Cin­co ci­da­des pa­ra co­nhe­cer e se apai­xo­nar na Argentina

Qual Viagem - - ARGENTINA - Por Ca­ro­li­na Ber­la­to

Que a Argentina é um dos paí­ses mais que­ri­di­nhos pa­ra vi­si­tar, prin­ci­pal­men­te pe­los bra­si­lei­ros, não é no­vi­da­de. O tra­di­ci­o­nal país do tan­go é cheio de atra­ti­vi­da­des cul­tu­rais e na­tu­rais, o que atrai di­ver­sos tu­ris­tas ao re­dor do mun­do pa­ra co­nhe­cer su­as en­can­ta­do­ras ci­da­des.

BUENOS AIRES: tan­go, fu­te­bol e bo­as com­pras

Aca­pi­tal do país é sem som­bra de dú­vi­das uma das pri­mei­ras op­ções de es­co­lha na hora vi­si­tar a Ar­ge­ti­na. A gran­de me­tró­po­le é a se­gun­da mai­or da Amé­ri­ca La­ti­na, fi­can­do atrás ape­nas de São Pau­lo.

Por ser um des­ti­no aces­sí­vel – tan­to pe­lo pre­ço das pas­sa­gens quan­to pe­la pro­xi­mi­da­de com o Bra­sil –, Buenos Aires é um dos des­ti­nos mais pro­cu­ra­dos pe­los bra­si­lei­ros na hora de es­co­lher sua vi­a­gem, além de tam­bém se des­ta­car pe­la va­ri­e­da­de de coi­sas pa­ra ver e fa­zer. Com­prar rou­pas de ca­xe­mi­ra e ca­sa­cos de cou­ro são bo­as op­ções de com­pras.

Na lis­ti­nha de “must see” o tu­ris­ta não po­de dei­xar de co­nhe­cer o Obe­lis­co, sím­bo­lo da ci­da­de em um dos pon­tos mais em­ble­má­ti­cos, no cru­za­men­to da Ave­ni­da 9 de Ju­lio (a mais lar­ga do mun­do) com a Ave­ni­da Cor- ri­en­tes (fa­mo­sa por seus te­a­tros e in­ten­sa vi­da no­tur­na).

Nas qua­tro fa­ces do Obe­lis­co exis­tem di­fe­ren­tes fra­ses: du­as fa­zen­do re­fe­rên­cia às fun­da­ções que te­ve Buenos Aires, uma que re­me­te à de­sig­na­ção co­mo Ca­pi­tal Fe­de­ral e ou­tra que co­me­mo­ra o mo­men­to em que a ban­dei­ra foi iça­da pe­la pri­mei­ra vez.

Um dos mais im­por­tan­tes te­a­tros lí­ri­cos do mun­do, o Co­lón pos­sui uma es­tru­tu­ra mag­ní­fi­ca. Sua cú­pu­la tem 318 me­tros qua­dra­dos e sua lu­mi­ná­ria me­de 7 me­tros, com 700 lâm­pa­das. Ela foi de­co­ra­da e ide­a­li­za­da pe­lo pin­tor Raúl Sol­di. É pos­sí­vel fa­zer vi­si­tas gui­a­das e co­nhe­cer o hall prin­ci­pal, o sa­lão dou­ra­do, o backs­ta­ge e a al­fai­a­ta­ria, que con­ta mais de 80 tra­jes de épo­ca.

Lo­ca­li­za­do no bair­ro de Mon­ser­rat, o Pa­lá­cio Ba­ro­lo foi até 1935 o mais al­to edi­fí­cio da Amé­ri­ca do Sul. Além dis­so foi o pri­mei­ro pré­dio cons­truí­do em con­cre­to ar­ma­do, com um fa­rol gi­ra­tó­rio de 300 mil ve­las no to­po que trans­mi­tiu com su­as lu­zes, os re­sul­ta­dos da lu­ta pe­lo tí­tu­lo mun­di­al de box en­tre Luis An­gel Fir­po e Jack

Demp­sey. Foi a pri­mei­ra vez que um lu­ta­dor la­ti­no-ame­ri­ca­no de­sa­fi­ou o tí­tu­lo dos pe­sos pe­sa­dos, em 1923.

Cons­truí­do pe­lo ar­qui­te­to ita­li­a­no Ma­rio Pa­lan­ti pa­ra o em­pre­sá­rio Lui­gi Ba­ro­lo, am­bos ti­nham co­mo ideia cons­truir um mau­so­léu pa­ra abri­gar os res­tos mor­tais de Dan­te Alighi­e­ri de quem eram ad­mi­ra­do­res. O lu­gar pos­sui di­ver­sas re­fe­rên­ci­as ao es­cri­tor flo­ren­ti­no, em prin­ci­pal a Di­vi­na Co­mé­dia, em co­mo o lu­gar foi di­vi­di­do em três par­tes que cor­res­pon­dem ao in­fer­no, pur­ga­tó­rio e ao céu da obra.

Ain­da no bair­ro de Mon­ser­rat, o vi­si­tan­te vai en­con­trar a Pra­ça de Mayo, a mais an­ti­ga de Buenos Aires. O lo­cal foi ce­ná­rio de di­ver­sos mar­cos po­lí­ti­cos na his­tó­ria do país.

Ao re­dor da pra­ça es­tão di­ver­sos edi­fí­ci­os go­ver­na­men­tais e his­tó­ri­cos co­mo o: Ca­bil­do, a se­de da ad­mi­nis­tra­ção co­lo­ni­al, on­de ho­je fun­ci­o­na o Museu His­tó­ri­co Na­ci­o­nal; a Ca­te­dral Me­tro­po­li­ta­na, ma­triz da Igre­ja Ca­tó­li­ca na Argentina e museu de hon­ra ao Pa­pa Fran­cis­co; a Ca­sa Ro­sa­da, pa­lá­cio do Go­ver­no Na­ci­o­nal e re­si­dên­cia pre­si­den­ci­al, de on­de se po­de ter a me­lhor vis­ta pa­no­râ­mi­ca da pra­ça.

A Pra­ça de Mayo sem­pre foi o cen­tro po­lí­ti­co do país, des­de a sua co­lo­ni­za­ção, mas tam­bém era o prin­ci­pal pon­to de cor­ri­das de tou­ros.

Ou­tro pon­to de des­ta­que na ci­da­de é o Ce­mi­té­rio da Re­co­le­ta. Cons­truí­do em 1822, on­de ha­bi­ta­vam os an­ti­gos mon­ges re­co­le­tos, o lo­cal é um museu a céu aber­to e um dos points mais vi­si­ta­dos.

Tu­do is­so se de­ve à sua es­tru­tu­ra em es­ti­lo ne­o­clás­si­ca, obras de ar­te e mau­so­léus e abo­ba­das ri­cas em de­ta­lhes im­pres­si­o­nan­tes. São di­ver­sas es­tá­tu­as em for­ma­tos de an­jos, san­tos e sím­bo­los so­bre a mor­te. Além dis­so, os res­tos mor­tais de di­ver­sas per­so­na­li­da­des im­por­tan­tes pa­ra o país po­dem ser en­con­tra­dos ali, co­mo Eva Pé­ron, a atriz e lí­der po­lí­ti­ca Evi­ta, Hi­pó­li­to Yri­goyen, um dos pre­si­den­tes da Ar­ge­ti­na e Fe­de­ri­co Le­loir, mé­di­co e ci­en­tis­ta ga­nha­dor do Prê­mio No­bel de Quí­mi­ca. To­das as se­pul­tu­ras são pro­pri­e­da­de de seus fa­mi­li­a­res que pa­gam uma ta­xa men­sal pa­ra a pre­ser­va­ção. O me­tro mais ca­ro da ci­da­de es­tá den­tro do ce­mi­té­rio e cer­ca de 90 cú­pu­las fo­ram con­si­de­ra­das par­te do Pa­trimô­nio His­tó­ri­co da Argentina. As vi­si­tas são gra­tui­tas e o ce­mi­té­rio abre di­a­ri­a­men­te, das 8h às 18h.

Re­co­le­ta tam­bém é co­nhe­ci­do por ser um bair­ro on­de o de­sign de lu­xo é ex­ce­lên­cia. Ca­sas de ar­tes e bou­ti­ques gla­mo­ro­sas se­rão en­con­tra­das na zo­na mais ele­gan­te da ci­da­de.

O bair­ro de La Bo­ca é um dos mais em­ble­má­ti­cos e eu­fó­ri­cos de Buenos Aires. Ali es­tão du­as atra­ções im-

per­dí­veis: El Ca­mi­ni­to e La Bom­bo­ne­ra. A rua-museu Ca­mi­ni­to é o lu­gar ide­al pa­ra quem quer fa­zer com­pras e pe­chin­char, mas tam­bém é o point pa­ra bo­as fo­tos, já que os an­ti­gos cor­ti­ços com pa­re­des de zin­co são bem co­lo­ri­dos. Al­guns dan­ça­ri­nos de tan­go fi­cam pe­la re­gião fa­zen­do po­ses tí­pi­cas e ti­ran­do fo­tos com os tu­ris­tas.

Exis­te tam­bém uma fei­ra de “Ar­tis­tas Plás­ti­cos de Ca­mi­ni­to“, com um cen­tro to­tal­men­te de­di­ca­do a ar­tis­tas na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais. Pe­las ru­e­las tam­bém é pos­sí­vel en­con­trar di­ver­sos ba­za­res de ar­te­sa­na­tos, os pro­du­tos em gran­de mai­o­ria são fei­tos de cou­ro, ma­dei­ra, te­ci­dos, vi­tro­fu­são e fi­le­te­a­do por­te­nho, um es­ti­lo ar­tís­ti­co tí­pi­co de pin­tu­ra e de­se­nho de Buenos Aires.

Per­ti­nho da­li es­tá o es­tá­dio de fu­te­bol Bo­ca Ju­ni­ors, La Bom­bo­ne­ra. A cons­tru­ção foi ide­a­li­za­da pe­lo ar­qui­te­to es­lo­ve­no-ar­gen­ti­no Vik­tor Sul­cic, e inau­gu­ra­do em 1940. A ca­pa­ci­da­de é de 49 mil te­les­pec­ta­do­res, e o cam­po tem as me­di­das mí­ni­mas per­mi­ti­das pe­la FIFA.

Há tam­bém o Museu da Pai­xão Bo­quen­se den­tro es­tá­dio, on­de es­tá reu­ni­da to­da a his­tó­ria do clu­be, fo­tos, tro­féus, ca­mi­sas e ou­tros ob­je­tos. O tu­ris­ta po­de es­co­lher fa­zer um tour pe­lo lo­cal e vi­si­tar os ves­tiá­ri­os, as ar­qui­ban­ca­das, es­tan­des e áre­as re­ser­va­das.

Se­ja pe­lo tan­go e pe­las “tan­gue­ri­as” es­pa­lha­das pe­lo cen­tro, pe­la de­li­ci­o­sa co­zi­nha por­te­nha, por seus 287 te­a­tros e 160 mu­seus, re­ser­vas eco­ló­gi­cas, pe­la pai­xão ao fu­te­bol ou pe­la mis­tu­ra de in­fluên­ci­as de imi­gran­tes, Bu­e­no Aires é um des­ti­no que de­pois de uma vi­si­ta, sem­pre te­mos vontade de vol­tar.

CÓRDOBA: a pre­ser­va­ção do le­ga­do je­suí­ta

Ape­sar

de ser a se­gun­da mai­or ci­da­de e mais im­por­tan­te cul­tu­ral­men­te da Argentina, Córdoba, é bem mais dis­cre­ta em re­la­ção a Buenos Aires e Bariloche quan­do se fa­la em tu­ris­mo.

Lo­ca­li­za­da na área cen­tral do país, tem co­mo uma das prin­ci­pais ca­rac­te­rís­ti­cas a jun­ção en­tre o cen­tro ve­lho e a par­te no­va e mo­der­na, que faz do des­ti­no uma me­tró­po­le com ca­ri­nha de ci­da­de do in­te­ri­or.

Ri­ca em his­tó­ria foi fun­da­da em 1573 por co­lo­ni­za­do­res es­pa­nhóis – por is­so o mes­mo no­me da ci­da­de es­pa­nho­la –, o mai­or do­mí­nio foi dos je­suí­tas, que de­sem­bar­ca­ram em 1599, fi­ze­ram mo­ra­da e fo­ram ex­pul­sos qua­se dois sé­cu­los de­pois. To­do o pa­trimô­nio dei­xa­do por eles, ho­je é atra­ção tu­rís­ti­ca mui­to vi­si­ta­da, prin­ci­pal­men­te por ter si­do tom­ba­do pe­la Unes­co, co­mo par­te do Pa­trimô­nio Cul­tu­ral da Hu­ma­ni­da­de.

O Qu­ar­tei­rão Je­suí­ta e as Es­tân­ci­as de Córdoba co­mo po­pu­lar­men­te são cha­ma­das a Man­za­na Je­suí­ti­ca, fi­ca no cen­tro da ci­da­de e de­ve en­trar na sua lis­ta de “must see”. To­da es­sa área é de­di­ca­da a me­mó­ria dos je­suí­tas que per­ma­ne­ce­ram no lo­cal du­ran­te sé­cu­los, e in­clui di­ver­sos con­jun­tos his­tó­ri­cos ar­qui­tetô­ni­cos.

Ou­tro des­ta­que é a Uni­ver­si­da­de Na­ci­o­nal de Córdoba, ini­ci­al­men­te on­de os alu­nos da or­dem re­li­gi­o­sa re­ce­bi­am au­las de fi­lo­so­fia e te­o­lo­gia. O lo­cal se cha­ma­va Co­lé­gio Má­xi­mo. De­pois da ex­pul­são dos je­suí­tas, a gra­de de es­tu­dos ju­rí­di­cos foi in­cor­po­ra­da e en­tão nas­ceu a Fa­cul­da­de de Di­rei­to e Ci­ên­ci­as So­ci­ais, com o pas­sar dos anos ou­tras dis­ci­pli­nas fo­ram adi­ci­o­na­das e a fa­cul­da­de se tor­nou uma uni­ver­si­da­de, a pri­mei­ra da Argentina, que ho­je é re­fe­rên­cia mun­di­al.

O Co­lé­gio Na­ci­o­nal de Mon­ser­rat as­sim co­mo to­dos os edi­fí­ci­os que fi­cam na Man­za­na Je­suí­ti­ca, foi cons­truí­do pe­los je­suí­tas que es­ta­vam em mis­são pe­las Amé­ri­cas. De 1687 a 1767, a ins­ti­tui­ção que en­glo­ba­va o co­lé­gio e a uni­ver­si­da­de, eram mui­to pres­ti­gi­a­dos e al­can­ça­ram mui­to re­no­me, is­so até a ex­pul­são da Com­pa­nhia de Je­sus. De­pois dis­so, quem as­su­miu o con­tro­le fo­ram os fran­cis­ca­nos. Só em 1907 que de­fi­ni­ti­va­men­te foi ane­xa­do à Uni­ver­si­da­de Na­ci­o­nal de Córdoba. Nos anos 2000, de­pois que a Unes­co de­cla­rou to­da a Man­za­na co­mo par­te do Pa­trimô­nio Cul­tu- ral da Hu­ma­ni­da­de, que o museu em ho­me­na­gem à his­tó­ria de Mon­ser­rat foi inau­gu­ra­do. A en­tra­da cus­ta $30 (trin­ta pe­sos por pes­soa) e abre de ter­ça a sex­ta das 15h à 16h. Sá­ba­do en­tre 10h e11h e nas quar­tas­fei­ras a en­tra­da é li­vre.

A Igre­ja da Com­pa­nhia de Je­sus que tam­bém faz par­te das atra­ções his­tó­ri­cas, é a igre­ja mais an­ti­ga da Argentina e tam­bém a mais im­por­tan­te em va­lor cul­tu­ral. A do­a­ção das ter­ras foi fei­ta pe­lo ne­to do fun­da­dor da ci­da­de, Dom Ma­nu­el Ca­bre­ra, pa­ra pa­gar uma pro­mes­sa que fez em uma vi­a­gem à Ro­ma.

O des­ta­que vai pa­ra a cons­tru­ção em es­ti­lo co­lo­ni­al, es­pe­ci­al­men­te por cha­mar bas­tan­te aten­ção em meio a área ur­ba­na. Ho­je a igre­ja se en­con­tra mui­to bem pre­ser­va­da e per­ma­ne­ce em uso pa­ra ce­le­bra­ções e atos li­túr­gi­cos. As mis­sas re­a­li­za­das por lá acon­te­cem de se­gun­da à do­min­go em ho­rá­ri­os al­ter­na­dos.

A Ro­ta do Vi­nho e os Sa­bo­res de Córdoba são ou­tras atra­ções pa­ra com­ple­men­tar o seu pas­seio.

Ain­da no pon­to cen­tral da ci­da­de, exis­tem ou­tras igre­jas pa­ra co­nhe­cer, co­mo a be­lís­si­ma Ca­te­dral de Córdoba, o Cen­tro Cul­tu­ral Ca­bil­do e o Museu da Me­mó­ria, de­di­ca­do pa­ra os tor­tu­ra­dos e mor­tos du­ran­te a di­ta­du­ra mi­li­tar. Lá exis­tem ex­po­si­ções que con­tam a his­tó­ria do país nes­sa épo­ca, além de es­tar ins­ta­la­do em um dos an­ti­gos cen­tros de de­ten­ção. To­dos fi­cam

na Pla­za Ge­ne­ral San Mar­tín, fa­mo­sa por ser point de dan­ça­ri­nos de tan­go que se apre­sen­tam aos sá­ba­dos à noi­te. O Pa­seo del Bu­en Pas­tor fi­ca bem pró­xi­mo da­li, e é um pré­dio his­tó­ri­co que foi re­for­ma­do pa­ra se tor­nar uma enor­me ga­le­ria, com res­tau­ran­tes e um cen­tro cul­tu­ral. Mui­tos es­tu­dan­tes cos­tu­mam fi­car ao re­dor, nos jar­dins, des­can­san­do e apro­vei­tan­do o tem­po.

Ou­tra op­ção de pas­seio é ex­plo­rar o Ca­mi­nho Re­al, ao nor­te da pro­vín­cia, que pro­por­ci­o­na um iti­ne­rá­rio cul­tu­ral de 176 quilô­me­tros par­tin­do de Co­lo­nia Ca­roya até os li­mi­tes de San­ti­a­go del Es­te­ro, on­de o vi­si­tan­te po­de­rá ver di­ver­sas pai­sa­gens, pa­trimô­ni­os edi­fi­ca­dos, tra­di­ções lo­cais e di­fe­ren­tes mo­dos de vi­da.

Ri­ca em be­lís­si­mas pai­sa­gens, Córdoba, ofe­re­ce um di­ver­si­fi­ca­do tu­ris­mo de aven­tu­ra, que con­ta com ati­vi­da­des de birdwat­ching e pes­ca des­por­ti­va.

Vi­nho: a prin­ci­pal es­tre­la de MENDOZA

Lo­ca­li­za­da

ao les­te dos An­des, Mendoza é a ca­pi­tal da pro­vín­cia que le­va o mes­mo no­me, e tam­bém do Vi­nho da Argentina. É mui­to co­mum pa­ra quem vi­si­ta Córdoba dar uma pas­sa­di­nha em Mendoza e vi­ce-ver­sa, por con­ta da pro­xi­mi­da­de das du­as ci­da­des.

A his­tó­ria de­la co­me­ça bem an­tes da che­ga­da do co­lo­ni­za­do­res es­pa­nhóis, os hu­ar­pes, o po­vo in­dí­ge­na já ha­bi­ta­vam es­sa re­gião, que era cha­ma­da de Cuyo. Eles fa­zi­am fron­tei­ra com o sul de Tahu­an­tin­suyo, es­ta­do do Im­pé­rio In­ca, e su­põe-se que o po­vo an­di­no che­gou até a atu­al Mendoza, por vol­ta de 1481, já que o sis­te­ma de água dos hu­ar­pes é bem pa­re­ci­do com o dos in­cas.

Em 1581, a ci­da­de foi do­mi­na­da pe­los es­pa­nhóis que vi­nham do Chile, e trans­for­ma­ram to­tal­men­te a re­gião. No en­tan­to, is­so tu­do aca­bou no ano de 1861, quan­do um ter­re­mo­to a des­truiu. Após a re­cons­tru­ção de Mendoza, ela se tor­nou um oá­sis no meio do de­ser­to: cheia de ár­vo­res, ru­as bem lar­gas, pré­di­os bai­xos e pron­ta pa­ra se pro­te­ger de pos­sí­veis ter­re­mo­tos.

Sua his­tó­ria com o vi­nho co­me­ça mais ou me­nos na mes­ma épo­ca em que os es­pa­nhóis co­me­ça­ram a fa­zer os as­sen­ta­men­tos de ter­ra. Fo­ram os je­suí­tas que trou­xe­ram uvas do Chile pa­ra a re­gião.

Atu­al­men­te Mendoza é res­pon­sá­vel por 70% da pro­du­ção vi­ní­co­la da Argentina, e jun­to com ou­tras ci­da­des – co­mo Bor­de­aux, Flo­ren­ça e Mel­bour­ne – é uma das gran­des pro­du­to­ras mun­di­ais de vi­nho. Tan­to que le­va a fa­ma de pro­du­zir o me­lhor Mal­bec do mun­do. São mais de mil bo­de­gas – co­mo são cha­ma­das as vi­ní­co­las em cas­te­lha­no – en­tre me­ga pro­du­to­ras e pe­que­nas que são ge­ral­men­te ad­mi­nis­tra­das por pe­que­nas fa­mí­li­as da re­gião.

Jun­ta­men­te com Córdoba e mais seis pro­vín­ci­as, Mendoza es­tá in­clu­sa no fa­mo­so Ca­mi­nos del Vi­no que se di­vi­de em qua­tro ro­tas, são elas: a Zo­na Nor­te, on­de a mai­or par­te das vi­ní­co­las aber­tas ao pú­bli­co se con­cen­tram, e pro­du­zem em sua mai­o­ria vi­nhos ro­sé, tin­to e bran­co de al­ta qua­li­da­de; a Zo­na Les­te, que é a prin­ci­pal área pro­du­ti­va e bem ru­ral, que con­tras­ta

com a be­lís­si­ma cor­di­lhei­ra de fun­do; a Zo­na Sul fi­ca no so­pé da cor­di­lhei­ra prin­ci­pal, on­de o tu­ris­mo de aven­tu­ra, co­mo o es­qui, é bem ex­plo­ra­do já que tem for­te con­ta­to com a na­tu­re­za.

E por úl­ti­mo, o Va­le do Uco: lo­ca­li­za­da no so­pé da Cor­di­lhei­ra dos An­des, lo­ca­li­za­da na área cen­tro-oes­te de Mendoza, pos­sui três de­par­ta­men­tos, o de Tu­nuyán, Tu­pun­ga­to e San Car­los. A área é bem fér­til, qua­se não cho­ve e as ge­a­das são fre­quen­tes e pra­ti­ca­men­te diá­ri­as en­tre os me­ses de ju­nho a agos­to. Es­sa re­gião é co­nhe­ci­da por pro­du­zir vi­nhos de al­ta qua­li­da­de, prin­ci­pal­men­te Char­don­nay, Mal­bec, Mer­lot e Pi­not Noir.

E ao con­trá­rio do que di­zem por aí, vo­cê não pre­ci­sa ser um ex­pert em vi­nhos pa­ra co­nhe­cer o Ca­mi­nos del Vi­no, os tours são exa­ta­men­te fei­tos pa­ra is­so: co­nhe­cer e en­ten­der. Os enó­lo­gos irão ex­pli­car to­do o pro­ces­so de plan­tio, co­lhei­ta e pro­du­ção, e al­guns até ar­ris­cam um pou­qui­nho de por­tu­nhol pa­ra que o vi­si­tan­te en­ten­da me­lhor.

Além da Ro­ta do Vi­nho, Mendoza ofe­re­ce ou­tros atra­ti­vos. Uma pa­ra­da obri­ga­tó­rio é a Pla­za da In­de­pen­den­cia, co­nhe­ci­da tam­bém co­mo Par­que Pla­za da In­de-

pen­den­cia, de­vi­do ao seu ta­ma­nho. São 200 me­tros de lar­gu­ra de ca­da la­do – o que equi­va­le a mais ou me­nos qua­tro quar­tei­rões – que fo­ram cons­truí­dos de­pois do ter­re­mo­to de 1861, pa­ra mar­car o no­vo cen­tro da ci­da­de que ti­nha si­do des­truí­do. A mar­ca re­gis­tra­da é a enor­me fon­te de água que dá um show com su­as águas que dan­çam. No lo­cal ocor­re di­ver­sas apre­sen­ta­ções ar­tís­ti­cas e tem uma fei­ri­nha artesanal.

Ou­tras qua­tro pra­ças fa­zem par­te do con­jun­to cen­tral, a Pla­za Ita­lia, Pla­za Chile, Pla­za Es­paña e Pla­za San Mar­tín, ca­da uma com seu pró­prio es­ti­lo e 100 me­tros qua­dra­dos lo­ca­li­za­dos a di­a­go­nal da Pla­za In­de­pen­den­cia.

Na­da me­lhor do que co­nhe­cer uma ci­da­de e po­der ter uma vi­são pa­no­râ­mi­ca do lu­gar, cer­to? No pré­dio cen­tral do mu­ni­cí­pio é pos­sí­vel vi­si­tar o Mi­ran­te Ter­ra­ce Gar­den, on­de um guia apre­sen­ta os qua­tro pon­tos car­de­ais do lo­cal, e mos­tra os jar­dins de flo­ra na­ti­va, es­cul­tu­ras e a Ga­le­ria das Rai­nhas da Co­lhei­ta.

BARILOCHE, es­por­tes na ne­ve e mui­to cho­co­la­te

Lo­ca­li­za­do

na Pa­tagô­nia argentina, San Car­los de Bariloche fi­ca no meio de bos­ques an­ti­gos, mon­ta­nhas co­ber­tas de ne­ve e la­gos cris­ta­li­nos, um ver­da­dei­ro ce­ná­rio de fil­me.

Per­ti­nho da Cor­di­lhei­ra dos An­des, a ci­da­de se si­tua den­tro do Par­que Na­ci­o­nal Nahu­el Hu­a­pi, e foi con­si­de­ra­da a ca­pi­tal na­ci­o­nal do tu­ris­mo de aven­tu­ra e do cho­co­la­te.

Ani­ma­da tan­to de dia quan­to de noi­te, Bariloche tem tu­do pa­ra ofe­re­cer. A co­me­çar pe­lo o que há de me­lhor: tu­ris­mo de aven­tu­ra. O mais di­fí­cil é es­co­lher o que fa­zer pri­mei­ro, já que as pos­si­bi­li­da­des são va­ri­a­das e pa­ra to­dos os gos­tos.

Uma das prin­ci­pais ati­vi­da­des fei­tas no lo­cal é o mer­gu­lho, on­de o vi­si­tan­te po­de ex­plo­rar e co­nhe­cer de per­ti­nho a vi­da ma­ri­nha ocul­ta nas pro­fun­de­zas da Pa­tagô­nia. São vá­ri­os points de mer­gu­lho com ní­veis di­fe­ren­tes de di­fi­cul­da­de, sen­do o mais pro­fun­do no La­go Mo­re­no, a úni­ca re­gião on­de se po­de pes­car o ano in­tei­ro (com li­cen­ça). Pa­ra mer­gu­lha­do­res pro­fis­si­o­nais, é pos­sí­vel che­gar até 37 me­tros de pro­fun­di­da­de. A me­lhor épo­ca pa­ra mer­gu­lhar é de no­vem­bro a abril, quan­do a tem­pe­ra­tu­ra da água fi­ca en­tor­no de 8º a 12º.

Além de mer­gu­lho, stand up pad­dle, ki­te­surf, cai­a­da, raf­ting, stand up raf­ting e pes­ca es­por­ti­va são al­gu­mas das ati­vi­da­des dis­po­ni­veis pa­ra pra­ti­car nos la­gos de Bariloche.

Pa­ra quem não cur­te águas mui­to ge­la­di­nhas e qui­ser fa­zer al­go mais “quen­te”, as op­ções tam­bém são va­ri­a­das, co­mo ca­val­ga­das – al­gu­mas fa­zen­do ca­mi­nho até o Chile –, ar­vo­ris­mo num ca­mi­nho to­tal de 1.500 me­tros den­tro dos bos­ques, trek­king e moun­tain bi­ke pe­las inú­me­ras tri­lhas de Bariloche, ca­ni­o­nis­mo den­tro do co­ra­ção das mon­ta­nhas, e cla­ro, es­ca­la­das pe­los mon­tes. O vi­si­tan­te po­de es­co­lher um mon­te es­pe­cí­fi­co e con­tra­tar o ser­vi­ço de guia e acom­pa­nha­men­to. Va­le lem­brar que de­vi­do as con­di­ções cli­má­ti­cas do lo­cal, sem­pre con­vém re­ser­var um dia ex­tra ca­so o tem-

po não es­te­ja ade­qua­do pa­ra a prá­ti­ca do exer­cí­cio.

E co­mo fa­lar de Bariloche sem ci­tar a ne­ve e o es­qui? De ju­nho a ou­tu­bro, é quan­do a tem­po­ra­da co­me­ça e se tor­na uma das mai­o­res atra­ções tu­rís­ti­cas do país. Des­de es­qui, snow­bo­ard, es­qui nór­di­co, he­li-es­qui, pas­sei­os em tre­nó a snow­mo­bi­le, os tu­ris­tas po­dem pra­ti­car tu­do is­so e mui­to mais, co­mo pas­sei­os 4x4, mo­tos de ne­ve e qua­dri­ci­clo.

Pa­ra os mais ex­pe­ri­en­tes, al­gu­mas pis­tas po­de che­gar até a 2.100 me­tros de al­ti­tu­de a ci­ma do ní­vel do mar. Quem nun­ca pra­ti­cou o es­por­te, po­de apren­der em um das di­ver­sas es­co­las que se en­con­tram pe­la re­gião, po­den­do tam­bém alu­gar os equi­pa­men­tos.

Pa­ra co­nhe­cer a ci­da­de, Bariloche tam­bém pos­sui di­ver­sos pas­sei­os. A Colô­nia Su­zia, por exem­plo, é lo­cal do ar­te­sa­na­to e do cu­ran­to, co­mi­da ori­gi­na­ri­a­men­te arau­ca­na que foi in­tro­du­zi­da pe­lo Chile por Emi­lio Goye, um dos pri­mei­ros ha­bi­tan­tes da colô­nia. To­do o pre­pa­ro é bem ri­tu­a­lís­ti­co e é pos­sí­vel acom­pa­nhar a pre­pa­ra­ção do ali­men­to aos do­min­gos an­tes do meio dia. A fei­ra de ar­te­sa­na­to que acon­te­ce às quar­tas e do­min­gos tem vá­ri­as bar­ra­cas e de­gus­ta­ção de pro­du­tos lo­cais.

Ou­tro atra­ção im­per­dí­vel é o Cen­tro Cí­vi­co de Bariloche, que foi inau­gu­ra­do em 1940. To­da a ar­qui­te­tu­ra é in­flu­en­ci­a­da pe­lo es­ti­lo das re­giões mon­ta­nho­sas da Eu­ro­pa e Es­ta­dos Uni­dos. A pra­ça cen­tral é on­de ocor­re to­dos os even­tos mais im­por­tan­tes da ci­da­de, não dei­xe de co­nhe­cer a Igre­ja Ca­te­dral tam­bém.

Na­da me­lhor do que vi­si­tar um lu­gar di­fe­ren­te e pro­var o me­lhor da gas­tro­no­mia lo­cal, cer­to? Em San Car­los de Bariloche, é pos­sí­vel en­con­trar a com­bi­na­ção ide­al de sa­bo­res exó­ti­cos e ra­ros da Pa­tagô­nia. Não dei­xe de ex­pe­ri­men­tar pra­tos de cor­dei­ro, tru­ta e de­fu­ma­dos, que são al­gu­mas das es­pe­ci­a­li­da­des da re­gião.

Ou­tro des­ta­que são as ca­sas de chá, em prin­ci­pal, a Ave­ni­da Bus­til­lo on­de se con­cen­tram di­ver­sos res­tau­ran­te que ofe­re­cem a ce­rimô­nia des­sa in­fu­são, acom­pa­nha­da de de­li­ci­o­sos do­ces, pães ca­sei­ros e bo­los.

E não po­de­ria fal­tar o fa­mo­so cho­co­la­te. Tan­ta no­to­ri­e­da­de e po­pu­la­ri­da­de trans­for­mou Bariloche, na ca­pi­tal na­ci­o­nal do cho­co­la­te, on­de os vi­si­tan­tes po­dem fa­zer uma ro­ta e per­cor­rer as cho­co­la­te­ri­as, ten­do a opor­tu­ni­da­de de ver bem de per­to co­mo o pro­du­to é fei­to.

O Obe­lis­co, sím­bo­lo da ci­da­de de Buenos Aires

À es­quer­da, além de ser a se­de do Po­der Exe­cu­ti­vo, a Ca­sa Ro­sa­da tam­bém faz par­te do Pa­trimô­nio His­tó­ri­co Na­ci­o­nal. À di­rei­ta o El Ca­mi­ni­to, a rua-museu que vi­rou point tu­rís­ti­co por pos­suir gran­de va­lor his­tó­ri­co e cul­tu­ral. E abai­xo o bair­ro da Re­co­le­ta é um dos mais no­bres de Buenos Aires, os imo­véis es­tão en­tre os mais va­lo­ri­za­dos da ci­da­de e o ce­mi­té­rio lo­cal abri­ga di­ver­sas per­so­na­li­da­des im­por­tan­tes

Aci­ma à es­quer­da, La Man­za­na Je­sui­ti­ca, qua­dra que com­por­ta di­ver­sos edi­fí­ci­os his­tó­ri­cos cons­truí­dos pe­los je­suí­tas, abai­xo a a Igre­ja Com­pa­nhia de Je­sus é a mais an­ti­ga da Argentina. Aci­ma à di­rei­ta a Ca­te­dral de Córdoba, jóia da ar­qui­te­tu­ra ára­be no Oci­den­te.

Aci­ma a Pra­ça de San Mar­tin é um dos pon­tos tu­rís­ti­cos mais im­por­tan­tes da ci­da­de e on­de os dan­ça­ri­nos de tan­go se reú­nem pa­ra fa­zer apre­sen­ta­ções ao ar li­vre, ao la­do a Igle­sia del Sa­gra­do Co­ra­zón tem uma edi­fi­ca­ção que re­pre­sen­ta uma me­tá­fo­ra em re­fe­rên­cia a exis­tên­cia do ho­mem e de Deus

Sa­la de de­gus­ta­ção de vi­nhos em uma vi­ní­co­la de Mendoza

À es­quer­da a Pra­ça Itá­lia, par­te do con­jun­to de pra­ças de Mendoza, abai­xo o Pa­seo Sar­mi­en­to é um con­jun­to de três qua­dras que li­ga até o Par­que Pra­ça da In­de­pen­dên­cia. Aci­ma ape­sar de ser uma pra­ça, a Pla­za da In­de­pen­den­cia co­me­çou a ser cha­ma­da tam­bém de par­que de­vi­do a sua lar­gu­ra equi­va­le a qua­tro quar­tei­rões, e ao la­do o Cer­ro de La Glo­ria, o mo­nu­men­to que ho­me­na­geia os 100 anos de tra­ves­sia da Cor­di­lhei­ra dos An­des

À di­rei­ta Bariloche em tem­po­ra­da de ne­ve, abai­xo cho­co­la­te é uma das es­pe­ci­a­li­da­des lo­cais. Aci­ma o cen­tro cí­vi­co reú­ne di­ver­sas cons­tru­ções co­lo­ni­ais, e ao um dos es­por­tes mais pra­ti­ca­dos em Bariloche é o ski

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.