EL CALAFATE, a Pa­tagô­nia co­mo ce­ná­rio

Qual Viagem - - ARGENTINA -

Lo­ca­li­za­da­na Pa­tagô­nia argentina, El Calafate é a ca­pi­tal na­ci­o­nal dos gla­ci­a­res, que fi­ca si­tu­a­da às mar­gens do La­go Ar­gen­ti­no. Pa­ra quem cur­te lu­ga­res um pou­co mais fo­ra do co­mum, a ci­da­de é o des­ti­no ide­al pa­ra fa­zer pro­gra­mas mais inu­si­ta­dos.

O no­me El Calafate pro­vém de uma plan­ta re­gi­o­nal, um ar­bus­to cha­ma­do Ber­be­ris mi­crophyl­la, co­nhe­ci­do tam­bém co­mo calafate da pa­tagô­nia. O lo­cal, as­sim co­mo Bariloche, é pa­ra aque­les que cur­tem um frio de ge­lar os os­si­nhos – mas fi­que tran­qui­lo, é só se aga­sa­lhar bem! – já que as mé­di­as os­ci­lam en­tre 7° e 13°, sen­do que as ne­ga­ti­vas po­dem che­gar a – 10°.

O meio mais fá­cil de che­gar até El Calafate é de avião, já que as es­tra­das nes­sa re­gião são um pou­co mais di­fí­ceis. Sain­do de Buenos Aires são mais de 2 mil quilô­me­tros de dis­tân­cia, no en­tan­to, há vo­os di­re­tos que sa­em di­a­ri­a­men­te, além dis­so, há vo­os di­re­tos do Bra­sil pa­ra El Calafate. Do ae­ro­por­to até o cen­tro da ci­da­de são cer­ca de 20 quilô­me­tros de dis­tân­cia.

É a ci­da­de mais pró­xi­ma do Par­que Na­ci­o­nal los Gla­ci­a­res, ao su­do­es­te da pro­vín­cia de San­ta Cruz. A re­ser­va foi cri­a­da com o in­tui­to de pre­ser­var uma área de ge­lo con­ti­nen­tal e ge­lei­ras, a flo­res­ta An­di­no-pa­tagô­ni­co Sul e amos­tras da es­te­pe pa­tagô­ni­ca.

A atra­ção mais pro­cu­ra­da é o gla­ci­ar de Pe­ri­to Mo­re­no. O gi­gan­te de ge­lo en­can­ta não so­men­te pe­lo ta­ma­nho sur­pre­en­den­te, mas tam­bém por de­sa­fi­ar to­tal­men­te o aque­ci­men­to glo­bal. Di­fe­ren­te de ou­tros gla­ci­a­res que in­fe­liz­men­te es­tão des­ge­lan­do e de­sa­pa­re­cen­do aos pou­cos, Pe­ri­to Mo­re­no cres­ce ca­da vez

mais, o que faz de­la uma das pou­cas ge­lei­ras es­tá­veis no mun­do. Di­a­ri­a­men­te na par­te cen­tral, o ge­lo cres­ce cer­ca de 2 me­tros, já nas par­tes que es­tão nas mon­ta­nhas, mais ou me­nos 2 cen­tí­me­tros. Ape­sar do con­ti­nuo cres­ci­men­to, Pe­ri­to Mo­re­no pos­sui o mes­mo ta­ma­nho, 60 me­tros de al­tu­ra e 5 quilô­me­tros de ex­ten­são, is­so acon­te­ce de­vi­do aos enor­mes pe­da­ços de blo­cos da ge­lei­ra se des­pren­dem a ca­em.

O ge­lo de des­pren­de em fun­ção do mo­vi­men­to e da pres­são das águas, e é um fenô­me­no na­tu­ral que man­tem o equi­lí­brio das su­as di­men­sões. Es­se even­to ocor­re mais ou me­nos a ca­da dois ou qua­tro anos, e o ul­ti­mo rom­pi­men­to acon­te­ceu em mar­ço des­te ano. In­fe­liz­men­te no mo­men­to não ti­nha ne­nhu­ma tes­te­mu­nha pa­ra pre­sen­ci­ar, já que foi du­ran­te um tem­po­ral à meia-noi­te, quan­do o par­que já es­ta­va fe­cha­do.

Exis­tem vá­ri­as ati­vi­da­des pa­ra fa­zer en­tor­no de Pe­ri­to Mo­re­no e três for­mas de co­nhe­cê-lo de ân­gu­los

di­fe­ren­tes. A pri­mei­ra é no mi­ran­te, on­de as pes­so­as se jun­tam nas pas­sa­re­las e fi­cam no aguar­do pa­ra ver al­gum blo­co cain­do.

Ou­tra al­ter­na­ti­va é o pas­seio de bar­co, on­de o vi­si­tan­te po­de fi­car bem per­ti­nho da ge­lei­ra e vê-la de ci­ma pa­ra bai­xo. Quem sa­be vo­cê não po­de ver um blo­co de ge­lo cain­do bem de per­ti­nho?

E pa­ra aque­les que qui­se­rem e ti­ve­rem boa dis­po­si­ção fí­si­ca, exis­te a ca­mi­nha­da sob o gla­ci­ar. São du­as op­ções de pas­seio: o Mi­ni Trek­king, on­de os vi­si­tan­tes po­dem fa­zer uma ca­mi­nha­da pe­la ge­lei­ra por 1h30, e o Big Ice, que tem um tem­po mai­or de du­ra­ção no ge­lo, e ao fi­nal o tu­ris­ta po­de to­mar um co­po de whisky do ge­lo do gla­ci­ar.

Além de Pe­ri­to Mo­re­no, os gla­ci­a­res de Up­sa­la e Spe­gaz­zi­ni va­lem mui­to a vi­si­ta. Ou­tro pon­to mui­to vi­si­ta­do é a Es­tân­cia Cris­ti­na, que be­le­za tão in­crí­vel quan­to Pe­ri­to Mo­re­no.

O vi­si­tan­te po­de fa­zer um tour pe­las fa­zen­das da Pa­tagô­nia e co­nhe­cer os tra­di­ci­o­nais gaú­chos ar­gen­ti­nos, e ou­tras ati­vi­da­des ao lon­go do ca­mi­nho. Por exem­plo, é pos­sí­vel co­me­çar o iti­ne­rá­rio por Por­to Pun­ta Ban­de­ra e em­bar­car no bar­co pe­lo La­go Ar­gen­ti­no pa­ra co­nhe­cer os gla­ci­a­res de Up­sa­la e Cris­ti­na.

Na Es­tân­cia Cris­ti­na exis­tem três op­ções de tour: o re­gu­lar, o com trilha e o 4x4. O re­gu­lar é um pas­seio gui­a­do a pé pe­la pro­pri­e­da­de até o rio Ca­te­ri­na, fa­mo­so por ser lo­cal de pes­ca de tru­tas tí­pi­cas da Pa­tagô­nia. In­clui tam­bém uma vi­si­ta ao Museu His­tó­ri­co Gaú­cho e a Ca­pe­la.

O tour com trilha tem di­fi­cul­da­de mo­de­ra­da, em uma vi­a­gem por cer­ca de 10 quilô­me­tros. A su­bi­da pe­la mon­ta­nha é fei­ta com car­ros 4x4, e quan­do che­gar no pi­co o vi­si­tan­te po­de ver o la­do les­te de Up­sa­la, os An­des e o La­go Gui­lher­mo. A des­ci­da é fei­ta a pé, até o Caña­dón de los Fo­si­les, um des­fi­la­dei­ro cheio de fós­seis ma­ri­nhos an­ti­gos.

E o ul­ti­mo tour aca­ba en­glo­ban­do um pou­co de tu­do. Vi­si­ta ao Museu Cos­tum­bris­ta, su­bi­da pe­la mon­ta­nha, tour gui­a­do pa­ra ex­plo­rar os ar­re­do­res das ge­lei­ras da Pa­tagô­nia, ter­mi­nan­do em Es­tân­cia Cris­ti­na, an­tes de vol­tar de bar­co pa­ra Por­to Pun­ta Ban­de­ra e a El Calafate.

Es­ses pas­sei­os acon­te­cem en­tre os me­ses de ou­tu­bro e maio, na épo­ca do in­ver­no. O pas­seio in­clui guia bi­lín­gue, pas­seio de bar­co, as ati­vi­da­des ao li­vre e os in­gres­sos do Par­que. É pos­sí­vel op­tar pe­lo al­mo­ço no lo­cal e pe­lo trans­la­do do seu ho­tel, pa­gan­do ta­xas ex­tras.

Ao la­do vis­ta pa­no­ra­mi­ca de El Calafate é a ca­pi­tal na­ci­o­nal dos gla­ci­a­res na Pa­tagô­nia argentina, à es­quer­da El Calafate ofe­re­ce um bom roteiro de com­pras, prin­ci­pal­men­te vol­ta­do pa­ra do­ces, vi­nhos e itens de per­fu­ma­ria, abai­xo à di­rei­ta Pe­ri­to Mo­re­no, o gla­ci­ar mais fa­mo­so da Ar­ge­ti­na.

À di­rei­ta, exis­tem di­ver­sos pas­sei­os pa­ra o co­nhe­cer de per­ti­nho Pe­ri­to Mo­re­no, o mais pro­cu­ra­do é o trek­king pe­la ge­lei­ra, e aci­ma o gla­ci­ar de Up­sa­la é uma das op­ções de vi­si­ta den­tro do Par­que Na­ci­o­nal dos Gla­ci­a­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.