au­men­tar subs­tan­ci­al­men­te, até 2030, a efi­ci­ên­cia do uso da água em to­dos os se­to­res e as­se­gu­rar re­ti­ra­das sustentáveis e o abas­te­ci­men­to de água do­ce pa­ra en­fren­tar a es­cas­sez de água, bem co­mo me­lho­rar a qua­li­da­de da água, re­du­zin­do a po­lui­ção, eli­mi­nan­do des­pe­jo e mi­ni­mi­zan­do a li­be­ra­ção de pro­du­tos quí­mi­cos e ma­te­ri­ais pe­ri­go­sos

Em li­nha com es­ses as­pec­tos, al­gu­mas ini­ci­a­ti­vas já são re­a­li­da­de na in­dús­tria, co­mo me­lho­ri­as no pla­ne­ja­men­to da pro­du­ção, a fim de re­du­zir a ne­ces­si­da­de de lim­pe­za de plan­tas in­dus­tri­ais, e re­a­li­za­ção de lim­pe­zas a se­co pre­li­mi­nar­men­te ao uso de água – pro­ces­so que, em al­guns ca­sos, po­de cor­res­pon­der a mais da me­ta­de do con­su­mo de água em fá­bri­cas.

O apoio a ini­ci­a­ti­vas pú­bli­cas tam­bém po­de con­tri­buir não só pa­ra a em­pre­sa – que uti­li­za fon­tes hí­dri­cas do en­tor­no – co­mo pa­ra a co­mu­ni­da­de. É o ca­so do Pro­gra­ma Pro­du­tor de Água, por exem­plo, re­a­li­za­do em par­ce­ria com a pre­fei­tu­ra de Gu­a­ra­tin­gue­tá (SP) e a Fun­da­ção Es­pa­ço ECO. O pro­je­to tem co­mo ob­je­ti­vo au­men­tar a dis­po­ni­bi­li­da­de de água na ba­cia hi­dro­grá­fi­ca do Ri­bei­rão de Gu­a­ra­tin­gue­tá – res­pon­sá­vel por 90% do abas­te­ci­men­to pú­bli­co de água do mu­ni­cí­pio. A ini­ci­a­ti­va pre­vê prá­ti­cas e ma­ne­jos de con­ser­va­ção do so­lo, re­cu­pe­ra­ção das ma­tas ci­li­a­res e pro­te­ção dos re­ma­nes­cen­tes de ve­ge­ta­ção na­ti­va e nas­cen­tes.

Além dis­so, mais do que pro­je­tos es­pe­cí­fi­cos e emer­gen­ci­ais pa­ra si­tu­a­ções de es­cas­sez hí­dri­ca, in­cluir o te­ma na es­tra­té­gia de ne­gó­ci­os é uma pre­mis­sa im­por­tan­te, já que o con­su­mo de água es­tá to­tal­men­te re­la­ci­o­na­do ao de­sen­vol­vi­men­to da ope­ra­ção. In­di­ca­do­res de mo­ni­to­ra­men­to e me­tas de re­du­ção, ain­da que em am­bi­en­tes ad­mi­nis­tra­ti­vos, po­dem fa­zer a di­fe­ren­ça pa­ra uma mu­dan­ça es­tru­tu­ral no cur­to, mé­dio e lon­go pra­zo.

Em­bo­ra ha­ja um in­ves­ti­men­to ini­ci­al pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to des­ses pro­je­tos, há eco­no­mia no lon­go pra­zo e mi­ti­ga­ção de pos­sí­veis ris­cos de­cor­ren­tes de pe­río­dos de es­cas­sez. Pro­je­tos co­mo es­ses tor­nam os ODS con­cre­tos e a in­dús­tria só tem a ga­nhar. Quem sa­be as­sim, ci­en­tes de nos­sa cor­res­pon­sa­bi­li­da­de fren­te a es­ses de­sa­fi­os, re­ver­te­mos mi­ni­ma­men­te o gra­ve ce­ná­rio hí­dri­co pre­vis­to pa­ra os pró­xi­mos anos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.