A FOR­TA­LE­ZA DE KU­E­LAP

Qual Viagem - - PERU -

An­tes da che­ga­da dos In­cas, uma ci­vi­li­za­ção nô­ma­de ocu­pou o ter­ri­tó­rio ao nor­te do Peru. Gran­des guerreiros, óti­mos agri­cul­to­res e ado­ra­do­res dos deu­ses, os Sa­ch’a phuyus ti­ve­ram as nu­vens co­mo com­pa­nhia. E uma for­ta­le­za nas al­tu­ras: Ku­e­lap. Os pa­re­dões de pe­dra de cer­ca de 20 me­tros de al­tu­ra dão con­tor­no ao to­po da mon­ta­nha de 60 mil me­tros qua­dra­dos. Eles re­me­tem à lem­bran­ça das for­ta­le­zas me­di­e­vais da Eu­ro­pa, no en­tan­to, a imen­sa mu­ra­lha de Ku­e­lap foi pre­en­chi­da pa­ra ni­ve­lar o al­to da mon­ta­nha e sus­ten­tar cer­ca de 420 ca­sas de pe­dra ar­re­don­da­das, co­ber­tas de sa­pé. As ha­bi­ta­ções fo­ram er­gui­das en­tre os anos 500 e 1570 d.c. pe­los bra­vos Sa­ch’a phuyus – po­vo de pe­le cla­ra e de al­ta es­ta­tu­ra, cu­jas mu­lhe­res fo­ram con­si­de­ra­das pe­los con­quis­ta­do­res es­pa­nhóis as mais lin­das da Amé­ri­ca pré-co­lo­ni­al.

Em­bo­ra con­si­de­ra­dos sá­bi­os guerreiros, os “Guerreiros das Nú­vens” fo­ram iso­la­dos pe­los In­cas ao re­dor da al­ta mon­ta­nha. Sem aces­so à co­mi­da e água, lo­go en­tre­ga­ram sua área ad­mi­nis­tra­ti­va e se sub­me­te­ram à do­mi­na­ção du­ran­te cer­ca de 60 anos, até a che­ga­da dos es­pa­nhóis. A for­ta­le­za se man­te­ve es­que­ci­da du­ran­te sé­cu­los até 1843. Re­cen­te­men­te, o vi­la­re­jo de Nu­e­vo Tin­go, do ou­tro la­do da mon­ta­nha, tor­nou pos­sí­vel a vi­si­ta à mon­ta­nha Sa­gra­da gra­ças ao seu re­cen­te te­le­fé­ri­co. Em 20 mi­nu­tos, de­ze­nas de ca­bi­nes con­du­zem di­a­ri­a­men­te cen­te­nas de tu­ris­tas a um no­vo do­mí­nio da mon­ta­nha de 1.200 me­tros de al­tu­ra.

An­tes de en­trar em Ku­e­lap, o ri­tu­al: es­fre­gar fo­lhas de muña en­tre as mãos e orar em gra­ti­dão à “Pa­cha­ma­ma” (Mãe Ter­ra). De­pois, ab­sor­ver o aro­ma in­ten­so e agra­dá­vel li­be­ra­do pe­las fo­lhas. O chá da fo­lha de muña é usa­do con­tra mal-es­ta­res es­to­ma­cais, en­jo­os e di­fi­cul­da­de pa­ra res­pi­rar.

A es­ca­da­ria por en­tre pa­re­dões de pe­dra se es­trei­ta ao fi­nal da su­bi­da pa­ra dar pas­sa­gem a uma só pes­soa de ca­da vez. Te­ria si­do cons­truí­da as­sim pa­ra pro­te­ger o po­vo con­tra in­va­so­res. No al­to de­la, se en­con­tram o pa­lá­cio do rei, o for­te, um lo­cal on­de se vê os­sos en­tre ro­chas e as cen­te­nas de ruí­nas das mi­le­na­res ha­bi­ta­ções, al­gu­mas de pa­re­des mar­ca­das com fai­xas de pe­dras em for­ma de lo­san­go, se­gun­do es­tu­dos, per­ten­cen­tes a lí­de­res e au­to­ri­da­des do po­vo.

Além de gran­des cons­tru­to­res, os Sa­ch’a phuyus eram tam­bém sá­bi­os xa­mãs – lí­de­res es­pi­ri­tu­ais que co­nhe­ci­am as pro­pri­e­da­des de plan­tas me­di­ci­nais. A mon­ta­nha foi es­co­lhi­da por sua po­si­ção car­de­al em re­la­ção ao sol, além de sua vi­são de 360º. A do­mi­na­ção In­ca res­pei­tou a cul­tu­ra Sa­ch’a phuyus e aju­dou a man­ter pra­ti­ca­men­te in­tac­to um dos mais fan­tás­ti­cos sí­ti­os ar­que­o­ló­gi­cos do mun­do. Já ape­li­da­da co­mo “Ma­chu Pic­chu do Nor­te”, a cul­tu­ra do po­vo de Ku­e­lap dei­xa pa­ra o Peru for­te he­ran­ça his­tó­ri­ca e tu­rís­ti­ca. Os três aces­sos ao to­po da mon­ta­nha de Ku­e­lap já são tão uti­li­za­dos quan­to no pas­sa­do, em seu pe­río­do áu­reo. A for­ta­le­za con­ti­nua sa­gra­da, ago­ra, tam­bém pa­ra o tu­ris­mo.

A par­tir de Li­ma, se po­de es­co­lher en­tre as ro­tas: Li­ma-chi­clayo-chachapoyas (1.409 quilô­me­tros e 22 ho­ras de vi­a­gem) ou Li­ma-tru­jil­lo-ca­ja­mar­ca-Chachapoyas (1.716 quilô­me­tros em 28 ho­ras de vi­a­gem). As em­pre­sas de ôni­bus mais re­co­men­da­das são a Cruz del Sur e a Mo­vil Tours.

Ku­e­lap: área sa­gra­da on­de re­si­diu por cen­te­nas de anos os su­ch’a puiyu - ci­vi­li­za­ção pré-in­ca que ha­bi­tou o nor­te do Peru.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.