PRIN­CE­SAS E SEU TEM­PO

He­roí­nas de fil­mes da Dis­ney, as “prin­ce­sas” são ho­je ob­je­to de es­tu­dos por par­te de psi­có­lo­gos e ci­en­tis­tas por re­pre­sen­ta­rem, na sua evo­lu­ção his­tó­ri­ca, o de­sen­vol­vi­men­to dos pa­drões de com­por­ta­men­to fe­mi­ni­no nas úl­ti­mas dé­ca­das

Planeta - - COMPORTAMENTO - Por Luis Pel­le­gri­ni

Em me­a­dos dos anos 1970, vi­si­tan­do o la­ma ti­be­ta­no Gon­zar Tul­ku em Da­ram­sa­la, na Ín­dia, vi nu­ma es­tan­te da sua sa­la, no meio de li­vros de di­a­lé­ti­ca bu­dis­ta, al­guns exem­pla­res em in­glês do “Pa­to Do­nald” e do “Mic­key Mou­se”. Sur­pre­so, per­gun­tei-lhe se gos­ta­va das his­tó­ri­as em qu­a­dri­nhos da Dis­ney. Ele res­pon­deu: “Al­guém me dis­se que os per­so­na­gens de Dis­ney des­cre­vem per­fei­ta­men­te os ti­pos hu­ma­nos da so­ci­e­da­de oci­den­tal. Es­tou apren­den­do a co­nhe­cer vo­cês atra­vés de­les”.

Achei que Gon­zar es­ta­va tro­çan­do co­mi­go, mas o tem­po mos­trou que ele ti­nha ra­zão. Wal­ter Eli­as Dis­ney (19011966) deu uma das mais im­por­tan­tes con­tri­bui­ções pa­ra a ela­bo­ra­ção do ima­gi­ná­rio co­le­ti­vo do sé­cu­lo 20, fei­to de his­tó­ri­as e per­so­na­gens que se tor­na­ram mar­ca re­gis­tra­da da cul­tu­ra po­pu­lar da­que­le pe­río­do. Ele foi o mai­or de to- dos os cri­a­do­res de de­se­nhos ani­ma­dos pa­ra o ci­ne­ma.

Nos anos se­guin­tes à sua mor­te, a em­pre­sa que cri­ou mul­ti­pli­cou su­as pro­du­ções, con­so­li­dan­do um im­pé­rio ain­da sem ri­vais. Pe­la im­por­tân­cia que ela as­su­miu nes­sas dé­ca­das, e por seu pa­pel fun­da­men­tal na for­ma­ção cul­tu­ral de di­ver­sas ge­ra­ções, mui­tos es­tu­di­o­sos têm in­ves­ti­ga­do os me­ca­nis­mos e sig­ni­fi­ca­dos con­ti­dos nes­sa “mi­to­lo­gia dis­neya­na” e no seu po­der de so­bre­vi­ver a mo­dis­mos e per­ma­ne­cer em pro­ces­so de evo­lu­ção.

Des­de o iní­cio, atraiu a aten­ção do pú­bli­co a re­pre­sen­ta­ção das fi­gu­ras fe­mi­ni­nas, as “he­roí­nas de Dis­ney” que, por dé­ca­das, têm apa­re­ci­do em seus fil­mes. Nes­se sen­ti­do, me­re­ce des­ta­que o fi­lão das prin­ce­sas, ini­ci­a­do com “Bran­ca de Ne­ve e os Se­te Anões” e que, em sua evo­lu­ção, re­fle­te bem as mu­dan­ças re­la­ti­vas à re­pre­sen­ta­ção de gê­ne­ro na so­ci­e­da­de oci­den­tal.

Os crí­ti­cos fri­sam três mo­men­tos fun­da­men­tais nes­sa jor­na­da: uma fa­se re­la­ti­va às três pri­mei­ras prin­ce­sas his­tó­ri­cas, Bran­ca de Ne­ve, Au­ro­ra (a Be­la Ador­me­ci­da) e Cin­de­re­la;

uma se­gun­da fa­se, que con­ta com Ari­el (“A Pe­que­na Se­reia”), Be­la (“A Be­la e a Fe­ra”), Jas­mi­ne (“Ala­dim”), Po­cahon­tas, Mu­lan (dos fil­mes homô­ni­mos) e Ja­ne (de “Tar­zan”); e uma ter­cei­ra, sim­bo­li­za­da por Ti­a­na (A Prin­ce­sa e o Sa­po”), Ra­pun­zel (“En­ro­la­dos”), Mé­ri­da (“Va­len­te”), El­sa e Ana (de “Fro­zen”, ain­da não con­si­de­ra­das ofi­ci­al­men­te prin­ce­sas pe­la Dis­ney).

ANOS DI­FÍ­CEIS

As prin­ce­sas da pri­mei­ra fa­se vie- ram à luz en­tre 1937 e 1959, quan­do Dis­ney ain­da vi­via. Pa­ra as mu­lhe­res, nes­ses anos era di­fí­cil não ape­nas fa­zer ou­vir a pró­pria voz, mas tam­bém ga­nhar a dig­ni­da­de de uma vi­da que ul­tra­pas­sas­se o pe­rí­me­tro do­més­ti­co e fa­mi­li­ar. Es­sas per­so­na­gens, por­tan­to, re­pre­sen­tam co­mo a so­ci­e­da­de fa­lo­cên­tri­ca via as mu­lhe­res: sub­mis­sas, do­ces, bo­as, ge­ne­ro­sas e ex­tre­ma­men­te pas­si­vas. A re­a­li­za­ção pes­so­al de­las de­pen­de sem­pre de uma fi­gu­ra mas­cu­li­na; não ape­nas fi­lhas da so­ci­e­da­de na qual nas­ce­ram e fo­ram edu­ca­das, es­sas mu­lhe­res são im­preg­na­das de es­te­reó­ti­pos, co­mo o de que en­con­trar o amor da vi­da é o úni­co ob­je­ti­vo da exis­tên­cia fe­mi­ni­na, e a be­le­za, o úni­co meio pa­ra con­quis­tá-lo. Por es­sa óti­ca, a di­men­são da mu­lher se li­mi­ta aos afa­ze­res do­més­ti­cos e/ou às pro­fis­sões que pro­je­tam es­ses tra­ba­lhos no mun­do cir­cun­dan­te (en­fer­mei­ras, par­tei­ras, cos­tu­rei­ras, co­zi­nhei­ras, etc.).

En­tre 1989 (40 anos de­pois!) e 1999, ou­tras per­so­na­gens, a co­me­çar pe­la se­reia Ari­el, trans­for­ma­ram es­se qua­dro. No seio de uma so­ci­e­da­de em for­te mu­ta­ção, elas pre­ci­sa­vam re­pre­sen­tar es­sa mu­dan­ça. Ape­sar dis­so, as mu­lhe­res des­sa fa­se

ain­da não são do­nas do seu pró­prio des­ti­no (Jas­mi­ne não po­de se­quer es­co­lher o ma­ri­do, e já es­ta­mos em 1992!). Co­mo de­no­mi­na­dor co­mum a to­das es­sas his­tó­ri­as, po­rém, há sem­pre uma ten­ta­ti­va de se li­ber­tar dos gri­lhões im­pos­tos pe­la so­ci­e­da­de e pe­la cul­tu­ra vi­gen­tes. As mu­lhe­res ago­ra sur­gem co­mo cri­a­tu­ras vi­va­zes, in­te­li­gen­tes, aven­tu­rei­ras e es­per­tas, ele­men­tos que pou­co a pou­co vão se re­for­çan­do até a che­ga­da de Po­cahon­tas e Mu­lan.

A pri­mei­ra, prin­ce­sa atí­pi­ca e qua­se to­tal­men­te eman­ci­pa­da, é “ví­ti­ma” do úni­co fi­nal não fe­liz das his­tó­ri­as da Dis­ney; a se­gun­da se ves­te de ho­mem pa­ra ir à guer­ra no lu­gar do pai e, as­sim, li­vrá-lo da mor­te. É uma re­vo­lu­ção: Mu­lan, uma mu­lher, sal­va o ho­mem e ob­tém uma le­gi­ti­ma­ção. En­fim um per­so­na­gem fe­mi­ni­no acer­ta as con­tas com a his­tó­ria, e a par­tir daí a mu­lher po­de­rá fa­zer tu­do o que os ho­mens fa­zem, in­clu­si­ve ex­plo­rar pe­ri­go­sas flo­res­tas co­mo Ja­ne, em “Tar­zan”.

HE­ROÍ­NAS DE VER­DA­DE

Já as fi­gu­ras fe­mi­ni­nas mais re­cen­tes po­dem ser de­fi­ni­das co­mo he­roí­nas de ver­da­de. A mu­lher as­su­me o pró­prio des­ti­no e de­ci­de os ca­mi­nhos da sua exis­tên­cia: Tia- na é a pri­mei­ra prin­ce­sa ne­gra, en­quan­to a es­co­ce­sa Mé­ri­da é a an­ti­prin­ce­sa por ex­ce­lên­cia, com pos­tu­ra e ges­ti­cu­la­ção es­pa­lha­fa­to­sa e mais mas­cu­li­na.

Es­sas mu­dan­ças não pou­pa­ram a Dis­ney de, mais re­cen­te­men­te, ser acu­sa­da de ma­chis­mo. Se­gun­do os acu­sa­do­res, ape­sar de Ari­el ser con­si­de­ra­da um per­so­na­gem de rup­tu­ra, “A Pe­que­na Se­reia” é o pri­mei­ro fil­me de prin­ce­sa no qual o nú­me­ro de ho­mens e de fa­las mas­cu­li­nas é bem mai­or...

A par­tir da es­quer­da, Jas­mi­ne, Bran­ca de Ne­ve, Mu­lan, Au­ro­ra, Cin­de­re­la, Po­cahon­tas, Be­la e Ari­el: re­pre­sen­ta­ções dis­neya­nas do fe­mi­ni­no nas épo­cas em que sur­gi­ram

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.