In­ver­no ne­va­do na Amé­ri­ca do Sul

Qual Viagem - - PELOS MARES - Por Eli­ria Bu­so e Patrícia Che­min

É ao lon­go da Cor­di­lhei­ra dos An­des que Ar­gen­ti­na e Chi­le guar­dam os prin­ci­pais des­ti­nos de in­ver­no da Amé­ri­ca do Sul. Es­ta­ções de es­qui em be­los pi­cos ne­va­dos, vi­la­re­jos chei­os de char­me, águas ter­mais e óti­mos vi­nhos e gas­tro­no­mia são só al­guns dos te­sou­ros en­con­tra­dos nos ce­ná­ri­os mon­ta­nho­sos des­ses dois paí­ses.

A pro­xi­mi­da­de com o Bra­sil e os pre­ços bem mais atra­en­tes do que a Eu­ro­pa ou os Es­ta­dos Uni­dos fa­zem de des­ti­nos co­mo a Pa­tagô­nia e a Ter­ra do Fo­go óti­mas op­ções pa­ra uma vi­a­gem de in­ver­no. Com iní­cio en­tre me­a­dos de ju­nho e o co­me­ço de ju­lho, a al­ta tem­po­ra­da no sul da Ar­gen­ti­na e do Chi­le pro­me­te lin­das pai­sa­gens, di­ver­são pa­ra to­dos os gos­tos e, é cla­ro, mui­ta ne­ve. Ar­gen­ti­na

Da Cor­di­lhei­ra de Mendoza ao “fim do mun­do”, a Ar­gen­ti­na tem óti­mos des­ti­nos de in­ver­no em seis pro­vín­ci­as di­fe­ren­tes, oi­to cen­tros de es­qui e mais de dez par­ques de ne­ve. Is­so sem con­tar as ci­da­des char­mo­sas com cli­ma de mon­ta­nha, al­guns dos pi­cos mais al­tos da Amé­ri­ca e lin­das pai­sa­gens na­tu­rais com la­gos e flo­res­tas.

Os es­por­tes de in­ver­no cos­tu­mam ser os gran­des des­ta­ques da tem­po­ra­da, que vai ge­ral­men­te do fi­nal de ju­nho a se­tem­bro. Po­rém, pa­ra qu­em pre­fe­re não se aven­tu­rar na ne­ve, há mui­to mais o que fa­zer por lá na es­ta­ção mais fria do ano. Op­ções di­ver­sas de com­pras, gas­tro­no­mia e eco­tu­ris­mo não fal­tam no ro­tei­ro de in­ver­no na Ar­gen­ti­na.

Além da fa­mo­sa Ba­ri­lo­che, o país gu­ar­da ou­tros tan­tos des­ti­nos per­fei­tos pa­ra cur­tir o frio e to­dos os seus atra­ti­vos. Des­cu­bra aqui al­guns dos me­lho­res: Ba­ri­lo­che e o no­ro­es­te da Pa­tagô­nia Não dá pa­ra fa­lar de in­ver­no na Ar­gen­ti­na sem fa­lar de Ba­ri­lo­che. Mui­to po­pu­lar en­tre os bra­si­lei­ros, es­sa

ci­da­de en­cra­va­da en­tre la­gos e mon­ta­nhas ofe­re­ce um pou­co de tu­do: ati­vi­da­des na ne­ve, es­por­tes ra­di­cais, com­pras, vida no­tur­na e gas­tro­no­mia. Não lon­ge da área cen­tral de Ba­ri­lo­che fi­ca o Cer­ro Ca­te­dral, um dos mai­o­res cen­tros de es­qui da Amé­ri­ca do Sul, com 600 hec­ta­res de área es­quiá­vel e 120 km de pis­tas, além de uma es­tru­tu­ra com­ple­ta. Aber­to o ano to­do, tem ain­da 34 mei­os de ele­va­ção, co­mo te­le­fé­ri­cos e bon­di­nhos, que le­vam os tu­ris­tas a qua­se 2.000 me­tros de al­ti­tu­de. As vis­tas que se tem lá do al­to já va­lem o pas­seio.

Já o te­le­fé­ri­co que le­va ao to­po do Cer­ro Ot­to fi­ca a ape­nas 5 km do cen­tro de Ba­ri­lo­che. Lá, a 1.405 me­tros aci­ma do ní­vel do mar, vo­cê vai en­con­trar a fa­mo­sa con­fei­ta­ria gi­ra­tó­ria da ci­da­de. Mas não é só is­so: as en­cos­tas do Cer­ro Ot­to for­mam um ver­da­dei­ro com­ple­xo tu­rís­ti­co. Há pis­tas de tre­nó, ti­ro­le­sa, cir­cui­to de ar­vo­ris­mo e um cen­tro de es­qui nór­di­co.

É per­to do La­go Nahu­el Hu­a­pi on­de es­tá o agi­to de Ba­ri­lo­che. O co­ra­ção da ci­da­de fi­ca em tor­no do Cen­tro Cí­vi­co e da Rua Mi­tre, re­ple­ta de lo­jas, res­tau­ran­tes, ca­sas de chá, ba­res, ho­téis e mui­to mais. As cer­ve­ja­ri­as ar­te­sa­nais e as cho­co­la­te­ri­as es­tão en­tre os es­ta­be­le­ci-

men­tos mais tra­di­ci­o­nais de Ba­ri­lo­che, que é co­nhe­ci­da co­mo a ca­pi­tal ar­gen­ti­na do cho­co­la­te.

Vil­la La An­gos­tu­ra e Ba­ri­lo­che fi­cam às mar­gens do mes­mo la­go, po­rém em pro­vín­ci­as di­fe­ren­tes. A gran­de di­fe­ren­ça en­tre as du­as ci­da­des é que La An­gos­tu­ra é mais tran­qui­la e ex­clu­si­va. É o lu­gar ide­al pa­ra uma vi­a­gem ro­mân­ti­ca a dois, com res­tau­ran­tes de al­ta gas­tro­no­mia, pou­sa­das char­mo­sas e ho­téis de lu­xo com vis­tas exu­be­ran­tes. Tam­bém é pon­to es­tra­té­gi­co pa­ra co­nhe­cer as be­le­zas na­tu­rais da re­gião. A área do por­to, por exem­plo, é por­ta de en­tra­da pa­ra o be­lo Par­que Na­ci­o­nal Los Ar­raya­nes, ca­rac­te­ri­za­do pe­las ár­vo­res de tron­cos ala­ran­ja­dos.

Pa­ra qu­em quer pra­ti­car es­por­tes na ne­ve, o Cer­ro Bayo fi­ca a me­nos de 10 km de Vil­la La An­gos­tu­ra. As­sim co­mo o vi­la­re­jo em que se en­con­tra, es­se cen­tro de es­qui é so­fis­ti­ca­do e bem me­nos mo­vi­men­ta­do. Sua in­fra­es­tru­tu­ra é de pri­mei­ra qua­li­da­de, com ser­vi­ços per­so­na­li­za­dos, ati­vi­da­des pa­ra cri­an­ças e es­co­la de es­qui e snow­bo­ard. Há 25 pis­tas em 280 hec­ta­res de su­per­fí­cie es­quiá­vel, além de 16 mei­os de ele­va­ção.

Tam­bém lo­ca­li­za­da no no­ro­es­te da Pa­tagô­nia ar­gen­ti­na, a pe­que­na San Mar­tín de los An­des é um tí­pi­co vi­la­re­jo de mon­ta­nha, com sim­pá­ti­cas cons­tru­ções de ma­dei­ra e pe­dra. Is­so sem con­tar o ce­ná­rio na­tu­ral – a ci­da­de é cer­ca­da por bos­ques, um par­que na­ci­o­nal, o La­go Lá­car (on­de é pos­sí­vel fa­zer pas­sei­os de bar­co) e, é cla­ro, im­po­nen­tes mon­ta­nhas.

Qu­em es­tá em San Mar­tín de los An­des tam­bém

po­de cur­tir o cen­tro de es­qui do Cer­ro Cha­pel­co, que fi­ca a cer­ca de 20 km do cen­tro da ci­da­de. Se­guin­do o mes­mo cli­ma char­mo­so de San Mar­tín, ofe­re­ce 28 pis­tas es­quiá­veis e to­do o ti­po de ati­vi­da­des na ne­ve. Ne­ve garantida na Ter­ra do Fo­go

Ci­da­de no fim do mun­do, por­ta de en­tra­da pa­ra a An­tár­ti­da e do­na da mais ex­ten­sa tem­po­ra­da de ne­ve da Amé­ri­ca do Sul. Es­ses são al­guns dos tí­tu­los de

Ushu­aia, des­ti­no mais aus­tral da Ter­ra do Fo­go, sul da Pa­tagô­nia, e, por­tan­to, de to­do o con­ti­nen­te ame­ri­ca­no. Nem pre­ci­sa di­zer que por lá a ne­ve é garantida du­ran­te o in­ver­no, mes­mo em al­ti­tu­des um pou­co mais bai­xas.

O cu­me do Cer­ro Cas­tor, cen­tro de es­qui a ape­nas 25 km de Ushu­aia, fi­ca a 1.000 me­tros aci­ma do ní­vel do mar. A es­ta­ção ofe­re­ce um “snow­park”, res­tau­ran­tes e 31 pis­tas de es­qui e snow­bo­ard. A mes­ma ro­do­via que le­va ao Cer­ro Cas­tor abri­ga qua­se uma de­ze­na de ou­tros par­ques de ne­ve. Além do es­qui, é pos­sí­vel fa­zer uma sé­rie de ati­vi­da­des de in­ver­no em Ushu­aia, co­mo pas­sei­os de tre­nó e em mo­tos de ne­ve, ou até mes­mo na­ve­gar pe­lo Ca­nal Be­a­gle, on­de vi­vem lo­bos ma­ri­nhos, pin­guins e ou­tros ani­mais in­crí­veis.

Ushu­aia é cer­ca­da de pai­sa­gens na­tu­rais des­lum­bran­tes, mas o cen­tro da ci­da­de tam­bém re­ser­va al­guns atra­ti­vos. Não dei­xe de re­ser­var um tem­po pa­ra fa­zer com­pras, já que Ushu­aia é zo­na li­vre de im­pos­tos. Mendoza: frio e es­qui na ter­ra do vi­nho

Os des­ti­nos de in­ver­no na Ar­gen­ti­na não se re­su­mem ape­nas à Pa­tagô­nia. No cen­tro-oes­te do país, a pro­vín­cia de Mendoza gu­ar­da du­as im­por­tan­tes es­ta­ções de es­qui – Las Leñas e Pe­ni­ten­tes –, am­bas lo­ca­li­za­das a mais de 2.000 me­tros de al­ti­tu­de.

A pri­mei­ra é um ver­da­dei­ro com­ple­xo tu­rís­ti­co, com vá­ri­os ho­téis, res­tau­ran­tes de al­ta gas­tro­no­mia, lo­jas, SPA, en­tre­te­ni­men­to no­tur­no, 30 pis­tas de es­qui e uma enor­me área es­quiá­vel. Bem tra­di­ci­o­nal e re­co­nhe­ci­da in­ter­na­ci­o­nal­men­te, Las Leñas fi­ca a 370 km da ci­da­de de Mendoza e pró­xi­ma a Ma­largüe.

Já Pe­ni­ten­tes es­tá a 180 km da ca­pi­tal da pro­vín­cia. Ou­tro pon­to de re­fe­rên­cia que não po­de pas­sar des­per­ce­bi­do é o Mon­te Acon­cá­gua, o pon­to mais al­to da Amé­ri­ca, lo­ca­li­za­do a ape­nas 25 km do cen­tro de es­qui. Uma vi­a­gem a qual­quer uma des­sas es­ta­ções não es­tá com­ple­ta sem uma vi­si­ta às vi­ní­co­las de Mendoza. São mais de mil de­las pa­ra es­co­lher.

Ba­ri­lo­che é o des­ti­no de in­ver­no mais fa­mo­so da Amé­ri­ca do Sul. Os vi­si­tan­tes po­dem cur­tir es­ta­ções de es­qui, en­tre ou­tras tan­tas ati­vi­da­des na ne­ve. À di­rei­ta, o Cer­ro Ot­to é um dos pas­sei­os im­per­dí­veis na ci­da­de.

Co­nhe­ci­da co­mo a ci­da­de no fim do mun­do, Ushu­aia é do­na da mais ex­ten­sa tem­po­ra­da de ne­ve da Amé­ri­ca do Sul. Ao la­do, vis­ta aé­rea de Ba­ri­lo­che. Abai­xo, o Mon­te Acon­cá­gua, o pon­to mais al­to do con­ti­nen­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.