BANG­COC - A VIBRANTE CA­PI­TAL ON­DE TU­DO ACON­TE­CE

Qual Viagem - - TAILANDIA -

Co­mo des­ti­no tu­rís­ti­co dos so­nhos de vi­a­jan­tes do mun­do in­tei­ro, se­ja em bus­ca de lu­xo e so­fis­ti­ca­ção ou de des­po­ja­dos mo­chi­lei­ros, a Tailândia ofe­re­ce atra­ti­vos pa­ra to­dos os gos­tos e bol­sos. A prin­ci­pal por­ta de en­tra­da do país é Bang­coc, a vibrante ca­pi­tal tai­lan­de­sa. Há, ain­da, Phu­ket e as ilhas Phi Phi e Kra­bi, no sul, as­sim co­mo Chi­ang Mai, ao nor­te.

Os gran­des tem­plos e mo­nu­men­tos do­mi­nam a ce­na em Bang­coc, mas é cer­to que vo­cê en­con­tra­rá mo­ti­vos pa­ra pa­rar, ob­ser­var e fo­to­gra­far a ca­da sim­ples des­lo­ca­men­to. Tu­do por lá é di­fe­ren­te e emo­ci­o­nan­te.

Co­me­ce o tour pe­lo sun­tu­o­so Gran­de Pa­lá­cio (Ph­ra Bo­rom Maha Rat­cha Wang), con­jun­to de edi­fí­ci­os que ser­viu de re­si­dên­cia re­al por 200 anos. Ele gu­ar­da te­sou­ros e es­tá en­vol­to por mui­tas his­tó­ri­as. Si­tu­a­do a les­te do Rio Chao Ph­raya, tem 218,4 mil me­tros qua­dra­dos, on­de es­tão o tem­plo Wat Ph­ra Ka­ew, que abri­ga o fa­mo­so Bu­da de Es­me­ral­da, o mais sa­gra­do do país, tan­to que ape­nas o rei po­de to­car na es­tá­tua.

Vi­zi­nho ao Wat Ph­ra Ka­ew es­tá Wat Pho, um tem­plo sun­tu­o­so que gu­ar­da o gran­di­o­so Bu­da dei­ta­do - com 46 me­tros de com­pri­men­to e 15 me­tros de al­tu­ra – e a mai­or co­le­ção de imagens do lí­der es­pi­ri­tu­al no país. É o mai­or e mais an­ti­go tem­plo da ci­da­de. No lo­cal tam­bém fun­ci­o­na um cen­tro de trei­na­men­to da fa­mo­sa mas­sa­gem tai­lan­de­sa, opor­tu­ni­da­de pa­ra se en­tre­gar a bons mo­men­tos de re­la­xa­men­to nas mãos dos apren­di­zes da téc­ni­ca mi­le­nar.

Do ou­tro la­do do rio es­tá o Wat Arun Rajwa­ra­ram ou­tro im­por­tan­te com­ple­xo de tem­plos de­di­ca­do ao deus in­di­a­no Aru­na. Cha­mam a aten­ção a sun­tu­o­sa fa­cha­da, as tor­res (a mais al­ta com 82 me­tros) e as co­ber­tu­ras fei­tas com pe­da­ci­nhos de por­ce­la­na chi­ne­sa que for­mam lin­dos mo­sai­cos. Se es­ti­ver em for­ma, su­ba até um mi­ran­te que ofe­re­ce uma be­la vis­ta pa­no­râ­mi­ca de to­da a ci­da­de.

Um pou­co mais afas­ta­do do cen­tro da ci­da­de, o Wat Ben­cha­ma­bophit - co­nhe­ci­do co­mo Tem­plo de Már­mo­re – foi cons­truí­do em már­mo­re bran­co de Car­ra­ra. No

pré­dio cen­tral es­tá uma lin­da es­tá­tua dou­ra­da de Bu­da ilu­mi­na­da por lu­zes azuis. Ou­tras 50 imagens, sim­bo­li­zan­do os di­fe­ren­tes es­ti­los do bu­dis­mo, es­tão abri­ga­das no claus­tro.

Fi­nal­men­te, não dei­xe de vi­si­tar o tem­plo Wat Trai­mit, lo­ca­li­za­do na re­gião da Chi­na­town. É lá que es­tá o gran­de Bu­da Dou­ra­do, com 3 me­tros de al­tu­ra e 5,5 to­ne­la­das de ou­ro ma­ci­ço. Im­pres­si­o­nan­te! Con­tam por lá que ori­gi­nal­men­te a es­tá­tua era de bar­ro, que um dia caiu e que­brou. Com o aci­den­te des­co­bri­ram que, den­tro de­la, ha­via ou­tra, a de um Bu­da sen­ta­do fei­ta em ou­ro.

A Chi­na­town de Bang­coc é uma das mai­o­res do mun­do e tam­bém uma atra­ção in­te­res­san­te. O bair­ro chi­nês es­pa­lha-se por mais de um quilô­me­tro ao lon­go da Ya­owa­rat Ro­ad, ave­ni­da com trân­si­to caó­ti­co e mui­tas lo­jas – al­gu­mas fa­mo­sas por ven­de­rem ar­te­fa­tos de ou­ro. À noi­te, a re­gião fi­ca re­ple­ta de pai­néis lu­mi­no­sos e atrai mui­ta gen­te em bus­ca dos res­tau­ran­tes sim­ples e com me­sas nas cal­ça­das que ser­vem pra­tos com igua­ri­as lo­cais.

Dei­xan­do pa­ra trás a con­fu­são de Chi­na­town se­gui­mos ago­ra pa­ra Si­am, a par­te mais mo­der­na de Bang­coc, com seus al­tos edi­fí­ci­os e no­vos shop­pings cen­ters. En­tre eles o Si­am Cen­ter com mais de 200 lo­jas de mar­cas mun-

di­al­men­te fa­mo­sas; o Si­am Pa­ra­gon, on­de es­tá o aquá­rio Si­am Oce­an World; o MBK Cen­ter e o Si­am Dis­co­very Cen­ter. Tem tam­bém boas op­ções de ba­res e res­tau­ran­tes, prin­ci­pal­men­te na Si­am Squa­re.

A ca­pi­tal tai­lan­de­sa tem mui­tas ou­tras atra­ções e vai de­pen­der de quan­to tem­po dis­põe pa­ra des­co­brir tu­do o que ela ofe­re­ce.

KHAOSAN RO­AD – Rua pre­fe­ri­da dos mo­chi­lei­ros, ho­je vi­rou atra­ção turística e re­ce­be to­do ti­po de vi­si­tan­te em bus­ca de di­ver­são. No meio do bur­bu­ri­nho cons­tan­te es­tão res­tau­ran­tes e ba­res pa­ra to­dos os gos­tos, mú­si­ca, mas­sa­gens re­a­li­za­das no meio da rua, ca­melôs ven­den­do ca­mi­se­tas e bar­ra­qui­nhas que ser­vem uma exó­ti­ca igua­ria: in­se­tos co­mes­tí­veis. Só pa­ra os for­tes!

SOI COWBOY – Uma rua de apro­xi­ma­da­men­te 150 me­tros fi­cou ain­da mais fa­mo­sa de­pois que foi ce­ná­rio pa­ra o fil­me “Se Be­ber não Ca­se 2”. É lá que fun­ci­o­na um dos Red

Light Dis­trict de Bang­coc. O lu­gar ga­nhou es­se no­me por cau­sa de um ame­ri­ca­no que abriu o pri­mei­ro bar por lá no iní­cio dos anos 1970, e se des­ta­ca­va pe­lo vis­to­so cha­péu de

cowboy. A sequên­cia de ba­res tem lu­mi­no­sos de ne­on nas fa­cha­das, mú­si­ca al­ta e ga­ro­tas ten­tan­do atrair cli­en­tes. A mai­o­ria dos ba­res não co­bra pa­ra en­trar e bas­ta to­mar um drin­que en­quan­to as­sis­te aos shows. O mais fa­mo­so de­les é o Ti­lac Bar por cau­sa do fil­me.

BAYOKE TOWER – Pré­dio mais al­to da Tailândia, pos­sui decks de ob­ser­va­ção nos an­da­res 77 e 84, além de no­ve res­tau­ran­tes, ba­res e ca­fés. En­tre eles o Bang­kok Bal­cony, on­de o jan­tar é ser­vi­do em uma va­ran­da ao ar li­vre no 81º an­dar. Ou­tra op­ção é o Mer­ca­do Flu­tu­an­te, no 75º an­dar.

SKY BAR – Lo­ca­li­za­do no ro­of­top do ho­tel Le­bua, es­se bar no 63º an­dar e ao ar li­vre pro­por­ci­o­na uma das mais es­pe­ta­cu­la­res vis­tas da ci­da­de. Fun­ci­o­na di­a­ri­a­men­te das 18h à 1h.

ES­TÁ­DIO DE BO­XE LUMPINEE – Ver­da­dei­ra pai­xão na­ci­o­nal, o mu­ay thai (bo­xe tai­lan­dês) atrai adep­tos e mui­tos tu­ris­tas cu­ri­o­sos. As lu­tas acon­te­cem a par­tir das 20h e se­guem até meia noi­te.

À es­quer­da, o Par­que His­tó­ri­co de Ayutthaya, um Pa­tri­mó­nio Mun­di­al da Unes­co com mag­ni­fi­cas ruí­nas de tem­plos e palácios que re­mon­tam a 1350. No de­ta­lhe, me­ni­na da tri­bo Kayan das mu­lhe­res-gi­ra­fa. E, abai­xo, o sun­tu­o­so Royal Park Ra­ja­pru­ek, em Chi­ang Mai.

À es­quer­da, o gi­gan­te guar­dião do Grand Pa­la­ce. No de­ta­lhe, mas­sa­gem tai­lan­de­sa. Ao la­do, a be­le­za do tem­plo de Wat Ph­ra Ka­ew, on­de es­tá o Bu­da de Es­me­ral­da. E, abai­xo, Wat Pho, o tem­plo do Bu­da re­cli­na­do.

Aci­ma, o Si­am Cen­ter, em Bang­coc, reú­ne mais de 200 lo­jas de mar­cas mun­di­al­men­te fa­mo­sas. No al­to, à dir., um Mer­ca­do Flu­tu­an­te que atrai mui­tos tu­ris­tas. E, à dir., o MBK Cen­ter na re­gião mo­der­na da ca­pi­tal tai­lan­de­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.