BUS­CA MAIS REFINADA

Planeta - - VOLTA AO MUNDO -

Pre­o­cu­pa­dos com alar­mes fal­sos co­mo a de­cla­ra­ção de as­trô­no­mos rus­sos em 2015 de que seus apa­re­lhos ha­vi­am de­tec­ta­do um si­nal mis­te­ri­o­so de uma es­tre­la lon­gín­qua, ci­en­tis­tas cri­a­ram uma no­va es­ca­la pa­ra es­se ti­po de fenô­me­no. De­no­mi­na­da Rio 2.0, ela per­mi­te a ava­li­a­ção de si­nais de­tec­ta­dos em buscas por in­te­li­gên­cia ali­e­ní­ge­na de 0 (“na­da em­pol­gan­te”) a 10 (o equi­va­len­te a “son­da ali­e­ní­ge­na or­bi­tan­do a Ter­ra ou ET aper­tan­do sua mão”), se­gun­do a equi­pe in­ter­na­ci­o­nal res­pon­sá­vel. A Rio 2.0 atu­a­li­za uma es­ca­la já usa­da por ca­ça­do­res de ali­e­ní­ge­nas que atri­bui pon­tu­a­ções aos si­nais do pro­je­to Se­ti (si­gla em in­glês de “Bus­ca por In­te­li­gên­cia Ex­tra­ter­res­tre”), le­van­do em con­ta tan­to as im­pli­ca­ções po­ten­ci­ais do si­nal quan­to a pro­ba­bi­li­da­de de que ele se­ja ge­nuí­no.

A no­va es­ca­la au­men­ta o ri­gor na aná­li­se de pos­sí­veis si­nais ali­e­ní­ge­nas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.