SAN­TA CA­TA­RI­NA

Com prai­as de águas de in­fi­ni­tas to­na­li­da­des de azul, Florianópolis pro­por­ci­o­na ex­pe­ri­ên­ci­as ines­que­cí­veis aos seus vi­si­tan­tes.

Qual Viagem - - SUMÁRIO - Por Fa­bío­la Mu­sar­ra

Quem co­nhe­ce Florianópolis, ime­di­a­ta­men­te se apai­xo­na. Afi­nal, a ca­pi­tal ca­ta­ri­nen­se é um in­ces­san­te des­fi­le de hip­no­ti­zan­tes prai­as e de be­lís­si­mas pai­sa­gens ur­ba­nas e ru­rais ao mes­mo tem­po em que vi­ve, trans­pi­ra e exi­be os for­tes tra­ços cul­tu­rais her­da­dos dos aço­ri­a­nos que ali che­ga­ram em me­a­dos dos sé­cu­los 17 e 18, co­lo­ni­zan­do aque­las má­gi­cas ter­ras. Si­tu­a­da a Les­te do Es­ta­do, a pul­san­te me­tró­po­le é ain­da uma das pi­o­nei­ras no País a im­plan­tar uma ten­dên­cia em al­ta no mun­do: o tu­ris­mo de ex­pe­ri­ên­cia.

A prá­ti­ca de pro­por­ci­o­nar ex­pe­ri­ên­ci­as é a ba­se do tu­ris­mo de in­cen­ti­vo, seg­men­to com fo­co em vi­a­gens e pro­gra­mas tu­rís­ti­cos ofe­re­ci­dos por em­pre­sas a seus co­la­bo­ra­do­res, for­ne­ce­do­res, par­cei­ros ou cli­en­tes co­mo prê­mio por cum­pri­men­to de me­tas ou por al­gum de­sem­pe­nho de des­ta­que. A mo­da­li­da­de é uma das que mais cres­ce no mun­do nos úl­ti­mos anos. No Bra­sil, es­tá pre­sen­te des­de me­a­dos da dé­ca­da de 1970, e tem co­mo ob­je­ti­vo en­can­tar o tu­ris­ta, pro­por­ci­o­nan­do-lhe ex­pe­ri­ên­ci­as úni­cas e ines­que­cí­veis de sua vi­a­gem. Pa­ra is­so, alia vi­vên­cia e emo­ções, fa­zen­do com que ele dei­xe de ser ape­nas um ob­ser­va­dor dos ce­ná­ri­os pa­ra­di­sía­cos do des­ti­no e pas­se a ser o seu prin­ci­pal pro­ta­go­nis­ta.

Pa­ra al­can­çar o ob­je­ti­vo, re­quer obri­ga­to­ri­a­men­te a par­ti­ci­pa­ção e a in­te­ra­ção do vi­a­jan­te com as co­mu­ni­da­des lo­cais, mo­ti­van­do o seu en­vol­vi­men­to em ati­vi­da­des co­mo a pro­du­ção de ar­te­sa­na­to e o apren­di­za­do de prá­ti­cas gas­tronô­mi­cas, es­por­ti­vas e de tra­di­ções re­li­gi­o­sas e fol­cló­ri­cas. Pal­co que abri­ga es­sas e mui­tas ou­tras atra­ções, Florianópolis to­das as con­di­ções de pro­por­ci­o­nar re­sul­ta­dos po­si­ti­vos nes­sa ma­nei­ra de vi­a­jar.

De­sen­vol­vi­da em par­ce­ria pe­la pre­fei­tu­ra e pe­lo Con­ven­ti­on & Vi­si­tors Bu­re­au da ci­da­de, a ini­ci­a­ti­va con­ta ain­da com a par­ti­ci­pa­ção de agên­ci­as de vi­a­gem, ór­gãos tu­rís­ti­cos, em­pre­sá­ri­os do se­tor de ho­te­la­ria e pro­pri­e­tá­ri­os de ba­res e res­tau­ran­tes. Jun­tos, eles es­tão dis­po­ni­bi­li­zan­do pas­sei­os e aven­tu­ras que ja­mais se­rão es­que­ci­dos por quem de­les par­ti­ci­pa.

As op­ções ofe­re­ci­das aos tu­ris­tas e tam­bém a em­pre­sas que de­se­jem pre­mi­ar seus me­lho­res pro­fis­si­o­nais, par­cei­ros e for­ne­ce­do­res são mui­tas. In­clu­em des­de vi­si­tar fa­zen­das de cul­ti­vo de os­tras em ple­no mar e co­nhe­cer gra­ci­o­sas vi­las de pes­ca­do­res até tes­te­mu­nhar o ar­tis­ta plás­ti­co Luciano Mar­tins pin­tan­do uma te­la en­quan­to o par­ti­ci­pan­te sa­bo­reia uma re­fei­ção, ao som de Da­za­ra­nha, uma ban­da mu­si­cal de San­ta Ca­ta­ri­na.

Não há bar­rei­ras nem li­mi­tes no uni­ver­so do tu­ris­mo de ex­pe­ri­ên­cia. Nem pa­ra vi­ven­ciá-lo em so­lo ca­ta­ri­nen­se. Não é à toa. Florianópolis é uma das três ilhas-ca­pi­tais do País – as ou­tras são Vi­tó­ria (ES) e São Luís (MA). É ba­nha­da pe­lo Oce­a­no Atlân­ti­co e abri­ga qua­se 50 prai­as de águas azul-es­ver­de­a­das. Tem 52% do seu ter­ri­tó­rio em área de pre­ser­va­ção am­bi­en­tal, exi­bin­do ir­re­to­cá­veis ce­ná­ri­os po­vo­a­dos pe­los múl­ti­plos tons de ver­de da Ma­ta Atlân­ti­ca.

Com efer­ves­cen­tes points e ba­la­das no­tur­nas, con­ta tam­bém com ba­res e res­tau­ran­tes que pri­mam pe­la ex­ce­len­te cu­li­ná­ria – des­de 2014, é uma das ci­da­des de­ten­to­ras do tí­tu­lo de Ci­da­de Cri­a­ti­va da Gas­tro­no­mia, con­ce­di­do pe­la Unes­co. Tem qua­tro vi­as gas­tronô­mi­cas que ofe­re­cem des­de pra­tos tí­pi­cos ela­bo­ra­dos à ba­se de pei­xes e fru­tos do mar até os da co­zi­nha in­ter­na­ci­o­nal.

Quan­to à in­fra­es­tru­tu­ra de hos­pe­da­gem, Florianópolis con­cen­tra so­fis­ti­ca­dos resorts, pou­sa­das de lu­xo e con­cei­tu­a­dos em­pre­en­di­men­tos per­ten­cen­tes a ban­dei­ras in­ter­na­ci­o­nais. Tam­bém dis­po­ni­bi­li­za op­ções mais econô­mi­cas, co­mo al­ber­gues e hotéis sim­ples, po­rém acon­che­gan­tes. Em seu ae­ro­por­to, o mai­or do Es­ta­do, di­a­ri­a­men­te, ater­ri­zam e de­co­lam aviões, num to­tal de 140 vo­os.

A mai­o­ria de seus atra­ti­vos fi­ca na par­te in­su­lar, e ou­tros, em bem me­nor quan­ti­da­de, no con­ti­nen­te. O mo­ti­vo? Gran­de par­te da ci­da­de, o equi­va­len­te a 97,23% de seu ter­ri­tó­rio, es­tá si­tu­a­da na Ilha de San­ta Ca­ta­ri­na (a área to­tal do mu­ni­cí­pio, com­pre­en­den­do a por­ção in­su­lar e a con­ti­nen­tal, é de 675.410 km²). As­sim, na­da é mais na­tu­ral que as su­as prin­ci­pais ve­de­tes es­te­jam es­pa­lha­das pe­la ilha. E não são pou­cas. Em ape­nas uma ho­ra e em um raio de 100 km de dis­tân­cia da ca­pi­tal, o tu­ris­ta en­con­tra pro­pri­e­da­des ru­rais, es­tân­ci­as ter­mais e prai­as on­de po­de ob­ser­var as ba­lei­as-fran­cas que vi­si­tam o li­to­ral ca­ta­ri­nen­se to­dos os anos, de ju­lho a no­vem­bro. “Te­mos na­tu­re­za, his­tó­ria, cultura, es­por­tes e en­tre­te­ni­men­to pa­ra as qua­tro es­ta­ções do ano”, diz Marco Au­ré­lio Flo­ri­a­ni, pre­si­den­te do C&VB Florianópolis e Região.

Florianópolis, de fa­to, pos­sui qua­se 50 pon­tos his­tó­ri­cos, en­tre for­ta­le­zas er­gui­das nos tem­pos do Bra­sil co­lo­ni­al, sí­ti­os ar­que­o­ló­gi­cos, mu­seus e igre­jas. É o lar ain­da da La­goa da Con­cei­ção, de char­mo­sos re­du­tos aço­ri­a­nos e do Par­que Mu­ni­ci­pal da La­goa do Pe­ri, on­de es­tá o prin­ci­pal ma­nan­ci­al de água do­ce que abas­te­ce o Sul da ilha.

Sem es­que­cer os te­sou­ros que gu­ar­da em seu cen­tro his­tó­ri­co, a Ave­ni­da Bei­ra-mar Nor­te e o prin­ci­pal pos­tal da ci­da­de: a Pon­te Her­cí­lio Luz, com 821 m de ex­ten­são. En­tre 1926 e 1975, a an­ti­ga pon­te pên­sil era o úni­co meio de fa­zer a tra­ves­sia rodoviária so­bre o Atlân­ti­co. Des­de 1991, es­tá em obras e in­ter­di­ta­da ao trá­fe­go de pe­des­tres e au­to­mó­veis.

CON­TO DE FADAS

Ao Nor­te de Florianópolis, o Cos­tão do San­ti­nho Re­sort é um dos em­pre­en­di­men­tos que ofe­re­ce pa­co­tes de tu­ris­mo de in­cen­ti­vo, cons­ti­tuin­do-se em um bom en­de­re­ço pa­ra vi­ven­ci­ar uma ex­pe­ri­ên­cia de so­nhos. Elei­to se­te ve­zes co­mo o me­lhor re­sort de praia do Bra­sil pe­la re­vis­ta “Vi­a­gem & Tu­ris­mo”, es­tá lo­ca­li­za­do na Praia do San­ti­nho, uma das mais bo­ni­tas da ilha e dis­tan­te 40 km do cen­tro da ci­da­de.

Com 2,2 km de ex­ten­são, a praia é per­fei­ta pa­ra quem gos­ta de sur­far, além de pos­suir du­nas bran­qui­nhas, fei­tas sob me­di­da pa­ra os adep­tos da prá­ti­ca de sand bo­ard, o sur­fe em pran­cha so­bre as arei­as. A praia di­vi­de o exu­be­ran­te es­pa­ço que ocu­pa com o Mor­ro das Ara­nhas, on­de o ho­tel es­tá in­se­ri­do e on­de tri­lhas bem si­na­li­za­das le­vam o hós­pe­de a co­nhe­cer a flo­ra e fau­na pre­ser­va­das do lu­gar.

No can­ti­nho di­rei­to da praia, uma pas­sa­re­la de ma­dei­ra con­duz o vi­si­tan­te a ins­cri­ções ru­pes­tres pré-his­tó­ri­cas. Iden­ti­fi­ca­do por pla­cas ex­pli­ca­ti­vas, es­se sí­tio ar­que­o­ló­gi­co ao ar li­vre é man­ti­do pe­lo re­sort. No lo­cal tam­bém são en­con­tra­dos re­le­vos cir­cu­la­res em ro­chas que fo­ram usa­das pe­los po­vos an­ces­trais da ilha pa­ra con­fec­ci­o­nar e afi­ar ins­tru­men­tos e ar­te­fa­tos, co­mo pon­tas de lan­ças, ma­cha­dos e pe­sos pa­ra re­des de pes­ca.

No in­ver­no, a praia é co­lo­ri­da por pes­ca­do­res. É que nes­ta es­ta­ção do ano, quan­do as águas do mar são mais fri­as, que mi­lha­res de tai­nhas por ali apa­re­cem. O es­pe­tá­cu­lo se re­pe­te to­dos os anos, so­bre­tu­do a par­tir de 1º de maio até o dia 30 de ju­lho, pe­río­do em que acon­te­ce a sa­fra da tai­nha e os pes­ca­do­res fa­zem a pes­ca ar­te­sa­nal dos pei­xes, uma das mais an­ti­gas tra­di­ções ca­ta­ri­nen­ses.

Du­ran­te es­ses me­ses, os hós­pe­des po­dem par­ti­ci­par do co­ti­di­a­no dos pes­ca­do­res, aju­dan­do-os a pu­xar a re­de nos ar­ras­tões fei­tos à bei­ra-mar. O re­sort com­pra boa par­te das tai­nhas pes­ca­das. Mais tar­de, os seus res­tau­ran­tes ser­vem pra­tos pre­pa­ra­dos com o pei­xe fres­qui­nho – ao to­do, pos­sui 7 res­tau­ran­tes e 13 ba­res.

Quan­do se fa­la em nú­me­ros e em atra­ti­vos, tu­do é su­per­la­ti­vo no Cos­tão do San­ti­nho.

Com 750 mil m2, pos­sui 14 vi­las com 695 apar­ta­men­tos, além do Ho­tel In­ter­na­ci­o­nal, cu­jas aco­mo­da­ções têm va­ran­da com vis­ta pa­ra o mar. Na área so­ci­al, pis­ci­nas, sa­las de jo­gos, brin­que­dos, ci­ne­ma, bo­a­te, bu­ti­ques e qua­dras po­li­es­por­ti­vas fa­zem a fes­ta dos hós­pe­des.

A pro­gra­ma­ção de la­zer é ou­tro de seus pon­tos for­tes. Com ati­vi­da­des di­vi­di­das por dia e por fai­xa etá­ria, abran­gem des­de ar­co e fle­cha a pa­re­de de es­ca­la­da e ti­ro­le­sa.

Florianópolis, po­rém, não se re­su­me ape­nas às atra­ções do Cos­tão do San­ti­nho. Nem se tra­duz em seus ex­pres­si­vos nú­me­ros. A vi­bran­te ca­pi­tal de San­ta Ca­ta­ri­na não sai do ran­king das me­lho­res ci­da­des do Bra­sil. Reú­ne em seu so­lo exu­be­ran­te na­tu­re­za, prai­as de águas ca­ri­be­nhas e can­ti­nhos ri­cos em cos­tu­mes e tra­di­ções cul­tu­rais.

Seu en­can­ta­men­to es­tá pre­sen­te em qual­quer dia do ano em su­as co­mi­das e be­bi­das tí­pi­cas, na sua ex­ce­len­te in­fra­es­tru­tu­ra de hos­pe­da­gem e de ser­vi­ços, em sua his­tó­ria e no ca­ri­nho de sua gen­te. Não é só! Em Florianópolis, tu­do fas­ci­na, en­fei­ti­ça e se­duz. Em ou­tras pa­la­vras, na pe­que­na ilha do Sul do País tu­do é má­gi­co e pu­ra ma­gia.

Ao la­do, a la­goa da Con­cei­ção si­tu­a­da no cen­tro ge­o­grá­fi­co da Ilha de San­ta Ca­ta­ri­na que reú­ne prai­as, du­nas, mon­ta­nhas e a mai­or la­gu­na de Florianópolis; e o Mer­ca­do Mu­ni­ci­pal, lu­gar per­fei­to pa­ra um happy hour com os ami­gos. Abai­xo, a Pon­te Her­cí­lio Luz, um dos mai­o­res car­tões-pos­tais da ci­da­de e úni­ca for­ma de che­gar à ilha até 1975.

O Cos­tão do San­ti­nho é um dos resorts mais com­ple­tos da ilha e pi­o­nei­ro no tu­ris­mo de in­cen­ti­vo A jor­na­lis­ta vi­a­jou a con­vi­te do Cos­tão do San­ti­nho, com apoio do Flo­ri­pa Con­ven­ti­on, e com a pro­te­ção do se­gu­ro­vi­a­gem da GTA - Glo­bal Tra­vel As­sis­tan­ce.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.